sábado, 1 de dezembro de 2007

Bigos é coisa de polaco


Bigos é um traditional guisado típico polaco e lituano. Considerado por muitos como o prato nacional da Polônia. A base de repolho fresco e azedo, além de muita carne, a receita do Bigos varia de região para região seu modo de fazer e seus temperos. De acordo com alguns, a quantia de carne deveria igualar a quantia de repolhos. Para os polacos há que se colocar igual medida de repolho fresco e azedo, já que para estes, se for apenas com azedo então será apenas o chucrute alemão. Seja como for, o verdadeiro Bigos leva quase sempre tomate, cogumelos e louro.
As carnes podem ser de gado, porco, presunto, torresmo, linguiças e salames. O mais comum é que o Bigos seja servido com batatas e pão e acompanhado de vodka e vinho branco seco. Como parte da tradição, a iguaria é servida no segundo dia de Natal, ou seja, no dia 26 de dezembro. Segundo consta, o bigos teria sido introduzido, na Polônia, pelo príncipe Władysław Jagiełło (vuadissuaf iaguielo) da Lituânia, que se tornou rei da Polônia com o título de Władysław II, em 1385, ao casar-se com a rainha Jadwiga (canonizada pelo Papa João Paulo II, como Santa Edwirges). Jagiełło acabou dando nome a várias instituições na Polônia, a começar pela Universidade Iaguielônia de Cracóvia, criada por seu sogro Rei Kazimierz - o Grande. Mas os lingüístas polacos tergiversam e alguns afirmam que Bigos seria de origem alemã e não lituana, já que o prato é feito de repolho azedo, o qual os alemães parecem ter se assenhorado, quando afirmam que o chucrute é algo só alemão. Esquecem que o repolho não é privilégio dos saxões, mas também dos eslavos. E isto até os confins da Sibéria. Porém, outros lingüistas localizaram a palavra Bigos como sendo alemã e não de origem lituana. Embora nenhuma palavra possa ser identificada no moderno idioma alemão. O Dicionário de PWN de palavras estrangeiras especula que "Bigos" deriva do particípio passado do verbo alemão "begossen", ou seja "para mergulhar ", o que indicaria que o Bigos deve ser embebido em vinho. Metaforicamente, em idioma polaco, Bigos significa " confusão ", bagunças " ou " aborrecimentos grandes ". Também acreditam alguns, que a iguaria tenha sua origem na Ásia (cf. kimchi) e que teria sido apresentada, na Europa, pelas invasões tártaras.

RECEITA DE BIGOS
400 gr de repolho azedo
400 gr de repolho fresco
200 gr de carne de porco sem osso
200 gr de carne bovina ou de vitela
150 gr de lingüiça
100 gr de bacon defumado
30 gr de gordura (banha)
50 gr de toucinho
50 gr de cebola branca cortada miúda
20 gr de farinha de trigo
10 gr de cogumelos secos
50 gr de ameixa seca
300 gr de massa de tomate
sal, pimenta, açúcar
1/2 copo de vinho tinto seco.

Modo de fazer:
Cortar e por na panela o repolho azedo adicionando água fervida e cozinhar com a ameixa cortada sem caroço. Numa outra panela, por repolho fresco cortado em tiras com cogumelos secos (lavados) e também adicionar água fervida. Fritar a carne de porco em quadradinhos no óleo e cozinhar até amolecer, junto com o repolho azedo. Fritar toucinho, bacon cortado miudinho e misturar com o repolho. No óleo da fritura (do bacon e toucinho), fritar cebola e dourar a farinha de trigo. Depois de cozinhar mais de 2 horas, juntar tudo numa panela e por massa de tomate, sal, pimenta a gosto e um pouco de açúcar. Adicionar o vinho mexendo sempre. Ferver um pouco mais e deixar descansar na geladeira. Melhor preparar dois dias antes de servir.


Na Polônia é possível encontrar o Bigos já pronto. Basta esquentar em banho maria e servir. São muitas as marcas. Esta, em pote de vidro, é uma das mais tradicionais e consumidas.

Um comentário:

Sandra Reynaldo disse...

Nossa! Parece delicioso. Quando criança convivi algum tempo com a minha avó, que veio da Cracóvia. Não lembro, porém, dela ter feito Bigos. Mas parece delicioso. Uma vez que tenho sangue alemão e polonês, meu DNA inteiro irá se refestelar com esta iguaria. Obrigada por postar.