quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Juiz decreta detenção temporária da brasileira suspeita de matar o filho, na Polônia

Foto: Łukasz Antczak
"O juiz regional confirmou nosso pedido de prisão temporária da mulher. A prisão será cumprida na ala cirúrgica do Centro de Detenção da cidade de Bydgoszcz. A suspeito será transportada para lá quando os médicos de Przemyśl permitirem. Provavelmente acontecerá nos próximos dias. Tudo depende da saúde da mulher", disse Marta Pętkowska, porta-voz da Promotoria do Ministério Público Regional de Przemyśl.

O Centro de Deteção para Investigação de Bydgoszcz, está localizado a mais de mais de 630 km da casa da brasileira. Segundo as leis polacas, todo o suspeito é detido por um período inicial de 90 dias (três meses) para que a promotoria e a polícia possam investigar e apresentar ao juiz a acusação. O local Areszt Śledczy (Centro de Detenção) ainda não é a penitenciária (tal como conhecemos no Brasil), pois ali não ficam os já condenados, apenas os acusados sob investigação.

Se findo os três meses de detenção e a promotoria ainda não houver terminado as investigações e apresentado a acusação ao juiz é renovado o período de detenção para mais três meses.

Para o tipo de crime cometido, pelo qual está sob suspeita (em que pese a confissão), a pena é prisão perpétua a ser cumprida numa penitenciária do país.

A promotora e o juiz não informaram o porquê da detenção ser cumprida tão longe de Przemyśl.


Aspecto exterior do Centro de Detenção para Investigação
Andrea Cristina P., brasileira, enfrenta a punição da prisão perpétua. Durante a sessão desta terça-feira da promotoria realizada no próprio hospital, a mulher confessou o assassinato de seu filho, Wiktor, de 2 anos.

"A mulher deu suas explicações, mas, por causa das investigação, não revelamos seu conteúdo. A suspeita também apresentou uma moção para nomear um advogado durante o julgamento", acrescentou a promotora Pętkowska.

Andrea Cristina P. ouviu a acusação do assassinato de seu filho ainda, na segunda-feira. O drama ocorreu no último sábado em Śliwnica, perto de Przemyśl.

A mãe de 35 anos respondeu que desferiu no filho Wiktor oito golpes com uma faca no peito da criança e depois tentou se suicidar. Em seguida, incendiou o quarto onde estavam. A vida do menino não pôde ser salva. Wiktor sangrou até a morte e Andrea Cristina P. foi internada em estado grave. No momento, a vida da mulher não corre mais perigo de morte.

O Ministério Público não revelou por que a mulher matou seu filho. Sabe-se que seu marido, um polaco, não estava em casa no momento do incidente. Estava em exercícios das Forças de Defesa Territorial, nas quais ele é soldado.

O Ministério Público disse ainda que recentemente houve mal-entendidos na família. Andrea Cristina P. vive na Polônia, já há 5 anos. Ela trabalhava em uma conhecida empresa de Przemyśl que produz calçados de marca. Foi a pedido desta empresa que a mulher de 35 anos, mudou-se do Brasil para Przemyśl. Anteriormente, ela trabalhava na sede brasileira da empresa.

Fonte: rzeszow-news.pl
Tradução e redação: Ulisses Iarochinski (jornalista profissional MT-PR 1129)

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Brasileira suspeita de matar o filho na Polônia

Foto: Łukasz Solski
Uma brasileira de 35 anos de idade é suspeita de assassinar o próprio filho de dois anos de idade. A criança teve várias feridas no peito. Foram oito facadas desferidas.

Mãe e filho foram levados ao hospital, após o incêndio que consumiu parte da casa de ambos, na vila de Śliwnica, município de Krasiczyn, nos arredores da cidade de Przemyśl, região Podkarpacka, no Sudeste da Polônia.



A brasileira Andrea Cristina P. vivia com o marido e o filho numa vila pequena de beira de estrada, há 13 km da cidade de Przemyśl, que fica bem próximo da fronteira com a Ucrânia.

O fogo teria sido provocado pela mulher.
De acordo com a porta-voz do Ministério Público da cidade de Przemyśl, Marta Pętkowska, os ferimentos na criança demonstram que foram causados (com alta probabilidade) pela própria mãe do menino.

A brasileira, Andrea Cristina P. (a imprensa polaca não divulga o sobrenome de suspeitos) segundo vizinhos, vive há alguns anos na Polônia. A casa onde estava é de propriedade dos pais do marido.



Andrea Cristina se encontra no hospital. Sua condição foi descrita como bastante grave, mas estável. A mulher tem cortes e outros ferimentos, que teriam sido causados por ela mesma, numa tentativa de cometer suicídio.

A promotora do MP, Pętkowska acrescentou que a brasileira foi formalmente detida. A promotora aguardava, no domingo, consentimento dos médicos para ouvir a suspeita. Interrogatório que foi feito na tarde de segunda-feira. Outras testemunhas estão sendo interrogadas. A autópsia do corpo do menino estava prevista para ontem, segunda-feira.

Foto: Laskar Media
O incêndio na residência ocorreu na noite de sábado (17/Fev) ao redor das 18h40.
Como o porta-voz do Serviço do Corpo de Bombeiros Estatal da região Podkarpacka informou na segunda-feira, Brigadeiro Marcin Betleja, um bombeiro que morava no bairro foi o primeiro a atender o sinistro.

"Em dado momento, a luz se apagou na casa. O homem que colocava os azulejos no piso térreo da casa foi verificar o que estava acontecendo. Ele notou que fumaça estava vindo dos quartos na parte superior da casa. Lá estava a dona da casa e uma criança de dois anos de idade. A porta superior estava trancada. Então, o homem a forçou, derrubou e entrou", contou a promotora Marta Pętkowska.

 Os quartos já estavam muito esfumaçados, mas o homem conseguiu levar a criança para fora.

"Ele imediatamente entrou no prédio e tirou um menino inconsciente de dois anos de idade. Até a chegada da ambulância, o homem tentou a ressuscitação da criança. Os bombeiros chegaram no lugar e tiraram a mãe inconsciente para fora da casa",  disse Betleja.

Durante a ressuscitação da criança, o sangue apareceu na boca e nos cortes de feridas à faca no peito. Havia também cortes e feridas também no corpo da mãe, na caixa toráxica, no pescoço e nas mãos.

A promotora Pętkowska acrescentou que durante o incêndio o pai não estava em casa, pois estaria participando de exercícios das Forças de Defesa Territorial, onde é soldado.

O bombeiro, que foi o primeiro a realizar a operação de resgate, também chegou ao hospital com uma ferida na perna.

Bethleja informou que o fogo que atingiu um quarto no primeiro andar da casa foi rapidamente extinto. 25 bombeiros participaram da operação.  Acorreram ao sinistro, bombeiros das localidades de Krasiczyn, Przemyśl e Bircza. As causas do fogo estão sendo esclarecidas.

Os vizinhos estão em estado de choque.
Poucas horas antes, eles viram a mãe andando com seu filho. "Ele era um menino tão lindo e feliz", contam.

Os vizinhos não sabem dizer o que aconteceu. Eles conhecem pouco a mulher. O idioma é a barreira. Dizem que a brasileira conhece apenas uma dúzia de frases em polaco. "Ela conversa em inglês com o marido. Eles se conheceram no trabalho. Quando o filho Wiktor veio ao mundo, eles se estabeleceram em nossa vila e se casaram", dizem os habitantes.

Segundo os vizinhos, eles pareciam uma família normal e feliz. Quando a tragédia ocorreu, o marido da mulher deveria estar em exercícios das Forças de Defesa Territorial. Ele chegou enquanto acontecia a operação de resgate dos bombeiros. "Salvem meu filho!", gritou o pai desesperadamente para os médicos.

Numa coletiva de imprensa, nesta segunda-feira, a promotora Beata Starzecka-Skrzypiec, disse, em Przemyśl, que as investigações apontam que Andrea Cristina desferiu "oito facadas no menino".

"A versão mais provável é que esses impactos foram dados de uma posição sentada", disse Beata Starzecka - Skrzypiec, promotora adjunta em Przemyśl. "Provavelmente, a mãe segurou a criança no colo para dar as facadas".


Coletiva de imprensa no Ministério Público - Foto: Norbet Ziętal
Ainda na tarde de segunda-feira, o Ministério Público de Przemyśl, ouviu a brasileira Andrea Cristina P. e logo em seguida solicitou ao Tribunal Regional, a detenção da mulher, por 3 meses, que será cumprida imediatamente. O porta-voz do MP informou que durante o interrogatório, a suspeita não respondeu à acusação de homicídio. "Ela não confessou nem negou o crime".

O pai do menino morto também foi ouvido pela promotora. Segundo ele, mal-entendidos na família, vinham ocorrendo desde janeiro deste ano. "Eram mal-entendidos relacionados aos cuidados na criação do filho, como a alimentação e educação", disse a promotora Beata Starzecka-Skrzypiec, procuradora adjunta do distrito em Przemyśl.

O Ministério Público determinou que as demais instituições fossem notificadas, para continuar as investigações sobre as irregularidades apontadas pelo pai na criação do filho cometidas por Andrea Cristina P. O homicídio, nestes casos,  é punido, na Polônia, com prisão perpétua.

Ainda, de acordo com a porta-voz do Ministério Público do distrito em Przemyśl, Marta Pękowska, a mãe fez extensas explicações, cujo conteúdo, devido ao bem da investigação, não pode ser divulgado.


Fontes: Onet Rzeszów, TV24, Mowiny24, Polskie Radio Rzeszów, Echodnia e PAP
Tradução e redação: Ulisses Iarochinski (jornalista profissional MT-PR 1129)

sábado, 17 de fevereiro de 2018

A Balada de Janek Wiśniewski

Cena do filme "O homem de ferro" de Andrzej Wajda
Janek Wiśniewski é um nome fictício dado a uma pessoa real no poema polaco "Balada de Janek Wiśniewski".

O nome inventado por Krzysztof Dowgiałło serviu para simbolizar o trabalhador de dezoito anos assassinado na cidade de Gdańsk pelo exército polaco no dia 17 de dezembro de 1970, durante as revoltas dos trabalhadores contra o regime soviético.

A imagem de um jovem anônimo levado nos ombros através de cordões policiais e tanques inspirou  Dowgiałło a escrever a poesia.

Como o poeta não conhecia o verdadeiro nome daquele jovem anômico, decidiu dar-lhe um nome muito comum na Polônia. Janek, ou Janku são diminutivos carinhosos de João. E Wiśniewski é um dos sobrenomes bastante comuns no país.

Mais tarde se descubriu que Janek era na verdade Zbigniew Godlewski, jovem trabalhador que vivia na cidade vizinha de Elbląg.

Zbigniew Eugeniusz Godlewski nasceu em 3 de agosto de 1952, na cidade de  Zielona Góra (Sudoeste da Polônia), e morreu em 17 de dezembro de 1970, em Gdynia (Norte do país). Ele era um funcionário do Estaleiro Gdynia, antigamente chamado pelo nome de Estaleiro da Comunidade de Paris.


Godlewski foi atingido por um tiro durante os confrontos entre trabalhadores e exército nas imediações da estação de trem da Szybka Koleje Miejskiej Gdynia Stocznia (Trem rápido municipal do Estaleiro de Gdynia).

Seu corpo foi levado pelas ruas ulica Czerwone Kosynierów (hoje rua Morska), através de um túnel sob as plataformas da estação ferroviária Gdynia Główna (Estação Central de Gdynia), pela rua ulica Dworcowa, pela ulica 10 Lutego e pela ulica Świętojańska até a sede do Conselho Nacional da Cidade na ulica Czołgistów (Petroleiros), atual aleja Marszałka Józefa Piłsudskiego.

Em 1970, foram mortas a disparos quarenta e uma pessoas pelo exército nas manifestações dos trabalhadores.

De acordo com fontes oficiais, como resultado da repressão em dezembro de 1970, 41 pessoas foram mortas: 1 em Elbląg, 6 em Gdańsk, 16 em Szczecin e 18 em Gdynia. 1164 pessoas ficaram feridas.

Mas outras fontes dizem que, na verdade, foram algumas centenas de mortos. Como resultado das repressões, cerca de 3.000 pessoas foram presas. Milhares de pessoas foram perseguidas pela polícia por sua participação nos protestos.

Os documentos do IPN - (Sigla para Instituto da Memória Nacional) mostram que os incidentes de dezembro não se limitaram à Costa Báltica. As manifestações e greves também ocorreram em Cracóvia, Wałbrzych e outras cidades.

De acordo com as descobertas dos historiadores, mais de 20 mil pessoas estavam em greve no país naquele momento.

O poema de Krzysztof Dowgiałło e homenagem àquele menino-homem foi popularizado mais tarde na canção "Pieśń o Janku z Gdyni" (Canção de Janek de Gdynia) composta por Mieczysław Cholewa. 

Já a balada tornada famosa em todo o mundo foi interpretada pela atriz Krystyna Janda durante os créditos finais do filme "O homem de Ferro", do cineasta Andrzej Wajda, em 1981.

Janda foi acompanhada por Jacek Kaczmarski e Przemysław Gintrowski e a música passou a ser chamada "Ballada o Janku Wiśniewskim" (A Balada sobre Janek Wiśniewski).

Num outro filme, mais recente, agora, do cineasta Antoni Krauze "Czarny Czwartek" (Quinta-feira negra), de 2011, o cantor de rock Kazik Staszewski foi o intérprete da "Balada sobre Janek Wiśniewski".  O filme de Krauze trata exclusivamente daquela quinta-feira de dezembro de 1970. O diretor Krauze faleceu no último dia 7 de fevereiro de 2018, aos 81 anos de idade.

Um video-clip promovendo o filme de Krause foi feito especialmente para a música.
Kazik Staszewski colocou a música em seu CD "Bar La Curva / Plamy na słońcu", de 2011. Além disso, foi lançado (como uma segunda versão) fazendo parte do CD com a trilha sonora do filme, desta vez, composta por Michał Lorenc.

Depois da queda do socialismo soviético na Polônia, os nomes de Zbigniew Godlewski e de Janek Wiśniewski foram dados a várias ruas do país.

Foto original da marcha com o corpo de Godlewski
* No poema as palavras Grabówka e Chylonia,  referem-se a bairros da cidade de Gdynia.


BALLADA O JANKU WIŚNIEWSKIM
Letra: Krzysztof Dowgiałło
Melodia: Mieczysław Cholewa e Jacek Kaczmarski

Chłopcy z Grabówka, chłopcy z Chyloni
Dzisiaj milicja użyła broni
Dzielnieśmy stali, celnie rzucali
Janek Wiśniewski padł

Na drzwiach ponieśli go Świętojańską
Naprzeciw glinom, naprzeciw tankom
Chłopcy, stoczniowcy, pomścijcie druha
Janek Wiśniewski padł

Huczą petardy, ścielą się gazy
Na robotników sypią się razy
Padają starcy, dzieci, kobiety
Janek Wiśniewski padł

Jeden raniony, drugi zabity
Krew się polała grudniowym świtem
To Partia strzela do robotników
Janek Wiśniewski padł

Krwawy Kociołek to kat Trójmiasta
Przez niego giną dzieci, niewiasty
Poczekaj draniu, my cię dostaniem
Janek Wiśniewski padł

Stoczniowcy Gdyni, stoczniowcy Gdańska
Idźcie do domu, skończona walka
Świat się dowiedział, nic nie powiedział
Janek Wiśniewski padł

Nie płaczcie matki, to nie na darmo
Nad stocznią sztandar z czarną kokardą
Za chleb i wolność, i nową Polskę
Janek Wiśniewski padł



em português....

Meninos de Grabówka, meninos de Chylonia
Hoje, a polícia usou arma
Corajosamente estamos em pé, atiraram com precisão
Janek Wiśniewski caiu

Sobre uma porta o levaram pela Świętojańska
Diante dos policiais, diante dos tanques
Meninos, trabalhadores do estaleiro, vingam o druida
Janek Wiśniewski caiu

Rugem petardos, os gases se espalham
Os trabalhadores, são derrubados de uma só vez
Caem os idosos, crianças e mulheres
Janek Wiśniewski caiu

Um ferido, o segundo morto
O sangue se derrama em dezembro
Este Partido dispara contra os trabalhadores
Janek Wiśniewski caiu

O sanguinário Kociołek é o executor das Três-Cidades
Crianças, mulheres são mortas por ele
Esperai bastardo, vamos pegar você
Janek Wiśniewski caiu

Trabalhadores do estaleiro de Gdynia,
trabalhadores do estaleiro de Gdańsk
Vão para casa, a luta acabou
O mundo ficou sabendo e nada disse
Janek Wiśniewski caiu

Não chore, mãe, nada foi de graça
Sobre o estaleiro, uma bandeira com arco preto
Por pão e liberdade, e uma nova Polônia
Janek Wiśniewski caiu

(Tradução: Ulisses Iarochinski)


Canta Krystyna Janda




Canta Kazik Staszewski em seu video-clip




Kazik
(cantor, poeta e saxofonista) já se apresentou em Curitiba, Campo Largo, Ponta Grossa e outras  cidades do interior do Paraná com seu grupo de então, KULT, no início dos anos 90.

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Quem eram os seis milhões

Campo I de Auschwitz

Campo II - Birkenau
Há tempos, principalmente nos meios de comunicação se repetem números errôneos sobre as perdas humanas na Polônia durante a segunda guerra mundial.

Foram 6 milhões, os polacos mortos...e não, seis milhões de judeus como se repete exaustivamente. Os números, a seguir, são baseados em registros alemães e pesquisados por historiadores de vários países (inclusive acadêmicos alemães).

Segundo o historiador polaco Czesław Madejczyk, autor de vários livros sobre a II Guerra Mundial e baseado em arquivos dos próprios alemães nazistas ocupantes foram: 2.700.000 polacos de origem judaica mortos na segunda II Guerra Mundial na Polônia.

Estes 2,7 milhões estão divididos em 500 mil mortos nos guetos da principais cidades, 200 mil em execuções em massa e 2 milhões nos campos de concentração e extermínio alemão.

Madejczyk especifica ainda que destes 2,7 milhões:
1.600.000 foram mortos nos campos de Treblinka, Sobibór, Bełżec, Majdanek e Chełmno.
1.100.000 em Auschwitz e Birkenau.

O Museu de Aschwitz apresenta em um painel de um dos pavilhões do campo I a seguinte estatística: - 1.100.000 polacos de origem judaica,
- 150.000 polacos de origem eslava (entre estes, padres católicos e oficiais do exército polaco),
- 23.000 polacos ciganos,
- 15.000 soldados soviéticos,
- 25.000 prisioneiros de outras etnias.

Destes 1.100.000 de Auscwitz, 100.000 foram mortos pela SS nazista.

Na liberação do campo de Auschwitz, em 27 de janeiro de 1945, foram encontrados ainda vivos:
- 67.012 prisioneiros no campo I (Auschwitz),
- 31.894 no campo II (Birkenau)
- e outros 35.118 em outros sub-campos menores (Monovitz e outros na região da cidade de Oświęcin).

Com os 2.700.000 de polacos de origem judaica (antes da guerra existia uma população de 3.300.000 pessoas polacas de origem judaica - os judeus começaram a chegar a Polônia mil anos antes da II Guerra Mundial) e mais outros 3.300.000 de polacos de origem eslava (coincidência de números com a população polaca de origem judaica) a soma de perdas polacas dá 6 milhões de mortos.
Estes 55% dos mortos eram polacos de origem eslava (católicos romanos, ortodoxos, protestantes e de outras religiões e etnias).

Da população que sobreviveu na Polônia, após o fim da II Guerra Mundial, 530 mil ficaram permanentemente inválidas, sendo que 40.179 delas resultado de experimentos médicos comandados por Józef Mengele, 60 mil ficaram débeis mentais.

Além dos 6 milhões de mortos durante a guerra, outro 1 milhão morreu após, de enfermidades contraídas no nefasto período.

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Continuam as reações em Israel a Lei polaca que pune mentira

A revista semanal polaca "Polityka" continua dando cobertura às repercuções, principalmente em Israel, a lei proposta pelo IPN (sigla em polaco para Instituto da Memóra Nacional) sobre quem mentir sobre a verdadeira denominação dos campos de concentração e extermínio alemão nos territórios da Polônia, chamado-os não de alemão, mas de polacos.
Nesta reportagem, a seguir, há um apanhado de declarações dadas a jornais e portais israelenses, por deputados e autoridades de Israel de inclinação direitista e algumas de autoridades outras na França e Estados Unidos.

Até que ponto a Lei é correta e em que medida ela realmente afeta as relações bilaterais entre Polônia e Israel e o que pode fazer o Tribunal Constitucional polaco sobre a questão são as principais questões discutidas até aqui.

Manchete da Polityka:
Reações no exterior após a decisão de Andrzej Duda em relação à Lei sobre o IMN: "Triste Dia"


Apesar da reação moderada do governo israelense, há agitação nos meios de comunicação e nas fileiras de oposição do Knesset.

Pessoas de todo o mundo escrevem sobre o assunto. A decisão de Andrzej Duda sobre a sanção da emenda à Lei sobre o Instituto de Memória Nacional provocou uma avalanche de comentários no exterior. Muito espaço foi dedicado na mídia israelense.

O liberal jornal "Haaretz" avaliou que o discurso do presidente polaco era "equilibrado, delicado e refletiu a complexidade do tema". Mas sua decisão continua a ser crítica e espera que a crise se intensifique entre Israel e Polônia (os países deveriam criar equipes conjuntas para discutir essas questões).

Reações israelenses à alteração da Lei proposta pelo Instituto da Memória Nacional aconteceram em vários locais, o portal "Times of Israel" cita Efraim Zuroff, rastreador nazista mundialmente famoso, chefe do Centro Szymon Wiesenthal, em Israel: "O caso com a Polônia é realmente a ponta do iceberg. Esta montanha existe há muitos anos ".

Ironicamente, Zuroff pensa que "o governo israelense decidiu denunciar a lei sobre a cumplicidade no Holocausto, mas nunca criticou países como Lituânia, Letônia, Estônia, Ucrânia, Croácia ou Hungria, que desempenharam um papel mais ativo e ajudaram os nazistas no genocídio Judeus durante a Segunda Guerra Mundial, durante décadas negligenciando sua culpa ". Zuroff afirma: "Israel nunca reagiu à distorção do Holocausto".

E essa distorção foi influenciada por duas circunstâncias. Primeiramente, capturar ou minimizar o papel de colaboradores locais. Em segundo lugar, acredita-se que o comunismo é tão ruim quanto o nazismo e que deve ser classificado como genocídio. "Se o comunismo é classificado como genocídio, significa que os judeus cometem o genocídio. (...) É uma ótima estratégia para repelir a crítica de seus crimes, suscitar simpatia com as vítimas de genocídio e silenciar a crítica judaica ".

O jornal "Jerusalem Post" cita o vice-chefe da diplomacia israelense: "Israel explicou ao governo polaco que não aceitaria nenhuma lei que silenciasse a história e apagasse os depoimentos do envolvimento dos polacos no assassinato de judeus durante o Holocausto". Israel continuará a trabalhar através dos canais diplomáticos para introduzir mudanças na lei antes que seja analisada pelo Tribunal Constitucional.

O diretor da Associação dos judeus europeus citado pelo rabino Menachem Margolin anuncia que sua organização iniciará o procedimento legal em resposta às ações do Tribunal polaco. Andrzej Duda foi convidado a conhecer representantes de organizações judaicas, "mas ele decidiu, estranhamente, que não era necessário".
Margolin dirigiu uma carta a todas as instituições da UE com um apelo para criticar a Polônia nesta matéria. "Parece inconcebível que um Estado-Membro da UE reduza a história ao impor uma legislação draconiana que poderia aprisionar por ter uma visão alternativa do que aconteceu nos dias mais sombrios da Europa".

O Dr. Eithan Orkibi, sociólogo e antropólogo da Universidade de Ariel, em um comentário ao "Israel Ha-Jom", aponta que a controvérsia sobre a Lei sobre Holocausto não pode encobrir o precioso trabalho das gerações.
Ele lembra "Ida" e "Nasza Klase", filmes sobre como "a sociedade polaca contemporânea debruçasse ativamente na auto-reflexão dolorosa e tenta lidar com os pecados. Com impressionante abertura, os polacos estão investigando, hoje, a conexão não resolvida entre a identidade polaca e o antissemitismo", acrescenta Orkibi.
"É verdade" - acrescenta - que, na Polônia, ainda existe um vulgar antissemitismo "e é perturbador pensar que algumas elites políticas na Polônia podem ser influenciadas pelo ódio primitivo em relação aos judeus, ou que os esforços legislativos atuais são para servir aos propósitos nacionalistas, inclusive antissemitas".
"Não vamos deixar a controvérsia sobre esta lei obscurecer o fato de que o antissemitismo na Polônia, embora repugnante, é caracterizado por grupos com alto nível de ignorância e populismo, enquanto a maioria dos jovens educados e culturais se distanciam ativamente".

Reações no Knesset para a decisão de Duda sobre a Lei proposta pelo Instituto da Memória Nacional. A decisão do presidente Duda provocou agitação no Knesset.

A chefe de Ha-Bait Ha-Jehudi (Casa Judaica) Szuli Moalem-Rafaeli, anteriormente um guardião do grupo juvenil que visitava campos da morte na Polônia, considera que os diplomatas polacos são persona non grata em Israel. "O Presidente da República da Polônia decidiu manter a atitude infeliz de distorcer os fatos e negar o Holocausto", disse ela. – “Israel não pode ficar em silêncio sobre isso. Devemos imediatamente trazer o embaixador de Israel para a Polônia e expulsar todo o serviço diplomático polaco do país".

O ministro da educação de Israel, Neftali Benett, também pertence à Casa Judaica. Sua visita à Polônia foi cancelada esta semana.

O membro do partido Kulan (Nós todos) Merav Ben-Ari chamou a decisão de Duda de "evidência de vergonha". "É absurdo" - afirma ele - que tal "lei vergonhosa" foi autorizada e, no entanto, "todos sabem que os polacos participaram dos horrores ocorridos durante o Holocausto".
O deputado pensa que "é um insulto (...) acima de tudo para sobreviventes no Holocausto. A lei prepara o caminho para os negadores. O governo polaco é obrigado a se retirar rapidamente e pedir desculpas” - acrescenta.

Por sua vez, o deputado Icik Szmuli, do Ha-Mahane Ha-Cijoni (Campo Sionista), autor da lei israelense que prevê penalidades para minimizar o papel dos colaboradores nazistas, acredita que este é "um dia vergonhoso na história polaca". A Polônia é o primeiro país a aprovar uma lei que nega o Holocausto, enquanto "nenhuma lei vergonhosa apaga a história" - conclui Szlema.

A decisão de Duda é "um dia triste para a Polônia".

O Instituto Yad Vashem reconheceu a decisão do presidente polaco como "infeliz". O Comitê judeu americano disse que era "um dia triste para a Polônia". Agnieszka Markiewicz, diretora do escritório de Varsóvia desta organização, cita o jornal "Jerusalem Post".

Na verdade, a Polônia foi o primeiro país atacado pela Alemanha nazista, e os polacos enfrentaram os invasores e construíram um movimento de resistência, lembra. Entre os mais honrados por Yad Vashem está uma maioria de polacos. No entanto - ela ressalta - "houve atos de antissemitismo, incluindo assassinatos realizados pelos polacos, embora tanto polacos quanto judeus fossem vítimas do Terceiro Reich". Você não pode negar ou proibir a discussão sobre este assunto. Os EUA estão desapontados com a assinatura da Lei do Instituto de Memória Nacional.  A questão da alteração ao texto sancionado causou críticas de Washington.

O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, expressou desapontamento e avaliou suas disposições como prejudiciais para a liberdade de expressão e pesquisa. Já na semana passada, os EUA advertiram a Polônia que continuar trabalhando na nova lei poderia prejudicar os interesses estratégicos polacos.

Uma porta-voz do Departamento de Estado estadunidense, Heather Nauert, informou que "negociações diplomáticas privadas" estavam sendo conduzidas. De acordo com o jornal Washington Post, a decisão de Andrzej Duda "provavelmente aumentará as tensões com os Estados Unidos e Israel".

A lei provavelmente entrará em vigor antes que o Tribunal Constitucional emita diretrizes - diz o publicitário Rick Noack. De qualquer forma, "a independência do próprio Tribunal foi questionada desde que o PiS realizou reformas conhecidas como o assassinato do poder judicial". A disputa sobre a Lei não só trouxe críticas internacionais à Polônia, mas também prejudicou as relações com aliados próximos - resume Noack – e causou um debate sobre as questões de cumplicidade no Holocausto que era desconfortável para os nacionalistas polacos.

A decisão, segundo a BBC de Londres ,de enviar a Lei ao Tribunal determina "um gesto em relação a Israel", enquanto a agência Associated Press  qualifica de "movimento atípico", que teoricamente abre o caminho para mudar o conteúdo da lei.

No entanto, "não está claro se o Tribunal Constitucional exigirá quaisquer mudanças porque está sob o controle do partido conservador da Lei e da Justiça na Polônia". A alteração no texto da proposição do IMN - Instituto de Memória Nacional também foi motivo de reações na França. Yean-Yves Le Drian, Ministro das Relações Exterores, chamou-a de "inapropriada" e "digna de condenação".

Ele enfatizou que a história não deveria ser redigida novamente. O que é assumido pela alteração à Lei do IMN introduz pena de prisão de até três anos ou multa por "público e contra fatos" atribuindo responsabilidade à nação ou estado polaco ou co-responsabilidade pelos crimes do Terceiro Reich, outros crimes contra a humanidade, paz e crimes de guerra.

Também deve ser punido por "trivializar grosseiramente a responsabilidade dos perpetradores reais desses crimes". O Sejm (Congresso Nacional da Polônia) aprovou a lei em 26 de janeiro, um dia antes do 73º aniversário e a celebração da libertação do campo de Auschwitz.



Fonte: Revista Polityka
Acesso em 08 fevereiro 2018 - https://www.polityka.pl/tygodnikpolityka/swiat/1737266,1,zagraniczne-reakcje-po-decyzji-andrzeja-dudy-ws-ustawy-o-ipn-smutny-dzien.read

Tradução: Ulisses Iarochinski

domingo, 4 de fevereiro de 2018

Entrevista com o autor de "Cidades da Morte"

Após a aprovação do projeto de Lei, encaminhado ao Congresso Nacional, pelo IPM-Instituto da Memória Nacional (de orientação conservadora de extrema-direita), pelo Senado da República, o debate na própria Polônia acirrou os ânimos.

Jarosław Karpiński, do site "natemat" entrevistou o autor do livro "Miasta śmierci. Sąsiedzkie pogromy Żydów" (Cidades da Morte, vizinhas de pogroms judaicos), Dr. Mirosław Tryczyk, que reconhece a participação de até 500 mil polacos envolvidos na colaboração com os alemães nazistas e  em assassinatos de polacos judeus seus vizinhos.


Mirosław Tryczyk, polaco nascido em 1977, doutor em filosofia e ética, é autor de publicações históricas. Embora não seja historiador é um profundo pesquisador de questões históricas e políticas da Polônia e Europa Central. Autor também do livro "Między imperium a świętą Rosją" (Entre o Império e a Santa Rússia).


"Lembre-se que tivemos um grupo de pessoas, nesta nação polaca terrivelmente devastada, antissemitas que colaboraram com o ocupante por vários motivos e colaboraram no extermínio dos judeus. Não podemos negar isso! Não é algo pequeno! Os pesquisadores de extermínio estimam de 50.000 a meio milhão de pessoas".

Karpiński - Todo mundo já ouviu falar sobre Jedwabne, mas há mais lugares. O senhor escreve sobre isso no livro "Cidades da morte, vizinhas de pogroms judaicos".

TRYCZYK - Somente no contexto do ano de 1941, pode-se falar de dezenas de cidades onde ocorreram incidentes antissemitas, pogroms em larga escala e dezenas de assassinatos, em que morreram mais de 100 pessoas. O conhecimento sobre a onda de pogroms que varreu as antigas fronteiras do Leste após o exército alemão entrando nelas era conhecido pelos historiadores polacos. Os documentos foram arquivados a partir do ano de 45 e eram relacionados aos processos que se seguiram diante dos tribunais polacos contra esses pogroms e testemunhos encontrados nos arquivos de, entre outros, Instituto Histórico Judaico em Varsóvia e outros espalhados pelo mundo. Escrevi no livro sobre 15 lugares, entre eles, Radziłów, Szczuczyn, Jedwabne, Wąsosz, Jasionówce, Suchowola ...

Karpiński - Também sobre o assassinato de judeus em Bzury

TRYCZYK - Este crime foi uma consequência do pogrom em Szczuczyn. Quando os alemães ocuparam a região da Podlaska durante a ofensiva da URSS em 1941, eles não estabeleceram sua administração imediatamente, assim um vácuo ocupacional foi criado, os soviéticos já haviam fugido e a administração alemã ainda não estava lá. Os guardas dos cidadãos locais, os comitês de autodefesa foram estabelecidos naquele momento e passaram a assassinar seus vizinhos judeus, às vezes de inspiração alemã, às vezes completamente por autodefesa. Smarzowski em uma cena famosa do filme "Volínia" mostrou uma situação semelhante, apesar da presença de tropas alemãs, os ucranianos assassinaram polacos. No gueto de Szczuczyn, cerca de 2.000 judeus viviam lá antes que os alemães chegassem em 20 de julho de 1941, e encontraram apenas algo próximo a 370 polacos de origem judaica. A primeira questão que surgiu foi: O que aconteceu com os outros?

Mais tarde, prisioneiros do gueto foram levados para trabalhar em fazendas próximas. Jovens jovens que, após a guerra, admitiram pertencer à Democracia Nacional, chegaram a uma das fazendas de Bzury, e levaram 20 moças para a floresta, onde foram estupradas e assassinadas. Os promotores comunistas na década de 1970, no entanto, determinaram que a execução desse crime tinha sido obra alemã. Unicamente em 2001 foi comprovado que o crime foi levado a cabo por polacos católico e o Ministério Público com Instituto da Memória Nacional, referiu-se a eles como crimes de "razões raciais". Nos lugares que descrevi, nenhuma seleção foi feita, todos os polacos de origem judaica foram capturados, incluindo mulheres, idosos e crianças, foram mortos sem exceção.

Capa do Livro: Cidades da Morte, vizinhas de progroms judaicos 
Karpiński - Um monumento foi erguido no lugar dos judeus assassinados. Mas por que aconteceram nos pogroms, porque provavelmente não aconteceram só por inspiração alemã, não? e quem estava por trás deles?

TRYCZYK - As causas devem ser buscadas no trabalho ideológico realizado pelos setores nacionalistas amplamente compreendido, que semeou propaganda antissemita, principalmente na década de 1930, pouco antes do início da Segunda Guerra Mundial. Também participou desta campanha, o clero católico, especialmente nas regiões mais orientais do país. No geral, houve um clima bem grande contra. Já nos relatos do governador de Białystok, em Varsóvia, em 1936, há mais de 800 incidentes antissemitas, espancamentos e homicídios na destruição de propriedade. Em 1937, o mesmo.

Depois que os comunistas entraram através da fronteira em 17 de setembro de 1939, começou um julgamento de classe com os kułaków (culaques – termo pejorativo russo para camponeses relativamente ricos com grandes fazendas e que faziam uso de trabalho assalariado), com apoiantes dos democratas nacionais, dos clérigos, dos proprietários de terra (senhores feudais), mas também com pessoas do judaísmo. Lembre-se de que também havia uma ala judaica de direita. Os bolcheviques deportaram não só empresários ou comerciantes judeus, mas também membros de partidos religiosos e da direita judaica. Mas disso não se lembram nos territórios orientais da Polônia. Recorde-se que alguns polacos de origem judaica cooperaram com os bolcheviques quando deportavam patriotas polacos para o leste, o que, é claro, é verdade, mas apenas em pequena medida. De qualquer forma, esta campanha antissemita fortemente presente na Polônia desde a década de 1930 foi endereçada para as pessoas comuns mais afetadas pelo terror bolchevique e por isso mesmo, causou eventos muito trágicos.

Karpiński - O deputado Jakubiak, do movimento de Kukiz, disse: "Mostre-me pelo menos um paco salvo por um judeu. O holocausto polaco não era muito menor do que o judeu." Como o senhor se refere a essas palavras dele?

TRYCZYK - Essas palavras são extremamente tolas. Em primeiro lugar, é difícil mostrar judeus salvando polacos de uma situação em que estes mesmos judeus se encontravam escondidos e sendo perseguidos. Dizer algo neste sentido é algum tipo de aberração intelectual. É um pouco dizer como, mostre-me um ucraniano que foi salvo pelos polacos durante o massacre da Volínia. Talvez o deputado não saiba, mas os judeus foram assassinados e exterminados de uma maneira que em nenhuma outra nação, na história do mundo e da humanidade jamais ocorreu.

Família judia de Szczucin - Józef Guststein / Foto: Tryczyk M.

Na região da Podlaska, muitas vezes ouço conversas de pessoas mais velhas lembrando a guerra de que "a vida de um judeu era como uma vida de uma mosca, todos podiam vencê-la". Analogia contemporânea. Matam, hoje, pessoas em Varsóvia, na rua, querem matar, a multidão está assistindo, dezenas de pessoas dessa multidão que se juntam para bater nas outras, a maioria é passiva, outras tentam ajudar a bater e intervêm, e o deputado Jakubiak provavelmente perguntaria se a vítima da surra próxima da morte, nesta situação, tem ajuda alguém?

Além disso, não sabemos quantas vezes no cotidiano um judeu ajudou um polaco católico durante a ocupação. Há muitos exemplos de amor que nasceram entre os polacos de origem judaica que se esconderam e os polacos de outras origens, e certamente houve muitas situações durante a ocupação alemã, em que salvaram a vida uns dos outros, mas não é a única coisa a dizer, agora. Estas comparações não cabem em nenhum lugar. E é só isso. No entanto, o deputado Jakubiak tem razão nisto, de que a nação polaca também sofreu muito e sofreu enormes perdas material e de população durante a guerra. É difícil pesar o sofrimento humano, mas ninguém nega o sofrimento dos polacos. O extermínio da nação polaca também foi parte do plano para destruir as nações étnicas conquistadas.

Karpiński - Mas também havia aqueles polacos ruins, quais são as estimativas quanto a eles?

TRYCZYK - Sim, lembre-se de que tínhamos um grupo nesta nação polaca terrivelmente devastada de pessoas antissemitas que colaboraram com o invasor por diversas razões e que também colaboraram no extermínio dos polacos judeus. Não podemos negar isso. Não eram poucas. Os pesquisadores de extermínio estimam de 50.000 a meio milhão de pessoas (numa população de 35 milhões de habitantes). Em várias etapas do extermínio, porque também houve uma terceira etapa do Holocausto nos anos de 1942 e 43, que consistiu em chantagem, publicações judaicas, assassinatos e etc.. Lembramos também os infames exemplos de guerrilheiros, sob diferentes bandeiras que discutiram com judeus assim que se conheceram, escondidos nas florestas. Claro está, que você nunca pode falar sobre responsabilidade coletiva! Você não pode falar sobre nação polaca, mas apenas sobre pessoas específicas com seus nomes idetificados. O Estado polaco, no entanto, é responsável pela propaganda antissemita da década de 1930.

Karpiński - A nova lei proposta IPN-Instituto da Memória fecha a boca de pesquisadores como você?

TRYCZYK - Estou convencido de que esta lei será capaz de amordaçar a boca e os cientistas terão que pensar duas vezes antes de escreverem algo. Vou dar um exemplo. Um pogrom ocorreu em Szczuczyn. As vítimas do pogrom foram enterradas em covas da morte, onde hoje existe um prado e as vacas pastam nele. Se a comunidade em Szczuczyn quiser cercar este lugar ou colocar um monumento às vítimas ali, então, sob a nova lei, o prefeito e os moradores estariam sendo ameaçados com três anos de prisão. Uma vez que alguém do Instituto da Memória Nacional possa estar disposto a montar um monumento às vítimas do pogrom por ter destruído descaradamente os crimes nazistas. Os moradores de Szczuczyn, cujos antepassados ​​cometeram crimes, não são cientistas e artistas, e assim eles cumprem todos os requisitos para o entendimento de tenha havido crime. Tal absurdo está previsto por esta lei. A lei não atenta contra cidadãos de países estrangeiros, mas sim e, principalmente, contra polacos. O Estado polaco, proíbe-os de falar sobre o que aconteceu com suas famílias, em suas vilas e cidades, para combater o trauma que vem desses terríveis acontecimentos e que continua por gerações.

Karpiński - Por que o Senhor está tratando desse assunto?

TRYCZYK - Eu não sou judeu. Minha família vem da Podlaska. Meu avô era fortemente orientado para o nacionalismo, era um antissemita e um membro local do Partido Nacional. Conheço suas cartas, eu sei quais livros ele leu. Ele costumava ler, por exemplo, "Cavaleiro da Imaculada" ("Rycerzu Niepokalanej”). Na minha família há cartas obescuras relacionadas ao seu antissemitismo. Este foi o único motivo que me levou a tratar dos temas desse assunto.

Karpiński - Após a publicação do teu livro, o senhor foi hostilizado?

Eu conheci muito ódio na internet. Sempre acontecem situações difíceis em reuniões com leitores, às vezes, as pessoas que me atacam agressivamente aparecem. Eu fui chamado de szabes-goj (não-judeu que trabalha no sábado), um traidor para a pátria, e caluniador de seu próprio ninho. Mas desde que o livro foi lançado se realizou muitas reuniões com leitores em cidades onde existiram pogroms, também houve muitos efeitos sociais positivos. As pessoas falam sobre o que aconteceu, elas estão menos envergonhadas. Graças a isso, conseguimos encontrar, por exemplo, o túmulo de meninas judias em Bzury.

Entrevistador: Jarosław Karpiński
Tradutor: Ulisses Iarochinski

Fonte: Acesso em 4 fevereiro 2018: http://natemat.pl/228947,ilu-bylo-polskich-szmalcownikow-miroslaw-tryczyk-zbadal-pogromy-zydow

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Senado da Polônia aprova Lei para punir quem imputar aos polacos os horrores nazistas

Portão de entrada de Auschwitz - Foto: Ulisses Iarochinski
Senado da Polônia aprova lei que pune quem responsabilizar a nação polaca por crimes cometidos pelos alemães. 

Legislação prevê até três anos de prisão para quem acusar polacos de cumplicidade em crimes nazistas e usar expressão "campos de concentração e extermínio polacos".

Segundo a rádio Deutsche Welle, da Alemanha, como setores dos governos de Israel e Estados Unidos estão criticando o Congresso Polaco, a imprensa internacional está chamando a lei de Polêmica.

Manchete da Deustche Welle: SENADO DA POLÔNIA APROVA LEI POLÊMICA SOBRE O HOLOCAUSTO.

- A lei não é Sobre o Holocausto, editor!

Ela foi aprovada na madrugada desta quinta-feira (01/fevereiro) e criminaliza qualquer indivíduo que atribua ao país ou a seu povo culpa por crimes de guerra cometidos pelos alemães nazistas no território polaco.

Além de prisão deverá ser imposta multa para quem utilizar a expressão "campos de concentração e extermínio polacos", em referência aos campos de concentração erguidos no país pelo governo alemão durante a Segunda Guerra Mundial. A lei exclui punição nos casos de trabalhos de pesquisa acadêmica ou artísticos. Para entrar em vigor, o texto ainda precisa ainda ser sancionado pelo presidente Andrzej Duda.


Manchete do site brasileiro Nexo: COMO UMA LEI POLACA REABRIU O DEBATE SOBRE O HOLOCAUSTO

A iniciativa, que segundo o governo polaco tem o objetivo "defender a imagem do país", foi criticada por políticos de Israel. O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, acusou Varsóvia de "querer reescrever a história".

O ministro israelense da Inteligência e Transportes, Israel Katz, acusou Varsóvia de tentar "apagar sua própria responsabilidade" no Holocausto.

"Nenhuma lei pode mudar a história. Nos lembraremos e jamais esqueceremos", disse através do Twitter o parlamentar israelense da oposição Yair Lapid.

Antes da aprovação, alguns senadores dos Estados Unidos também protestaram contra a nova lei, expressando "profunda preocupação" com os possíveis efeitos. "Expressões como 'campos de concentração e extermínio polacos' são imprecisas, suscetíveis de induzir a erros e causar feridas, mas receamos que se promulgada, a legislação afete a liberdade de expressão e o debate histórico", disse Heather Nauert, porta-voz do Departamento de Estado norte-americano.

Manchete do jornal Extra, Organizações Globo: PARLAMENTARES POLACOS APOIAM PROJETO DE LEI SOBRE HOLOCAUSTO; EUA EXPRESSAM PREOCUPAÇÃO

A lei surge num contexto histórico que se iniciou quando da queda da União Soviética e que vem sendo percebido há anos pelas autoridades polacas. Toda vez que um jornalista, um escritor, uma autoridade estrangeira chama de "os campos de concentração da Polônia", a diplomacia polaca imediatamente repreende o mal intencionado, ou ignorante.

Quem não se lembra de um discurso do então presidente Barak Obama?
O presidente dos Estados Unidos e aliado da Polônia nominou os campos alemães da segunda guerra como sendo campos de extermínios polacos e teve que se retratar, após o embaixador da Polônia, em Washington cobrar veementemente o que o governo da Casa Branca se prontificou a se desculpar, através de seu porta-voz, que textualmente qualificou o incidente, ou gafe, como sendo apenas um "Deslize" do mandatário.

Os críticos da nova lei argumentam que ela pode permitir ao governo da Polônia negar casos em que a cumplicidade polaca em crimes de guerra foi provada, assim como pode minar a liberdade de expressão e o discurso acadêmico.

- Liberdade de expressão chamar os campos nazistas de polacos???

Já o partido governista da Polônia PiS - Direito e Justiça, de extrema-direita, assim como o é, o partido do chefe de governo israelense, rejeita as críticas.
Os conservadores do partido polaco afirmam que está em jogo a defesa da reputação do país e que é necessário corrigir a "linguagem incorreta" muitas vezes utilizada na forma como a história é retratada.

Durante a Segunda Guerra Mundial, mais de um milhão e meio de pessoas morreram no campo de concentração e extermínio de Auschwitz-Birkenau, localizado na Polônia ocupada, assassinados pelo exército de Adolf Hitler. Entre aquelas pessoas estavam não só "polacos" de origem judaica, mas também padres católicos, ciganos e soldados soviéticos.

Segundo o historiador David Silberklan, do Memorial do Holocausto Yad Vashem, não havia guardas polacos nos campos situados no país. Segundo ele, na Polônia, permeada por algum sentimento antissemita, alguns de seus cidadãos teriam colaborado com os nazistas e assassinado judeus. Alegam neste sentido, como justificativa da participação polaca nos crimes, o massacre de 300 judeus pela população católica apostólica romana da cidade de Jedwabne, no leste do país.

Manchete do jornal Dia a Dia: POLÔNIA E O HOLOCAUSTO, UM DEBATE ATUAL

Até um  pastor da Igreja Batista Nações Unidas, de São Paulo, sentiu-se no direito de criticar a Polônia. Luiz Sayão é este o nome dele, afirmou que "é lamentável que o governo nacionalista polaco tenha decidido criminalizar qualquer expressão que afirme alguma responsabilidade polaca no holocausto, perpetrado pelos nazistas, na ocasião da Segunda Guerra Mundial".

E deita falação, cometendo erros de informação, dizendo que "Não se pode negar a morte de quase dois milhões de polacos na ocasião".

- Dois milhões, pastor? Qual é a tua fonte?

E Sayão, segue escrevendo sobre o que não conhece: "mas isso não exime de culpa os que colaboraram com os nazistas, nem apaga a realidade dos conhecidos pogroms".

- Progroms, pastor?

O pastor não sabe que os pogroms aconteceram na Rússia e não na Polônia. No território polaco invadido, os alemães criaram guetos, e não progroms.

E Sayão afirma que os progroms existiram na Polônia, "inclusive nos anos de 1930-1950".

- Nada mais abusurdo, pastor!

Sayão, cita estimativas da Segunda Guerra Mundial dizendo que "são de 70 milhões de mortos (aproximadamente, 45 milhões de civis), sendo cerca de 24 milhões de russos, 20 milhões de chineses, 7,5 milhões de alemães".

Pastor! Onde estão as fontes destes impropério estatísticos? 

Foram 25 milhões de soviéticos, e não só russos.
Não foram 20 milhões de chineses, mas 15 milhões. E isto numa guerra particular com o Japão (aliado do eixo Itália-Alemanha) iniciada ainda na primeira guerra mundial. Os chineses não combateram em território europeu. E ele não apresentou as cifras corretas sobre o país que foi o mais destruído e teve 6 milhões de cidadãos polacos (não só polacos de origem judaica) trucidados pelos nazistas e pelos soviéticos (guerrilheiros ucranianos, em sua maioria).

Mais uma do Sayão: "A Polônia, por exemplo, contava com a maior comunidade judaica antes da guerra, com 3,2 milhões de cidadãos. A ocupação nazista do território polaco em 1939 resultou, entre outras atrocidades, na construção de campos de extermínios como Auschwitz e Treblinka".

- O pastor e suas fontes desapareceram com mais 100 mil polacos de origem judaica nesta estatística dele.

E apenas para repetir mais um parágrafo do "entendido" evangélico de São Paulo: "A solução final organizada e executada exterminou cerca de 6 milhões de judeus , mais de um terço da comunidade judaica de todo o mundo. A perseguição e os maus tratos atingiram diversas comunidades como ciganos, eslavos, homossexuais, judeus, evangélicos e comunistas. Um dos principais mártires evangélicos do período nazista foi Dietrich Bonhoeffer (fala sério!). Entre os teólogos renomados que perderam sua posição por causa da intolerância do Führer, destacam-se Karl Barth e Paul Tillich". 

- Não, pastor! Não foram 6 milhões de judeus.

- Não repita Simon Weisenthal.

- O correto?

Foram 2.700.000 polacos de origens judaica e não 6.000.000 a morrer no Holocausto.

- Pois, "aqueles judeus" também eram cidadãos polacos, e o eram não apenas por cidadania, mas porque há mil anos seus ancestrais haviam chegado na Polônia Católica, a Terra Prometida da Torá, ou como está escrito neste livro: a terra de POLIN. E continuaram chegando nos séculos seguintes, após serem expulsos da península ibérica, da península itálica, das terras saxônicas, francas e holandesas.

- A conta, pastor, só fecha com outros 3.300.000 polacos de origem proto-eslava, em sua maioria católicos romanos,  ortodoxos, protestantes, ciganos e de outras religiões.

A Rádio Moscou, agora com a denominação de Sputnik, na Internet, com toda sua "parcialidade" quando se trata das coisas da Polônia, também chama a lei de "polêmica". Informa que "apesar de uma longa discussão, a lei foi aprovada pelo Senado sem qualquer correção, como chegou à câmara superior do Congresso. A mesma punição é extendida contra propaganda da ideologia do líder ruteno Bandera e a negação dos crimes ucranianos (rutenos) na região da Volínia" polaca.

Manchete da Revista IstoÉ: POLÔNIA APROVA LEI POLÊMICA SOBRE HOLOCAUSTO; ISRAEL PROTESTA

Na imprensa brasileira, o site da Revista Isto/É reproduziu comunicado da agência Ansa, afirmando também em manchete que a Lei é "polêmica""A votação, que se estendeu pela madrugada por conta dos protestos da oposição, contou com 57 votos a favor, 23 contra e duas abstenções. O texto já havia sido aprovado na Câmara dos Deputados, durante a última semana, e agora segue para sanção presidencial".

Em outro parágrafo o jornalista da agência Ansa escreve: "O documento afirma que todos os que falarem publicamente algo, em solo polaco ou mesmo no exterior, que atribua à nação polaca ou ao Estado polaco a responsabilidade, ou a corresponsabilidade dos crimes cometidos pelo Terceiro Reich alemão ou ainda os crimes contra a humanidade, contra a paz ou outros crimes cometidos durante a guerra”.

A jornalista Maria João Guimarães, do jornal Público, de Lisboa, Portugal, que se apresenta como aquela que "Escrevi sobre o muro em Israel e o muro de Berlim. Sobre racismo em Israel, na Alemanha, na Grécia", também não se furtou a escrever sobre a lei aprovada no Senado polaco.

Ela abre sua matéria com: "O caso da Polónia é talvez o maior de todos os paradoxos do Holocausto”, escreveu o historiador Gunnar S. Paulsson. “Por um lado, dos mais de três milhões de judeus polacos que caíram nas mãos dos nazis, só sobreviveram cerca de 3%, o que põe a Polónia no fim da lista dos países europeus”, nota. “Por outro lado, na lista de países nos quais pessoas arriscaram a vida para ajudar judeus, a Polónia está no topo de todos".

Antes disso, no "bigode" da manchete Maria João, já acusa os polacos: "Se na Polónia houve milhares de vítimas dos nazis, e se houve movimentos de resistência contra o regime alemão, também houve milhares de colaboracionistas e informadores entre os polacos, e alguns levaram a cabo massacres de judeus".

Mas ela inverte as cifras dos mortos: "Na sequência da invasão e ocupação da Polónia pela Alemanha nazi – considerada uma das mais brutais da II Guerra - morreram 2,77 milhões de polacos e ainda 2,9 milhões de judeus polacos".

- Não, Maria João! foram 2.700.000 polacos de origem judaica e 3.300.000 de polacos de outras origens (em sua maioria proto-eslavos) e religiões.

A jornalista portuguesa reconhece que "Os polacos são a nacionalidade com mais cidadãos distinguidos pelo museu Yad Vashem por salvar vidas de judeus durante a guerra – 6706 cidadãos (num total de 26.513). Muitos polacos foram mortos por terem escondido judeus nas suas casas (a pena era a morte de todos os habitantes da casa). A Polónia foi também o país com o maior movimento de resistência aos ocupantes nazis. O Armia Krajowa (Exército Nacional) era a mais importante força de resistência e era leal ao governo polaco exilado em Londres, chegando a ter cerca de 300 mil combatentes depois de ter absorvido a maior parte de outros movimentos de resistência".

- Sim, Maria João. Seus dados, agora estão corretos.

Maria João, tentando aparentar imparcialidade, repete a ladainha antipolonista citando o seguidor do criador da palavra Holocausto: "O número de colaboracionistas polacos é de “muitos milhares”, diz o “caçador de nazis” Efraim Zuroff do Centro Simon Wiesenthal".

- Maria! Wiesenthal cunhou não só a palavra, como a cifra de seis milhões, subvertendo as perdas humanas polacas, como sendo exclusividade judaica.

Para encerrar este texto, lembro que em 2005, o então ministro da cultura da Polônia, Waldemar Dąbrowski, após reportagens do jornal polaco Gazeta Wyborcza, que identificou estudantes israelenses que participaram da Marcha pela Vida, em abril daquele ano, respondendo que se "Auschwitz está na Polônia, então os polacos é que tinham assassinado seu povo".

O ministro convidou então, as universidades e escolas de segundo grau de Israel a se unirem às universidade e escolas polacas a concertarem um mesmo discurso e que parassem de espalhar boatos e mentir para seus alunos sobre os campos alemães durante a ocupação da Polônia.
O jornal polaco identificou que os professores israelenses estavam ensinado uma outra versão da guerra para seus alunos. Orientavam inclusive, que durante o período que permanecessem na Polônia, não mantívessem contato com os polacos. Tudo em prol de um sentimento antipolonidade.

A partir de 2006, por iniciativa de Dąbrowski os alunos polacos, por ordem dos ministérios da educação e da cultura passaram a fazer parte da Marcha Israelense.
Os estudantes polacos começaram a fazer juntos com os visitantes israelenses, o mesmo percurso de 3 km entre Auschwitz, na cidade Oświęcin e Birkenau, na cidade de Brzezinka para lembrar os horrores que sentiram não só os polacos de origem judaica, mas todos os polacos das demais religiões e ateísmo.

Outras manchetes:
Manchete do jornal El País, Madrid, Espanha: POLÔNIA APROVA POLÊMICA LEI QUE IMPEDE VINCULAR O PAÍS AOS CRIMES DO HOLOCAUSTO

Manchete do jornal Público, Lisboa, Portugal: POLÓNIA, O MAIOR DE TODOS OS PARADOXOS DO HOLOCAUSTO

Manchete JornalI, Portugal: POLÓNIA APROVA LEI QUE TORNA ILEGAL ACUSAR O PAÍS DE CUMPLICIDADE COM OS NAZIS

Manchete da TV europeia Euronews, França: PROJETO LEI POLACO SOBRE CRIMES DA ALEMANHA NAZI SUBMETIDO AO PRESIDENTE

Manchete do jornal Tempo: PAÍSES REPUDIAM LEI QUE ISENTA POLÔNIA DA MORTE DE JUDEUS

Manchete do Destak Jornal: POLÔNIA APROVA PROJETO DE LEI SOBRE HOLOCAUSTO

Mais uma manchete da IstoÉ: LEI POLACA SOBRE HOLOCAUSTO JUDEU IRRITA ISRAEL, EUA E UCRÂNIA

- Nada mais parcial, unilateral e antijornalístico do que estas manchetes. Todas, sem exceção, procuram criminalizar a Polônia por se defender de acusações e "deslizes". E o uso da palavra Holocausto é equivocado, pois não é dele que a lei se refere.

Com: DW/IstoÉ/ RC/lusa/dpa/ap/Ansa

Ulisses Iarochinski diante do Monumento ao Holocausto no campo de concentração e extermínio alemão de Maidanek, em Lublin - Polônia

Manchetes do jornal Gazeta Wyborcza, de Varsóvia, de oposição ao atual governo da Polônia, um da após as repercussões da lei aprovada no Senado:

- PiS LÊ PESQUISAS E AVANÇA COM O ATO DO INSTITUTO DA MEMÓRIA NACIONAL. O PLANO? SIMPLES: O PRESIDENTE DUDA RAPIDAMENTE ASSINA E DEPOIS CONVERSA COM ISRAEL

- KARCZEWSKI EM UMA REUNIÃO COM DIPLOMATAS: A CO-RESPONSABILIDADE DA POLÔNIA PELO HOLOCASTO É ANTIPOLONISMO

- A EMBAIXADA ISRAELENSE ESTÁ PROTESTANDO CONTRA OS MATERIAIS INFORMATITVOS DA TVP. NÓS VIMOS LÁ AINDA MUITO MAIS

- O CONSELHO INTERNACIONAL DE OŚWIĘCIN ESTÁ PROTESTANDO SOBRE A LEI DO  INSTITUTO DA MEMÓRIA NACIONAL

Título do artigo do colunista Paweł Wroński:
- PRIMEIRO MINISTRO MORAWIECKI  ENSINA HISTÓRIA, MAS NÃO COMPREENDE O FOSSO ENTRE AS SENSIBILIDADES POLACA E JUDAICA

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Nacionalismo e Patriotismo

Foto: Andreas Dueren - CNA
O Arcebispo de Poznań e Presidente da Conferência Episcopal Polaca (KEP), Stanisław Gadecki, dedicou uma carta para explicar as diferenças entre o nacionalismo e o patriotismo, por ocasião da XXI Jornada do Judaísmo na Igreja Católica na Polônia. O religioso expôs os perigos do primeiro e recomendou as virtudes do segundo, que descreveu como "uma atitude que vale a pena cultivar".

"A Igreja Católica percebe criticamente o nacionalismo, porque colocar a nação acima da hierarquia de valores pode levar a uma espécie de idolatria", advertiu Gadecki, que recordou que o Papa Pio XI em 1937 advertiu contra este erro na Encíclica "Mit Brenneder Sorge".

Em contraste, o arcebispo recomendou a promoção do patriotismo, citando as palavras de São João Paulo II na Encíclica "Redemptoris Missio": "O cristão e as comunidades cristãs vivem profundamente inseridos na vida de seus povos respectivos e são sinal do Evangelho inclusive pela fidelidade à sua pátria, ao seu povo, à cultura nacional, mas sempre com a liberdade que Cristo trouxe".

Os Bispos polacos contam com um documento intitulado "A Forma Cristã do Patriotismo" e afirmaram em 2012 que o patriotismo pode ser um elemento de ordem e paz se ele se constrói sobre a Fé e o mandamento do amor. Os religiosos polacos descreveram o dever patriótico também como um "compromisso de trabalho sobre a reconciliação social através de recordar a verdade sobre a dignidade de cada ser humano", e um apontar e crescer até as possibilidades do país através da cooperação acima das divisões.

"Desejo a todos meus compatriotas em casa e no exterior que o Centésimo Aniversário da Independência da Polônia nos fortaleça no amor à pátria no espírito do autêntico patriotismo", concluiu Dom Gadecki. (EPC)

Fonte:gaudiumpress.org

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Minhas palavras no facebook

Estas são as palavras que mais escrevo em minhas publicações no Facebook. A maioria, portanto, palavras que traduzem minhas origens e meus labores. Palavras do interior do Paraná e da terra dos meus ancestrais.

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Meu amigo Frans

Israel Klabin, da família Lafer-Klabin, um dos proprietários das Indústrias Klabin, escreveu no jornal Folha de S.Paulo sobre seu amigo de juventude, o polaco Franciszek Krajcberg, que chegado da Polônia, foi trabalhar na Fazenda Monte Alegre (atual município de Telêmaco Borba), no sertão do Paraná, como desenhista.

Foto:Danilo Verpa/Folhapress
Por Israel Klabin

Logo depois da cruel guerra que terminou em 1945, meu pai, que era chamado para resolver os múltiplos problemas dos remanescentes judeus das cruéis perseguições —nem sempre feitas só pelos nazistas alemães— recebeu uma ligação de Lasar Segall (1891-1957), que tinha relações familiares conosco.

Ele pedia que meu pai intercedesse e organizasse a vinda para o Brasil de um jovem artista polonês. Esse pedido incisivo era feito pelo grande artista Marc Chagall (1887-1985) a meu pai, através de Segall.

Eis a história: um jovem judeu polonês, jogado num campo de concentração na Polônia, onde tinha sido perseguido e insultado pelos próprios poloneses não judeus.

Libertado por tropas russas, teve de pegar em armas ainda imberbe, lutando ao lado dos russos ao final da guerra. Finalmente, com o avanço das tropas aliadas, voltou a pegar em armas, desta vez ao lado de tropas americanas e inglesas.



Esse jovem, com pouco mais de 20 anos, conhecera Marc Chagall, que por ele se encantou. Daí o pedido de fugir da Europa, de suas misérias e perseguições e vir para o Brasil. Meu pai conseguiu organizar a sua vinda e o colocou como desenhista no setor de engenharia da empresa florestal de papel e celulose da família, onde ele encontrou uma profissão afim e próxima das suas habilidades artísticas.

Eu, jovem estudante de engenharia, fazia meus estágios durante as férias também nesse mesmo escritório, no interior do Paraná. Nasceu, como diria Goethe, uma grande "afinidade eletiva" entre mim, praticamente imberbe, e aquele mais velho, porém ainda jovem contratado e que ajudava a erigir uma grande obra no meio da floresta.

Durante o meu percurso acadêmico, as minhas férias encontravam em Frans Krajcberg e no jovem engenheiro químico Claudio Lobl uma trinca amante das artes, da natureza e do pensamento criativo, que redundou numa amizade profunda que durou toda a vida.



Ensaios e pinturas eram criados fora das horas de trabalho. Passeios por trilhas e conversas infindáveis consolidavam uma relação que frutificou através dos anos e se manteve até o desaparecimento primeiro de Claudio Lobl, que foi o grande CEO (principal executivo) da empresa Klabin, e agora com a partida do meu querido Frans.

Ainda no nosso passado, há quase 70 anos, em 1951, a primeira Bienal recebeu a obra desse artista polonês paranaense Frans Krajcberg, a quem foi conferido o primeiro prêmio.

A partir daí, todos conhecem os caminhos que o levaram a Paris, para a construção dos marcos indeléveis contra as queimadas da Amazônia, a beleza das construções com raízes, troncos e galhos que formavam entes sobrenaturais e que indicavam a permanência da vida e da natureza e a sua relação profunda conosco, seres humanos —que, ao compreendê-la, conversávamos com ela ao olhar a arte de Frans.



Quanta coisa mais fizemos juntos! Lembro-me das conversas cheias de vida no seu pequeno apartamento na Urca, no Rio.

Lembro-me do seu aniversário em Nova Viçosa (BA), quando ele recebeu de mim o que chamava de o melhor presente que já tinha recebido: 2.000 mudas de árvores, cujas espécies estavam ameaçadas.

Lembro-me das minhas visitas angustiadas ao Hospital Albert Einstein, no qual ele conseguia sobrenadar os percalços da contingência física e continuar a trabalhar.

Frans era a própria vida. Sem preconceitos entre o vegetal e o animal, sem reticências à profundidade e permanência da Criação e com a certeza de que as frases ditas pela madeira, pela árvore, pelo ar e até por nós mesmos contingenciavam o espaço e o tempo.

Momentos profundos de conversas sem palavras, de pensamentos mentirosos, mas que escondiam a comunicação vigorosa sobre aquilo que não era dito: a morte de meu filho e o presente que ele me deu de uma ave de madeira que voava na minha imaginação e que me levava para onde o meu filho estivesse.


A raiva violenta contra os destruidores, os saqueadores da humanidade, os desflorestadores da Amazônia e contra todos aqueles que não compreendiam que a finalidade do homem era participar de um todo e que por esse todo ele era também responsável.

Meu caro Frans, você continua por aqui. Todo dia te vejo, quando entro em minha casa passando pela tua escultura que mandei fundir em ferro para que fosse imobilizada e eternizada. Ou quando chego ao meu trabalho e olho aquela imensa árvore queimada, resquícios de uma floresta que você transformou e nela encontrou a beleza e a permanência. Ou quando entro numa floresta viva e vejo você sorrindo.

Meu grande abraço, querido amigo.

Texto de: ISRAEL KLABIN,
presidente da Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável, é membro do Conselho da Klabin S.A.

Fonte: jornal Folha de S.Paulo


FRANS KRAJCBERG

Pintor, escultor, gravador, fotógrafo e artista plástico nascido na Polônia e naturalizado brasileiro.
Nascimento: 12 de abril de 1921, Kozienice, Polônia
Falecimento: 15 de novembro de 2017, Rio de Janeiro, RJ
Livros: Nouveau manifeste du naturalisme intégral, MAIS
Filmes: Socorro Nobre