terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Palavras polacas - 12


Pronúncia

Kask - cásk
Narty - nárte
Wiązania - vionzania
Kijki - kiki
Rękawice - rencávitsse
Gogle - gógle

A maioria das palavras polacas são paroxítonas, portanto a sílaba tônica, ou forte é a penúltima. Sublinhei as sílabas fortes, tônicas. Uma consoante sozinha no final das palavras, não é uma sílaba, portanto, não é a última.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Polônia: país mais católico do mundo

Missa na Catedral de Wawel em Cracóvia - panteão nacional

Cerca de 36 milhões de polacos se confessam católicos apostólicos romanos. Certamente é a maior proporção entre a população total de um país e uma única religião. Nem um outro país católico como Itália, Espanha, México ou Brasil possuem. Mais de 90% dos polacos são católicos da igreja do Papa Francisco.

Mas o Instytut Statystyki Kościoła Katolickiego (ISKK) (Instituto de Estatística da Igreja Católica) publicou esta semana uma pesquisa com base no ano de 2015. Os dados referem-se aqueles polacos que vão à missa aos domingos e àqueles que nestas missas realmente comungam.

A pesquisa apontou que a diocese com maior número de frequentadores das missas se encontra em Tarnów, cidade a 90 km de Cracóvia, com 70% dos católicos daquela diocese.

No dia em que a pesquisa foi realizada foram a igreja 10 milhões e 600 mil pessoas. Destas 4 milhões e 500 mil comungaram.

Isso não significa que apenas 40% dos polacos vão à missa, porque a pesquisa foi realizada apenas num único domingo. E missa tem todo dia e mesmo que não tenha missa, o polaco vai a igreja para rezar a qualquer momento e em qualquer dia.

Outras dioceses com alto percentual apontadas pela pesquisa com mais de 50% de frequentadores são de Rzeszów, Przemyśl e Cracóvia. Depois seguem as dioceses com mais de 30% de frequentadores daquela missa de domingo, em Szczeciń, Kamień, Koszalin, Kołobrzeg, Łódż e Zielona Góra.

O ISKK também registrou naquele dia que os padres realizaram 370 mil batismos, 360 mil primeiras-comunhão, 270 mil crismas e 134 mil casamentos.

Outro dado encontrado foi sobre quantos católicos de cada diocese moram no estrangeiro. O que dá bem uma ideia de que regiões da Polônia emigraram em maior número, os polacos para o exterior.

Estão no estrangeiro 73.224 pessoas da diocese de Szczeciń, 89.746 de Koszalin-Kołobreg, 65.418 de Elbląg, 83.152 de Toruń, 48.045 de Ełk, 85.646 de Poznań, 94.222 de Legnica, 54.165 de Wrocław, 108.002 de Świdnica, 85.967 de Opole, 65.731 de Radom, 112.678 de Lublin, 94.740 de Rzeszów e 92.388 de Przemyśl.

Em relação à população, as dioceses com menores números de emigrantes são Katowice com 50.150 pessoas de uma população de 1.759.993, Varsóvia com 75.413 pessoas de uma população de 1.529.930, Sandomierz com 36.986 pessoas de uma população de 752.730 e Cracóvia com 98.817 pessoas de uma população de 1.651.533.

De acordo com a pesquisa dos 39 milhões de habitantes, 32 milhões e 600 mil católicos vão a igreja regularmente, ou seja 82% dos católicos polacos.

Teto da Mariacka - Basílica Santa Maria de Cracóvia

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Palavras polacas - 11

Pronúncia

Bałwan - bauvan
Lód - lud
Kijkiquiiqui
Płatek śniegu - puaték chiniégu
Łyżwy - uejive
Narty - narte
Kij hokejowy - quii rokeióve
Krążek - cronjék
Sanki - sanqui


A maioria das palavras polacas são paroxítonas, portanto a sílaba tônica, ou forte é a penúltima. Sublinhei as sílabas fortes, tônicas. Uma consoante sozinha no final das palavras, não é uma sílaba, portanto, não é a última.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Governo polaco compra quadro símbolo de Cracóvia

A Dama e o Arminho, um dos quatro retratos femininos conhecidos de Leonardo da Vinci é a obra mais famosa exposta na Polônia.
Nesta quinta-feira, o quadro passou para as mãos do Estado através de um acordo secreto.


Após negociações que correram em sigilo entre o Ministério da Cultura e a Fundação Czartoryski, terminaram em cerimônia de transmissão, no Castelo Real em Varsóvia.

O quadro foi comprado em Milão, no final do século XVI, pelo filho da rainha Isabel Czartoryska, esposa do último rei polaco August Poniatowski.

Em um anúncio, o ministério se refere à “solução definitiva do estatuto da coleção da família Czartoryski”. Mas o próprio ministro de Cultura, Piotr Glinski, falou em “compra”. “A quantia pela qual o Estado polaco compraria esta coleção (…) não teria nada a ver com seu preço de mercado, seria várias vezes menor”, declarou Glinski à rádio pública. O montante não é conhecido, mas a imprensa polaca calcula que seja 230 milhões de euros (mais de 1 bilhão de reais).

Esta coleção, uma das mais antigas e ricas da Europa, foi fundada em 1801 pela rainha Elżbieta Czartoryska para reunir e conservar obras de arte polacas e europeias quando seu país estava invadido e ocupado pelos Reinos da Rússia e Prússia e Império Austríaco, que derrubaram o reinado de seu marido.
O valor real da coleção, que contém milhares de objetos, entre eles o óleo Paisagem com o Bom Samaritano, de Rembrandt, é quase impossível de se calcular e pode ultrapassar muitos bilhões de euros.

Desde a queda da União Soviética, a coleção pertence à Fundação Czartoryski, fundada e presidida por Adam Karol Czartoryski, e tem sua residência oficial no Museu Czartoryski de Cracóvia. Com esta compra o quadro de Da Vinci que é um dos símbolos da cidade de Cracóvia vai mudar de cidade. O que desagrada em muito os cracovianos.
O governo quer garantir que a coleção nunca saia da Polônia, uma possibilidade que existe, enquanto pertencer à fundação que será um dia controlada pelos herdeiros de Adam Karol, de 76 anos, os quais nasceram no exterior e guardam poucos laços com seus ancestrais. “A intenção do ministro da Cultura é mantê-la na Polônia para as gerações futuras”, disse o ministério por email.

A negociação secreta com o Estado gerou fortes tensões com o conselho de administração polaco da Fundação, que reagiu renunciando. “O conselho não participou nas conversas, não teve nenhuma influência na redação do contrato nem na decisão sobre o futuro da instituição após sua venda ao Tesouro Público, nem na determinação do seu preço de venda que, segundo o que diz a imprensa, está longe do valor real” da coleção, lamentou o presidente que acabou por renunciar ao cargo, Marian Wolkowski-Wolski.

Fonte AFP

P.S. Mais uma das trapalhadas no governo de extrema direita que venceu as últimas eleições por ampla maioria da população do país. 

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Polônia mais dividida que nunca


A sociedade polaca está profundamente dividida após um ano do partido nacionalista e ultraconservador Direito e Justiça no poder, uma força populista e cujas reformas foram questionadas pelas instituições europeias.

O Partido Direito e Justiça (PiS) ganhou as eleições gerais de outubro de 2015 com a primeira maioria absoluta da democracia moderna polaca, graças, especialmente, ao apoio de idosos, população rural, grande parte do clero católico, trabalhadores de baixa formação e, em geral, ao descontentamento com a globalização.

A partir daí, o partido pôs em prática uma agenda que combina uma economia social com um rançoso tradicionalismo, alinhado com políticas nacionalistas, se distanciando de Bruxelas e com uma clara oposição para acolher refugiados.

Embora seus partidários aplaudam suas medidas, o número de críticos aumentou até o ponto em que toda a oposição se uniu em um único bloco contrário ao governo da primeira-ministra Beata Szydło, que é liderado pelo presidente do PiS, Jarosław Kaczyński.

"A Polônia está doente e sofre com a falta de democracia", afirmou o líder do Comitê em Defesa da Democracia (KOD), Mateusz Kijowski, um movimento popular que nasceu há um ano para lutar contra o Partido Direito e Justiça e que conta com cerca de 8 mil integrantes, fundamentalmente profissionais liberais, professores e empresários.

O KOD organizou ao longo deste ano várias mobilizações contra as políticas do PiS e, em maio, com apoio do bloco opositor, conseguiu reunir cerca de 240 mil pessoas na capital Varsóvia naquele que é considerado o maior protesto desde a queda da Cortina de Ferro, embora o núcleo duro de eleitores do PiS também tenha protagonizado vários atos de apoio ao Executivo.

Kaczyński gosta de insistir que protagoniza uma espécie de "contrarrevolução cultural" para conter a influência da União Europeia, que, na opinião do político, solapou as tradições polacas e a cultura de seu país, e acusa os liberais de terem vendido a pátria aos interesses europeus.

Essa "contrarrevolução cultural" é especialmente incômoda para coletivos urbanos, europeístas, partidários da igualdade de gênero, do aborto, ambientalistas, defensores do casamento gay e, sobretudo, os que são favoráveis ao acolhimento de refugiados no país.

Mas o Direito e Justiça não fica apenas nas palavras e iniciou uma série de reformas que causaram temor em Bruxelas, especialmente a do Tribunal Constitucional e a nova lei dos meios de comunicação, que, segundo a oposição, submete os veículos de informação públicos ao controle do governo polaco.

A reforma do Tribunal Constitucional, que deixou praticamente paralisada esta instituição e impossibilita que ela controle de forma efetiva as políticas do Executivo, mereceu as críticas não só da Comissão Europeia (CE), mas dos Estados Unidos e de instituições internacionais.

A Comissão Europeia abriu em fevereiro uma investigação sobre esta polêmica reforma que poderia concluir com a suspensão do direito de voto europeu a Polônia como sanção, se for confirmado que a mesma infringiu os padrões democráticos e de direitos humanos da UE.

As políticas do PiS também trazem preocupação aos empresários locais, enquanto os investidores estrangeiros se sentem ameaçados por um governo que declarou prioritário promover os interesses nacionais, com impostos especiais para os setores dominados pelo capital estrangeiro.

A presidente da Confederação de Empresários Polacos (Konfederacja Lewiatan) e ex-ministra da Indústria, Henryka Bochniarz, reconheceu "o risco de que a Polônia seja percebida como um país antieuropeu, antiquado e fechado" pelo "patriotismo econômico" do atual governo, que gera "incerteza" entre os empresários.

Fonte: EFE
Nacho Temiño.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

A cada vez mais atraente Varsóvia


Uma capital cada vez mais dinâmica, onde grupos internacionais e "startups" procuram um lugar. Varsóvia é uma das cidades europeias com um maior ritmo de desenvolvimento. Conheça as razões que tornaram a capital da Polônia num pólo privilegiado de negócios.

O ritmo de desenvolvimento de Varsóvia, traduz-se na concentração do maior número de estabelecimentos comerciais na Europa Central, totalizando mais de 4,5 milhões de metros quadrados. Há aqui mais de 27 mil empresas de capital estrangeiro.

Em 1992, a General Electric tornou-se numa das primeiras multinacionais a abrir uma filial nesta cidade. Hoje em dia, conta com cerca de 6.500 funcionários no país que trabalham nos setores da aviação, energia, equipamento médico e tecnologias de informação.

“Passados 25 anos, temos a noção de que foi uma decisão acertada vir para aqui e que levou até a uma expansão da nossa atividade, uma vez que o capital humano é excecional. Há vários recursos disponíveis aqui tanto para as startups, como as grandes empresas. Há um acesso privilegiado a profissionais bem preparados e dispostos a trabalhar”, afirma Beata Stelmach, diretora executiva da GE Polônia.

“Toda mundo gosta de sair em Varsóvia”

Varsóvia acolhe 30% das cerca de 2.400 "startups" polacas. A Startup Poland é uma ONG que ajuda projetos empresariais a darem os primeiros passos. “Estamos em plena expansão, mas o crescimento ainda podia ser maior. Promovemos trocas de conhecimentos e de boas práticas entre empreendedores. Criámos pontos de encontro, como o centro de criatividade, onde decorre o nosso programa de desenvolvimento”, declara a responsável, Julia Krysztofiak-Szopa.

E esse programa consiste em delinear o potencial comercial de cada "startup", identificar o alcance internacional, fornecer acompanhamento específico e incentivar à interação entre projetos. Ao mesmo tempo, os responsáveis municipais apostam em parcerias entre grupos internacionais e empresas polacas.

Segundo Michał Olszewski, vice-presidente da Câmara de Varsóvia, “a cidade de Varsóvia está tentando juntar grandes marcas, grandes empresas, com startups, lançando programas onde todos possam colaborar na resolução de problemas, que muitas vezes são questões que dizem respeito a nós, enquanto representantes municipais. As principais razões para uma empresa se instalar em Varsóvia são a acessibilidade do mercado, uma força de trabalho bem preparada e boa infraestrutura, que promovem a qualidade de vida desta cidade”.



A capital polaca atrai cada vez mais turistas: em 2015, contaram-se mais de 6,5 milhões de visitantes, que procuram também os diversos eventos culturais que caraterizam esta cidade. Além disso, tem tido igualmente muita procura no chamado turismo de negócios, que se reflete na organização de congressos, por exemplo.

O francês Philippe Godard veio viver em Varsóvia há 4 anos. Trabalha como diretor do hotel Sofitel. “Desde 2012, ano em que se organizou o Campeonato Europeu de Futebol, o interesse por Varsóvia cresceu bastante. E é um interesse tanto na área do lazer, como no turismo de negócios”, salienta.

Philippe nos levou numa visita guiada por um dos seus lugares favoritos, uma espécie de mercado cheio de restaurantes, numa cidade que já o seduziu completamente.

É uma cidade extremamente moderna, muito aberta. Comparando com outras cidades, há aqui uma atmosfera um pouco à americana. E é uma mistura muito interessante. Por um lado, uma cultura europeia antiga e, por outro, a modernidade e energia americanas. Toda mundo gosta de sair em Varsóvia, tanto no verão, como no inverno. A grande diferença é que, no verão, as pessoas vão passear ao ar livre. No inverno, vão passear, mas em espaços interiores. Temos aqui um exemplo: estamos no meio da semana e isto aqui está cheio de gente. Há vida. As pessoas também costumam ir a casa dos amigos, mas gostam de sair. Os polacos são muito sociáveis. Sente-se muito em Varsóvia esta vontade de descobrir outras culturas, de abertura em relação aos outros”, considera.

Texto publicado em Euronews

Assista o vídeo desta reportagem da TV Euronews

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

A decisão surpreendente do Vaticano: Jędraszewski

O arcebispo Jędraszewski substituirá o cardeal Dziwisz em Cracóvia.
Foto de Marcin Stpie

O novo cardeal metropolitano de Cracóvia será o Arcebispo Marek Jędraszewski, de Łódź. Ele vai substituir o Cardeal Stanisław Dziwisz que vai se aposentar.

O longevo secretário particular do Papa João Paulo II, Dziwisz já deveria ter se aposentado há dois anos, quando completou 75 anos de idade em abril de 2014, ano da canonização de João Paulo II. O Papa Francisco permitiu-lhe dirigir a diocese até o fim da Jornada Mundial da Juventude.



Dziwisz ficou muito mais tempo, porque a Polônia mudou seu Núncio Apostólico. E é o Núncio quem determina o preenchimento de vagas nas dioceses. Na verdade, ele nomeia depois de uma consulta com os bispos locais e sacerdotes da diocese, que aponta três candidatos. Entre estes, o Papa escolhe seu favorito (mas pode também escolher alguém de fora desta lista).

Dom Salvatore Pennacchio é o novo núncio, na Polônia, desde 31 de outubro. O Papa Francisco o nomeou no lugar do arcebispo. Celestino Migliore, que depois da Jornada Mundial da Juventude foi enviado para as missões na Rússia.

A nomeação em Cracóvia é a primeira decisão pessoal Arcebispo Pennacchio. 

O Arcebispo Jędraszewski "primus eterna"?

O Arcebispo Marek Jędraszewski tem 67 anos de idade. Em 1997, ele era bispo auxiliar. Estudou em Poznań, Cracóvia e Roma. Desde 2002 é professor de filosofia.

Jędraszewski inicialmente foi considerado um clérigo aberto e moderno. Defendeu sua tese de doutorado em 1979. Nela, escreveu sobre as realizações de Emmanuel Levinas, um filósofo francês que foi inspiração para os estudos de Jozef Tischner.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

130 anos da Colônia Antonio Prado no Paraná

Participei na manhã deste domingo, 4 de dezembro, das comemorações dos 130 anos da Colônia Antônio Prado.


O dia começou cedo. Às 8h30 minutos foi rezada missa, na Igreja Santo Antonio, intercalada de discursos do diácono, do presidente da Associação dos Descendentes, promotora do evento, e de Rafael Kazubek. Também foram entregues certificados aos descendentes das primeiras famílias da colônia.
Terminada a missa houve a inauguração do monumento com placas dos nomes das primeiras famílias de imigrantes e de um pequeno histórico da colônia.
Em seguida, fiz palestra, diante do monumento, contando curiosidades da imigração das três etnias, deturpações das grafias dos sobrenomes polacos, Guerra do Contestado, descobrimento do Brasil e contribuições da cultura polaca para o Brasil.

Igreja Santo Antonio na Colônia Antonio Prado

A colônia Antônio Prado foi dividida ao meio, estando atualmente em dois municípios, parte em Almirante Tamandaré e outra parte em Colombo, na região metropolitana de Curitiba. A igreja e seu salão de festas, mais o cemitério estão em Almirante Tamandaré.

A colônia foi fundada, por lei estadual, em 15 de agosto de 1886, "em terrenos comprados pelo Estado, no município de Curityba distante 16 km da cidade." (Jornal Gazeta Paranaense de 10 de Setembro de 1887, pág. 01). Com uma superfície de 4,149:566,24 metros quadrados; dividida em 54 lotes, mais uma área reservada de 116097,08 metros quadrados para casa escolar, moradia do professor e capela.

Mapa da divisão dos 55 lotes - Arquivo do Instituto de Terras e Cartografia do Paraná

A colônia foi estabelecida em terras compradas pelo governo provincial do senhor 

O Jornal Gazeta Paranaense ,de 21 de Setembro de 1886, publicou em sua primeira página os valores da transação:
"A thesouraria de fazenda. – Mande v. s. pagar a Roberto Lunkmoss, pelo credito destinado a compra de terras para localisação de immigrantes, a quantia de Rs. 10:288$032 correspondente a 857.336 b2 de terrenos comprados ao mesmo para o estabelecimento do núcleo Antonio Prado e mais Rs. 558$300, importância da indemnisação de bemfeitorias, constantes de duas casas de morada existentes em taes terrenos, perfazendo tudo a quantia de Rs. 10:846$332."

Segundo despacho de 31 de janeiro de 1887, do agente Cândido R. Soares de Meirellles, da Agência Oficial de Colonização de Curitiba, foram assentados na Colônia Antônio Prado: um casal de brasileiros; 73 pessoas de nacionalidade italiana, sendo 19 homens, 16 meninos menores de 10 anos de idade, 23 mulheres e 15 meninas menores de 10 anos de idade; 107 pessoas de nacionalidade polaca, sendo 32 homens, 29 meninos menores de 10 anos de idade, 22 mulheres e 24 meninas menores de 10 anos de idade. Num total de 182 pessoas.

Num quadro da Agência Oficial de Colonização de Curitiba encontramos uma a uma as pessoas assentadas na Colônia Antonio Prado, constando seus nomes, idade, nacionalidade, estado civil, sexo e número do lote colonial destinado:

COLÔNIA ANTÔNIO PRADO - CURITIBA / 1886


Nº de ordem
Nomes
Ida­de
Nacionali­dade
Estado Civil
Sexo
Nº do Lote
1
1º 
Franz Schlichtg
31
Polaca
Casado
M
1
2
Rozália Schlichtg
35
Polaca
Casada
F
3
Franz
9
Polaco
Solteiro
M
4
Juliana
4
Polaca
Solteira
F
5
Maria
5
Polaca
Solteira
F
6
Miguel Kubis
52
Polaco
Viúvo
M
3
7
Peter
28
Polaco
Casado
M
8
Maria
21
Polaca
Casada
F
9
Catharina
12
Polaca
Solteira
F
10
Martino
17
Polaco
Solteiro
M
11
Hisbertha
16
Polaca
Solteira
F
12
Paul
11
Polaco
Solteiro
M
13
Stephan
9
Polaco
Solteiro
M
14
Joan
5
Polaco
Solteiro
M
15
Andreas Ku­bis
70
Polaco
Casado
M
21
16
Francisca
50
Polaca
Casada
F
17
Miguel
16
Polaco
Solteiro
 M
18
4
Blauziere Bozegite
31
Polaco
Casado
M
15
19
Tecla
28
Polaca
Casada
F
20
Francisca
8
Polaca
Solteira
F
21
Franz
6
Polaco
Solteiro
M
22
Maria
5
Polaca
Solteira
F
23
Joan
3
Polaco
Solteiro
M
24
Juliana
1
Polaca
Solteira
F
25
5
Bruno Miolete (Milek)
40
Polaco
Casado
M
26
26
Christina
36
Polaca
Casada
F
27
5
Sophia
12
Polaca
Solteira
F
28
Catharina
16
Polaca
Solteira
F
29
Peter
8
Polaco
Solteiro
M
30
Alberto
3
Polaco
Solteiro
M
31
Josef
9 mezes
Polaco
Solteiro
M
32
6
Jacob Masciosh
29
Polaco
Casado
M
33
33
Rozália
24
Polaca
Casada
F
34
Christof
2
Polaco
Solteiro
M
35
7
Gaspar Golmi
53
Polaco
Casado
M
36
Francisca
46
Polaca
Casada
F
37
8
Simão Pampuh
37
Polaco
Casado
M
38
Barbara
32
Polaca
Casada
F
39
Joan
11
Polaco
Solteiro
M
40
Franz
8
Polaco
Solteiro
M
41
Juliana
6
Polaca
Solteiro
F
42
Paulina
4
Polaca
Solteira
F
43
Josef
2
Polaco
Solteiro
M
44
9
Roberto Manika
36
Polaco
Casado
M
28
45
Carolina
34
Polaca
Casada
F
46
Maria
6
Polaca
Solteira
F
47
Suzana
3
Polaca
Solteira
F
48
Josef
6  mezes
Polaco
Solteiro
M
49
10º
Francisca Hosk
67
Polaca
Viúva
F
50
Ignatz Felippe
28
Polaco
Casado
M
8
51
Margarida
28
Polaca
Casada
F
52
Maria
4
Polaca
Solteira
F
53
10º
Franz
6 Mezes
Polaca
Solteiro
M
54
11º
Juhan Rudoska
39
Polaco
Casado
M
16
55
Juliana
33
Polaca
Casada
F
56
Johan
12
Polaco
Solteiro
M
57
Anna
10
Polaca
Solteira
F
58
Carlos
8
Polaco
Solteiro
M
59
Leopoldo
5
Polaco
Solteiro
M
60
Victorino
3
Polaco
Solteiro
M
61
12º
Paul Klimeck
25
Polaco
Casado
M
6
62
Juliana
24
Polaca
Casada
F
63
Johan
1
Polaco
Solteiro
M
64
Maria Dusk
15
Polaca
Solteira
F
65
13º
Josef Schilisting
42
Polaco
Casado
M
2
66
Juliana
38
Polaca
Casada
F
67
Maria
17
Polaca
Solteira
F
68
Elisabeth
15
Polaca
Solteira
F
69
Agnes
13
Polaca
Solteira
F
70
Josef
8
Polaco
Solteiro
M
71
Alberto
1
Polaco
Solteiro
M
72
14
Franz Filla
26
Polaco
Casado
M
27
73
Juliana
28
Polaca
Casada
F
74
Rozália
3
Polaca
Solteira
F
75
Josef
2 mezes
Polaco
Solteiro
M
76
15
Johan Schilichting
30
Polaco
Casado
M
11
77
Agath
29
Polaco
Casado
F
78
Anna
4
Polaca
Solteira
F
79
15
Eduvig
3
Polaca
Solteira
F
80
Maria
2
Polaca
Solteira
F
81
16
Johan Gosit
28
Polaco
Casado
M
20
82
Eduvige
25
Polaca
Casada
F
83
Rozalia
1
Polaca
Solteira
F
84
17
Adalberto Piekas
32
Polaco
Casado
M
14
85
Maria
32
Polaca
Casada
F
86
Rockus
6
Polaco
Solteiro
M
87
Miguel
5
Polaco
Solteiro
M
88
Rozalia
3
Polaca
Solteira
F
89
Paulina
6 mezes
Polaca
Solteira
F
90
18
Johan Campa
41
Polaco
Casado
M
10
91
Bertha
45
Polaca
Casada
F
92
Peter
12
Polaco
Solteiro
M
93
Maria
10
Polaca
Solteira
F
94
Paulina
4
Polaca
Solteira
F
95
Victoria
1
Polaca
Solteira
F
96
19
Josef Piahhoh
35
Polaco
Casado
M
97
Josephina
35
Polaca
Casada
F
98
Anna
8
Polaca
Solteira
F
99
Rosária
4
Polaca
Solteira
F
100
Antonio
1
Polaco
Solteiro
M
101
20
Miguel Kolowisk
48
Polaco
Casado
M
19
102
Catharina
40
Polaca
Casada
F
103
Paulina
19
Polaca
Solteira
F
104
Miguel
17
Polaco
Solteiro
M
105
20
Julio
7
Polaco
Solteiro
M
106
Franz
4
Polaco
Solteiro
M
107
21
Thomaz Coradaccio
42
Italiano
Casado
M
25
108
Elizabeth
36
Italiana
Casada
F
109
Pedro
16
Italiana
Solteiro
M
110
José
11
Italiano
Solteiro
M
111
João
7
Italiano
Solteiro
M
112
João Batista Balzick
3
Polaco
Solteiro
M
15
113
22
Maria Toniata
65
Italiana
Viúva
F
34
114
Margarida Toniata
55
Italiana
Viúva
F
115
23
Antonio Coradesio
56
Italiano
Casado
M
4
116
Santa
56
Italiana
Casada
F
117
Joanna
17
Italiana
Solteira
F
118
Valentino Coradacio
54
Italiano
Viúvo
M
119
24
Diogo Mariana
59
Italiano
Viúvo
M
13
120
Antonio
22
Italiano
Solteiro
M
121
25
Colman Anna
50
Polaca
Viúva
F
31
122
Antonio Luiz
16
Italiano
Solteiro
M
123
Maria
10
Italiana
Solteira
F
124
26
Jacome Antoniaco
34
Italiano
Casado
M
18
125
Ana
32
Italiana
Casada
F
126
David
5
Italiano
Solteiro
M
127
João
2
Italiano
Solteiro
M
128
Lucia
22
Italiana
Solteira
F
129
27
Previsto Joanni
25
Italiano
Casado
M
29
130
Valentina
25
Italiana
Casada
F
131
27
José
1
Italiana
Solteiro
M
132
28
Comis Floriano
40
Italiano
Viúvo
M
5
133
Maria
10
Italiana
Solteira
F
134
Elisabeth
8
Italiana
Solteira
F
135
Sebastião
5
Italiano
Solteiro
M
136
29
Coradacio Antonio
82
Italiano
Casado
M
9
137
Marianna
66
Italiana
Casada
F
138
Ambrosio
44
Italiano
Casado
M
139
Maria
47
Italiana
Casada
F
140
Marianna
11
Italiana
Solteira
F
141
Luiza
10
Italiana
Solteira
F
142
Maria
6
Italiana
Solteira
F
143
Pedro
4
Italiano
Solteiro
M
144
Ana
2
Italiana
Solteira
F
145
30
Ansneto Agostinho
40
Italiano
Solteiro
M
23
146
Maria
36
Italiana
Solteira
F
147
José
15
Italiano
Solteiro
M
148
Lucia
11
Italiana
Solteira
F
149
Valentim
9
Italiano
Solteiro
M
150
Anna
8
Italiana
Solteira
F
151
João
5
Italiano
Solteiro
M
152
Elizabetha
5
Italiana
Solteira
F
153
Esidoro
2
Italiano
Solteiro
M
154
Eustaquio
3
Italiano
Solteiro
M
155
Maria
1
Italiana
Solteira
F
156
31
Gregor Duchka
40
Polaco
Casado
M
7
157
31
Margaritha
39
Polaca
Casada
F
158
Joseph
16
Polaco
Solteiro
M
159
Maria
9
Polaca
Solteira
F
160
32
Valentim Wistuba
35
Polaco
Casado
M
12
161
Paulina
30
Polaca
Casada
F
162
Maria
9
Polaca
Solteira
F
163
Dorothea
7
Polaca
Solteira
F
164
Nicolau
2
Polaco
Solteiro
M
165
Leopoldo
8 mezes
Polaco
Solteiro
M
166
33
Guiomar Ferreira
40
Brasileira
Viúva
F
32
167
34
José Francisco
36
Brasileiro
Casado
M
37
168
Maria Josepha
26
Brasileira
Casada
F
169
Maria
6
Brasileira
Solteira
F
170
35
João Wanelli
40
Italiano
Casado
M
35
171
Francisca
35
Italiana
Casada
F
172
João
12
Italiano
Solteiro
M
173
36
Rigossi Pietro
35
Italiano
Casado
M
36
174
Maria
30
Italiana
Casada
F
175
Josef
12
Italiano
Solteiro
M
176
Maria
8
Italiana
Solteira
F
177
37
Antonieta Maria
40
Italiana
Solteira
F
34
178
Josef
16
Italiano
Solteiro
M
179
38
Bertolo Pontesoli
45
Italiano
Casado
M
38
180
Maria
40
Italiana
Casada
F
181
39
José Kusebeck
50
Polaco
Casado
M
30
182
Josepha
40
Polaca
Casada
F



Fonte: Arquivo Público do Paraná

Analisando os dados da Agência de Colonização de Curitiba, observa-se que na verdade eram 4 os brasileiros, segundo a tabela de Cândido R. Soares de Meirellles e não apenas um casal.
Também a discrepância na grafia dos nomes e sobrenomes é evidente, e isto devido a grafia germanizada dos documentos que os imigrantes polacos portavam, já que eram procedentes da Silésia polaca, ocupada pelos saxões (prussos e depois alemães) desde 1795, e pela tentativa de aportuguesar os nomes e sobrenomes fossem italianos, alemães ou polacos.

Convém, então, apresentar a grafia correta dos polacos e italianos:

POLACOS
- Alberto = Albert
- Adalberto = Wojciech (pronuncia-se: voitchiéhrrr)
- Agnes = Agnieszka (Inês, em português) (pronuncia-se: agniéchca)
- Agath = Agata (Águeda, em português)
- Ana = Anna
- Andreas = Andrzej (André, em português) (pronuncia-se: andjiei)
- Antonio = Antoni
- Bárbara = Barbara
- Bertha = Berta
- Blauziere = Błażej (Brás, em português) (pronuncia-se: buájei)
- Bruno = Brunon
- Carlos = Karol
- Carolina = Karolina
- Catharina = Katarzyna (pronuncia-se: catajena)
- Christina = Krystyna
- Christof = Krzysztof (pronuncia-se: kjêchtóf)
- Dorothea = Dorota
- Elisabeth = Elżbieta (pronuncia-se: Eljibiéta)
- Eduvig / Eduvige = Jadwiga (Edvirges, em português) (pronuncia-se: iadviga)
- Franz = Franciszek (Francisco, em português) (pronuncia-se: frantchichék)
- Francisca = Franciszka (pronuncia-se: frantchichca)
- Gaspar = Kacper (pronuncia-se: cátsper)
- Gregor = Grzegorz (Gregório, em português) (pronuncia-se: gjegój)
- Hisbertha = Gisberta (pronuncia-se guisberta)
- Ignatz = Jgnacy (pronuncia-se: ignacê)
- Jacob / = Jakub (Jacó, em português) (pronuncia-se: iácub)
- Joan / Johan / Juhan = Jan (João, em português) (pronuncia-se: ian)
- Josef / José = Józef (pronuncia-se: iuséf)
- Josepha = Józefa (pronuncia-se: iuséfa)
- Julio = Juliusz
- Juliana = Julianna
- Leopoldo = Leopold
- Maria = Maria
- Margarida = Małgorzata (pronuncia-se: maugójata)
- Martino = Marcin (pronuncia-se: martchin)
- Miguel = Michał (pronuncia-se: mirráu)
- Nicolau = Mikołaj (pronuncia-se: micóuai)
- Paul = Paweł (Paulo, em português) (pronuncia-se: páveu)
- Paulina = Paulina
- Peter = Piotr (Pedro, em português) (pronuncia-se: piótr)
- Roberto = Robert
- Rockus = Roch (Roque, em português) (pronuncia-se: Róhrrr)
- Rozália = Rozalia
- Simon = Szymon (Simão em português) (pronuncia-se: chêmon)
- Sophia = Zofia
- Stephan = Stefan (Estefano, em português)
- Susana = Suzanna
- Tecla = Tekla
- Victorino = Wiktorio
- Victoria = Wiktoria

ITALIANOS
- Agostinho = Agostin
- Antonieta = Antonella 
- Ambrósio = Ambrogio
- David = Davide
- Elizabetha = Isabela
- Francisca = Francesca
- João = Gian
- Jacome = Giacomo
- José = Giuseppe
- Luis = Luigi
- Margarida = Margherita
- Mariana = Marianna
- Pedro = Pietro 
- Sebastião = Sebastiano
- Thomas = Tommaso

GRAFIA DOS SOBRENOMES

SCHILICHTING
Quanto aos sobrenomes também existem evidentes germanizações. O mais claro é o da família "Schilichting" (que embora exista como alemão de origem), no caso destes imigrantes da Colônia Antonio Prado, que são polacos da Silésia (região ocupada pelos saxônicos - prussos, alemães - entre 1795 e 1918) a grafia correta em polaco é SZLICHTA e se pronuncia chlihrrrta (ch tem pronuncia de R gutural mudo). Uma tradução possível para português deste sobrenome seria: arenga, discurso, conflito.

Atualmente na Polônia existem 183 pessoas com o sobrenome Szlichta em 36 localidades e cidades. Em Dąbrowa Tarnowska existem 19 pessoas com este sobrenome. Ele está presente também em Sandomierz (17 pessoas), Ostrowiec Świętokrzyski (15 pessoas), Łomża (14 pessoas), Bytom (10 pessoas), em Tarnów e arredores (9 pessoas), em Bydgoszcz e arredores (9 pessoas), Szczecin (8), em Tarnobrzeg e arredores (8 pessoas) e em Częstochowa e arredores (6 pessoas).

COLMAN
Aparentemente, o agente de colonização de Curitiba anotou incorretamente a nacionalidade da senhora viúva Anna KOLMAN como sendo italiana. Pois tudo leva a crer que grafia correta é com a letra K do alfabeto polaco. Atualmente existem 585 pessoas com esse sobrenome em 88 localidades da Polônia. 

FILLA
O sobrenome Filla em idioma polaco se escreve apenas com um L. Atualmente existem 3474 pessoas com o sobrenome Fila, em 220 localidades. A maior concentração é na cidade de Opole (na Silésia), região de onde saíram os Fila da Colônia Antonio Prado (Almirante Tamandaré/Colombo-PR).

KUBIS
O sobrenome Kubis admite também em polaco a grafia Kubiś (pronuncia-se cubich) com acento agudo no S.
Atualmente existem 2190 pessoas com o sobrenome Kubis em 165 localidades e 2489 pessoas com o sobrenome Kubiś em 170 localidades da Polônia.

BOZEG
O sobrenome certamente é grafado em polaco com a letra Z acompanhada de um ponto em cima Ż, ou seja Bożeg. A tradução seria literalmente: Natal (declinado). Não atualmente na Polônia nenhuma pessoa com este sobrenome, que muito provavelmente foi extinto no país.

PIEKAS
Normalmente o S em idioma polaco, neste sobrenome, é acentuado com um acento agudo, o que faz que fique PIEKAŚ e se pronuncia "piécachi". No momento existem 13 pessoas em 4 localidades da Polônia. E em se aceitando a adulteração germânica como Piekatz existem 8 pessoas em 4 localidades da Polônia. Seriam da mesma família.

MILEK
Atualmente existem apenas 124 pessoas com este sobrenome na Polônia. Quase todas na região da Silésia, em 12 localidades diferentes.

MASCIOSH
A grafia mais provável para este sobrenome em idioma polaco é MACIOSZ, pronunciando-se matchióch. Na Polônia atualmente existem apenas 34 pessoas com esse sobrenome em 12 localidades.

GOLMI
Outro sobrenome que aparentemente desapareceu na Polônia. Existe apenas uma referência de uma empresa GOLMI de propriedade de Marcin Gołasiński-Kulasiński, ao que tudo indica uma junção de Goł  com Mi, e não como sendo de origem do sobrenome Golmi da Colônia Antonio Prado - PR.

PAMPUCH
Existem 583 pessoas com este sobrenome em 62 localidades da Polônia. A maioria delas na Silésia. Pronuncia-se pámpuhrr (CH expirado como R gutural mudo)

MANIKA
Como Manika (pronuncia-se maNIca, como paroxitona) já não existem mais pessoas na Polônia. Pode ter acontecido uma declinação quando da pronúncia do sobrenome para autoridade alemãs de ocupação e brasileiras, pois sem o A apenas como Manik, ainda existem 78 pessoas em 17 cidades da Polônia.

HOSK
O sobrenome não existe mais na Polônia, pode estar adulterado.

FELIPPE
O mais correto é que escreva em polaco como Filip. É o sobrenome do pai da minha bisavó Anna Filip-Jaroński, Filha de Antoni FILIP e Katarzyna Ognik, nascida em Wojcieszków, em 1881, que se casou com meu bisavô Piotr Jarosiński, em 1900. Com dois filhos e duas filhas pequenas Anna e Piotr sairam da Polônia em 20 de maio de 1911 e chegaram no Rio de Janeiro em 14 de junho de 1911, sendo encaminhados para a Colônia do Tronco, em Castro.
Existem atualmente na Polônia 5884 pessoas com este sobrenome em 249 localidades.

RUDOSKA
Outro caso de sobrenome que muito provavelmente perdeu a letra W. O mais apropriado é que seja grafado em polaco como RUDOWSKA. Em assim sendo, existem atualmente na Polônia 664 pessoas com este sobrenome em 170 localidades, com 131 pessoas residindo em Varsóvia.

KLIMECK
O mais provável é que o sobrenome tenha sido acrescido da letra C, pois o correto em polaco seria KLIMEK. Sendo assim, existem 19.800 pessoas com esta grafia em 352 localidades da Polônia. 

DUSK
Provavelmente o sobrenome perdeu o I final. Como DUSKI, existem atualmente na Polônia 11 pessoas em 4 localidades diferentes.

GOSIT
Bastante provável que o nome tenha sido germanizado, pois não existe nenhuma pessoa com esta grafia de sobrenome na Polônia, atualmente.

CAMPA
Houve alteração da letra K por C. Assim como KAMPA existem 1600 pessoas em 67 localidades da Polônia nos dias de hoje.

PIAHHOH
Sobrenome totalmente deturpado pelas autoridades alemãs que emitiram os documentos desta família polaca. O provável que a grafia alemã seja PIANHOF, mas daí, deduzir-se qual a grafia polaca é quase impossível.

KOLOWSK
Muito provavelmente a grafia correta em polaco seja KOŁOWSKI com a letra polaca Ł, um L cortado transversalmente e com pronúncia de U. Dessa forma, existem na Polônia 110 pessoas com este sobrenome em 44 localidades.

BALZICK
A grafia correta em polaco é BARCIK. Existem 1634 pessoas com este sobrenome que se pronuncia "bartchik", em 93 localidades da Polônia.

DUCHKA
Outro sobrenome adulterado pelos invasores alemães. Por aproximação sonora, pode-se deduzir que seja DUSZKA, pois atualmente existem na Polônia 301 pessoas com esta grafia de sobrenome, em 52 localidades.

WISTUBA
Existem na Polônia, atualmente, 319 pessoas em 22 localidades com esta grafia de sobrenome, a maioria delas na Silésia, região de onde vieram estes imigrantes da Colônia Antonio Prado (hoje dividida entre Almirante Tamandaré e Colombo, na região metropolitana de Curitiba).

KUSEBECK
Muito provavelmente foi acrescido a letra C neste sobrenome. Seja com C ou sem, não existe nenhuma pessoa com em sobrenome na Polônia atualmente. Mas se alterar o primeiro U existem atualmente na Polônia apenas três pessoas com o sobrenome KASUBEK, duas em Katowice e outra em Mikołów. Na Alemanha, existem, hoje em dia, 53 pessoas assinando Kasubek em 12 cidades.
Mas se a grafia correta é com Z de KAZUBEK, então são 713 pessoas em 63 localidades da Polônia atualmente. A cidade com maior número de Kazubek é Varsóvia com 115 pessoas.
Os Kazubek estão presentes ainda em Lubartów (85 pessoas), Piaseczno (75), Pruszków (38), Krotoszyn (38), Radzyń Podlaski (29), Gostyń (26), em Wrocław e arredores (23), Gliwice (16) e em Mikołów (15). Portanto, as duas pessoas em Katowice e aquela de Mikołów, são da mesma família, só que com o Z trocado por S.