terça-feira, 13 de maio de 2014

Licheń: A maior igreja da Polônia

Basílica Menor de Nossa Senhora de Licheń
Considerado um dos países mais católicos do mundo, a Polônia possui 36,6 milhões de fiéis no país dos 39,6 milhões de habitantes.
Existem 10.114 paróquias no país e 17.533 igrejas e capelas. São 28.546 sacerdotes, incluindo 22.221 padres diocesanos, 6325 frades, 23.304 freiras, 1522 monges e sete diáconos permanentes.
A Igreja Católica Apostólica Romana na Polônia tem 135 bispos, 14.418 catequistas, e outras 1.081 pessoas pertencem a institutos seculares. São 15 cardeais metropolitanos.
A Polônia tem centenas de santos e bem-aventurados. Quatro deles foram elevados à categoria de padroeiros polacos, Święty Wojciech (São Adalberto – principal padroeiro da Polônia), św. Stanisław Biskup (São Bispo Estanislau – principal padroeiro da Polônia), św. Stanisław Kostka (São Estanislau Kostka) e św. Andrzej Bobola (São André Bobola).
Também são cultuados os demais santos polacos com bastante fervor: św. Królowa Jadwiga (Santa Rainha Edwirges - Padroeira da União Europeia e da Universidade), św. Faustyna Kowalska (Santa Faustina), św. Albert Chmielowski, św. Urszula Ledóchowska, bł. Jerzy Popiełuszko (Beato Jorge) e o mais famoso e recente em todo o mundo św. Jan Paweł II (São João Paulo II - cardeal Karol Wojtyła).
Atualmente existem 1803 candidatos ao sacerdócio em escolas de ensino médio e 6427 clérigos em seminários de ensino superior.

Catedral de Nossa Senhora de Częstochowa
A Igreja Católica administra 1240 jardins de infância e escolas primárias, com a participação de quase 133 mil estudantes, 417 escolas de ensino médio, com quase 83 mil alunos e 69 faculdades e universidades, com mais de 100 mil estudantes. A Igreja Católica polaca administra 33 hospitais, 244 ambulatórios, 267 asilos, centros de acolhimento de pessoas com deficiência e menores de idade, 538 orfanatos e lares de cuidados infantis, 1.820 clínicas e centros para a proteção da educação para a vida familiar em 1462 e centros de reeducação e 287 outras instituições de caridade e educação. A igreja de Roma é proprietária de 160 mil hectares de terras.
Igreja de Santo André
Somente em Cracóvia, cidade com mais de 750 mil habitantes, existem 175 igrejas e capelas. Algumas delas de reconhecimento internacional, como a Catedral de Wawel, a Basílica Mariacka, Igreja de Santo André (a mais antiga edificação em uso da cidade), Igreja de São Pedro e São Paulo, Igreja de Corpo de Cristo, Igreja de São Casimiro (com múmias em seu porão), Igreja de São Francisco (onde o Santo João Paulo II rezava todo manhã no mesmo banco próximo da porta de entrada) Igreja dos Dominicanos, Igreja de São Estanislau.
Catedral de Wawel
Basílica Maior Mariacka
Três Santuários estão entre os mais visitados do país, o da Santa Misericórdia, em Cracóvia (onde está o quadro original de Jesus Misericordioso de Santa Faustina) e Catedral de Montes Claros de Nossa Senhora de Częstochowa, (a padroeira da nação) e a Catedral de Nossa Senhora de Licheń (a maior da Polônia e 7ª. da Europa).

Outras religiões do país
Igreja Católica Apostólica Romana - 36.600.000 fiéis Igreja Ortodoxa bizantina-ucraniana - 55.000 fiéis Igreja Armênia - 5000 fiéis Igreja Neo Uniate - 147 fiéis.


A maior igreja da Polônia
Há muitos anos o Santuário de Licheń ocupa lugar de destaque no mapa mundial dos santuários marianos.
Encontra-se aqui um pequeno quadro com a imagem de Nossa Senhora, frequentemente designada pelos peregrinos como Rainha Dolorosa da Polônia.
O título que lhe conferiram os peregrinos surge por si mesmo: sobre a cabeça Maria traz uma coroa, ao peito abraça uma águia branca, e no seu manto encontram-se as insígnias da Paixão do Senhor. O culto desta imagem e a veneração de Nossa Senhora sob esta invocação têm uma história, cujos inícios remontam até ao século XIX.
A primeira aparição de Nossa Senhora aconteceu num campo de batalha perto de Lipsk, no ano de 1813, no meio de uma batalha sangrenta, onde participavam várias legiões polacas, que estavam a sofrer enormes perdas. Um dos legionários, Tomasz Kłossowski, ferreiro de profissão, encontrando-se bastante ferido por causa da batalha, começou a invocar o auxílio de Nossa Senhora, pedindo-lhe socorro.
Igreja consagrada a Santa Dorotéia

Envolto num sofrimento imenso, viu a silhueta da Virgem Maria andando pelo campo de batalha, a qual lhe prometeu ajuda e encarregou-o de encontrar um quadro com a representação da Sua imagem. Miraculosamente salvo, após vários anos de procura, o legionário encontrou o quadro com a representação da imagem de Nossa Senhora, que lhe havia aparecido no campo de batalha, perto de Lipsk. Tendo encontrado a imagem perto de Częstochowa, trouxe-a consigo para a sua casa em Izabelin, onde lhe dedicou uma especial devoção. Alguns anos depois, Tomasz Kłossowski levou a imagem para a floresta de Grąblin, situada a 3 km da sua casa. E ali colocou a imagem numa capelinha de madeira que pendurou num pinheiro, perto de uma vereda da floresta.
Em 1850, sucederam-se várias aparições de Nossa Senhora no lugar onde o quadro havia sido colocado. Numa silhueta parecida com a da imagem da capelinha da floresta, Nossa Senhora apareceu três vezes a um pastor chamado Mikołaj Sikatka, ao qual pediu que incentivasse os seus conterrâneos à penitência, à oração e à conversão.
Dois anos depois, a fama da imagem difundiu-se ainda mais, no tempo da epidemia de cólera, que se alastrou para além da população local. Os acontecimentos relacionados com a epidemia foram prenunciados por Nossa Senhora por meio do pastor Sikatka, em 1850. A população doente e ameaçada de contágio começou a reunir-se no local das aparições, diante da imagem que se encontrava na capelinha da floresta de Grąblin.
Mikołaj Sikatka
A fé, a oração fervorosa e a veneração a Nossa Senhora trouxeram aos fiéis a desejada saúde e as graças necessárias. Começou-se então a venerar ainda mais a imagem e sua a fama propagou-se por todas as localidades vizinhas. Por causa da crescente veneração da imagem e também por motivos de segurança, em 1852, a imagem foi transferida para a igreja paroquial de Licheń. Desde então a imagem foi sendo continuamente venerada naquele local e os fiéis começaram a acorrer ali em peregrinação, a fim de suplicarem as graças necessárias para si e para os seus, por intercessão de Nossa Senhora.
A eficácia da intercessão de Nossa Senhora de Licheń despertou nos fiéis a fé e o sentimento de gratidão. A sua convicção acerca da santidade e da magnificência daquele lugar fez com que ali voltassem repetidas vezes. Incentivados pela apelo de Nossa Senhora à penitência e à conversão, os peregrinos, muitas vezes, começavam a sua estadia no santuário recorrendo ao sacramento da Reconciliação. De alma purificada e de lágrimas nos olhos exprimiam assim os anseios do seu coração numa longa oração pessoal aos pés de Nossa Senhora.
Deus escolheu este local, a fim de derramar torrentes de graças para os seus fiéis, através das mãos de Nossa Senhora de Licheń.
No âmbito das comemorações do Milênio do Batismo da Polônia, no dia 15 de Agosto de 1967, a imagem foi condecorada com a coroa papal. A coroação da imagem de Nossa Senhora de LIcheń foi efectuada pelo Cardeal Stefan Wyszyński, Primaz da Polónia, o qual, enquanto aluno do Seminário Maior da Diocese de Włocławek trabalhou em Licheń  ali viveu a experiência daa cura miraculosa de uma doença incurável naquele tempo.
No ano de 1999 o Santuário foi visitado pelo papa João Paulo II, que consagrou o templo que entretanto havia sido construído em Licheń. O Sucessor de São Pedro pernoitou duas noites na cidade e durante a sua estadia a imagem milagrosa foi trazida para a sua capela privada, anexa ao quarto onde pernoitou. Acerca do templo que havia sido construído o papa disse: "Irmãos e irmãs, agradeço à Providência Divina, por me ter proporcionado passar por este Santuário durante o percurso da minha peregrinação à Pátria e por poder encontrar-me convosco no meio desta paisagem primaveril, nesta colina pitoresca, entre prados e florestas, a fim de realizar a consagração deste novo templo em honra da Santa Mãe de Deus. Olho com admiração para esta enorme construção, a qual no sua pujança arquitetônica exprime a fé e o amor a Maria e a Seu Filho. Graças sejam dadas a Deus por este templo."

Nave principal da Basílica de Licheń
O atual templo dedicado a Nossa Senhora de Licheń, no qual se encontra a imagem milagrosa é o maior templo da Polônia e por causa do seu significado para a vida da Igreja foi elevado à categoria de Basílica Menor pelo papa João Paulo II no ano de 2005.
O desenvolvimento deste local e a presença numerosa de peregrinos são acima de tudo obra de Deus. Maria, eleita para ser Mãe do Filho de Deus e, posteriormente, mãe de todos os fiéis, guia os passos dos seus filhos e incessantemente intercede por eles. A sua poderosa intercessão neste local frutifica não só nas almas e nas vidas das pessoas concretas, mas também no sinal visível do enorme templo, que, contra todas as expectativas, surgiu no meio de um campo de uma pequenina aldeia.
Para Deus não há coisas impossíveis. Alcançar a bênção de Deus é, pois, o intuito de muitos milhões de penitentes, que nas suas súplicas imploram vigorosamente a poderosa intercessão de Nossa Senhora. Ela lembra incessantemente aos peregrinos, que sem a bênção de Deus as atividades humanas não têm fundamento. O amor de Deus e a Sua Misericórdia infinita abrem diante da humanidade uma perspectiva de alegria verdadeira e definitiva. Nesta bela obra da salvação, que continuamente vamos conhecendo, esforçando-nos por realizá-la na nossa vida, acompanha-nos a nossa Mãe Santíssima. Pela Sua excelsa intercessão cheia de amor e solicitude, os peregrinos suplicam a Deus as graças necessárias para si, para os seus entes queridos, para os seus amigos e conhecidos.
A custódia do Santuário está ao encargo da Congregação dos Marianos da Imaculada Conceição, fundada pelo Beato Stanisław Papczyński em 1673. Esta Congregação é a mais antiga comunidade religiosa fundada por um polaco. A Congregação dos Marianos tem um caráter especificamente mariano. A sua missão consiste na difusão do culto à Imaculada Conceição da Beatíssima Virgem Maria, no desenvolvimento da atividade apostólica e na oração pelos fiéis defuntos.

Alojamento e alimentação
No terreno do santuário situam-se duas Casas de Peregrinos com capacidade para albergar de uma só vez mais de 1000 pessoas. O Santuário possui também uma cantina, onde os peregrinos podem fazer as refeições. Dos serviços de alojamento e de alimentação podem usufruir pessoas individuais, bem como grupos de várias centenas de pessoas.

Fonte: site www.lichen.pl

Postar um comentário