sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Tadeusz Kantor, a personalidade do teatro da Polônia


TADEUSZ KANTOR
Diretor de palco, criador de happenings, pintor, cenógrafo, escritor, teórico da arte, ator em suas próprias produções e professor na Academia de Belas Artes de Cracóvia.
Nascido em 1915, em Wielopole Skrzyńskie, distrito da cidade de Tarnów; morreu em 1990, em Cracóvia.


Kantor foi inspirado pelo construtivismo, Dadaísmo, arte informal e surrealismo. Ele foi aluno da Academia de Belas Artes de Cracóvia e estudou com Karol Frycz, um cenógrafo remanescente do período entre-guerras. 
Kantor encenou suas primeiras produções, "Orpheus" de Jean Cocteau, "Balladyna" de Juliusz Słowacki e de "Powrót Odysa" (O retorno de Ulisses) de Stanisław Wyspiański com uma companhia de teatro clandestino em performances realizadas em casas particulares.
Imediatamente após a guerra, ele trabalhou como cenógrafo, principalmente para o Stare Teatrz (Teatro Velho) de Helena Modrzejewska, em Cracóvia.
Kantor continuou a trabalhar regularmente para este teatro cracoviano durante toda a década de 1960, trabalhando em conjuntos abstratos.
Uma viagem para Paris, em 1947, inspirou-o a definir melhor a sua própria abordagem individual para pintura, e um ano depois, ele fundou a Grupa Krakowska (Grupo Cracóvia) e participou na Wielka Wystawa Sztuki Nowoczesnej (Grande Exposição de Arte Moderna), em Cracóvia.
Mas quando as autoridades governamentais polacas começaram a promover o Realismo Socialista como arte "oficial", Kantor desapareceu da cena artística completamente.
Em 1955, ele reapareceu com a exibição de pinturas que ele vinha criando desde 1949.

CRICOT 2
Este 1955 foi um ano crucial para Kantor por várias razões. Foi o ano em que ele inspirou um grupo de artistas plásticos, críticos de arte e teóricos da arte a ajudá-lo a criar o Cricot 2 Theatre, que se tornaria uma incubadora de sua criatividade.
No Teatro Cricot 2, a primeira estreia de um espetáculo foi  "Mątwa" (A Lula) de Stanisław Ignacy Witkiewicz (1956), uma produção em que Kantor habilmente justapôs a retórica sublime do trabalho contra uma série de objetos encontrados e do ambiente banal de um café. A produção incluiu muitos elementos que viriam a se tornar característica do estilo teatral de Kantor, como conjuntos que sugerem os filmes mudos e atores que se movem e agem como manequins.
A segunda produção do Cricot 2 foi "Cyrk" (Circo) baseado em uma peça escrita pelo proprietário da empresa, Kazimierz Mikulski, que também era pintor.
Foi utilizada uma técnica conhecida como "emballage", que também era típico do trabalho teatral de Kantor naquele momento.


Em "Circo", a "emballage" tomou a forma de sacos pretos apertados em volta dos atores. Essa embalagem foi desenvolvida para retirar atores e objetos de qualquer forma reconhecível, transformando-os em substância indistinguíveis.
O período "emballage" de Kantor foi seguido pelo "teatro informal" (1960-1962), uma espécie de espetáculo automatizado que confiou inteiramente nas coincidências e no movimento da matéria.
Os atores na produção de teatro informal de Kantor no texto de Witkiewicz Małym Dworku (Pequena casa de campo) de 1961 foram tratados como objetos, despojados totalmente de suas individualidades.
No entanto, o Teatro Informal não satisfez plenamente Kantor. A forma não foi suficientemente integrada em um sentido interno e muitas de suas partes estavam abertas a redução.
Portanto, Kantor substituiu o conceito de "Teatro Informal" por "Teatro Zero" (1962-1964), que era completamente desprovido de qualquer ação ou eventos. Esta idéia foi mais plenamente incorporada na produção do Cricot 2 com "Wariat i zakonnica" (A louca e a freira), também de Witkiewicz, que Kantor encenou em 1963.

Na evolução da sua encenação e estética, Kantor forçou os limites dos conceitos tradicionais do teatro. Em 1965, ele criou primeiros "happenings" da cena polaca, as "Cricotage" e a "Linia podziału" (linha divisória), que foram seguidos, dois anos depois, pela famosa "List" (Carta) e pelo "Panoramiczny Happening morski" (Happenings Panorâmicos do Mar), "Koszaliński w Osiekach" (Koszaliński em Osieki") (1967); "List"(Carta), na Foksal Gallery, Varsóvia (1968) e "Lekcja anatomii wg Rembrandta" (Uma Lição de Anatomia segundo Rembrandt), "Nuremberg Kunsthalle" (1968) e "Foksal Gallery" (1969)).
Kantor também passou por um período de fascínio com Conceptualismo (ver " Wielkie Krzesło"  - A Grande Cadeira) projetada em 1970 para um simpósio em Wrocław.
A literatura tem se dedicado a Kantor como sendo um artista. Títulos notáveis sobre Tadeusz Kantor incluem Wiesław Borowski (1982), "Deska" (Cadeira) de Mieczysław Porebski (1997) e um volume de estudos escrito por vários autores intitulado "W cieniu krzesła" (nas sombras da cadeira) (1997), bem como a documentação do pintor em colaboração com Foksal Galeria de Varsóvia (1999).).


"Happenings", como ele mesmo escreveu eram um produto de suas experiências anteriores no teatro e como pintor.

Até este ponto, eu tenho tentado superar a fase, mas agora eu tenho abandonado o palco sem rodeios; ou seja, eu abandonei um lugar cuja relação com o público é sempre bem definido. Em busca de um novo lugar, eu, teoricamente, tinha toda a realidade da vida à minha disposição, escreveu ele.
(citação em: Jan Kłossowicz, Tadeusz Kantor)


A desilusão de Kantor com os "Happenings" como um meio criativo acabou levando-o de volta para o teatro.
Em 1972, ele encenou "Nadobnisie i koczkodany" (Formas delicadas e  macacos cabeludos), baseado em uma peça de Witkiewicz, em que os elementos de um "Happenings" foram absorvido pela estrutura teatral.
Três anos mais tarde, em "Umarła Klasa" (Classe Morta), Kantor mudou-se para mais uma fase artística, que ele apelidou de "Teatro da Morte".
É nesta fase que Kantor criou o que são considerados seus trabalhos mais notáveis e mais conhecidos. Estes incluem "Wielopole, Wielopole" (1980), "Niech sczezną artyści" (Deixem os artistas desaparecerem) (1985) e "Nigdy już tu powrócę nie" (Eu nunca deverei voltar aqui) (1988), bem como a produção a título póstumo "Dziś są moje urodziny" (Hoje são meus aniversários) (1991), em que os motivos principais são a morte, a transcendência, a memória e a história inscrita na memória.
As produções que compunham o "Teatro da Morte", baseavam-se em um tema que perpassou toda a obra de Kantor, ou seja, o seu fascínio com o que ele chamou de "realidade de uma ordem inferior",

que exige continuamente analisar e expressar questões através de materiais de base, o mais vil possível, materiais pobres, privados de dignidade e prestígio, indefeso e muitas vezes absolutamente desprezível.

(Tadeusz Kantor, citacão em Jan Kłossowicz, Tadeusz Kantor)

Nos ensaios da peça "Estudante"
Dizer que Kantor está entre os artistas mais destacados da Polônia da segunda metade do século XX, é dizer muito pouco. Kantor é para a arte polaca o que Joseph Beuys foi para arte alemã e que Andy Warhol era a arte americana.
Ele criou uma estirpe única de teatro e foi um participante ativo nas revoluções da neo-vanguarda; ele era um teórico altamente original, um inovador fortemente embasado na tradição, um pintor anti-pictórico, um happener-herege e um conceptualista irônico.
Estas são apenas algumas das suas muitas encarnações. Para além de que, Kantor foi um incansável animador da vida artística do pós-guerra na Polônia; pode-se até dizer que ele era uma de suas principais forças motivadoras. Sua grandeza não deriva tanto de sua obra, a partir de si mesmo Kantor em sua totalidade, era como uma espécie de Gesamtkunstwerk, que consiste em sua arte, sua teoria e sua vida.
(Jaroslaw Suchan, curador da exposição Tadeusz Kantor "Niemożliwe" (Tadeusz Kantor - Impossível)

KANTOR NAS ARTES VISUAIS
"A cadeira" de Kantor diante do Teatro Contemporâneo na cidade de Wrocław
Em todo o mundo, Tadeusz Kantor é mais conhecido como uma figura notável e altamente original do teatro do século 20, assim como o criador de seu próprio grupo de teatro e de produções imbuídas de uma poesia derivada da própria origem galega (Galícia polaca) complexa público/privado.
Na Polônia, ele atuou em uma série de funções, principalmente no seio da comunidade artística de Cracóvia com a qual, Kantor estava emocionalmente e artisticamente ligado, se não fundido.
Ele foi uma das figuras mais importantes no cenário artístico de Cracóvia, atuando como um integrador.
Imediatamente após a II Guerra Mundial, Kantor estava entre aqueles que criaram o Grupo de Jovens Artistas Visuais (1945); mais tarde, na sequência do "degelo" em meados dos anos 1950, ele mais uma vez demonstrou sua propensão para a organização, ajudando a reativar o Grupo de pré-guerra (1957).
Ele forneceu o impulso para a criação da Galeria Krzysztofory, uma das primeiras galerias do pós-guerra na Polônia para expor arte contemporânea, e foi envolvido na organização da 1ª Exposição de Arte Moderna (Cracóvia, 1948). 
Ele desempenhou um papel dominante e dominante em sua comunidade até a sua morte, pouco antes da estreia de sua última produção teatral, que recebeu o título, tanto ironicamente como simbolicamente de "Dziś są moje urodziny" (Hoje são meus aniversários).
Kantor estudou na Academia de Belas Artes de Cracóvia de 1934 a1939. Entre seus professores estão incluídos o pintor e cenógrafo Karol Frycz.
Kantor só retornaria mais tarde a sua "alma mater" para ensinar longo tempo em entre os anos de 1948-1949 e 1967-1969.
Ao longo de sua vida, ele se esforçou para combinar uma variedade de atividades: era um animador da vida artística, um teórico da arte e praticante, um pintor (e promotor apaixonado de Tashism) e um dos primeiros artistas na Polônia a criar "Happenings". Mas acima de tudo ele era um homem de teatro, dramaturgo, diretor, cenógrafo e ator.



PRÊMIOS E DISTINÇÕES IMPORTANTES

 • 1976 - prêmio honorário para "Umarła klasa" (Classe Morta) no 17º Festival de Teatro Contemporâneo Polaco em Wrocław
• 1976 - prêmio Boy-Zelenski para "Umarła klasa"
• 1977 - Prêmio Norwid da Crítica para "Umarła klasa"
• 1978 - Prêmio de Melhor Produção para "Umarła klasa", Caracas
• 1978 - Prêmio Rembrandt concedido por um júri internacional da Fundação Goethe, na Basileia, para reais contribuições para a definição da arte do nosso tempo
• 1980 - Prêmio OBIE (EUA) para a produção de "Umarła klasa", 1979
• 1981 - Prêmio do Ministro da Cultura e Arte de 1ª classe no reino do teatro por seu trabalho como cenógrafo
• 1982 - Diploma do Ministro das Relações Exteriores para a propagação da cultura polaca no exterior
• 1986 - Prêmio Targa Europea, concedido a representantes de destaque da cultura e da ciência na Europa, Itália
• 1986 - Prêmio dos Críticos de Nova York de melhor produção na Broadway (para dirigir e atuar conjuntamente)
• 1989 - Comenda da Ordem de Arte e Literatura, França
• 1990 - Grande Cruz de Mérito da República Federal da Alemanha, concedido por impactar significativamente sobre a arte contemporânea na Europa e as contribuições para animar a vida cultural na República Federal da Alemanha.

Autora do artigo:
Małgorzata Kitowska-Lysiak, do Instituto de História da Arte, da Universidade Católica de Lublin, Faculdade de Teoria da Arte e História das Doutrinas Artísticas, de 2002.
Tradução para o português: Ulisses Iarochinski
Postar um comentário