quarta-feira, 11 de julho de 2018

Ucranianos Assassinaram e torturam polacos

O parlamento ucraniano aprovou recentemente uma lei exaltando as atividades do UPA - Exército Ucraniano Insurgente.
O UPA era uma organização fundada por nacionalistas ucranianos ligados ao líder Bandera, cujos membros durante a Segunda Guerra Mundial assassinaram brutalmente entre 50 mil a 100.000 polacos.

Os diversos grupos do UPA prepararam os planos para o extermínio dos polacos em fevereiro de 1943. Estas ações genocídas ocorreram apenas 72 anos atrás.

Carnificina na Volínia

Foram assassinatos em massa (limpeza étnica, genocídio) cometidos por nacionalistas ucranianos (com apoio frequente da população ucraniana local) contra a população polaca na antiga Voivodia (Estado) da Volínia, durante o período da Segunda República Polaca e que durante a II Guerra Mundial foi invadida e ocupada pelo Comissariado do Império Ucraniano, ao mesmo tempo que ocupação dos territórios polacos pelos alemães nazistas entre fevereiro de 1943 e fevereiro de 1944.

Ainda é desconhecido o número exato de vítimas (historiadores estimam entre 50 a 100 mil pessoas).  Isso em função da demora em se fazer o reconhecimento dos muitos corpos que foram desmembrados ou queimados.

Na foto abaixo estão cadáveres de habitantes polacos da vila rural de Lipniki no município de Kostopol, na Volínia polaca. Em 26 de março de 1943, ucranianos das unidades da UPA assassinaram 182 pessoas no local:


Os terroristas do UPA cortavam o nariz e o lábio superior e arrancavam a maior parte dos dentes, enquanto perfuravam o olho esquerdo e danificavam gravemente o olho direito:


Estas são algumas das muitas fotos de vítimas do massacre e dos métodos "sofisticados" de tortura praticada pelos ucranianos do UPA (e, felizmente, em muitos casos borradas).

A principal razão para os crimes cometidos pelos vizinhos foi estritamente por considerações étnicas. O que os iguá-la em barbárie aos criminosos de guerra nazistas.

Ainda hoje na Ucrânia, o reconhecimento e adoração dos símbolos do UPA e do presidente desta organização criminosa - Stepan Bandera - ainda estão bastante vivos e cultuados. Exemplo disto é a lei promulgada pelo parlamento ucraniano semanas atrás.

Na foto abaixo, barriga aberta e vísceras colocadas para fora, mostrando como a pele ficou pendurada depois da tentativa de soltá-la. Crime praticada pelos sanguinários da OUN-UPA:


Métodos ucranianos de tortura

1. Cortar a garganta, puxar a língua e arrancá-la. 
2. Recortar a polpa da cabeça, inserindo no cérebro grampos presos com parafusos.
3. Cortar e remover as faixas estreitas de pele das costas em formato de cinto.
4. Retirar os seios das mulheres e polvilhar com sal.
5. Perfurar mulher grávida com baioneta.
6. Cortar o abdomen de mulher em gestação avançada e no lugar do feto retirado, inserir gato vivo e costurar a barriga.
7. Inserrir de pino pontiagudo na vagina e empurrar até a garganta.
8. Cortar o tronco de uma pessoa ao meio com uma serra de carpintaria.
9. Apunhalar a língua de uma criança pequena fixando-a no tampo de uma mesa, que depois ficava pendurada.
10. Perfurar com um fio grosso a orelha passando-o através da segunda orelha.
11. Cortar a cabeça com um machado.
12. Cortar o tronco do corpo de uma pessoa com uma serra de semi-carpintaria.
13. Cortar a frente do tronco do corpo de uma pessoa com uma faca de jardinagem, da vagina até o pescoço e deixar as vísceras do lado de fora.
14. Cortar a barriga e despejar água fervente sobre ela.
15. Cortar o estômago das gestantes e jogar vidro quebrado no interior.
16. Inserir ferro incandescente na vagina.
17. Cortar a barriga e derramar dentro comida para porcos famintos, chamado-os para se banquetear como se fossem lavagem das vísceras das pessoas.
18. Recorte dos dedos com faca.
19. Pregar as mãos na mesa e os pés no chão.
20. Jogar crianças pequenas vivas em poços profundos.
21. Quebrar a cabeça do bebê, arrastando-os pelos pés e batendo os corpos na parede ou no fogão.
22. Martelar uma criança em uma estaca pontuda.
23. Pendurar mulheres em árvores de cabeça para baixo e estuprando-as, e depois cortar os seios e a  língua, fazendo uma fenda na barriga, seccionando os olhos e cortando pedaços das carnes da pessoa com faca.
24. Jogar adulto nas chamas de um incêndio em uma clareira na floresta, em torno do qual garotas ucranianas cantavam e dançavam ao som de harmônicas.
25. Amarrar homens às árvores e atirar neles como se fossem alvo.
26. Rasgar o tronco dos corpos com correntes.
27. Arrastar pela rua mãe com seus três filhos, amarrados a uma carroça com cavalo, de tal forma que uma perna da mãe era amarrada com uma corrente na carroça, e a outra perna da mãe era amarrada numa das pernas do filho mais velho, a outra perna deste filho era amarrada numa das pernas do outro filho mais novo, e perna deste na perna da criança.
28. Apertos periódicos do tronco de um corpo com arame farpado e em intervalos de poucas horas despejavam na vítima água fria para recuperar a consciência e sentir dor e sofrimento.
29. Enterrar pessoas vivas no chão até o pescoço e cortar a cabeça depois com foice.
30. Retalhar com navalha o rosto das pessoas fazendo-as sangrar.

As ilustrações a seguir mostram as torturas praticadas
pelo UPA contra a população polaca, na grande maioria composta apenas por civis.


Corte da frente do corpo da vagina para o pescoço. (Volínia, área de Równe)



Retiravam os seios das mulheres e polvilham as feridas com sal. (Volínia, distrito de Kowel)


Pregavam a vítima com uma estaca no chão perfurando o estômago.
(Latacz, distrito de Zaleszczyki, junho de 1944)


Recortavam tiras de pele das costas da vítima e derramavam água fervente sobre as feridas abertas.
(Vila de Witoldówka, município de Włodzimierz, na voivodia da Volínia, julho de 1943)


Pregavam a língua da criança pequena na mesa, e depois penduravam-na na quina da mesa.
(Município de Krzemieniec, Voivodia da Volínia)


Fonte: Viralka.pl
Texto: Myrmek
Acessado em 01/jul/2018
http://v.viralka.pl/oto-jak-ukrainska-upa-mordowala-i-torturowala-polakow-przerazajaca-lista/

Tradução para o português: Ulisses Iarochinski
Postar um comentário