sábado, 7 de fevereiro de 2015

Pequena história dos quadrinhos polacos

Jorge o ouriço
Os primeiros quadrinhos polacos remontam ao início do século 20, quando o país recuperou sua independência.
Com uma imprensa livre ela começou a se desenvolver em jornais, incluíndo quadros de ilustrações com blocos de texto abaixo dos desenhos.
Eles foram chamados filmes de ilustrações, ou estórias em desenhos, e muitas vezes eram cópias de quadrinhos estrangeiros.
O principal público dos quadrinhos nessa época eram as pessoas sem instrução das grandes cidades.
Neles eram tratados temas diversos como assuntos sociais e políticos ou de costumes, sempre com um toque de humor.
Os títulos mais conhecidos eram: Ogniem i Mieczem, czyli Przygody szalonego Grzesia (a ferro e fogo, ou as aventuras do maluco Grzes), Przygody bezrobotnego Frącka (As Aventuras do desempregado Frącek).
As melhores histórias em quadrinhos da época podem ser encontrados na série de álbuns "Dawny komiks Polski" (Antigos quadrinhos polacos), editado pelo historiador de quadrinhos, Dr. Adam Ruska da Biblioteca Nacional da Polônia.


Os quadrinhos começaram a aparecer na imprensa e logo foram avidamente consumidos pelas crianças. Houve uma série de publicações para elas, tanto em tiras de jornais como em formato de gibi.
Os mais conhecidos foram Przygody Koziołka Matołka e Małpki Fiki-Miki (As Aventuras de Koziołek Matołek e o macaco Fiki-Miki) criados por Marian Walentynowicz e Kornel Makuszyński. Estes quadrinhos ainda estão sendo republicados ainda hoje.


Após a Segunda Guerra Mundial, o Estado comunista, inicialmente, desencorajou a publicação de histórias em quadrinhos, porque segundo os dirigentes comunistas diziam, os quadrinhos mostravam sinais de um "capitalismo podre".
Até a década de 50, as histórias em quadrinhos deixaram de ser publicadas em formato de revista e fizeram o seu caminho de volta para as tiras de jornais.
Aqueles eram os dias dos fundadores do quadrinhos, os polacos Janusz Christa e Henryk Jerzy Chmielewski. Christa criou os dois marinheiros Kajtek e Koko.


A partir do final dos anos 50, por uma década, as aventuras cômicas de Christa apareceram no jornal Wieczór Wybrzeża. As façanhas dos dois marinheiros memoráveis são apresentadas na série de quadrinhos Kajtek i Koko w kosmosie (Kajtek e Koko no espaço).

Os quadrinhos também foram publicados em uma compilação de 700 páginas mais tarde. Apesar do sucesso de Kajtek e Koko, os personagens mais populares de Christa são Kajko e Kokosz, dois guerreiros que lutam contra os "cavaleiros bandidos". Suas façanhas estão em várias revistas que continuam sendo republicadas até hoje.

Chmielewski (aka Papcio Chmiel), por outro lado é o cérebro por trás de Tytus, Romek e A'Tomek, dois escoteiros e um chimpanzé  antropomorfizado chamado Tytus. Eles giram ao redor do mundo com um veículo voador, que era, por vezes, uma banheira, um trompete ou um pedaço de ferro.

Na década de 60, os dirigentes comunistas notaram o potencial de propaganda e o uso comercial que os quadrinhos possuíam e incentivou a sua produção em massa. Gibis individuais foram publicados em edições de 100 a 300.000 cópias. Os primeiros gibis de Chmielewski foram censurados. Mas após a queda do sistema político, o autor relançou-os em sua forma original, não adulterada.

Na República Popular da Polônia (1952-1989) os quadrinhos eram dirigidos quase que exclusivamente para crianças. Os quadrinhos mais famosos, além dos mencionados eram Przygody Kleksa (As Aventuras de Kleks), sobre uma criatura azul que vive em um pote de tinta, criado por Szarlota Paweł, e os quadrinhos de Tadeusz Baranowski, com os títulos de Antresolka Profesorka Nerwosolka (Mesanino do professor nervosinho), para onde vai a soda a água vem? e Uma viagem com Diplodok o Dragão.


Eles eram repletos de humor abstrato e comentários ocultos sobre a realidade que apenas leitores adultos podiam decifrar. Muitas dessas histórias em quadrinhos saíram na revista Świat Młodych (Mundo dos Jovens). Outros, os mais intelectuais, apareceram na revista Relax.
Outras histórias em quadrinhos, publicadas pelo governo, eram pura propaganda. Os títulos incluíam Kapitan Zbik (Capitão Zbik) e Śmigłowca Pilot (Piloto de helicóptero).
Um antigo oficial estrelado da milícia dos cidadãos foi desenhado por diversos ilustradores polacos: Grzegorz Rosinński, Bogusław Polch e Jerzy Wróblewski.
Przygody profesora Filutka (As Aventuras do Professor Filutek) de Zbigniew Lengren é do mesmo período, mas constitui um capítulo à parte na história dos quadrinhos polacos.
Histórias sem texto com três tiras apareceram semanalmente na revista Przekrój desde 1948 até algumas décadas atrás. Filutek é um nobre cavalheiro de chapéu-coco que vive com seu cachorro, uma fonte para ambos de alegria e angústia.

Os quadrinhos Fantásticos fizeram sua estréia nos anos 80, graças à revista mensal Fantastyka (mais tarde chamada Nowa Fantastyka).
Eles provaram ser tão populares que a editora decidiu lançar revistas exclusivamente com as características de quadrinhos. Komiks e Fantastyka - (Quadrinhos e Fantástica) eram onde os clássicos dos quadrinhos polacos se apresentavam: quadrinhos de ficção científica como Funky Koval (Funk do Koval) e  de fantasia, como Wiedzmin (do game Witcher - o bruxo - baseado nos romances de Andrzej Sapkowski).

Funk do Koval foi o primeiro quadrinho polaco para adultos e sua brutalidade e nudez chocaram o público.
Depois de 1989, os quadrinhos escaparam das sombras das instituições governamentais. Novos, jovens e independentes autores começaram a publicar zines.


Mas o mercado era dominado por publicações estrangeiras. O final dos anos 90 foi o renascimento dos quadrinhos polacos.
Novas editoras começaram a abrir promovendo autores polacos. Um exemplo é a revista Produkt liderada por Michał Śledziński.
A tira em quadrinhos cult Osiedle Swoboda, que mostra a vida de jovens que vivem em blocos comunistas, surgiu nesta revista, e foi um sucesso artístico e comercial, bem como uma descrição precisa da realidade.
A maioria dos mais importantes autores contemporâneos de quadrinhos começaram suas carreiras ou foram publicados em Produkt.

A segunda década do século 21 foi marcado por uma mudança de gerações nos quadrinhos polacos. Os autores da geração anterior foram substituídos por jovens artistas.
Para citar alguns: Mateusz Skutnik (autor de Revoluções), Michał Śledziński (Osiedle Swoboda, Anos Estranhos), Karol Kalinowski (Lauma), o duo Tomasz Lesniak e Rafal Skarżycki (George the Hedgehog - Jorge o ouriço), os irmãos Tomasz e Bartosz Minkiewiczowie (Lobo), Krzysztof Gawronkiewicz (Essência e romantismo com Grzegorz Janusz, Mikropolis de Dennis Wojda).

Outros autores promissores incluem: Marcin Podolec (Fugazi Music Club), Jacek Świdziński (Eventos 1908), Michał Rzecznik (Maczużnik com Daniel Gutowski, 88/89 com Przemysław Surma).
Muitos artistas também tentaram por suas mãos nos quadrinhos, no que ficou conhecido como quadrinhos de vanguarda. Muitos ilustradores polacos passaram a desenhar para editoras estrangeiras.


Samojlik é um acadêmico no campo da biologia que investiga mamíferos da Floresta de Bialowieża, e assim os protagonistas de suas histórias em quadrinhos são um bisão e uma megera.
Seus gibis são tanto educativos como divertidos. Seus trabalhos mais conhecidos são Żubr Ostatni (Último Bisão), Ryjówka przeznaczenia (O Destino da Megera), Norka zagłady (Extinção do Vison) e Bartnik Ignat i Skarb Puszczy (Bartnik Ignat e o Tesouro da Floresta).
Łauma de Kalinowski conta a história de Dorotka, uma menina cuja família está se movendo para o campo. Sua avó é uma bruxa e a menina se envolve em guerras entre divindades da floresta. A história é baseada em crenças populares e mitos.

Uma competição de quadrinhos para crianças foi organizada pela Egmont Publishing House com denominação em homenagem a Janusz Christa.
Foi a primeira tentativa nesse sentido em décadas para criar personagens para substituir Tytus, Kleks ou Kajko e Kokosz. O resultado da primeira edição da competição foram cinco gibis promissores.
Kubatu, Tomek e Jacek, Rysiek e Królik vale lembrar, são em vários anos, uma oportunidade de se tornarem os favoritos dos leitores mais jovens. As crianças também vão enlouquecer com as aventuras do detetive Zbyś - o Teddy.

Quadrinhos Independentes

Cada história em quadrinhos polaca pode ser considerada um trabalho autoral. Ao contrário, nos Estados Unidos ou França, não há uma tendência dominante na Polônia quando se trata de histórias em quadrinhos.
Os quadrinhos são geralmente um trabalho "fora do expediente" e não uma fonte de renda estável para os autores. Assim, o mercado e os editores não ditam como os gibis podem sair.
Muitas histórias em quadrinhos da república comunista (1952-1989), também podem ser consideradas independentes, especialmente aquelas do período livre de censura.
Apesar das condições de trabalho complicadas, a Polônia teve muitas grandes histórias em quadrinhos. Elas despontaram com Mateusz Skutnik, Karol Kalinowski, Michał Śledziński, o duo Tomasz Lesniak e Rafał Skarżycki, Tomasz e Bartosz Minkiewicz, Krzysztof Gawronkiewicz e Grzegorz Janusz bem como Dennis Wojda.
Dos mais velhos vale ressaltar os trabalhos de Tadeusz Baranowski, Szarlota Paweł, Janusz Christa, Henryk Jerzy Chmielewski (Papcio Chmiel), ou por último, mas não menos importante Jerzy Wróblewski.

Também vale a pena conferir as obras dos satíricos Marek Raczkowski e Janek Koza, que na sua maioria foram publicados na imprensa. Eles são irônicos e apresentam o mundo a partir de uma perspectiva inteiramente nova.
Skutnik criou uma série independente chamada Revoluções. Ele fez uso de steampunk e elementos de fantasia e criou um drama de aventura / crime onírico sobre os sonhos humanos, as tentativas de fazê-los se tornar realidade, e os efeitos das ações humanas.
O terceiro volume de Tomasz Bagiński (monocromático) o inspirou a criar o cinematógrafo de animação. Mikropolis é uma cidade concebida por Gawronkiewicz e Wojda. O protagonista é um menino gordo chamado Ozrabal.
Estes quadrinhos surgiram pela primeira vez na imprensa e, mais tarde, na forma de dois gibis. A série faz perguntas filosóficas e existenciais. É um comentário sobre a realidade e, ao mesmo tempo, uma obra universal em emoções e sonhos humanos, com elementos de fantasia.
Wilq é cheio de maldições e é brusco e associal. No entanto, ele é um super-herói que defende a cidade de Opole do mal - monstros, psicopatas e pombos.
A série dos irmãos e Tomasz e Bartosz Minkiewicz é uma paródia do gênero de quadrinhos de super-heróis.
Através da linguagem específica e humor, os autores conseguiram criar a sua própria visão sobre as convenções do gênero. Apesar de ser uma caricatura, é tomada de visão com uma pitada de sal e séria ao mesmo tempo. A série mostra que mesmo um desenho minimalista pode mostrar tudo.


O gibi George the Hedgehog (Jorge o ouriço) fuma, monta skate, pega pintos e envolve-se em todos os tipos de travessuras. Ele briga com a máfia russa, satanás e nacionalistas. Ele é a personificação andante da síndrome de Peter Pan, a imagem de um homem que se recusa a crescer.
Os quadrinhos de Rafał Skarżycki e Tomasz Leśniak foram transformados em um filme de animação de longa-metragem e podem ser encontrado em ComiXology.
Essência é uma história em quadrinhos sobre a busca do sentido da vida, e o Romantismo é uma história em quadrinhos de horror em que o governo quer ressuscitar os poetas nacionais mortos há muito tempo.
O primeiro recebeu o Grand Prix na Arte e Glenat Publishing House numa competição de TV. Achtung Zelig, por outro lado é uma visão onírica e conto de fadas como a do Holocausto em que a realidade se entrelaça com a fantasia.


Muitos ilustradores polacos trabalham para editoras estrangeiras. O mais famoso deles é Grzegorz Rosiński, que co-criou a série de fantasia Thorgal e os quadrinhos ilustrados como Le Grand du pouvoir Chninkel, Western e La Vengeance du Comte Skarbek.
O ilustrador Zbigniew Kasprzak também trabalha na França e assumiu a série Hans depois de Rosiński.
Entre os talentos promissores estão Szymon Kudrański e Piotr Kowalski. Kudrański ilustra Batman, Lanterna Verde e os quadrinhos New Avengers para a DC Comics, e do Spawn para a Image Comics.


Kowalski, por outro lado, foi chamado da La Branche Lincoln para Le Lombard, Badlands para Soleil Productions, Marvel Knights: Hulk para Marvel nos EUA e Sexo para a Image Comics.
Outros ilustradores que trabalham no exterior são Marek Oleksicki (ventre de Frankenstein), Robert Adler (Do Androids Dream of Electric Sheep? Dust to Dust), Anna Wieszczyk (Drug Interessante) e Janusz Pawlak (Toshiro).


A editora Centrala, com sede em Poznań, mudou-se para Londres e levou as histórias em quadrinhos de Tomek Samojlik para a ilha (Forest Apicultor e do tesouro de Pushcha), bem como os de Maciej Sieńczyk (Aventuras em uma ilha deserta), Mateusz Skutnik (Blacky: Quatro Of Us) e o duo Gosia Herba e Mikołaj Pasiński (Fertilidade).
Os italianos podem ler Sieńczyk (Avventure sull'isola deserta) e Zosia Dzierżawska em seu gibi de estreia (A testa em giù).


Essência e romantismo apareceu na França. Eles são de autoria de Krzysztof Gawronkiwcz e Grzegorz Janusz.
Juntamente com Krystian Rosenberg, Gawronkiewicz lançaram o Holocausto em quadrinhos e Achtung Zelig! no mercado francês.
Entre todos os ilustradores que trabalham no estrangeiro, há ainda Marzena Sowa, designer que lançou uma série de quadrinhos autobiográficos sobre a infância na Polônia socialista.
Nos Estados Unidos, ela foi chamada de Marzi: A Memoir. Além disso, uma história em quadrinhos sobre a Revolta de Varsóvia, L'Insurreição: Avant l'Orage, ilustrado por Gawronkiewicz, saiu em França, Suíça e Bélgica.


Quadrinhos históricos são referências fortes para os autores polacos de quadrinhos. Existem muitos tipos diferentes. Alguns eventos únicos e particulares, especialmente sobre a história recente ou a II Guerra Mundial, os outros têm enredos fictícios criados em um contexto histórico.


O gênero começou a florescer no século 21. Os primeiros tratados como eventos dramáticos da República Popular da Polônia (1952-1989). Alguns títulos incluem 1956: Poznański Czerwiec (1956: junho em Poznan) e 1981: Kopalnia Wujek (1981: A mina de carvão do Tio) sobre a repressão brutal dos trabalhadores em greve, e o gibi Cena Wolności (Preço da Liberdade) sobre o assassinato do Padre Jerzy Popieluszko pelo serviço secreto.

Também vale a pena mencionar a antologia 11/11 = Niepodległość (11/11 = Independência) e o gibi Westerplatte. Zaloga smierci (Westerplatte: Morte da equipe).
Há também a série Epizody z Auschwitz (Episódios de Auschwitz) - várias histórias do campo de concentração alemão; um sobre o Santo Maksymilian Kolbe (que se ofereceu para substituir um prisioneiro condenado à morte), ou de outra sobre um polaco e uma mulher judia que se conhecem e apaixonam-se no acampamento e conseguem escapar.


Com o apoio do Instituto da Memória Nacional (IPN) e do Museu do Levante, os quadrinhos históricos estão agora institucionalmente promovidos. IPN incentiva quadrinhos sobre a libertação nacional, o papel do exército do povo durante a ocupação alemã e do movimento subterrâneo anticomunista ativo depois de 1945.

Entre os títulos mais conhecidos estão W imieniu Polski Walczącej (Na Guerra em Nome da Polônia), Zamach na Kutscherę (O Assassinato de Kutschera) e Kampinos '44, bem como os gibis Korfanty e Łupaszka. 1939.
Acrescente a isso Wyzwolenie? 1945 (Liberação? 1945) e da série Wilcze tropy (Trilhas  de Lobos) sobre o pós-WW2" soldados malditos "movimentos de resistência.
Uma posição importante é mantida pela antologia do Museu do Levante.
Sławomir Zajączkowski e Krzysztof Wyrzykowski são os dois principais criadores de histórias em quadrinhos para IPN.
Os chamados quadrinhos de fantasia (ficção em contextos históricos) são uma categoria à parte.
Séries independentes de Jakub Kijuc sobre Jan Hardy. Żołnierz Wyklęty (Jan Hardy: Soldado Maldito) é na convenção de super-heróis, enquanto o minigibi de Jacek Fras Stan mostra lei a marcial na Polônia através dos olhos de uma criança.

Outro trabalho interessante é a história onírica e surrealista sobre o Holocausto Achtung Zelig (Krzysztof Gawronkiewicz, Krystian Rosenberg), a antologia Powstanie 44 (Uprising 44) e o gibi  Powstanie. Za Dzien, za dwa (Uprising: Em um dia, em dois) por Gawronkiewicz e Marzena Sowa, Herma św. Zygmunta (Relicário de São Sigmundo por Maciej Pałka e Bartek Biedrzycki), sobre o transporte de relíquias financiados pelo rei Casimiro Grande em Płock no Vístula e Tragedyja (Płock Tragedy por Grzegorz Janusz, e Fras) sobre um mal-humorado príncipe que sufocou sua esposa.
Entre os quadrinhos publicados na República Popular da Polônia que merece destaque é a série Historia Polski (História da Polônia), que mostra os acontecimentos históricos mais importantes do país, incluindo os míticos.


Texto: Łukasz Chmielewski
Tradutor: Ulisses Iarochinski
Postar um comentário