segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Lis: anticomunistas polacos têm mentalidade soviética. Por isso criticam "IDA"

"O ministério da verdade dos simpatizantes do Kremlin e do PiS-Partido Lei e Justiça não toleram ambiguidades na esfera da Arte", diz Tomasz Lis na edição polaca da revista "Newsweek".

Lis, talvez, o mais conhecido jornalista polaco da televisão daquele país, explica as fortes críticas que dois filmes estão recebendo na Polônia. Um deles o polaco concorrente ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro de 2015 "Ida" e em cartaz em Curitiba até está quarta-feira e o outro também concorrente ao Oscar, o filme russo "Leviathan".

"Nossos líderes anticomunistas e antiputin buscam a cada movimento trair as mentalidades soviético-comunista e de Putin", escreve Lis.
O colunista chama a atenção para dois exemplos: as reações ao filme "Ida" e ao caso da família de Witold Pilecki que não foi convidada para a celebração da libertação do campo de concentração e extermínio alemão nazista de Auschwitz.

"Ida" com as atrizes polacas Agata Kulesza Agata Trzebuchowska

Didatismo Patriótico
De acordo com Lis as reações dos conservadores polacos a "IDA" de Paweł Pawlikowski são idênticas às dos simpatizantes russos de Putin ao filme "Leviathan".
Ambas as produções vão competir por um Oscar e ambos estariam colocando sobre os dois países - Polônia e Rússia - uma luz ruim. 
O diretor de "Ida" Paweł Pawlikowski momentos antes da estreia do filme num cinema de Varsóvia

"Ida" divide os polacos: é "filme antipolaco"
De acordo com alguns críticos, "Ida" injustamente responsabiliza os polacos pelo assassinato e pela apropriação indevida da propriedade dos judeus. Exigem assim, correção no tom e nas informações no enredo do filme.
"Didática patriótica é característica de regimes autoritários e personalistas", observa Lis.

"Repolonização de Auschwitz"
Lis também escreve sobre a família do capitão de cavalaria Witold Pilecki, que não foi convidada para a celebração da libertação de Auschwitz.
Segundo o jornalista, comentaristas associados ao PiS (partido de extrema-direita do ex-presidente Lech Kaczyński, vitimado na tragédia aérea de Smolenski) ficaram alarmados que "depois de anos de propaganda da comunista PRL - República Popular da Polônia", em que se falou principalmente sobre as vítimas polacas do campo de extermínio e sua posterior "re-judialização", que foi a chamada de atenção para com os judeus que foram assassinados ali, tenha-se por isso - segundo Lis - começado a "re-polonização" de Auschwitz, e é claro, sob a "propaganda de uma batalha histórica".

"Ninguém consciente pode afirmar que em Auschwitz não tenha morrido um grande número de polacos, mas a tentativa de minar os judeus neste ponto e neste lugar é nojento", resume Lis.

Fonte:  "Newsweek Polska".
Postar um comentário