quinta-feira, 4 de junho de 2015

Escritores estrangeiros que escreveram em polaco

São, o idioma polaco e literatura polaca, periférica ou universal?
E quais são as suas perspectivas?
Estas são perguntas que muitos desses escritores se perguntavam e que poderia lhes fazer ainda hoje.
Aqui está uma lista de alguns dos autores mais surpreendentes do mundo que (você não sabe) também escreveram suas obras em polaco.
Alguns deles, mais tarde se tornaram clássicos da literatura em outros idiomas, e alguns produziram em um tipo altamente peculiar de idioma polaco.
Para outros, a escolha da língua era uma manifestação da identidade política e nacional, para outros, um beco sem saída.
Por toda a sua complexidade e contraste, esta lista atesta a grande força de atração e influência da cultura e da literatura polaca, teve em escritores através épocas e geografias.
Uma coisa é certa, cada um deles conta uma história diferente sobre a cultura polaca. Apresentamos aqui dez destes renomados escritores

Jakub Frank (1726-1791)
O escritor ficou estava por detrás do maior cisma na história do judaísmo na Polônia. Em meados do século 18, ele levou milhares de judeus a se converterem ao cristianismo, estabelecendo efetivamente uma nova religião que ficou conhecida como Frankismo.
Jakub Frank nasceu em Korołówka (atualmente na Ucrânia), na região da Podólia em 1726 e morreu em 1791, em Offenbach am Main, no Sacro-Império Germânico (atual Alemanha).
Mas apenas um ano depois, após a acusação de aderir uma seita Sabbatian, toda sua família deixou a Polônia e se estabeleceram em Valáquia, na Romênia, então parte do Império Otomano. 
Mas quando Frank retornou à Polônia, em 1755, este líder carismático da seita Sabbataian (cristãos sabáticos), provavelmente, não tinha qualquer conhecimento do idioma polaco (e tampouco do iídiche).
No momento da seu retorno a Podólia, Frank era fluente em ladino e turco, já que ele tinha sido criado no Império Otomano. Mas não falava nenhuma das línguas locais.
Foi apenas, durante os 13 anos de seu confinamento no monastério de Jasna Góra (onde ele foi mantido em cativeiro como um herege potencialmente perigoso pelas autoridades católicas), que Frank aprendeu o idioma polaco.
Suas palestras esotéricas, dadas mais tarde aos seus discípulos em Brunn, na Morávia, e publicadas como "As Palavras do Senhor", são o mais notável testemunho da variedade altamente não ortodoxa e bizarra de Frank do vernáculo polaco.

Yitskhok Leybush Peretz (1852-1915)

Antes de se tornar o pai da moderna literatura iídiche, Peretz tentou escrever tanto em polaco quanto hebraico.
O polaco foi realmente a língua em que ele escreveu alguns de seus primeiros poemas em 1874.
Peretz iria começar a escrever em iídiche só muito mais tarde, quando da publicação de seu primeiro livro, em 1888, que coincidiu com a sua mudança para Varsóvia, em 1889, na época a maior cidade judaica cidade do mundo. Pouco tempo depois, seu apartamento na ulica (rua) Ceglana, tornou-se centro da vida literária iídiche na Polônia.
Embora mais tarde, viesse a considerar sua jovem produção poética polaca como artisticamente falha e ideologicamente errada e nunca voltar a escrever em polaco, Peretz fez questão de acompanhar as últimas tendências da literatura e da imprensa polaca, engajou-se em polêmicas com escritores e jornalistas polacos.

Joseph Conrad (1857 -1924)

Na história da literatura, Joseph Conrad é conhecido principalmente como um escritor inglês. E corretamente é assim... Mas para Józef Teodor Konrad-Korzeniowski que é seu nome real, a língua de todas as suas obras literárias, a inglesa, era na verdade a terceira que ele aprendeu.
Nascido em uma família nobre polaca muito patriótica em Berdyczów (situada na atual Ucrânia) Conrad começou a escrever com 11 anos de idade.
Suas primeiras peças de teatro foram escritos em seu polaco nativo. Entretanto, naquele momento, ele também sabia francês, idioma que ele havia aprendido com sua governanta francesa.
Ele aprendeu inglês só muito mais tarde, quando era um jovem marinheiro a bordo de navios franceses e britânicos. E foi justamente esta língua que ele escolheu para sua escrita. Publicou seu romance de estréia "Almayer’s Folly", em 1895.
Até o fim de sua vida, Conrad falou uma bela e pura variante do idioma polaco de Kresy (Um das partes orientais da Comunidade Polaca-Lituana), que ao contrário de sua pronúncia em inglês, foi relatada como particularmente sem sotaque e clara.

Ivan Franko (1856-1916)
Um dos mais proeminentes e prolíficos escritores ucranianos era basicamente um escritor trilíngue, pois era fluente em ucraniano, polaco e alemão.
Ele nasceu em Nahujowice, uma pequena aldeia na região de Drohobycki.
Foi em Drohobycki, que Franko participou de um ginásio onde aprendeu alemão e polaco. Após a reforma de 1867, muitas escolas da Galícia foram alternando a língua de ensino de Alemão para Polaco.
Na verdade, como um de seus professores de escola lembrava, os textos em idioma polaco de Franko eram melhores do que os de seus colegas polacos.
Em um de seus artigos escolares contém uma ácida polêmica sobre a poesia do poeta romântico polaco Adam Mickiewicz.  A crítica foi recebida com uma resposta muito rigorosa a funcionários da escola, e também foi o início de uma relação muito conturbada com o poeta polaco, que perdurou por toda a vida de Franko.
O escritor se tornou um grande admirador e especialista de literatura polaca e, como Yaroslav Hrycak observa, a certa altura ele foi mesmo considerado um poeta polaco.
Em idioma polaco, Franko escreveu numerosos artigos, e pelo menos, dois romances.

Rosa Luxemburg (1871-1919)
Assim como Y.L. Peretz, Rosa Luxemburgo nasceu em Zamość. E apenas para ficar com toda a família reunida, dois anos depois e se estabeleceu em Varsóvia. Rosa viveria na capital polaca até 1889, quando ao enfrentar uma prisão ordenada pela polícia russa de ocupação, ela partiu para a Suíça.
Embora ela seja conhecida principalmente como uma autora de língua alemã, o idioma polaco era a sua língua nativa (falada pela família Luxemburg em sua casa, na Suíça).
Na verdade, ao longo de toda a sua vida, Rosa manteve uma relação muito emocional com a sua língua materna.
Ela permaneceu uma ávida leitora de Mickiewicz, cujos poemas e literatura polaca ela estudava em aulas secretas em Varsóvia (este foi um momento de intensa russificação de escolas polacas).
Um dos testemunhos mais fascinantes de sua notável atitude para com a língua polaca é a sua correspondência com o marido Leon Jogiches, também um revolucionário marxista como ela, mas ao contrário dela um não falante nativo de Polaco (russo foi sua primeira língua).
Em suas cartas polacas para seu marido, cheias de ternura e profundo apego, muitas vezes ela reclamava da abordagem polaca e seu purismo e hiper-correção da língua polaca de seu marido, sendo, às vezes muito cruel em suas correções.
Em dado momento, Rosa ameaçou Leon com uma surra, devido a baixa qualidade de seu escrito polaco.

Mikalojus Konstantinas Čiurlionis (1875-1915)

O compositor e pintor lituano continua a ser uma das figuras mais marcantes do modernismo europeu na virada dos séculos.
Em uma sinestesia de sua obra, ele é conhecido por sua produtiva criação de pinturas simbolistas (cerca de 300) e composições musicais impressionistas (400), criadas durante o período de 10 anos de sua vida artística.
Muito pouco se sabe sobre sua produção escrita, pois tudo foi escrito em polaco. Čiurlionis nasceu em Stare Orany (atualmente Senoji Varėna, na Lituânia) e como muitos outros lituanos da época foi educado e falava polaco em casa.
Uma de seus maiores fascínios literários, e que também afetou sua arte, era o poeta romântico polaco Juliusz Słowacki (uma das principais influências sobre Čiurlionis foi o longo poema Król-Duch, Espírito do Rei), muitos de cujos poemas Ciurlionis sabia de cor.
Foi somente através de sua noiva Sofija Kymantaitė que Cirlionis começou a melhorar seu lituano. O polaco era a língua de correspondência de Ciurlionis quanto de sua produção literária mais ousada, que, no entanto, não sobreviveu na sua orientação original original polaca.
Como Vytautas Landsbergis aponta, apenas trechos desses diários elaborados e representações sobreviveu. Como os manuscritos polacos originais foram irremediavelmente perdidos, apenas fragmentos sobreviveram na tradução lituana e assim não se sabe que tipo de escritor Ciurlionis poderia ter sido. Conheça mais sobre os escritos polacos de Mikalojus Konstantinas Čiurlionis em www.ciurlionis.eu

Yanka Kupala (1882-1942)

O poeta nacional da Bielorrússia, Yanka Kupala nasceu com o nome de Ivan Daminikavich Lutsevich em Viazynka, região Mińsk, como um sem-terra, numa família nobre empobrecida.
Kupala estreou em 1904 com um poema escrito em polaco, mas já um ano depois, inspirado pelos escritos de patriotas bielorrussos como Bahushevich e Dunin-Marcinkiewicz, começou a publicar em bielorrusso (uma decisão que sua mãe nunca pode entender, pois ela acreditava que a verdadeira poesia só poderia existir em polaco).
Sua poesia precoce pode ser vista como um elo entre a tradição da poesia romântica polaca com o folclore eslavo e o simbolismo russo.
A partir de 1907, Kupala colaborou com o jornal bielorrusso Nasha Niva, com sede em Vilno, tornando-se uma figura-chave do movimento nacional bielorrusso.


Joseph Roth (1894 - 1939)

Este grande escritor austríaco, autor de "Marcha Radetzky", nasceu em 1894, em Brody, uma pequena cidade na Galícia polaca ocidental, habitada por polacos, ucranianos e judeus.
Como Ivan Franko, Roth devia seu conhecimento do polaco para seus dias de escola em Brody, onde estudou num ginásio austríaco que, por sua vez, no entanto, estava se mudando do idioma alemão para o polaco.
Como resultado, Roth estudou algumas discíplinas, como literatura polaca, em diretamente no idioma polaco.
Seus primeiros poemas escolares foram escritos em polaco e alemão (infelizmente apenas um poema polaco sobreviveu).
Em 1913, após seu exame de madureza em Brody, Roth foi matriculado no idioma polaco na Universidade de Lwów (atualmente Lviv, na Ucrânia) que, no entanto, ele deixou apenas dois meses depois, transferido que foi para Viena para estudar literatura alemã e, eventualmente, tornar-se um grande escritor da literatura de língua alemã.
Sobre suas habilidades com língua polaca ele diria mais tarde: "Meu conhecimento da língua polaca alcança a distância de Brody para Cracóvia".


Avrom Sutzkever (1913-2010)

O clássico do século 20 da poesia iídiche Awrom Sutzkever nasceu em Smorgonie (na época território polaco sob ocupação russa, atualmente na Bielorrúsia), passou a maior parte de sua infância na Sibéria.
Em 1921, a família transferida para Vilno, onde Sutzkever estudou o ginásio. Ele viria a se matricular na Universidade Stefan Batory, mais tarde.
Sutzkever, que era um membro do grupo de "avant-garde" Yiddish Jung Vilne, escreveu uma poesia que carregava a influência da poesia russa e polaca, influenciado por Bolesław Leśmian e Cyprian Kamil Norwid, a quem dedicou Sutzkever o poema central de seu livro de estreia, em 1937, "Lider".
Falando sobre este poema, Daniel Katz, o biógrafo de Sutzkever, observou que nele o poeta conseguiu dar a língua iídiche o some a forma Norwidiana.
Durante a guerra, Sutzkever conseguiu fugir do gueto de Vilno e depois de um tempo passado com uma tropa militar judaica fugiu para a União Soviética.
Depois da guerra, ele retornou para a Polônia, apenas para emigrar para Israel em 1947. Foi nos círculos "avant-garde" do pré-guerra em Vilno, que Sutzkever se familiarizou com Czesław Miłosz.
Muitos anos depois, em 1979, quando os poetas fizeram contato novamente, eles usariam o polaco em suas correspondências.
Daniel Katz lembra que mesmo em seus últimos anos, Sutzkever poderia citar de memória os poemas polacos de Leśmian,  e seu ser favorito "Dziewczyna".

Joseph Brodsky (1940-1996)


O poeta russo e vencedor do Prêmio Nobel de Literatura em 1978, pode não ter literalmente escrito em polaco, mas ele era, definitivamente, fascinado com a cultura e a língua polaca.
Esse fascínio remonta a década de 1960 e o Khrushchev Thaw, quando a Polônia se tornou o país mais liberal do bloco soviético.
Naquela época, muitos cidadãos das repúblicas soviéticas percebia a Polônia como uma porta de entrada livre para a cultura sem censura e como uma enorme janela para o Ocidente.
Como resultado, muitos intelectuais soviéticos, como Vladimir Bukowski, Natasha Gorbanevskaya, Tomas Venclova, e Brodsky, aprenderam polaco. Brodsky se traduziu os poetas polacos Gałczyński, Norwid, Harasymowicz, e Miłosz.
Mesmo muito tempo depois, como um dissidente russo e emigrante, Brodsky só se comunicava com seus amigos da Polônia, em idioma polaco, apesar do fato dele não ser fluente na língua.
Ele também tinha a maior admiração pela cultura polaca, pois ele acreditava que o espírito de rebelião polaca foi a principal força por trás do colapso do sistema comunista, um regime que tinha considerado um dos maiores males que já tinha acontecido no mundo.
Em 1993, ao receber um doutorado honorário da Universidade da Silésia, em Katowice, ele disse que tinha aprendido a arte da rebelião e resistência dos polacos e que, nesse sentido, ele se qualificava para o título do Polaco Honorário.

Texto: Mikołaj Gliński
Tradução para o português: Ulisses Iarochinski
Postar um comentário