domingo, 21 de agosto de 2016

A pobreza extrema existe na Polônia

Como se apresenta a pobreza na Polônia.
Fatos importantes sobre a pobreza dos polacos.

Na pobreza extrema vivem, hoje, mais de 2 milhões e 800 mil polacos. O que corresponde a 7,4% dos habitantes do país, que sobrevivem com menos de 540 złoty por mês. A população atual do país é de 38.478.602 habitantes

Por que os pobres não diminuem, uma vez que de acordo com dados da GUS, a situação financeira dos polacos está melhorando? Como olhar a pobreza na Polônia estando ela na União Europeia?

Embora o desemprego esteja caindo e o rendimento médio mensal per capita tenha subido no ano passado 3,2%, segundo o Escritório Central de Estatística, as estatísticas sobre a pobreza no país ainda permanecem ao mesmo nível que em 2013.

De acordo com o Dr. Krzysztof Szwarc, do Departamento de Estatística e Demografia da Universidade de Economia de Poznań, o índice de pobreza extrema na Polônia piorou.

"De acordo com dados da OSC em 2014, 7,4% dos polacos vivem em extrema pobreza, o mesmo percentual de 2013. Mas isto é uma ilusão. Ele apenas mudou, porque a o limite da linha de pobreza extrema aceitou um nível de subsistência maior. Em 2013, esse valor era de 551 para 1 pessoa, e em famílias de 4 pessoas de 1486 dólares. Em 2014, caiu, respectivamente, para 540 ouro e 1458 de ouro", diz Szwarc.

Os ricos ficaram mais ricos, e os pobres tiveram aumento de pobreza
A taxa de pobreza relativa em 2014, também se manteve inalterada face a 2013, tendo ascendido 16,2% (6 milhões e 200 mil pessoas), de acordo com uma pesquisa de orçamentos familiares. Apenas foi ligeiramente reduzida a taxa de pobreza oficial que caiu para 12,2% (4,6 milhões de pessoas), dos 12,8% registrado um ano antes.

Em todo o ano passado, 2015, melhorou um pouco a situação financeira dos polacos, mas o crescimento dos salários teve pouco efeito sobre as estatísticas da pobreza.

"A compensação é vagamente relacionada a taxa de pobreza. Em primeiro lugar, porque a pobreza, refere-se somente a um grupo específico de pessoas. Como pode ser visto a partir das análises, a grande maioria delas pertencem a famílias sem emprego. Mesmo que eles estejam empregados, trabalham para receber o mínimo, o que nos últimos anos não se alterou significativamente. As mudanças nos salários, medida pelo CSO, referem-se a toda a população. Em segundo lugar, a renda das famílias é completamente diferente do salário – pois a renda é a soma dos salários de todos os membros do agregado familiar ", - diz o prof. Tomasz Panek, vice-diretor do Instituto de Estatística e Demografia na Escola de Economia de Varsóvia, co-autor de "Diagnóstico Social".

A renda não é melhorada igualmente em todos os grupos sociais. "Pode-se até dizer que os grupos mais pobres ainda estão mal. Se você dividir a renda dos grupos, pode-se perceber que os mais ricos têm mais e mais, enquanto as despesas dos mais pobres excedem significativamente o rendimento. Assim, a melhoria média é devido a uma melhoria significativa da classe média abastada e a falta de melhora da situação entre os mais pobres ", comenta o Dr. Piotr Broda-Wysocki do Departamento de Políticas Públicas do Instituto de Ciência Política da Universidade Cardeal Stefan Wyszyński, de Varsóvia.

Szwarc, da Universidade de Economia de Poznań aponta outro fator que deve ser levado em conta ao se analisar os dados GUS. "Tentando justificar a estabilização da taxa de pobreza realmente deve-se mencionar a redução do número da população polaca, e, portanto, no denominador da taxa de pobreza. De acordo com dados das OSC, a partir de 31 de dezembro de 2013, a Polônia passou a ter uma população de 38.495.659 pessoas, um ano mais tarde, a queda foi cerca de 20 mil, chegando a 38.478.602", diz o especialista.

A pobreza não é igual
Diferenças entre os vários indicadores de pobreza? Como mencionado acima, o determinante de pobreza extrema chamado “mínimo de subsistência” é calculado pelo Instituto de Trabalho e Assuntos Sociais (ILSS). Esta é a quantidade mínima de despesas que pode atender às necessidades atuais, e que não podem ser adiadas. De acordo com a OSC, o consumo de menos do nível mínimo de existência conduz à "destruição biológica."

A pobreza relativa ocorre quando as despesas são inferiores a 50% da despesa média de todas as casas. No quarto trimestre de 2014, este montante foi de 713 złoty por mês.

Por outro lado, a pobreza, ou nível de intervenção social, está representada pelo montante, que de acordo com a Lei sobre a elegibilidade de assistência social é concedido pelas prestações pecuniárias de assistência social. A partir de outubro de 2012, para uma família com apenas um pessoa, este montante é 542 złoty, e para cada membro de uma família com vários integrantes é de 456 złoty.

Vítimas da pobreza: jovens, desempregados, família numerosa
Ao longo das últimas décadas, as estatísticas sobre a pobreza entre os polacos melhorou bastante, mas nos últimos anos tem havido um aumento alarmante no percentual de pessoas afetadas pela pobreza extrema. Mesmo em 2005, a taxa de pobreza extrema no país foi de 12,3%. O menor nível de pobreza foi registrado em 2008, da ordem de 5,6%. Desde então, a taxa vem subindo lentamente.

Os fatores que contribuem para as pessoas caírem na pobreza ainda são os mesmos. Não é nenhuma surpresa que o maior risco de pobreza extrema está entre os desempregados. De acordo com dados do Escritório Central de Estatística, em famílias onde pelo menos uma pessoa estava desempregada, a taxa de pobreza extrema foi de 15%, que é duas vezes mais que a média polaca. Quando a taxa de desemprego, manteve-se com pelo menos duas pessoas, a taxa de pobreza extrema aumentou para 33%.

Em termos de distribuição de fonte de renda, o maior risco de pobreza extrema entre os polacos, está fora do grupo dos desempregados. Neste grupo, a taxa de pobreza extrema é de 21%. Em segundo lugar, estão os pensionistas com12,5%. E o terceiro lugar é o dos agricultores com 12,1%. A pobreza extrema, embora em menor grau, afeta também os que estão empregados. A proporção neste grupo da população é de 6,5%. Somente nas posições subsequentes estão os pensionistas, com 5,8%. Entre os trabalhadores por conta própria, o índice de pobreza é de 4,1%.

A pobreza também está fortemente associada aos baixos níveis de escolaridade. No grupo das famílias, que mantém uma pessoa que tenha concluído o ensino médio, a taxa de pobreza extrema é elevada com seus 18,2%. No caso das pessoas com ensino superior, o percentual vem diminuindo para 0,9%.

Mais frequentemente do que a pobreza entre adultos na Polônia os que estão em maior risco são os jovens e as crianças. A taxa de pobreza extrema entre as pessoas com menos de 18 anos de idade foi de 10%, em 2014. Para efeito de comparação, entre as pessoas com idades entre 18 e 64 anos, a pobreza extrema afeta 7% dos polacos.

A situação é mais terrível em famílias com muitos filhos. Entre os casais com três crianças, a taxa de pobreza extrema, em 2014, ultrapassou 11%. Enquanto isso, em agregados familiares onde o número de dependentes é pelo menos de 4 crianças, vivendo abaixo do mínimo de subsistência, o percentual é de até 26,9%. Outro fator que aumenta o risco de pobreza extrema é a presença de uma pessoa com deficiência na família.

Mapa da pobreza da Polônia
Uma clara diferença também pode ser vista por regiões de residência dos polacos. Entre a população rural viviam em extrema pobreza no último ano, 11,8% de pessoas. Nas grandes cidades, com mais de 500 mil habitantes, a pobreza atinge apenas 1% dos residentes.

O mapa da pobreza polaco não mudou durante anos. A maioria dos pobres polacos que vivem na região Warmia-Mazuria e na região da Santa Cruz (Świętokrzyski), áreas agrícolas típicas o desemprego é elevado, 18% na Warmia-Mazuria e 14,1% na Santa Cruz. Estes dados são referentes a abril de 2015, e o nível dos salários também é baixo, respectivamente 3.441 złoty e 3.530 złoty brutos para o primeiro trimestre de 2015. A taxa de pobreza extrema nestas regiões é de 15 e 12%. "Warmia-Mazuria é uma área agrícola, onde não está muito desenvolvida a agricultura, são fazendas pós-estatais, longe do dos centros urbanos, com pouca infraestrutura moderna", diz o Dr. Piotr Broda-Wysocki.

O problema da pobreza em grande medida também se aplica às regiões Podlaska (tradução aproximada: sob a floresta) e Wielkopolska (Grande Polônia), onde a taxa de pobreza extrema é superior a 10%.

Na outra ponta do ranking está a região da Silésia, onde está registradas a menor taxa de extrema pobreza do país, da ordem de 4,7%.

"A Silésia, mesmo que, às vezes, seja tocada por crises associadas à reestruturação da indústria, é uma área muito mais rica, com todas as vantagens acima mencionadas, e uma melhor organização dos grupos sociais. Mesmo a falta de trabalho - graças a uma série de soluções políticas - não os leva ao empobrecimento imediato, como é no Norte do país. Além disso, a proximidade de um aglomerado de várias cidades cria novas oportunidades, por exemplo, para os jovens. O que, no Norte, não há na mesma medida ", explica Dr. Piotr Broda-Wysocki.

Logo atrás da Silésia, em termos de taxa de pobreza extrema, classifica-se a Mazóvia com 5,2% e a região da cidade Łódź (pronuncia-se uúdji) e arredores com 5,4%. Mas a situação destas duas regiões tem suas peculiaridades. Por exemplo, a Mazóvia. Uma linha separa os ricos de Varsóvia, com o resto da região. Sem a capital (da região e do país) a taxa de pobreza extrema na região sob para 7,7%, configurando-se numa taxa mais elevada do que a média polaca.

"Por muitos anos, a região oriental (que faz fronteira com Lituânia, Bielorrússia e Ucrânia) tem os piores índices em termos de desenvolvimento econômico se comparados com a região ocidental. No entanto, esta opinião não se encaixa em percentagem quando comparadas com a elevada taxa de pobres da região da Wielkopolska. A percentagem dos pobres está ligada ao percentual das zonas rurais que habitadas por 41% da população (aqui a taxa de pobreza é 14,8%), na Santa Cruz, a zona rural corresponde a 55% da população (e aqui a taxa de pobreza é de 12,2%). Na Wielkopolska, a zona rural tem 41% da população da região e tem 10,1% de taxa de pobreza extrema. E, por sua vez, a região silesiana tem 23% de população rural e taxa de pobreza de 4,7%. Na região da Baixa Silésia, a população rural é de 31% e a taxa de pobreza extrema é de 5,6. Na Pomerânia Ocidental a zona rural tem 31% da população e 7,2% de taxa de pobreza. Nas vilas rurais o risco de pobreza é maior "- diz Krzysztof Szwarc.

Como explicar a pobreza extrema polaca no contexto da União Europeia?
O serviço de estatística da UE possui diferentes abordagens para medir a pobreza na sociedade. De acordo com a metodologia do Eurostat, a linha de pobreza na UE assumida é de 60%, o equivalente ao rendimento médio nacional após as transferências sociais em cada país.

De acordo com os últimos dados disponíveis do Eurostat 24,5% dos habitantes da União Europeia estão em risco de pobreza ou exclusão social.

A maior percentagem da população em risco de pobreza foi registrado na Bulgária com 48% da população em situação de pobreza e exclusão. Na Romênia, o índice chega a 40,4%, e em crise a esmagada Grécia possui 35,7%. Entre os países da UE os que possuem as menores taxas de pobreza e exclusão social estão Islândia (13%), República Tcheca (14,6%) e a Holanda (15,9%).

As pessoas em risco de pobreza
ou exclusão social em percentagem da população


Polônia Letônia, Lituânia, Estônia, Bélgica, Finlândia, França, Grã-Bretanha, Portugal, Áustria, Zona Euro (17 países), Luxemburgo, Alemanha, Chipre, Itália, Irlanda

Na Polônia, o índice é de 25,8%. Por isso, é apenas ligeiramente superior à média da UE. O que coloca o país em 13º. lugar na comunidade, à frente, entre outros, de Hungria, Itália, Portugal e Espanha.

"O período imediatamente após 1989 não foi um momento empobrecimento permanente e de crise permanente. Você pode se perguntar se funcionou bem naquela época, a prosperidade foi distribuída da melhor e da forma mais justa. E, certamente, pode-se relatar uma série de objeções. Mas também não produziram os mitos que mergulham o país na pobreza. Como o país está ficando rico e ao nível dos indicadores da UE, ele é mais visível "- diz Dr. Piotr Broda-Wysocki.

O especialista salienta que não deve surpreender que alguns países chamados da antiga União tenham queda pior do que a Polônia. "Em primeiro lugar, a Polônia nunca fui um país extremamente rico - para que não possamos ter muitos pobres. Em segundo lugar, num momento em que nos compusemos, eles não se desenvolveram no mesmo ritmo ou caíram em períodos de recessão. Sob tais condições, a distância é reduzida."

Analisando os dados do Eurostat, é claro que o país é um líder absoluto em termos de progresso no combate à pobreza. Mesmo em 2005, a percentagem de polacos em risco de pobreza foi de 45,3%, nível mais elevado do índice registrado em seguida, apenas na Letônia (46,3%). Em 2013, o percentual de risco de pobreza na Polônia caiu em até 19,5%. Nenhum outro país tem neste campo tais grandes desenvolvimentos.

"O método para o sucesso era muito simples - um pouco muito ambicioso era o alvo. A boa análise da Dra. Irena Topińska preparada para EAPN, diz em suma, que a pobreza daqueles que estavam em piores condições, poderia ser mais fácil de ajudar. Todos os problemas estruturais, tais como a pobreza infantil, o problema dos limites de baixa renda, a falta de valorização de quase uma década, etc., permaneceu inalterada. Neste último caso um enorme impulso foi dado pelo resultado das eleições presidenciais", - afirma o Dr. Piotr Broda-Wysocki.

Em maio deste ano, o Ministério do Trabalho e Política Social anunciou que quer aumentar o critério de renda para se ter direito ao abono familiar para 754 złoty (um aumento de 31,4%). Quanto à renda familiar por pessoa haverá aumento para as famílias com um filho deficiente de 27% ou seja, até 844 złoty. As propostas de alteração já foram submetidas à Comissão Tripartite.

"Os limites das mudanças anunciadas para o sistema de bem-estar social são extremamente generosos. Por um lado, estou feliz, porque depois de 10 anos, vale a pena ter acabado com esta inclinação. Por outro, porque mostra uma completa falta de visão de política social - afinal, ainda em 2013 ninguém se preocupou que certas categorias da renda familiar que dá direito a receber assistência social estava abaixo do mínimo de subsistência", acrescenta o especialista da Universidade Cardeal Stefan Wyszynski em Varsóvia.

O Prof. Tomasz Panek de SGH adverte contra tirar conclusões erradas a partir dos dados do Eurostat. "Em risco de pobreza é um nome ruim. Ela é apenas a taxa de pobreza. Os dados do Eurostat, no entanto, não devem ser utilizados para comparações entre países, porque as linhas de pobreza de cada país são diferentes. Comparar os países na base é apenas uma ferramenta de políticos ", diz o professor.
De acordo com a União, os pobres, são aqueles que vivem em uma casa com uma renda não superior a 60% da renda média no país. De acordo com o economista, fazendo uso dessa definição, verificar-se-á que no Reino Unido a taxa de pobreza é do que na Polônia, o que é absurdo.

"Eurostat é realmente uma medida da desigualdade de renda em diferentes países", disse o prof. Tomasz Panek."A partir dos dados do Eurostat pode-se concluir unicamente que, na Polônia em comparação com outros países, diminuiu a desigualdade de renda. Ela está associada com a política da UE, que assume que as transferências são para reduzir essas desigualdades. A diminuição da desigualdade na Polônia é apenas relativa. Elas só foram inibidas ", acrescenta o economista.
Postar um comentário