terça-feira, 23 de agosto de 2016

Polônia - Lição de casa antes de viajar



Em torno da praça principal, Cracóvia reúne suas atrações e restaurantes (foto: Dayse Regina Ferreira)

Antes de viajar, é preciso fazer a lição de casa: aprender o que é proibido ou mal visto em cada país ou em cada região do país, saber quais os caminhos para conhecer melhor a cidade que se está visitando, conhecer um pouco da culinária local e até repetir algumas palavras no idioma de cada lugar.
Fotos: Dayse Regina Ferreira

Frutas, legumes, produtos da terra, naturais e frescos, na gastronomia polaca
Se os atletas franceses que vieram para a Olimpíada no Rio, como a nadadora Aurélie Muller, que acabou desclassificada na chegada da maratona aquática pela atitude anti-esportiva; o nadador Camille Lacourt, que acusou o chinês vitorioso Sun Yang de doping; os treinadores dos judocas derrotados Cathy Fleury e Pierre Duprat, que puseram a culpa no juiz, tivessem lidos um pouco sobre o Brasil e o Rio, talvez ficassem longe de escorregar na maionese.
E, principalmente, faltou a Renaud Lavillenie um pouco de bom senso, tentando tirar o ouro de Thiago Braz, que literalmente voou no salto com vara. O francês usou o subterfúgio de colocar sua derrota como causada pelas vaias recebidas. E chorou, ao sentir que não tinha condições de se equiparar ao vencedor. No entanto, bastava ter saltado com destreza e elegância, como foi o caso do brasileiro. E bastava também ter lido um pouco sobre a reação dos que assistiam aos jogos, para saber que faz parte da cultura brasileira a vaia. No Ceará o povo vaia até o Astro Rei, quando o pôr do sol não fica bonito na praia...

A comida de rua também é tradição em Cracóvia
Quem também não fez a lição de casa foi o atleta pinochio norte americano, cuja fama de mentiroso ultrapassou fronteiras. Ryan Lochte parece ter QI de ameba ( as amebas que nos desculpem) e até ter sido influenciado pela presidenta, quando apresentou desculpas, sem realmente assumir seus erros. Foi uma “lição de casa” baseada em sofisma.
Também “não saiu de casa” o jornalista de Nova York, que não gostou do biscoito de goma Globo, tradição nas praias cariocas desde tempos imemoriais. Gosto não se discute, mas escrever contra, foi um tiro no pé. Claro que ninguém é obrigado a provar -- e gostar – de escorpião ou gafanhoto frito, como é hábito na Ásia. Comer olho de carneiro como no Oriente, cérebro de macaco vivo, preso no meio da mesa para ser aberto na frente do freguês como iguaria real ( vi isso acontecer em Hong Kong), são experiências que fogem da cultura ocidental. Também não dá para esperar muito de quem só consome hambúrguer com fritas e come macarrão chinês em frente da televisão.

A vida é colorida na Polônia
Para viajar ao exterior convém sempre ter um mínimo de informações, principalmente quando a língua do país não é tão conhecida como o inglês, francês, espanhol ou italiano. Vai para a Polônia? Dedique algumas horas para leituras sobre o país de Chopin e aprenda que a Polônia não é apenas a beleza de seu mar, suas praias, seus bosques, seus monumentos históricos, suas tradições e cultura.
Polônia também é gastronomia, com uma culinária rica e receitas que não existem em outros países. Cada região tem suas especialidades, que perduram há séculos sem nenhuma modificação, já que os campos, bosques e pomares continuam produzindo os mesmos alimentos e produtos. A cozinha polaca é saudável e cheia de sabores, porque a maioria dos produtos utilizados tem origem natural e recebem como condimentos as plantas aromáticas (tomilho, orégano, alfavaca, cominho, salvia), todas com propriedades calmantes ao sistema digestivo humano.

Sopa é uma presença constante na mesa da Polônia
A história da arte culinária polaca tem mais de mil anos e conserva suas tradições. Parte da cultura nacional, é o traço de união entre o passado mais remoto e a história contemporânea. Já na Idade Média a Polônia era conhecida pela hospitalidade e a boa mesa. Só para lembrar: o soberano polaco Boleslau, o Valente, ofereceu um banquete no ano 1000 para comemorar a peregrinação do imperador Otton III a Gniezno – então capital da Polônia – para visitar o sepulcro de São Adalberto. A festa ficou para a história.
Também ficou famosa a mansão “Wierzynek” de Cracóvia, que no ano de 1364 recebeu monarcas e príncipes convidados ao casamento do imperador Carlos com a neta do rei polaco Casimiro, o Grande. Os festejos foram descritos pelo cronista francês Guillaume de Machault (1300-1377), que não poupou elogios à hospitalidade e aos famosos pratos oferecidos aos convidados.

Peixe frito, salada de legumes frescos, um bom vinho e a vida fica mais fácil
A cozinha polaca aceitou influencias estrangeiras e o surgimento de grandes quantidades de legumes nas receitas é resultado do trabalho da rainha Bona Sforza, italiana esposa do rei Segismundo I, o Velho (metade do século XVI). Influências francesas foram notadas nos temperos mais equilibrados, nos sabores realçados, nos aromas dos produtos e na arrumação mais elegante das mesas. A gastronomia polonesa também recebeu complementos dos pratos russos e a Lituânia. A bebida diária dos eslavos e durante muitos séculos dos polacos, foi a cerveja. Também em destaque o hidromel. Eram bebidas que aplacavam a sede e acompanhavam as comidas, como hoje se usa a água mineral.
A cerveja na Polônia originou até algumas anedotas históricas. Dizem as lendas que o papa Clemente VIII, que ficou na Polônia em 1588 como legado da Santa Sé, acabou um fã incondicional da cerveja fabricada em Warka. Já com a dignidade papal em Roma, ficou gravemente doente e começou a delirar por causa da febre e do efeito dos remédios. E suplicava, em suas crises, “Piva di Varca”. Os cardeais reunidos em torno do leito, pensavam que o enfermo estava invocando a ajuda de algum santo e começaram a rezar: Santa Piva di Varca, ora pro nobis. Si non é vero...

Folhado recheado com creme, a sobremesa preferida do papa polaco
APERITIVOS E COMIDINHAS
Para acompanhar as vodcas de fama mundial – Wyborowa, Zubrówka, Polonaise – são comuns os presuntos, como o Krakus, as salsichas defumadas ou frescas, as tortas de coelho, os vegetais e pepinos em conserva. As sopas mais tradicionais são o barszcz, de beterraba vermelha, com pequenos raviólis recheados de carne ( kolduny) ou com feijões. Żur é uma sopa espessa, meio ácida e bastante apimentada com salsicha, o krupnik, sopa de cevada e o chłodnik, sopa fria de pepinos frescos, acelga, ovos cozidos.
As carnes são geralmente de porco, em bifes empanados fritos na manteiga. Zrazy são pedaços de carne de gado com molho de cogumelos. As carnes recheadas em geral têm molho de cerejas, passas ou cogumelos. A carne de vaca pode ser cozida ao natural com molho de nabo branco. Língua também é bastante apreciada e são muitas as receitas de pato ou marreco assados com maçãs, a carne de caça, os filés de javali ou de veado, além de perdizes, codornas e faisão assado.

Panquecas recheadas, morangos, creme de leite: esqueça o regime e seja feliz 
Os peixes incluem trutas, carpas, e outros peixes de água doce, servidos com gelatina, fritos ou assados. Enguias e salmão geralmente são servidos defumados. Como entrada fazem sucesso os arenques com creme de leite, em azeite ou em escabeche de especiarias.
As hortaliças cultivadas na Polônia têm grande variedade: couve flor, nabo, cenoura, ervilhas, couve de Bruxelas, servidas cruas em saladas. E há ainda alho porró, nabo branco, pepinos em conserva, aipo . Embutidos em geral são servidos com salada de beterraba e nabo branco (cwikla) e as carnes com cenoura e ervilhas, repolho recheado com maçã.
Nas massas o rei é o pierogi, como raviólis recheados com batata, repolho ou linguiça. Faz sucesso também o knedle, croquetes com cerejas ou morangos, os crepes com queijo branco e frutas, os croquetes de massa (leniwe pierogi, kopytka), as almondegas com carne picada (pyzy).
Um dos pratos nacionais mais especiais são os cogumelos. São preparados fritos na frigideira, cozidos com creme de leite ou em escabeche. Os cogumelos secos, de sabor mais acentuado, são usados em sopas, molhos, carnes. Uma delícia é o pierogi com cogumelos e repolho.
Doces em geral incluem massa e frutas em conserva. Tortas de biscoito, pães de mel, tortas de queijo, doces com chocolate. Folhado recheado com creme era a sobremesa predileta do papa polaco que foi ator, antes de se tornar padre e virar atração turística no país cheio de atrativos. Boa viagem e bom apetite.
Entre as bebidas, águas minerais, sucos de frutas naturais como a groselha negra e vermelha, de maçãs e morangos. Entre as melhores cervejas a famosa Warka, Zywiec, Okocim, Lezajsk. O hidromel já caiu de moda, mas quando existe, é de alta qualidade.

Publicado originalmente no site do jornal BEM PARANÁ
Postar um comentário