sexta-feira, 11 de março de 2016

Terminações dos sobrenomes polacos

Os sobrenomes polacos são reconhecidos principalmente por suas terminações. E isso, mesmo, entre outros sobrenomes de origem eslava como tcheco, russo, ruteno (atual ucraniano), eslovaco, búlgaro, macedônio, croata, servo, etc.
Explicações para identificá-los e dar significações são várias... polêmicas e inconclusivas. Mas, em geral, aceitam-se como bastante prováveis as que seguem abaixo, começando pelo famoso ski, que naturalmente não guarda relação alguma com tentativas frustradas de comparar com o idioma inglês, o que faria supor ter algo parecido com esquiar, ou céu.

Os sobrenomes mais populares da Polônia

-EWSKI, -OWSKI, -IEŃSKI, -IŃSKI, E -YŃSKIS
O -ski é um sufixo adjetivado, que pode ser adicionado diretamente a um termo base - como "padeiro (Piekarz, em idioma polaco)" - Piekarski, que significa, então: "de padeiro", ou pode ser envolvido a outros sufixos.

Dois caracteres comuns que podem preceder -ski são:
1) -EW- ou -OW- (basicamente a mesma coisa, depende se o radical termina em uma consoante classificada como dura ou suave); e
2) -IN- ou -IEN- ou -YN.
O -YN é adicionado a radicais que terminam em consoantes duras, os outros dois são adicionados em radicais"suaves"; para todas as intenções e propósitos, -IEN- pode ser considerado como uma variante do -IN-, muitas vezes indicando alguma diferença dialetal na pronúncia.

Ambos prefixos têm significado possessivo, de modo que -owski / -ewski e -i [e] ński / -yński significa "do / dos".
Nas combinações, o sufixo -iński e -yński o N é suavizado e pronunciado como o NH em português, e grafado em polaco com acento agudo (-iński e -yński).

Outra ocorrência destes sufixos aparece adicionado aos sobrenomes sem o -SKI, como em Jan "João" - Jański  - "de João" e Janów (plural) que significa "dos Joões", (Como ninguém diz Joães, o natural é dizermos Joões, porque a maior parte dos substantivos terminados em -ão fazem o plural em -ões: barracão, bofetão, botão, cordão, tampão, esfregão, etc.)
Vemos localidades chamadas Janów, o que significa "[lugar] de João." Outros sufixos também podem ser adicionados a esses, como vemos em Janowo, que também significa "[lugar] de João," e Lipiny,"[local] das lipas" (de Lipa, "Tília (espécie de árvore").

Linguistas eslavos têm escrito artigos sobre quando e por que são usados os suficos -ew - / - ow-  adicionados em alguns casos, e -em - / - yn- em outros. Uma vez que um dos conjuntos de sufixos -ow / -ew e -in / -yn foi adicionado a um termo para formar um nome de lugar X, o caracteres em /yn mais -ski podem ser ainda adicionados a eles para dizer, com efeito, "um de X"

Assim o termo kowal é "ferreiro", está presente nos sobrenomes Kowalew ou Kowalewo, que significa "[local] do "ferreiro", e Kowalewski é "uma pessoa do lugar do "ferreiro".
Ou Lipa que é "tília", Lipiny que é "lugar das tílias", e Lipiński é "uma pessoa do lugar das tílias". Aliás, os caracteres -yn / -em são adicionados, às vezes, sem a vogal anterior, obtendo-se sobrenomes como Lipno, que também significa "lugar das tílias"; o nome desta localidade, também, pode aparecer no sobrenome como Lipiński. Estes processos são muito comuns na formação  dos sobrenomes polacos.

Estas aglutinações de sufixo -ewski / -owski e -iński / -yński também podem ser adicionadas diretamente aos substantivos, por vezes, simplesmente para indicar uma ligação.
Assim Łomża (pronuncia-se uomja) que é o nome de uma cidade, na Polônia, tem em łomżyński uma forma adjetiva, cujo significado é "de Łomża", ou melhor "natural de Łomża". Algo como usado, em português, com a terminação ENSE, em paranaense que significa natural "do Paraná").

Também há uma considerável sobreposição de significados entre, Janów ("parentes de", ou "local do João") e Janowski ("parentes de João", ou "de um de lugar de João"].
Às vezes, ambos os sobrenomes são usados, numa mesma família, dependendo do cartorário de plantão. Porém as formas -SKI tendem a predominar; embora entre os mais antigos aparecessem os chamados Janów.
Como acontece com qualquer aspecto da onomástica, não generalize - pois praticamente qualquer coisa que se disser que é correta, na maioria, das vezes pode ter exceções gritantes.

- "Eu sou um -SKI, eu devo ser de origem nobre!"*
Uma e outra vez se ouve "Alguém dizer que sobrenomes que terminam em -ski são pessoas da nobreza.
Será isso verdade?
Apesar da arrogância embutida na expressão,  ainda assim, é uma questão legítima.

Se estes sobrenomes tivessem sido encontrados nos registros de cartórios, ou igrejas do século 14, então sim, os sobrenomes que terminavam em -ński eram designativos de pessoas da nobreza. E que os sobrenomes que terminavam em -owicz ou -ik, ou qualquer outro sufixo não o eram.
Antes de qualquer discussão, basta dizer que não havia essa distinção, pelo simples motivo de que naquela época, todos os sobrenomes eram nobres! Em outras palavras, apenas os nobres utilizavam sobrenomes. Os plebeus não tinham sobrenome...apenas nome.

Os não-nobres, ou plebeus, só começaram a usar sobrenomes regularmente - a partir do século 17. Mas esta não é uma afirmação de todo verdadeira, pelo simples fato de que não se encontram documentos, ou registros de pessoas plebéias antes de 1600 que as mencionasse; não há evidências à respeito de quando a prática de sobrenomes hereditários imutáveis ​​se espalharam para a a plebe dos centros urbanos e para os camponeses. Mas, em geral, a maioria dos estudiosos concorda que os camponeses raramente usavam sobrenomes antes do ano1600; embora existam exceções para cada regra.

Assim, ao mesmo tempo -ski  pode ser indicativo de origem nobre. Mas isso deixou de ser verdade, há uns bons 300-400 anos atrás. Quando o uso de sobrenomes de qualquer natureza, deixou de ser exclusivo dos nobres, bem como as formas dos próprios nomes.

O que significa -SKI?
Na língua polaca é um sufixo adjetivo, significando simplesmente "de, em conexão com, pertencente a." A forma caracteres + ski é uma maneira de dizer que "de alguma forma ele está associado a caracteres precendentes." Assim Warszawa significa "Varsóvia", e Warszawski "de Varsóvia".

Em sobrenomes, onde aparecem um ou dois caracteres seguidos de -ski normalmente indicam alguma ligação estreita com alguém. Assim Piekarski, em geral, pode tanto significar "parentes do padeiro", ou "uma pessoa da localidade do padeiro".
Existem subconjuntos de sobrenomes -SKI que são especialmente propensos a se referir ao lugar de origem como em Bydgoski, que literalmente pode ser considerado como "de Bydgoszcz", e que significaria "uma pessoa de Bydgoszcz,  ou alguém ligado a Bydgoszcz."

A consequência prática disso é que um monte de sobrenomes com -SKI referentes a lugares são ambíguos; eles podem referir-se a um número ilimitado de diferentes localidades com nomes derivados a partir da mesma forma basal. Assim, Warszawski pode não estar se referindo a capital da Polônia. Pois pode haver outro lugar, ou dois, ou mais com nomes começando em Warszaw-.
O sobrenome, por si só, não dá nenhuma pista que se está se referindo a uma determinada localidade. Por exemplo, há uma Warszawa na antiga região da cidade de Zamość; há também uma Warszawice na região da cidade de Siedlce; há uma Warszawiaki na antiga região da cidade de Lublin; e uma Przedmieście Warszawskie na região da cidade de Elbląg. É possível que o sobrenome Warszawski possa estar se referindo a qualquer uma delas.

Obviamente, na maioria das vezes Warszawski remete para a capital da nação. Mas não há garantia de que seja isto! No momento, em que se assumir que, o sobrenome Warszawski tenha vindo de Warszawa, pode-se estar incorrendo em erro, pois este sobrenome em questão pode estar, na verdade, referindo-se a localidade na região de Zamość. E então, as buscas por origens, fica comprometida e difícil. Por isso, os sobrenomes devem ser interpretados à luz da história de uma família específica - é a única maneira de certificar-se de que se está focando no lugar certo.

Claro, também está, que um monte de sobrenomes com -SKI não se referem a lugares. Piekarski pode também estar se referindo ao lugar chamado de Piekary ou algo semelhante; Szczepański normalmente significa "filho ou parente de Szczepan (Estevão)". Nosalski pode significar simplesmente "parentes do grande nariz" (nosal). Este sufixo pode ser adicionado a todos os tipos de raízes, se eles se referem a um lugar de um antepassado, de residência, ou de origem, de sua ocupação, de seu primeiro nome, de sua característica física mais óbvia, e assim por diante.

-SKI versus -SKA
A questão é simples: adjetivos polacos têm diferentes formas para os sexos. Sobrenomes que terminam em -ski são considerados também para refletir o sexo da pessoa. Assim Janowski é a forma nominativa para o masculino e Janowska é a mesma forma só que para o feminino. As terminações diferem nos outros casos declinativos também: "de Janowski" é apresentado com a terminação ego, assim Janowskiego é o mesmo sobrenome só que se referindo a um homem, e com ej  é o mesmo Janowska, apenas que declinado para Janowskiej, ou seka está se referindo a uma mulher.

-CKI e -ZKI
Sobrenomes que terminam em -cki / -cka e -zki / -zka,  essencialmente, são apenas variantes de -ski / -ska. Certas palavras terminam com consoantes que, quando combinadas com o -ski básico final, produzem uma mudança de pronúncia. Assim Zawadzki vem de "Zawada" ("obstrução, fortaleza" +-ski. O -A final em Zawada cai, dando a forma Zawadski. Mas é difícil pronunciar -d- seguido por um -S-, assim se adotou Zawadzki com Z que é a maneira mais precisa de soletrar esse sobrenome.

Mas, só para complicar as coisas, a combinação -dz-, nesse caso, é realmente pronunciada como -ts-, que é como os polacos escrevem quando usam a letra -C-. Então, Zawacki é outra maneira de ortografia que mesmo sobrenome, ou seja, é o mesmo com o -dz, Zawadzki.
De qualquer maneira, Zawadzki ou Zawacki, é pronunciado aproximadamente "zah-vá-ts-qui," e significa apenas "da obstrução ou da fortaleza", ou "pessoa de um lugar chamado Zawada ou Zawady porque, ao mesmo tempo, havia uma barreira, ou uma fortaleza naquele lugar".

-Ski versus -Sky
Muitas pessoas estão sempre perguntando coisas como "Se ele é soletrado com -Sky, então é um sobrenome judeu?" ou "Posso concluir que o meu Jablonsky era de origem tcheca, em vez de polaco?"

Historicamente as grafias de sobrenomes da Europa do Leste variaram muito, o que não permite estabelecer uma regra assertiva para esta dualidade -ski versus -sky.
A regra de ouro, no entanto, é que -ski normalmente é associado aos polacos; e -sky pode ser associado com os tchecos, ucranianos, russos, etc. Há milhões de exceções, mas uma regra básica para se entender, é  apenas isso, com I no final é polaco, com Y os outros eslavos.

Isso porque as regras de ortografia polaca dizem que -K- nunca pode ser seguido por -y, mas apenas por -i.

A religião não é realmente um fator na grafia dos sobrenomes. Os judeus que foram assimilados pela cultura das nações onde se inseriram tendiam a usar qualquer ortografia considerada como correta no lugar onde passaram a viver. O grafia -sky em polaco é incorreto, então, os judeus que viviam entre os polacos normalmente grafavam -ski.

Já os judeus que viviam entre os tchecos grafavam -sky, porque isso era o correto em tcheco. Se eles vivessem no que é hoje a Bielorrússia, ou na Rússia, ou na Ucrânia - como milhões fizeram - seus nomes foram escritos no alfabeto cirílico, e poderiam ser grafados em nosso latino tanto como -ski, como -sky, -skiy, -skyi, -skyj , -skij, e assim por diante.

Na maioria, das vezes, grafava-se como -sky, de modo que a ortografia parecesse predominar entre os imigrantes judeus, no caso dos que foram para os Estados Unidos. Mas houve e há uma abundância de judeus nos Estados Unidos, que grafam seus sobrenomes com -ski, significando que são originários da Polônia.

Parece haver uma tendência entre os falantes alemães e inglês para soletrar o sufixo eslavo como sendo -sky, a tal ponto que até mesmo imigrantes polacos nestes países pararam de lutar contra essa grafia e passaram a aceitar esta ortografia imposta pelo país estrangeiro.

É possível que a influência tcheca tenha orientado alemães e povos de língua inglesa. No -sky tcheco (na verdade, com um acento sobre o y) esta é a ortografia correta. Como, ao longo dos séculos os alemães sempre estiveram às voltas com a nação tcheca, sempre por questões de invasões e ocupações de territórios essa ligação pode tê-los convencido de que -sky fosse correto para grafar esse sufixo para todos os povos eslavos.

-OWICZ Ou -EWICZ
Este sufixo simplesmente significa "filho de". Aqui, também, a diferença entre -owicz e -ewicz não é de grande importância para os não-linguistas; alguns nomes tendem a mostrar-se com um ou outro sufixo, e alguns mostram-se com ambos. Mas o significado da do segmento caracteres + -owicz ou caracteres + -ewicz é  apenas "filho de alguém."

O que aconteceu aqui é que o possessivo final -ow / -ew teve o sufixo -icz orientado para ele. Assim -icz sufixo ou -ycz é para os polacos, "filho de", assim que "filho de Jan" = Janicz ou Janycz; Já "Filho de Kuba (diminutivo de Jakub)" passou a ser Kubicz ou Kubycz. Mas como o tempo passou os poloneses foram influenciadas pela tendência de outros eslavos usar -owicz ou -ewicz vez do -icz simples.

De todos modos, -owicz é apenas a maneira polaca de grafar o sufixo que estão em muitos outros nomes eslavos como -ovich ou -oviĉ (o chamado Hacek em tcheco). A ortografia varia de língua para língua, mas quase sempre significa "filho de".

-Ak - / - EK / -IK / -KA / -Ko /-Uk / -YK
Sufixos com um -K- geralmente aparecem como diminutivos.
Em outras palavras, Jan é a forma polaca de "João", e Janek ou Janko é o "Joãozinho", em português.
Em Portugal, no Brasil e nos demais seis países de língua portuguesa é praticamente inexistente sobrenomes terminados em inho. Em polaco (e outras línguas eslavas) existem centenas deles. A maioria tem um -K- em algum lugar, ou o -K- foi modificado pela adição de novos sufixos (por exemplo: -czak, -czyk). Como regra geral, em sobrenomes ,um sufixo com -K- significa algo como "pouco", "pequeno" ou "filho de".

Assim Jan é "João", Janek ou Janko é "pequeno João, Joãozinho", Jankowicz é "filho do pequeno João", Jankowo é "[o lugar] do pequeno João" (ou "do filho de João"), e Jankowski é "originário do local do pequeno João ou o filho de João".

O uso original desses sufixos era para indicar uma forma diminutiva. Mas também passou a ser utilizada de outras maneiras, o que geralmente significa "associado com, relacionado com, exibindo a qualidade de." Nowak vem de Nowy, "novo" + -ak, para significar "pessoa nova no lugar", e Stasik significa "aquele associado com Staś" = "parentes de Staś", que por sua vez é diminutivo do diminutivo de Stasiu, do nome Stanisław.

Além disso, estes sufixos são adicionados frequentemente a substantivos para servir como um termo para uma pessoa ou objeto relacionado com qualquer que seja a base de uma raiz significativa.
Assim Bartek começou como um diminutivo de Bartłomiej (Bartolomeu), e significava "pequeno Bart, ou filho de Bart." Mas, uma vez que, Bartek passou a existia como um nome, ele pode ser usado como substantivo, que significa também "caipira, camponês, homem do campo, sertanejo".

Isso aconteceu porque as pessoas passaram a entender Bartek como sendo um nome popular entre pessoas das áreas rurais, e por isso passou a ser usado como um substantivo comum para tais pessoas. Ao como Bastião, de Sebastião que passou a ter conotação de gente simples, caipira, em português.

Da mesma forma, sowa que significa "coruja", e sówka, que literalmente é traduzido para "bufo", embora seja um termo para um tipo específico de coruja,  a Athene noctuae. Mas também é usado como um termo para a família Noctuidae de mariposas.
Aparentemente algo sobre essas mariposas lembrou às pessoas os mochos (da família Strigidae, da ordem Strigiformes), e o termo preso. Assim, há que se ter cuidado quando interpretar sobrenomes com estes sufixos diminutivos: o "pequeno X" pode ser vir a ser um termo para algo que não é facilmente perceptível.

-IAK
Essencialmente, o sufixo -iak é a mesma coisa que -ak; ambos são sufixos diminutivos, mas -iak difere apenas na medida em que envolve suavizar ou palatalização da raiz consoante final. Assim, em alguns nomes vemos -ak adicionado diretamente a uma raiz sem palatalização, por exemplo; Nowak, Pawlak e, em outros, temos a palatalização, em Dorota + -iak = Dorociak, Jakub + -iak = Jakubiak, Szymon + -iak = Szymoniak.

O significado básico de -ak / -iak é diminuto, mas especialmente quando aplicado aos primeiros nomes, ele tende a ter um significado patronímico. Assim, "Jakubiak" significa "pequeno Jakub".
No entanto, ele não é usado exclusivamente dessa forma, por exemplo, há um substantivo "Krakowiak", que significa "uma pessoa de Cracóvia". Sufixos polacos raramente têm um único e tão somente um significado.

-ANKA, -ina / -YNA, -OWA / -EWA, -ÓWNA / -EWNA
Finalmente, estes sufixos diferentes dos outros já mencionados em que eles não são partes intrínsecas dos sobrenomes. Jankowski é um nome diferente do Jankowicz; Já Jankowiczowa não é um sobrenome diferente do Jankowicz, mas apenas uma forma especial dele.
Estes sufixos todos marcam versões femininas de sobrenomes que tomam a forma de substantivos, e não de adjetivos terminados em -ski ou -cki ou -zki. Para chegar ao sobrenome base tem-se que remover o sufixo (e às vezes adicionar um final): Jankowiczowa = é a Sra. Jankowicz, ou Kościuszkowa = Sra. Kościuszko.

No polaco padrão -owa ou -ewa indica uma mulher casada, e -ówna / -ewna uma solteira. Jankowiczowa é a Sra Jankowicz, mas Jankowiczówna é senhorita Jankowicz; Kowalewa = Sra. Kowal, Kowalewna = srta. Kowal.

Os sufixos -ina / -yna são adicionados a sobrenomes que terminam em -a substantivo derivado, e geralmente indicam uma mulher casada; a forma correspondente para as mulheres solteiras é -anka ou -ianka (às vezes -onka ou -ionka). Então a Sra. Zareba é a "pani Zarębina", e Srta. Zareba é "panna Zarębianka."

Acrescente-se, porém, que em dialetos regionais, às vezes, há -anka ou -onka adicionado aos adjetivos de sobrenomes, e até mesmo utilizado para a mulher, de modo que a Sra. Kowalski pode aparecer como "Kowalszczanka". Isso não está correto em polaco convencional; mas pode-se usar nos registros de algumas regiões, especialmente do Nordeste e Sudeste da Polônia.

Texto: W. F. Hoffman
Tradução para o protuguês: Ulisses Iarochinski
Postar um comentário