terça-feira, 6 de outubro de 2009

Made in Poland

O polaco Louis Zborowski

O decano jornalista curitibano Francisco Camargo publicou no jornal Gazeta do Povo, de Curitiba, dias atrás informações sobre a Polõnia e suas curiosidades. Este é o texto:

A publicação Made in Poland, do Departa­­mento de Promoção Comercial e Investi­mentos, da Embaixada na Re­­pública da Polônia, traz grandes revelações na matéria “Águias polonesas”. Primeiro: são 20 mi­­lhões de poloneses que vivem hoje fora do país e, entre aqueles que “mais fizeram para o mundo”, há muitos desconhecidos, mas que, graças à sua invenção, imaginação e talento, “ultrapassaram fronteiras geográficas, in­­te­­lectuais e até extraterrestres (sic)”. Brindado com um exemplar, Natureza Morta passou a noite em claro mergulhado na leitura. E ficou sabendo, por exemplo, que Stephanie Kwolek foi o inventor do kevlar, material que veio a dar a base para os coletes e capacetes à prova de bala. E que, sem Frank Piasecki, não teríamos os helicópteros de duas hélices. Mais: James Bond não poderia aprontar das suas com modelos da Aston Martin se não fosse pelo conde Louis Zborowski, fã de carros de corrida, e Tadeusz Marek, desenhista de motores. Há muitos outros desconhecidos, ou nem tanto, ou mais ou menos. Sem o produtor Samuel Goldwyn, Gary Cooper não teria estrelado filmes famosos (Matar ou Morrer é um deles). Sem o alfaiate Bernard Lichtenstein não teríamos a marca Wrangler Jeans. Mas, para espanto até do Beronha, a grande e bombástica revelação ficou por conta de uma famosa linha de produtos de beleza, a Max Factor. Diz a revista: “As mulheres poderiam esquecer o make-up em tubos se não fosse pelo Max Factor (1877-1938), na verdade Maks Faktorowicz, polaco nascido em Lodz”. Filho de rabino, aos 8 anos, misturando cremes, Maks começou projetar sua futura profissão em uma drogaria. Aos 20, em Moscou, abriu sua própria lojinha e virou conselheiro em cosmética da corte do Czar. Depois, já nos EUA, passou a “repaginar”, segundo Beronha, todas as estrelas de Hollywood. Em 1929, ao transformar o ator Boris Karlof no monstro criado pelo dr. Frankenstein, ganhou o Oscar de maquiagem. Quem diria, hein? Max Factor nunca passou de um certo Maks Faktorowicz, mas, como foi aplicada a máxima dos faroestes americanos (quando a história coincidir com a lenda, imprima-se a lenda), ficou consagrado o mito Max Factor, e relegado ao quase esquecimento o nosso prezado Faktorowicz. Coisas da vida, ou da alta moda. A revista, é claro, não cita polacos mais próximos e nem por isso menos importantes, bastando ver os livros do Dante Mendonça, incluindo o da Banda Polaca. E nesse sopão inenarrável de consoantes, temos ainda amigos como os jornalistas Eduardo Os­­taszewski (de Aguiar) e Boleslau Sliviany, o Boluca. Mas, insuperável mesmo, e para desespero dos redatores do noticiário internacional na época de Jimmy Carter, é o ex-conselheiro Zbigniew Brzezinski. Finalmente, para bebemorar, Natureza, reverenciou ainda Novak e Pierkasky, craques que passaram pelo Atlético, mergulhando numa Tyskie, “a mais exportada das cervejas polonesas”. Uma Tyskie bem gelada, é claro, como endossaria o polaco Marcos Tavares, que, suspeita Beronha, é alemão disfarçado. Tudo bem. Afinal, como diria o Isidório Duppa, que a gente “conhecemo” na Pousada São Luiz do Purunã, “semo polaco non semo fraco”.

E claro faltou outro grande nome dos cosméticos para surpreender Camargo, que é a cracoviana Helena Rubinstein. Helena saiu do bairro judeu do Kazimierz aos 18 anos para estudar na Suíça... de lá foi para a Austrália, Paris e finalmente Nova Iorque para fazer concorrência a Faktorowicz - Max Factor.
Postar um comentário