quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

O "sonho" também é polaco



Confesso que desde muito criança sempre gostei de sonhos...
Sim! Dos sonhos dos sonhos!
E também daqueles outros sonhos.
Gostava dos sonhos, que já crescidinho ouvia Maria Bethânia cantar “sonhar, mas um sonho impossível...é minha lei”, da música de Charles Chaplin.

Mas os sonhos que sempre gostei mesmo eram os sonhos de sonho. Sim!

Aqueles bolinhos fritos recheados com marmelada e pulverizados com açúcar de confeiteiro.

Passei minha infância toda me esbaldando com os sonhos que uma tia mineira fazia toda a semana. Ela fazia aquilo como uma espécie de ritual. Como sabia que eu gostava muito, bastava eu fazer uma mãnha, chorar, ficar triste para ela ir pra cozinha preparar sonhos.
Pelo fato dela ser mineira e, portanto, não ter nada de polaco (era tia materna), cresci pensando que sonho era mineiro, que era brasileiro, enfim que fazia parte da tradicional culinária portuguesa.



Chegando aqui na Polônia, um dia fui convidado por uma colega do curso de idioma polaco para irmos numa confeitaria. A colega Norte-americana, filha de mãe polaca com pai Norte-americano, durante o percurso ia só repetindo que dos doces da Polônia ela só gostava mesmo era de Pączki (pronuncia-se pontchqui). 

E eu só pensando, “o que será este pączki”. Arrehh! Devia ter visto no dicionário.”

Qual não foi minha surpresa quando a colega pediu o famoso pączek polaco à senhora do balcão. "Ora! Aquilo eu conhecia. Aquilo era um sonho, meu velho conhecido! Que história era aquela de que sonho é polaco?"

Tempos depois acompanhando um professor português pelos pontos turísticos de Cracóvia, convidei-o a provar o sonho polaco.

“Sonho? O que é isto?”
Pensei comigo: "Mas como que este português não sabe o que é sonho?

Quando apresentei o famoso doce ao gajo, ele reagiu dizendo:

- “Mas são bolas de Berlim!”

- "Bolas de Berlim?"

Agora eu é que não estava entendendo mais nada.

"Como bolas de Berlim?”, perguntei.

O professor de etnicidade da Universidade de Lisboa respondeu:

“Não! Isto não é doce português, não! Isto é da culinária alemã. Não me pergunte como chegaram a Portugal. Mas são muito apreciados e Viana do Castelo é a cidade onde se pode comer as melhores bolas de Berlim do país.”

- “Não!”

Disse-me, mais tarde uma professora de tradição e cultura da Universidade Jagielloński.

“Não é doce alemão não, é doce polaco com certeza. Durante a ocupação de 1795 a 1918, os alemães aprenderam muitas coisas na Polônia, inclusive a fazer pączek.”

Vendo que eu fazia cara de dúvida, ela então recomendou a leitura de um livro sobre história da culinária polaca.

Foi assim que descobri através de Jędrzej Kitowicz, que o pączek já existia na Polônia, quando o rei August III mandou vir cozinheiros da França para melhorar o cardápio do castelo.
Kitowicz escreveu: „Staroświeckim pączkiem trafiwszy w oko mógłby go podsinić, dziś pączek jest tak pulchny, tak lekki, że ścisnąwszy go w ręku znowu się rozciąga i pęcznieje do swojej objętości, a wiatr zdmuchnąłby go z półmiska’. Segundo ele, o rei já não suportava comer toda semana a mesma comida.

Chegando a Cracóvia, os cozinheiros franceses conheceram o antigo pączek e claro tinham que mostrar serviço sem ferir o orgulho pátrio dos colegas polacos. Assim fizeram algumas alterações no modo de preparar, para que o doce ficasse mais claro, mais esponjoso e mais elástico.

Assim do francês “beignet” (ou “fritos”) só ficou mesmo uma feição do rio Sena, pois mesmo com a roupagem parisiense, a essência se manteve polaca até os dias de hoje.
Mas o que importa mesmo é saber, que o sonho que conhecemos chegou aos três Estados do Sul pelas mãos das imigrantes polacas e não através das “bolas de Berlim” portuguesas, aliás também chamadas de "malasada". Mas não foi apenas o Brasil que conheceu o pączek pelas mãos das polacas.
Também os Estados Unidos foram influenciados, tanto que adotaram a Tłusty czwartek”, comemorada como “Fat Thursday”, ou “Quinta gorda” dos polacos.

Em Chicago, Detroit, Milwaukee, e South Bend, o dia é celebrado com o nome em polaco mesmo “Pączki Day”. Hamtramck, distrito de Detroit, é conhecido por ser a única cidade Norte-americana a organizar o verdadeiro “Dia do Pączki” com a tradicional parada americana, ou seja, desfiles de bandas e escolas pela avenida principal da localidade.

Neste dia, as confeitarias e padarias de Hamtramck ficam abertas 24 horas para vender o “Pączek”. Os confeiteiros concorrem ao melhor "sonho" do ano. Também em Toronto, no Canadá, é celebrado o dia do “sonho polaco”.
Na Polônia, o "dia do sonho", ou "quinta -feira gorda", ou Tłusty czwartek” é secularmente comemorado na primeira quinta-feira antes do início da quaresma.
Diz-se que se alguém na "quinta-feira gorda', não come um sonho, ele não terá sorte durante o ano inteiro. Neste dia, o polaco come em média 2 sonhos e meio.
Provando que a origem dos modernos judeus é a Polônia, também Israel importou o dia do “Pączek”, através dos judeus polacos que o chamavam em Yiddish: פּאָנטשקעס , pontshkes, passou a ser conhecido com o nome em hebráico de סופגניות, sufganiyot (no singular: סופגניה, sufganiyah).

Outros países também reconhecem o sonho como algo autenticamente polaco.

A culinária russa o chama de "pyshki" (especialmente em São Petersburg) e de "пончики", ponchiki. Os ucranianos chamam de "pampushky". Nos idiomas alemão e dinamarquês, eles são chamados de "Berliner". Na Áustria, são chamados "Krapfen". Na culinária lituana, eles são chamados "spurgos" e até no Hawai por influência dos imigrantes açorianos da Ilha de São Miguel, eles são chamados de "malasada".

E finalmente a última constatação de que "sonho" é polaco, está justamente nesta relação de desejo de ter sorte, presente na comemoração do "Dia dos Pączki", pois ao comê-lo se está claramente "sonhando" que o futuro será melhor, um futuro de sorte, de fortuna.

Portanto, o "sonho" brasileiro nada tem a ver com "bolas de Berlim", "Berliner", "Malasada", "beignet" ou seja, lá como chamem os outros povos. 

No Brasil, "sonho" só rima com "pączek", de "sonho de polaco"!!!!

A melhor receita polaca de "pączek" – "Sonho"

Ingredientes
  • ¾ de litro de leite
  • 100 gramas de manteiga
  • 1 ½ kg de farinha de trigo
  • 6 a10 ovos
  • 5 culheres de açúcar,
  • Essência de baunilha
  • licor de vodca
  • 10 gramas de fermento de lêvedo
  • Essência de laranja
  • cascas de laranja
  • ameixas, pêssegos em calda, ou marmelada para o recheio.
Modo de fazer
Ferver meio litro de leite com a manteiga. Adicionar meio quilo de farinha de trigo e mexer até fazer papa.
Adicionar em seguida açúcar, essência de baunilha. Em seguida colocar a essência de laranja, as cascas de laranja e o licor de vodca.
Adicionar os ovos com o restante da farinha e em seguida, cuidadosamente, o fermento de lêvedo dissolvido em ¼ de litro de leite frio.
Deixar descansar a massa por algum tempo em lugar morno.
Finalmente formar pequenas bolas, furando-as com os dedos para colocar o recheio, que pode ser ameixas, pêssego ou marmelada.
Fechar e fritar em óleo bem quente.
Deixar esfriar por alguns momentos e pulverizar com o açúcar de confeiteiro.


Postar um comentário