quarta-feira, 15 de agosto de 2007

A última flor do Lácio

Nona pequinino, parqui calado santa
Ouvri vossa doce boca, oen cantiga canta.

(versos de uma cantiga do Sri Lanka – Ceilão)

Além dos dez milhões de pessoas em Portugal, o idioma português é falado nas seguintes regiões do planeta:


Açores, África do Sul, Alemanha, Andorra, Angola, Antigua e Barbuda, Bélgica, Bengala, Brasil, Canadá, Cabo Verde, China (Macau Hong Kong), Congo, Espanha, Estados Unidos, França, Guiné-Bissau, Guiana, Ilha Flores (Larantuka, Sikka) Ilha da Madeira, Ilha Maurício, Índia (Bombaim, Cochim, Coromandel, Chaul, Damão, Diu, Goa, Malacca), Indonésia, Inglaterra, Jamaica, Luxemburgo, Malawi, Moçambique, Namíbia, Omã, Paraguai, São Vicente e Granadinas, São Tomé e Príncipe, Sri Lanka (Batticaloa, Koolavaddy, Mamangam, Uppodai, Dutch Bar, Akkaraipattu, Trincomalee, Kaffir de Mannar e Puttalam), Suriname, Suíça, Tailândia, Timor Leste e Uruguai. Nas costas da Índia, existiam cerca de 44 comunidades onde o português era falado até o século passado.
São considerados dialetos: o Beira, Galego, Madeirense-Açoriano, Estremenho.
É classificado como sendo Indo-europeu, Itálico, Romance, Italo-ocidental, Ocidental, Gallo-ibérico, Ibero-romance, ibero Ocidental, português-galego.
É falada como segunda língua por 15 milhões de pessoas. Algumas comunidades são particularmente expressivas como os quase um milhão de pessoas na França, que fala português como língua materna. A língua portuguesa tem mais de 230 milhões de falantes em todo o mundo.

A situação da Galícia e do galego em relação ao português é controversa. Do ponto de vista político e oficial, o galego é uma língua porque assim o determinam os organismos de Estado espanhol e da Região Autônoma da Galicia. Do ponto de vista científico, no entanto, o galego é uma variação dialectal da língua portuguesa. Tanto isso é verdade, que o galego está sendo estudado ao lado das demais variações do português, nas universidades e centros de investigação linguística.

Ainda sobre os versos acima, Marco Ramerini, acrescenta que vários reis do Ceilão (atual Sri Linka) falavam fluentemente esta língua e nomes portugueses eram comuns na nobreza. Quando os holandeses ocuparam a costa do Ceilão, principalmente sob as ordens de Van Goens, eles tomaram medidas para eliminar o uso da língua portuguesa. Porém, o dioma estava tão entranhado entre os habitantes do Ceilão que até mesmo as famílias dos burgueses holandeses começaram a usar a língua portuguesa. Em 1704, o governador Cornelius Jan Simonsz falava que: "se você fala português no Ceilão, você é entendido em todo lugar".

O novo acordo ortográfico dos oito países membros da CPLP já em vigor, mas não utilizado pode ser lido em:

Mais informações em:






Postar um comentário