quarta-feira, 15 de agosto de 2007

Feriado santificado de N.S. Częstochowa

A Polônia parou nesta quarta-feira, 15 de agosto, para comemorar o dia da padroeira da nação, Nossa Senhora de Częstochowa.


foto: Santuario de Jasna Góra
Pintado sobre uma tabua de madeira de 122.2 cm, 82.2 cm e 3.5 cm, o quadro representa o busto da Virgem com Jesus em seus braços. Parece que a Virgem Maria olha a quem lhe admira. Também o rosto do Menino parece com o olhar fixo no peregrino. Os santos rostos têm uma expressão séria e pensativa, o que confere um tom emotivo ao quadro. Este está marcado por três sulcos fortes. No altura do pescoço da Virgem estão outros 6 pequenos arranhões, sendo que quatro estão bem visíveis. O vestido e o manto da Virgem estão adornados com a flor de lis, símbolo da família real da Hungria.
O quadro fica encerrado neste altar da catedral de Częstochowa por trás de duas portinholas, a cada 15 minutos elas são abertas sob som musical e surge o quadro em todo seu esplendor.
Foi o príncipe Władysław de Opole, plenipotenciário do Rei Ludwik da Hungria, entre os anos 1367-1372, quem trouxe os Monges Paulinos a Polônia. Eles chegaram a Częstochowa, em 1382, e receberam uma pequena igreja, onde depositaram o quadro da Virgem, que o príncipe tinha trazido da cidade de Belz. Segundo a tradição, o quadro foi pintado pelo evangelista Lucas sobre a mesa da Sagrada Família. São Lucas tinha pintado duas imagens de Maria: uma delas chegou a Itália e foi conservada em Florença, onde ainda é venerada; a outra foi levada de Jerusalém para Constantinopla pelo imperador Constantino e colocada numa Igreja. Seis séculos mais tarde, o príncipe russo Lev ganhou o quadro do imperador como reconhecimento militar. Durante as guerras em Ruselel, o príncipe Władysław de Opole encontrou o quadro num castelo de Belz. Ali o quadro era venerado como milagroso. Depois da vitória sobre os tártaros, o príncipe trouxe consigo o quadro para a colina de Jasna Góra, em Częstochowa. A fama crescente da imagem milagrosa da Mãe de Deus converteu o monastério em destino de peregrinos. E com eles muitas ofertas em jóias e ouro, o que despertou a cobiça de bandoleiros. Em 14 de abril de 1430 (dia de Páscoa), ladrões, procedentes de Bohemia, Moravia e Silésia assaltaram o monastério. Entrando na capela da Mãe de Deus, os ladrões tiraram o quadro do altar, arrancaram todos os objetos valiosos e marcaram o rosto da Virgem com suas espadas. Jogaram o quadro no chão, rompendo-o em três partes. O quadro foi restaurado, em Cracóvia, na corte do rei Władysław Jagiełło. Os restauradores tentaram cobrir os riscos de espadas, mas estes não desapareram. Com o passar dos séculos e devido às tentativas de restauração as cores dos rostos enegreceram, o que acabou conferindo o título de Madona Negra, a padroeira dos loiros polacos.
Postar um comentário