quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Częstochowa na Santa Cândida

Um quadro de Nossa Senhora de Częstochowa (a pronúncia correta é Tchenstorrróva - e não cóva, em idioma polaco CH tem som de RRR e não de italiano, ou inglês có) será intronizado no próximo domingo, 29/11/2009, às 16:00 horas, na Igreja Santa Cândida, no bairro do mesmo nome, em Curitiba.
Logo após será celebrada missa e festejando o ato será servido um café colonial aos presentes.
O quadro de Nossa Senhora de Częstochowa, trazido da Polônia, é uma doação do presidente da Braspol, Rizio Wachowicz (varrróvitch).
O atual bairro é a antiga colônia de imigrantes polacos chegados em Curitiba em 1876. O Imperador Dom Pedro II quando de sua visita a Província do Paraná visitou a Colônia e a igreja quando chegava em Curitiba vindo de Paranaguá, Antonina e Morretes.
A igreja está na Rua Padre João Wislinski, 755.

Nossa Senhora de Częstochowa
A Madona Negra foi pintada por São Lucas Evangelista. Enquanto pintava o quadro, Maria apareceu e lhe contou sobre a vida de Jesus,. Este relato mais tarde incorporada no evangelho de Lucas.
Depois disso se ouviria sobre este quadro apenas
no ano de 326 dC, quando Santa Helena, encontrou-o em Jerusalém e deu a seu filho. Este colocou o quadro no santuário construído por ele em Constantinopla.
Durante uma batalha, a imagem foi colocada nas paredes da cidade, e o exército inimigo fugiu. Nossa Senhora salvou a cidade da destruição. A propriedade da imagem passou de mão em mão até 1382, quando invasores tártaros atacaram a fortaleza do Príncipe polaco Władysław. Uma flexa tártara atingiu a garganta de Madona e o quadro sangrou. O Príncipe então transferiu a pintura para uma igreja da cidade de Częstochowa.
Em 1430, a igreja foi invadida e um saqueador atingiu a pintura duas vezes com sua espada, mas antes que pudesse atingí-la outra vez, caiu no chão em agonia e dor, e acabou morrendo. Os cortes de espada e a ferida provocada pela antiga flexa são ainda visíveis no quadro.
Os milagres de Nossa Senhora de Częstochowa são inúmeros. Durante a sua permanência em Constantinopla, está registrado que ela assustou os sarracenos durante o cerco a cidade e então estes acabaram desistindo de seus propósitos.
Em 1655, um pequeno grupo de defensores polacos conseguiu expulsar um exército muito maior de invasores suecos do santuário.
No ano seguinte, o quadro da Santíssima Virgem foi aclamada pelo rei Casimiro como Rainha da Polônia.
Quando os russos estavam às portas de Varsóvia, em 1920, milhares de pessoas andaram de Varsóvia a Częstochowa para pedir ajuda a Nossa Senhora. Os polacos derrotaram os russos em uma batalha do rio Wisła (vissua - Vístula).
Atualmente toda criança em idade escolar na Polônia sabe sobre a vitória conhecida omo "O Milagre do Wisła."
Durante a II Guerra Mundial sob a ocupação alemã, os fiéis fizeram romarias como uma mostra de desafio. Esse espírito se aprofundou durante os anos do ateísmo do comunismo soviético . O Governo tentou parar com as peregrinações, mas falhou no seu intento.
No início de 1980, Wałęsa (vauenssa) ao levantar-se contra o governo soviético colocou uma imagem de Nossa Senhora de Częstochowa presa por um alfinete na lapela de seu paletó. Os polacos entenderam o gesto como mensagem subversiva. O Papa João Paulo II rezou diante da Madona, durante sua histórica visita em 1979, A primeira de uma papa num país comunista. Como papa Karol Wojtyła fez outras duas visitas a Częstochowa, nos anos de 1983 e 1991.

Postar um comentário