quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Łaszczów a 42ª cidade lubelska

Há cerca de dois anos acompanhei e servi de guia e intérprete a um casal de gaúchos de Porto Alegre. Ela médica, ele engenheiro. Ambos descendentes de polacos. Viajamos num carro alugado desde Cracóvia até muito próximo a fronteira com a atual Ucrânia. Ele buscava a localidade onde seu pai, de origem judaica, havia nascido.
Chegando lá procuramos saber onde se localiza o bairro judeu da cidade. Depois de perguntar a duas pessoas, uma delas, balconista num pequeno mercado, chegamos à casa do wójt (pronuncia-se vuit) - representante do distrito, uma espécie de prefeito local. Era um sábado e a família estava se preparando para ir a um casamento. Mas isto não foi empedimento para que fôssemos recebidos no jardim da casa com sucos, doces e chá.
Imediatamente o pai do wójt, um senhor de 88 anos, dispos-se a nos acompanhar num passeio pelo localidade. Foi muito bom, pois a cada pergunta do casal, aquele bom polaco ia desmistificando preconceitos.
- Onde era a escola dos judeus? Perguntava a médica.
- De judeus? Não tinha escola separada não. A cidade que ainda é pequena até hoje não comportava mais de uma escola. Estudávamos todos juntos, polacos, ucranianos, católicos, ortodoxos, protestantes e judeus.
No passeio pela pequena localidade de não mais que 3 mil habitantes. conhecemos a antiga escola, as ruínas do antigo cinema comunista, que havia sido a sinagoga dos polacos judeus. Ao passarmos por um jardim fechado, o velho polaco, pediu para que parássemos e entrássemos no jardim.
- Aqui era o antigo cemitério dos judeus. Mas durante a guerra, os alemães, destruíram tudo. Em 1994, nossa comunidade, com nosso dinheiro católico, recuperou aquele mato e amontoado de lápides. Restaurado, o antigo cemitério, ainda não foi usado para novos enterros. Não temos mais polacos de religião judaica em nossa cidade. Os últimos foram obrigados a marcharem até o campo de concentração de Belzec. Andaram mais de 30 km para depois serem mortos pelos alemães. Nós, os polacos católicos, sobreviventes, logo após encerrada a guerra, fomos atacados pelos ortodoxos ucranianos que desejam ocupar também nossa localidade, estendendo a fronteira da Ucrânia, determinada por Stalin.
Aquele velho polaco não parava de contar e omitir sua opinião sobre questões históricas importantes, como a guerra, o ataque alemão de um lado e soviético de outro, a convivência pacífica que existia antes da guerra entre polacos de diferentes credos e nacionalidades.
Os comentários que ouvi do casal de gaúchos durante a viagem até ali sobre o antissemitismo dos polacos foram cessando a cada resposta convicta e verdadeira daquele velho senhor católico, amigo de infância de outros polacos de origem judaica.
- E por que não restauraram a sinagoga? Perguntou a gaúcha brasileira
- Minha senhora, esta é uma comunidade pequena e pobre. Fizemos um grande esforço para restaurar o cemitério, de desenterramos as lápides. Nos faltou e nos falta dinheiro para tantas outras coisas. Não foi possível ainda restaurar o cinema que um dia era a sinagoga do pai e avô de seu marido. Mas se a senhora ajudar, tenha certeza que restauramos e entregamos a sinagoga para os polacos e não polacos de origem judaica.
Mas vamos deixar de memórias. Sim, por que em que pese a quase milenar aldeia, esta visita também já faz parte das memórias. Não da cidade, mas com certeza das minhas, do casal brasileiro de origem polaco-judaica e daquele simpático senhor - nosso guia e anfitrião. Vamos deixar por que a pequena aldeia é notícia nos jornais da Polônia, nestes dias.
A pequena localidade visitada por mim e os gaúchos está em festa. Neste encerrar de ano velho a pequena aldeia, que antes da segunda guerra mundial era uma cosmopolita localidade terá uma comemoração de ano novo incomum. Na véspera de 2010, os residentes de Łaszczów (uachtchuf) vão comemorar a elevação do distrito à categoria de cidade.
A atração principal do evento será a realização do show "Gwiazdy Polskiej Estrady - mandaryna" (plataforma das estrelas polacas). Um planejado espetáculo de fogos de artifício. "A noite vai ser especial para nós, porque com o badalar da meia-noite vai reivindicar o direito de sermos cidade." diz Cezary Girgiel, o wójt de Łaszczów.
O status de aldeia para cidade foi dado em 1549, para o senhor feudal, Alexander Łaszczowi, das mãos do Rei Zygmunt. Os direitos adquiridos permitam a organização de feiras e mercados. A condição de cidade vigorou até 1869, quando um forte repressão russa atingiu os direitos cívicos de 26 lugares da região.
Desde então, Łaszczów não passou da condição de ser uma gimna (distrito administrativo). O que impediu com certeza um desenvolvimento maior para a localidade. O que segundo o wójt Girgiel será mais interessante para os investidores. "É um tipo de investimento para o futuro. Com certeza a cidade vai despertar maior interesse entre os diversos tipos de empresas. Temos grandes esperanças de associar o desenvolvimento com a construção de uma divisa com o município de Dołhobyczów.", diz Girgiel.
Łaszczów se torna a 42ª cidade da região Lubelski, cuja capital é a cidade de Lublin, no Leste polaco.
Postar um comentário