terça-feira, 13 de dezembro de 2011

30 anos da Lei Marcial de Jaruzelski


Há 30 anos, deste 13 de dezembro, a Polônia comunista confinava o movimento Solidariedade ao silêncio. Movimento que desafiava pacificamente o bloco soviético por inteiro. Mas o gesto de força do general Wojciech Jaruzelski seria o último na Europa central e não impediria a queda do império oito anos mais tarde.
Era 13 de dezembro, noite de sábado para domingo, quando o general Jaruzelski, decretava uma lei marcial com o objetivo de pôr fim às atividades de um sindicato que tinha quase 10 milhões de membros, 16 meses depois de sua criação. Fato ocorrido durante a greve dos estaleiros navais em Gdańsk, em meados de 1980.
Como ação imediata da imposição da Lei, várias dezenas de milhares militantes sindicais foram detidos, começando por seu chefe carismático, o eletricista Wałęsa (pronuncia-se vauensa).
Durante quase 500 dias de liberdade, o Solidariedade esperava introduzir reformas econômicas num Estado comunista totalmente ineficaz. "Sempre tínhamos a sensação de estar na linha vermelha", recordou Bronisław Geremek, historiador que na época era conselheiro do sindicalista polaco.
Desde a primavera de 1981, Geremek havia sido informado de planos para deter a direção do Solidariedade. Apesar de tudo, o golpe "foi uma amarga surpresa", afirmou anos mais tarde.
Naquele dia 13 de dezembro não houve derramamento de sangue. Mas três dias depois, durante um ataque das forças de segurança, nove grevistas morreram na mina de Wujek, na Silésia.
O general Jaruzelski sempre afirmou que havia tentado proteger a Polônia de uma invasão dos soviéticos, inquietos com o ambiente de liberdade existente em suas fronteiras. Hoje, o general responde a processos num tribunal de Varsóvia, aos excessos que ele teria cometido no comando do governo da Polônia comunista. Considerado culpado, já em março de 2006, de "crime comunista" pela instauração da lei marcial, o ex-chefe de Estado, de 89 anos, vive em Varsóvia.
As alegações de Jaruzelski foram contestadas por Geremek ainda naquele ano de 2006. "No fim de 1981, no momento da instauração da lei marcial, não havia nenhuma preparação militar para intervir do lado soviético".
A lei marcial foi "suspensa" ao fim de 12 meses e anulada em 22 de julho de 1983.
Apesar das autoridades, o Solidaridade sobreviveu na clandestinidade. No início de 1989, quando a URSS de Michail Gorbachov preconizava uma mudança, o general Jaruzelski convidou o movimento anticomunista a discutir as reformas que terminariam por derrubar o regime, no que ficou conhecido como "Mesa Redonda".
Na edição de hoje do jornal Gazeta Wyborcza, o ex-líder, ex-presidente e prêmio nobel da Paz, Lech Wałęsa, diz que ele também se recorda de um outro dezembro. Sendo mais específico fala das greves de 1970. A entrevista foi concedida ao jornalista Jarosław Kurski.

Kurski - Eu estou lhe chamando porque temos 30º aniversário da lei marcial.
Wałęsa - Eu não comemoro desastres, e essa foi uma derrota.

Kurski - Mas depois veio a vitória.
Wałęsa - - Lembro-me de dois dezembros. Aquele, do ano 70, que foi um protesto desesperado. Mas o de 81 é outra questão. Houve organização, houve entusiasmo, houve fervor. As pessoas queriam a reforma. Esta deveria ser resolvida em dezembro. Mas para mim, não me atenho a prisão nem mesmo vingança. Com o "solidariedade" tinha que falar sobre paz, enquanto nas ruas chegavam os tanques.

Kurski - No caso de dezembro de 1970, o senhor apelou por uma anistia. Isto não é uma isentar de responsabilidade, mas renunciar à punição. O senhor acredita que a anistia deva ser estendida a Kiszczaki e Jaruzelski?
Wałęsa - É preciso verificar se era possível a intervenção soviética. Porque se eles acreditavam e estavam com medo, então também é preciso avaliar de forma diferente. Não se trata de julgar alguém. Isto deve ser contabilizado em termos históricos e nos danos causados à nação pelos generais. Milhares de pessoas se foram! Muita gente sofreu. Há a necessidade de se conceder indenizações a eles. Precisa-se colocar em ordem as coisas más que este dia arrastou. Deve-se, finalmente, tirar conclusões daquele momento para o futuro.

Kurski - Como líder daquele "Solidariedade", o que o senhor gostaria de dizer aos polacos no 30º aniversário da lei marcial?
Wałęsa - Que nós lutamos muito bem! Quero agradecer a luta pacífica. E entre tantos, agradecer ao Sr. Bronisław Geremek, termos derrotado o poder de forma pacífica. Estou orgulhoso de que ele não aceitamos métodos de luta, que tentaram nos impor o inimigo. Pois então teríamos muito mais vítimas. A não utilização de força foi a nossa força. Gloriosa Sociedade! Infelizmente, o poder, que não podia se dar bem, se não conversasse com o primaz Glemp, nem com Wałęsa, este merece uma avaliação negativa.

Kurski - E o que o senhor diria hoje, aos generais do Conselho Militar de Salvação Nacional? Ainda há alguns poucos deles ainda vivos.
Wałęsa - Eu tenho conversado com eles. Eles estavam convencidos de que eramos alvos de mísseis em cidades polacas. Eles viram mapas de ataque à Polônia. Ninguém no mundo poderia acreditar que houvesse uma chance de escapar dos soviéticos, porque eles tinham que acreditar. Ninguém teria acenado com um dedo para nos defender. Para não mencionar: declarar uma guerra. Era apenas um pesadelo, ou os soviéticos estavam dispostos a pressionar aqueles botões? Os generais acreditavam que a intervenção queimaria dois terços dos polacos. Bem, como ser um juiz agora? Havia um poucos vilões, mas havia alguns que pensavam que eu era bom, era só preciso domá-lo, porque o "Solidariedade" não tinha conhecimento de tudo que ameaçava. Afinal, ninguém acreditava no fim do comunismo naquele momento de nossas vidas. Köhl e Genscher, mesmo quando eles estavam na Polônia, em 1989, e eles disseram que o Muro de Berlim caiu, eu não acredito nisso. Isto é só o que todos nós eramos em 1981!

Kurski - Qual foi a pior do estado marcial?
Wałęsa - Divisões. Antes de 13 dezembro estávamos juntos. E, em seguida, foram cavadas divisões que ainda existem. Foi um crime à nacionalidade.

Kurski - E essas divisões ainda são mantidas?
Wałęsa - - Não, não. Divisões políticas devem existir, porque este é o pluralismo. Digo apenas para não destruir-se mutuamente e não destruir o futuro polaco.
Postar um comentário