quarta-feira, 30 de maio de 2012

Obama condecora "pos morten" herói polaco

O presidente americano, Barack Obama, homenageou nesta terça-feira com a Medalha da Liberdade, máxima honra civil nos Estados Unidos, personalidades como o cantor Bob Dylan, o astronauta aposentado John Glenn e a ativista mexicano-americana Dolores Huerta, e o polaco Jan Karski, aos quais descreveu como seus "heróis pessoais". Durante uma cerimônia na Ala Leste da Casa Branca, Obama outorgou a medalha a notáveis representantes dos campos político, social e cultural que, em sua opinião, deixaram uma marca na vida do país e compõem um grupo "fenomenal"
"Cada um dos homenageados nesta terça-feira foi abençoado com uma extraordinária quantidade de talento. O que distingue esses homens e mulheres é o incrível impacto que tiveram em tanta gente, não de forma breve e deslumbrante, mas de maneira sustentada ao longo de toda uma vida", declarou Obama, ao afirmar que todos, sem exceção, "enriqueceram nossas vidas". 
"Muitas destas pessoas são meus heróis. Cada um dos que estão sobre este palco marcou minha vida de forma profunda", destacou Obama. 
 Glenn recebeu o prêmio por ter sido o terceiro americano a viajar para o espaço e o primeiro a orbitar a Terra. Segundo Obama, é "um herói em todos os sentidos". Seus serviços ao país não se limitaram ao espaço sideral, já que, durante seu mandato como senador, segundo Obama, "encontrou novas formas de fazer a diferença" e, em 1998, voltou a fazer história ao viajar pela segunda vez para o espaço, aos 77 anos. "Ele pede a todos que não digam que teve uma vida histórica para que não o ponham no passado, pois continua fazendo coisas", disse Obama, mantendo o teor de brincadeiras na cerimônia.
Entre os condecorados Obama prestou três homenagens póstumas: Juliette Gordon Low (1860-1927), fundadora do grupo "Girl Scouts", Jan Karski (1914-2000), militar americano de origem polonesa que lutou contra o regime nazista, e Gordon Hirabayashi (1918-2012), sociólogo americano que liderou a resistência ao envio de americanos de origem japonesa a campos de concentração durante a Segunda Guerra Mundial. O presidente americano disse que também entregará a medalha ao presidente israelense Shimon Peres, Prêmio Nobel 1994, quando o receber na Casa Branca no próximo mês.

O herói polaco
Jan Karski  nasceu em 24 de junho de 1914, em Łódż, na Polônia e morreu em 13 de julho de 2000, em Washington, Estados Unidos. Foi membro da Resistência polaca na Segunda Guerra Mundial e mais tarde acadêmico na Universidad de Georgetown.
Em 1942 e 1943, Karski informou ao Governo polaco no exílio e aos Aliados ocidentais sobre a situação dos polacos durante a Ocupação da Polônia (1939–1945), especialmente a destruição do Gueto de Varsóvia, e foi o primeiro a denunciar a existência secreta dos campos de extermínio nazistas. Depois de se formar numa escola da escola de sua cidade natal, Kozielewski ingressou na Universidade Jan Kazimierz de Lwów (hoje Lviv, na Ucrânia) e graduou-se em Direito e Diplomacia, em 1935.
Durante o serviço militar obrigatório serviu como um sargento junto aos oficiais da Artilharia Montada da Escola Włodzimierz Wołyński. Concluída a sua formação entre 1936 e 1938, ocupou vários postos diplomáticos na Alemanha, Suíça e Reino Unido. Após um breve período em janeiro de 1939 iniciou seu trabalho no ministério das Relações Exteriores da Polônia.
Após a eclosão da Segunda Guerra Mundial, Kozielewski foi mobilizado e serviu em um pequeno destacamento de artilharia no leste da Polônia. Aprisionados pelo Exército Vermelho conseguiu esconder a sua verdadeira identidade e, fingindo ser um soldado, foi entregue aos alemães durante uma troca de prisioneiros de guerra polacos, o que o salvou da matança de Katyń.
Em novembro de 1939, estava sendo levado de trem para um campo de prisioneiros no território da Polônia ocupada pelos alemães), Kozielewski conseguiu escapar e chegar a Varsóvia. Lá ele se juntou a ZWZ - o movimento de resistência polaco, primeiro da Europa ocupada, que daria origem ao Exército do Povo (Armia Krajowej).
Nessa época adotou o nome de guerra Jan Karski, que mais tarde tornou-se seu nome legal. Outros pseudônimos que ele usou durante a Segunda Guerra Mundial, Piasecki, Kwasniewski, Znamierowski, Kruszewski, Kucharski e Witold.
Em janeiro de 1940, Karski começou a organizar missões como mensageiro de correio a partir da resistência polaca ao governo polaco no exílio. Como mensageiro Karski fez várias viagens secretas entre a França, Grã-Bretanha e Polônia. Durante uma missão, em julho de 1940, foi preso pela Gestapo nas Montanhas Tatras, na Eslováquia.
Depois de sofrer tortura acabou por ser transferido para um hospital em Nowy Sącz, de onde escapou. Após um breve período de reabilitação ele voltou à ativa no Departamento de Informação e Propaganda do Quartel da Armia Krajowej. Em 1942, foi escolhido por Cyryl Ratajski, Delegado da AK junto ao Governo polaco para realizar uma missão secreta para o primeiro-ministro WŁADYSŁAW SIKORSKI, em Londres. Karski deveria contatar Sikorski e alguns outros políticos polacos e informá-los sobre as atrocidades nazistas na Polônia ocupada.
Para reunir provas Karski foi introduzido duas vezes por líderes judeus nos subterrâneos no Gueto de Varsóvia para mostrar em primeira mão o que estava acontecendo aos polacos de origem judaica.
Da mesma forma, disfarçada como um guarda ucraniano, foi parar no campo de extermínio de Belzec. Em 1942, Karski relatou ao governo polaco, a Grã-Bretanha e aos Estados Unidos sobre a situação na Polônia, especialmente a destruição do Gueto de Varsóvia.
Também trouxe da Polônia informações em microfilme sobre o extermínio dos judeus europeus na Polônia ocupada pela Alemanha. O Ministro das Relações Exteriores polaco, o conde Edward Raczynski, pode assim enviar para os aliados informações mais precisas sobre a situação de seu país com o material de Karski.
Karski se reuniu com políticos polacos no exílio, incluindo o primeiro-ministro e membros de partidos como PPS, SN, SP, SL, os judeus Bund e Poalei Zion. Ele também falou com Anthony Eden, secretário das Relações Exteriores britânico, e incluiu uma descrição detalhada do que ele tinha visto em Varsóvia e Belzec.
Em 1943, Londres foi visto com o famoso jornalista Arthur Koestler. Ele viajou para os Estados Unidos e informou ao presidente Franklin D. Roosevelt. Seu relatório foi um fator importante no engajamento do Ocidente.
Em julho de 1943, Karski novamente pessoalmente informou a Roosevelt sobre a situação na Polônia. Durante a reunião, Roosevelt subitamente interrompeu a exposição de Karski e perguntou sobre as condições de vida dos cavalos na Polônia ocupada.
Em 07 junho, Karski reuniu-se com muitos governos e líderes cívicos nos Estados Unidos, incluindo Felix Frankfurter, Hull de Cordell, Joseph William Donovan e Wise Stephen. Frankfurter, sobre o relatório Karski foi bastantecético. Mais tarde, diria: "Eu não disse que ele estava mentindo, eu não podia acreditar nele. Há uma diferença."
Karski apresentou o seu relatório para a mídia, para os bispos de várias denominações (incluindo o Cardeal Samuel), a membros da indústria cinematográfica e estrelas de Hollywood, mas sem sucesso.
Em 1944, publicou Karski no Courier da Polônia: A História de um segredo de Estado, onde ele relatou suas experiências na Polônia durante a guerra.
O livro era originalmente para ser transformado em filme, mas isso nunca foi feito. O livro provou ser um grande sucesso, com mais de 400.000 cópias vendidas nos Estados Unidos até o final da Segunda Guerra Mundial.
Postar um comentário