segunda-feira, 6 de maio de 2013

Museu judeu em Varsóvia une culturas


Essa deu no New York Times:

Texto: Piotr Malecki

Recentemente, no novo museu judeu daqui, o rabino chefe da Polônia revelou uma escultura incomum: um tijolo velho, escavado no meio e com uma única letra hebraica gravada.
O tijolo, uma adaptação imaginativa da mezuzah tradicional que os judeus colocam em suas portas como sinal de fé, veio de um prédio de apartamentos demolido na Ulica Nalewki, que já foi parte vital da Varsóvia judaica, e serve como um símbolo apropriado da relação entre os judeus e polacos: conturbado, enterrado e apenas recentemente desenterrado.
Quando os dignitários do mundo todo se juntaram aqui, em abril, no septuagésimo aniversário do levante do Gueto de Varsóvia, eles acharam o imponente monumento aos Heróis do Gueto ofuscado pelo grande museu, um símbolo extraordinário da transformação de Varsóvia de cidade escura e sombria pós-comunismo a capital próspera da Europa Central.
Na vizinha Alemanha, a relação com os judeus pode ser conturbada, mas é muito mais simples. A sociedade alemã aceitou a culpa coletiva como autora do genocídio nazista e reconhece os judeus como vítimas. Mas a identidade polaca também está ligada ao status de vítima da nação depois de uma história de séculos de conquistas, divisão e ocupação.
Entre os líderes cívicos daqui, há uma forte sensação de que a Polônia só irá se refazer completamente de seus traumas do século 20 quando reconhecer seu passado judeu, e o museu é visto como um grande passo. "A memória judaica está se tornando parte da memória polaca", disse o rabino chefe, Michael Schudrich, em uma entrevista no novo Museu da História dos Polacos-Judeus , "e o prédio onde estamos é o melhor exemplo disso"
 Cerca de 3,3 milhões de judeus moravam na Polônia no início da Segunda Guerra Mundial. O último censo mostrou apenas 7.508 pessoas se identificando como judias em 2011, e isso foi um salto das 1.133 que disseram ser judias em 2002.
Revestido com painéis de vidro do lado de fora, o museu tem um corredor curvo do lado de dentro que corre do início ao fim, quase como um desfiladeiro natural, que os arquitetos do prédio compararam ao Mar Vermelho partido. Uma recriação meticulosa do teto pintado cheio de cores de uma sinagoga de madeira está completa, mas cabos enrolados saem do chão cru de concreto, esperando para serem conectados aos monitores multimídia que ainda devem ser instalados.
Embora ele narre séculos de história judaica na Polônia, o museu não foi um empreendimento exclusivamente judaico. O governo polaco, grupos judaicos e doadores privados trabalharam juntos para levantar quase 100 milhões de dólares.
A cidade proporcionou o espaço de graça e, junto ao governo nacional, cobriu os custos de construção. A Associação do Instituto Histórico Judaico da Polônia arrecadou dinheiro para a mostra permanente, que não estava pronta para a recente abertura, mas estará pronta no próximo ano. "Economicamente, nós não somos mais um país pobre", disse Waldemar Dabrowski, a pessoa de confiança do ministro da cultura da Polônia junto ao museu. 
"Enquanto sociedade é saudável ser moralmente capaz de fazer tal coisa. Enquanto muitas doações significativas vieram de organizações e indivíduos dos Estados Unidos, um dos homem mais ricos da Polônia, Jan Kulczyk, que não é judeu, doou 6,4 milhões de dólares no verão passado. "Quando a nação judaica e a nação polaca, quando estamos juntos, quando olhamos na mesma direção, isso é ótimo para nós, ótimo para a Polônia e ótimo para o mundo", disse Kulczyk, cujos atividades comerciais ao redor do mundo incluem petróleo, imóveis e cerveja.
Nem sempre foi fácil. Uma proposta para construir na mesma área um monumento aos polacos que arriscaram a vida para salvar judeus durante o Holocausto provocou uma oposição enfurecida. Escrevendo para o jornal principal, Gazeta Wyborcza, a estudiosa do Holocausto, Barbara Engelking disse: "Isso é uma pequena parte de Varsóvia que pertence aos judeus e que não deveria ser apropriada"
Quando 1.250 alunos do ensino médio de Varsóvia foram questionados recentemente sobre qual grupo sofreu mais durante a guerra, os polacos ou judeus, quase metade, 44%, disse que os dois grupos sofreram igualmente; 28% responderam que foram os judeus; e 25%, os polacos (de outras religiões). Maciej Bulanda, de 23 anos, que, com seu pai, desenhou o suporte de mezuzah de tijolo, passou a se interessar por sua bisavó judia na adolescência, descobrindo que ela teve três irmãos que morreram no Holocausto e até achando suas sepulturas em Łódź (pronuncia-se uúdji).
"A geração de nossos pais não teve coragem, ou vontade, ou interesse de pesquisar sobre isso", disse Bulanda sobre o crescente interesse entre os jovens poloneses em explorar seu passado judaico. "Nós fomos criados em um mundo completamente diferente." Isso não significa que foi sempre fácil.
A mesma banca que examinou a questão do sofrimento judeu versus polaco descobriu que 61% dos alunos disseram que eles "ficariam descontentes" em descobrir que um namorado ou namorada fossem judeus, enquanto 45% preferiria não ter um judeu na família. "Quando você tem 7 anos e está jogando futebol no quintal, numa briga você ouve pessoas usando 'cigano' ou 'judeu' como xingamentos", Bulanda disse.
Depois de o museu ter anunciado uma competição de design para a mezuzah, Bulanda levantou a possibilidade de integrar a mesa de jantar da família. Seu pai, Andrzej, arquiteto, teve a ideia de usar um tijolo. Eles usavam mapas antigos da cidade para descobrir por onde a ulica Nalewki passava e escavaram um lugar onde hoje é um parque público e que já foi o alicerce dos números 10 e 12 ou o muro de contenção entre eles.
Piotr Wislicki, presidente da Associação do Instituto Histórico Judeu, falando ao público no auditório do museu depois que a mezuzah foi revelada, recordou: "Quando eu era garotinho, tinha medo de responder quando alguém dizia a palavra judeu. Eu tinha uma vontade enorme de correr. Quando jovem, eu contava apenas para os meus amigos mais próximos, pedindo que jurassem segredo". "Hoje", disse Wislicki, "estou aqui na sua frente orgulhoso de ser um polaco-judeu".
Postar um comentário