sexta-feira, 14 de junho de 2013

Na Polônia, Netanyahu diz que judeus são ameaçados


OŚWIĘCIM, Polônia, (Reuters) - O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse nesta quinta-feira, durante visita ao antigo campo de extermínio nazista em Auschwitz, que o Estado judeu iria agir --sozinho, se necessário-- para evitar uma repetição do Holocausto.
O discurso de Netanyahu no campo no sul da Polônia onde os nazistas mataram cerca de 1,5 milhão de pessoas, a maioria judeus, estava repleto de referências indiretas ao que Israel vê como ameaças presentes a sua existência, inclusive o Irã e seus aliados.
"Os Aliados sabiam sobre o Holocausto, eles podiam deduzir, mas não agiram", disse Netanyahu através de um intérprete. "Para nós, judeus, isso mostra claramente que não podemos esperar com os braços cruzados para que alguém faça alguma coisa por nós, temos que agir sozinhos", continuou. "A postura com relação aos judeus realmente mudou? Sim, mas o ódio ainda persiste.".
"Sessenta e cinco anos depois do Holocausto, a conversa ainda é sobre varrer Israel do mapa mundial. Mas hoje temos um exército forte que nos permite parar tais intenções", acrescentou. "O que realmente mudou é a determinação de nos defender e não permitir que o Holocausto se repita."
Netanyahu estava no campo, construído pelos alemães perto do cidade polaca de Oświęcim, para inaugurar uma nova exposição chamada "Shoah", a palavra em hebraico para Holocausto.

(Por Wojciech Zurawski)

P.S. Auschwitz é a tradução em alemão da palavra polaca OŚWIĘCIM, que se pronuncia ochvientchim 
Postar um comentário