sábado, 30 de novembro de 2013

A dinâmica economia da Polônia

Traduzido de:
Bloomberg Businessweek
Global Economics

Artigo: Como a Polônia se tornou a economia mais dinâmica da Europa
Stephan Faris

O mais antigo Café, em Varsóvia, continua aberto, quase sem interrupção, desde o final do século 18. Na salão do andar de cima, um jovem Fredyryk Chopin tocou em um de seus últimos concertos, antes de emigrar para Paris.
Durante a ocupação nazista 1939-1945, o Café era estritamente para alemães. Quando a cidade se levantou no final da guerra, o edifício, como grande parte da cidade velha em torno dele, completamente destruída, foi reconstruído a partir de fotografias.
O Café, estatal sob o comunismo e privatizado em 1989, após a queda da cortina de ferro, foi vendido a um jornalista e um a músico de jazz. "E agora", diz o empresário polaco Adam Ringer, sentado no café, no início de outubro, "ele foi comprado por uma empresa internacional."
Ringer, 64 anos, reabriu o Café no início deste ano, sob o nome Green Caffè Nero, uma cadeia de Cafés do sócio de Ringer, outro parceiro polaco, e da cadeia  Caffè Nero da Grã-Bretanha. "Aqui você tem toda a história da Polônia ", diz ele . "Olhe para a parede. Cada tijolo é diferente . Eles foram reunidos a partir das ruínas de Varsóvia do pré-guerra." Embora, sejam sempre conscientes do passado, ele e seu compatriota, estão avançando. A receita, na maioria dos locais de sua cadeia, é de até 10 por cento maior, em relação ao mesmo período do ano anterior, e a empresa está em rápida expansão. "As pessoas estão muito mais ricas do que eram, e você pode facilmente sentir isso", diz ele .
Crescimento ano a ano do PIB

Com grande parte da Europa ainda lutando para se recuperar do impacto da crise financeira de 2008, a Polônia se destaca como uma ilha improvável de sucesso econômico, um lugar onde as empresas e os indivíduos planejam o crescimento, em vez do declínio.
Em 2009, quando o Produto Interno Bruto da União Europeia contraiu 4,5 por cento, a Polônia foi o único país da grupo que viu sua economia crescer, em 1,6 por cento. A economia da UE como um todo permanece menor do que era no início de 2009 e não se espera recuperação de suas perdas até o final do próximo ano. Nesse mesmo período, a Polônia projeta desfrutar de um crescimento acumulado de mais de 16 por cento. "A Polônia não sentiu a crise, realmente", diz Ringer.
Existem várias razões para a Polônia, um país de 38,5 milhões, com mais de 200 anos de trágica história, de repente, encontrar-se em uma posição de fazer inveja. Ela tem uma grande economia interna, uma classe política amistosa aos negócios, e potencial hiperresponsável de um país em desenvolvimento, que deseja aproximar-se ainda mais de seus pares ocidentais.


Variação do PIB real desde 2008
Ela está desempenhando um papel cada vez mais influente nas negociações da UE, muitas vezes posicionando-se como uma voz de moderação nas discussões sobre a forma de reequilibrar uma Zona Euro fora de ordem.
Os segredos de recuperação da Polônia remontam à era pós-comunista, quando seus líderes empurrados através de um conjunto de reformas dolorosas, mas, em última análise eficazes. Duas décadas mais tarde, o país beneficiou-se de uma infusão de ajuda externa no momento preciso, quando outros membros da UE estavam sendo derrotados pela crise financeira. A história do milagre polaco é uma prova da importância de políticas prudentes,  mas também tem um tanto de sorte.
"Lembro-me de como era há 20 anos atrás", diz Ringer. "Cinzento, sujo, pessoas nervosas, sempre trabalhando." A rua fora de seu Café, até recentemente, uma via de asfalto, agora é uma pista estreita calçada ladeada por outras calçadas largas, onde os turistas à noite se misturam com os estudantes da universidade mais próxima. A 20 minutos a pé fica o que já foi a sede do Partido Comunista da Polônia, de cócoras sobre um pequeno quarteirão. De 1991 a 2000, foi a casa do Warsaw Stock Exchange. Hoje, uma concessionária Ferrari e uma loja de artigos de luxo Montblanc são seus vizinhos.

Desempenho do mercado de ações da Polônia

Desde a queda da cortina de ferro, a Polônia remodelou-se para uma economia de livre mercado. De 1989 a 2007, a sua economia cresceu 177 por cento, ultrapassando seus vizinhos da Europa Central e Oriental, e a uma só vez quase que triplicou de tamanho, resultado de uma série de medidas agressivas tomadas pelo governo após o colapso do comunismo. Os controles de preços foram rigorosos, os salários foram congelados, o comércio foi liberalizado, e a moeda polaca, o Złoty, tornou-se conversível. Essas políticas deixaram milhões sem trabalho, mas libertou a Polônia para começar a se recuperar de décadas de má gestão. A economia tem um novo impulso com a entrada na UE do país, em 2004.
No início da crise financeira global, a carga da dívida pública da Polônia foi inferior a 50 por cento do PIB, baixa se comparada com muitos países europeus, resultado de uma cláusula em 1997 em sua constituição ao limitar o endividamento público a 60 por cento do PIB.

O crescimento do PIB ano a ano da Polônia
A dívida individual e empresarial foi relativamente contida, colocada em xeque por regulação financeira rigorosa e uma aversão cultural à contrair empréstimos. "Que países sofreram os maiores falências?", pergunta Leszek Balcerowicz, economista e ex-vice-primeiro ministro, que foi o arquiteto das reformas mais importantes do país. "Aqueles que já tiveram os booms. Uma das principais razões pelas quais nós não sofremos uma recessão é porque não permitimos o boom para nos desenvolver."
Os Empréstimos do setor privado começaram a subir nos dois anos antes da crise, mas não tanto, o que quando o fundo caiu fora do mercado de crédito global, empresas e indivíduos encontravam-se perigosamente no vermelho. "Nós estávamos atrasados ​​para a festa", diz Marcin Piatkowski, professor de economia na Universidade de Kozmiński, de Varsóvia. "E tudo acabou antes que tivéssemos tempo de ficar bêbados."


Dívidas como uma parcela do PIB
Muitas das características da economia polaca são compartilhadas por seus vizinhos da Europa Central e Oriental, os quais sofreram profundas recessões catastróficas nos primeiros anos da crise. A Polônia, porém, tinha uma vantagem adicional: Foi o beneficiário de um estímulo keynesiano quase acidental que chegou a tempo, impulsionando o consumo interno e salvando a economia. "Enquanto outros países seguiram políticas de austeridade, os gastos do governo, na Polônia, na verdade subiram", diz Gavin Rae, professor da Universidade de Kozmiński e autor de "O retorno da Polônia para o capitalismo". "No momento da crise , o pé foi colocado sobre o pedal. "

Foi feito uma série de cortes de impostos, incluindo uma queda na taxa no pico de 40 por cento para 32 por cento, entrou em vigor na Polônia, assim como nas primeiras ondas de choque da crise que foram varrendo o mundo.
Enquanto isso, o orçamento da UE para 2007-2013 que, entre outras coisas, distribui ajuda dos países mais ricos da União para os membros mais pobres, fez da Polônia seu maior beneficiário de subsídios, regando o país com alguns 101,5 bilhões de euros (137 bilhões de dólares). Embora não tenha sido rotulado como um pacote de estímulo, a combinação da Polônia de aumento de gastos e cortes de impostos era tão grande em termos per capita como os 800 bilhões de dólares do American Recovery and Reinvestment Act of 2009.
As coisas passaram rápido na Polônia. O país havia sido eleito, juntamente com a Ucrânia, para sediar a Eurocopa 2012, um dos maiores eventos de esportes do mundo. Autoridades polacas, de vereadores ao presidente, estavam ansiosas em utilizar o torneio como uma vitrine nacional, acrescentando os gastos do governo com os fundos recebidos.
O resultado foi transformador. Em toda a Polônia, cidades grandes e pequenas passaram por reformas muito necessárias. Além de novos estádios, desde estações ferroviárias, praças e corredores para os aeroportos foram atualizados. Antes da recente onda de infra-estrutura, os polacos gostavam de dizer, que a única estrada real do país foi a construída por Adolf Hitler. A que se estende da cidade de Wrocław até a fronteira com a Alemanha, que já foi conhecida como a escadaria mais longa da Europa, isto devido, a sensação causada por se conduzir sobre suas lajes de concreto desconexas.
Para polacos mais antigos, como Adam Ringer que pode se lembrar como as coisas costumavam ser, o contraste pode ser de tirar o fôlego. Mesmo aqueles jovens demais que não viveram sob o comunismo existe uma sensação palpável de aceleração. "É difícil imaginar como as coisas foram comparadas com o que temos agora", diz Grzegorz Inglot, conselheiro executivo de administração da Inglot , uma grande empresa de cosméticos polaca. Aos 23 anos, ele nasceu no ano após a queda do Muro de Berlim. "A Polônia está crescendo ano a ano ", diz ele . "Novos investimentos, novas estradas, novos edifícios. É apenas mais um pouco de tudo."
Em outras capitais do Continente, shopping centers costumam se estabelecer na periferia, espremidos pelos preços dos imóveis e edifícios existentes nos centros das cidades. Na Polônia, a destruição da guerra e a estagnação comunista não deixaram muitos lotes não utilizados ou subutilizados para a reconstrução.
O icônico Palácio da Cultura e Ciência de Varsóvia, um arranha-céu stalinista construído pela União Soviética na década de 1950, é ladeado de ambos os lados por centros comerciais, oferecendo marcas que vão desde Guess?, Hugo Boss, H&M até Nike, Adidas e Timberland, para não mencionar Burger King, Subway, KFC e McDonald. "Nós tivemos 20 anos de transformação e crescimento, mas ainda temos de recuperar o atraso", diz Leszek Baj, repórter de economia no jornal diário Gazeta Wyborcza. completado por sua colega, Patrycja Maciejewicz: "Queremos comprar o que toda a gente na Europa está comprando."


Preço de um Złoty em Euros
Mesmo que os subsídios da UE abastecendo seu crescimento, a Polônia tem se beneficiado de permanecer fora da moeda comum. De setembro de 2008 a fevereiro de 2009, o złoty perdeu cerca de um terço de seu valor em relação ao euro, antes de se estabilizar no final daquele ano em cerca de 70 por cento do seu valor de pico.
O impulso resultou rapidamente em competitividade global para as empresas polacas com o reequilíbrio realizado, o qual as economias mais fracas da zona do euro ainda estão lutando para alcançar. Medido em euros, o valor das exportações polacas caíram 15,5 por cento entre 2008-2009, mas em termos de złoty cresceu 4,4 por cento. A queda do złoty não só fez exportações polacas ficarem mais competitivas, mas também elevou o custo relativo das importações.
O resultado foi uma benção para as empresas locais, que cada vez mais estão se concentrando em qualidade. De pé, na Flagship Store Inglot, no luxuoso shopping Galeria Mokotów, em Varsóvia, Greg Inglot diz que sua empresa "sentiu uma pequena desaceleração, mas não foi nada grande. Nossos números foram subindo ano a ano".
Inglot, que produz 95 por cento de seus cosméticos em fábricas polacas perto da fronteira com a Ucrânia, continua uma expansão doméstica bastante rápida, tendo aberto 113 lojas desde 2009, a maioria delas em novos shopping centers. A empresa abriu sua primeira loja nos EUA, em 2009, na Times Square, de Nova York.
Ela agora está 31 locais nos EUA e em outros 50 países, incluindo Bielorrússia, Dubai, Guatemala, Malásia e Filipinas. Como os polacos ficaram mais ricos, os seus gostos se tornaram mais sofisticados.
Três anos atrás, quando Jacek Rusiecki e seu irmão Michał abriu seu restaurante na cidade de Jawor, não muito longe da fronteira com a República Tcheca, o mercado de cerveja era dominado por cervejarias multinacionais que comercializam marcas polacas produzidas em massa. Os dois irmãos foram os únicos a introduzir cervejas de microcervejarias e que rapidamente se multiplicaram pelo país. "Agora estamos em todo o lugar", diz Michał, 31 anos.
Os polacos de sua geração estão começando a exigir a qualidade dos produtos procurados por consumidores em grande parte do resto da Europa. "Nossos pais se lembram de um momento em que alguém de alta patente do Partido Comunista sabia melhor do que eles como se devia provar uma cerveja", diz Jacek, de 28 anos. E completa Michał: "Estamos voltando a explorar os sabores que estavam aqui antes da Primeira Guerra Mundial".

"O consumidor mudou", diz Małgorzata Starczewska-Krzysztoszek, economista-chefe do Lewiathan, confederação de empregadores privados da Polônia. "Eles querem ter boa qualidade por um bom preço." Quando, em 2009, Starczewska-Krzysztoszek pesquisou ​​pequenas e médias empresas, 60 por cento dos entrevistados disseram que estavam planejando competir em preço e nada mais. "Eu fiquei muito preocupada", diz ela. "Tentei explicar que não podíamos competir com a China e a Índia." Em 2012, quando ela verificou os números outra vez, apenas 10,6 por cento disseram que planejavam competir em preço. Quase a metade disse que eles estavam focados na qualidade.

Taxa de desemprego da Polônia
Apesar de sua expansão, a Polônia não está totalmente protegid contra as vicissitudes do ciclo de negócios. Um ligeiro aumento do desemprego em 2012, vindo não muito tempo depois do alarde da EuroCopa, levou a uma queda repentina nos gastos do consumidor. Muitas empresas de construção tinham se oferecido menos para projetos de infra-estrutura da Polônia, levando o setor a entrar em recessão.
As cidades encontraram-se com modernos estádios gigantes, mas sem planos para preenchê-las. Os estádios são em grande parte inúteis, sendo usados mais para conferências, concertos, e ocasionalmente para jogos de futebol, pois estes não conseguem pagar por sua manutenção, e muito menos pagar os empréstimos que foram tomadas para financiá-los. "O gasto deu à economia um impulso, mas, a longo prazo, não era necessariamente um investimento sábio para o país", diz Rae.
A Polônia também deve atacar alguns desafios fiscais de longo prazo. O governo está empurrando para diante o limite da dívida constitucional e está desesperado por dinheiro. Muitos polacos dizem que uma recente mudança no sistema de pensões, em que os fundos de capital fechados estão sendo transferidos para o sistema estatal, é motivado por um esforço para reforçar os balanços. "Eles fizeram muito na contabilidade de forma criativa para manter o déficit", diz Andrew Kureth, editor-chefe do Warsaw Business Journal, um semanário de língua inglesa.
Crescimento do PIB projetado da Polônia

O desemprego continua persistentemente elevado em 10,3 por cento. Entre os jovens, o índice é de 26 por cento. Em setembro,  sindicatos do país organizaram uma das maiores manifestações desde 1989, em protesto às condições de trabalho. O primeiro-ministro Donald Tusk reformulou recentemente seu gabinete, demitiu seu ministro das Finanças, e prometeu "uma aceleração do crescimento econômico."

Apesar de alguns problemas inevitáveis, os polacos têm motivos para permanecerem otimistas. O crescimento no próximo ano deverá ser de 2,5 por cento, impulsionado em parte por uma recuperação em regiões da UE, especialmente a Alemanha, destino de mais de 25 por cento das exportações polacas. O orçamento da UE para 2014-2020 foi a primeiro na história da UE que viu cortes na despesa total, mas o dinheiro alocado para a Polônia cresceu, no entanto.
Por causa de uma combinação de fatores, incluindo - o seu tamanho e proximidade com a Alemanha, maior economia da UE, a Polônia é escolhida para receber €105.800.000.000 (euros), tornando-se mais uma vez o maior beneficiário entre os Estados membros. Os fundos são esperados para começar a fluir até o final de 2014.
Não é só o dinheiro que está derramando dentro do Green Caffè Nero, Adam Ringer opera um centro de treinamento que ajuda os médicos a se preparar para novas posições em toda a Europa. Quando ele começou há 13 anos, os alunos eram quase exclusivamente polacos.
Nos últimos anos,  os médicos polacos começaram a receber salários atraentes em casa mesmo, e o centro de treinamento de Ringer viu de repente gregos, espanhóis, portugueses e croatas se inscreverem. "Você pode imaginar um médico grego chegando a Varsóvia para aprender norueguês e, em seguida, movendo-se para a Europa Ocidental?", pergunta Ringer. "Essa é a União Europeia aqui mesmo." E a Polônia é um lugar onde, por enquanto, tudo parece possível.
Postar um comentário