terça-feira, 31 de dezembro de 2013

No São Silvestre, o "sonho" polaco também pode ser oferecido


A verdadeira origem do "sonho" está na Polônia.
O doce foi introduzido no Brasil por imigrantes polacos, mais precisamente em Curitiba.
Recheado originalmente com geléia de broto de rosa, e por isso mesmo chamado de pączek (pronuncia-se pontchék) ou broto, botão, existe desde tempos imemoriais na mesa polaca.
No fim da idade média, um rei da Polônia, trouxe da França um grupo de confeiteiros para tornar mais elegante a culinária do país. Os franceses ao se depararem com o pączek ficaram enamorados....o que fizeram foi acrescentar fermento para que a massa ficasse mais delicada e polvilharam o bolinho frito com açucar...e pronto!
Durante as invasões prussas, os atuais alemães caíram de amores pelo doce polaco e o levaram para Berlim, onde deram ao doce polaco, o nome bobo de "Bolas de Berlim"....
Foi ali, que portugueses foram copiar as suas bolas de berlim. E por que não sonho, como no Brasil? É porque nossos patrícios lusitanos não sabiam da história, que os imigrantes polacos trouxeram para Curitiba.
Ah! E por que se chama sonho e não bolas de berlim, ou pontchek no Brasil? Simples, porque na Polônia, o pączek, com recheio de geléia de broto da flor rosa, tem seu dia nacional.
É a quinta-feira gorda antes do carnaval, quando os polacos reservam o dia para fazer os pączki e saírem nas ruas oferecendo a quem passar por eles. Apenas se pode comer o pączek oferecido.
Aliás para que os "sonhos" tidos enquanto se come, efetivamente se realizem só é permitido comer 2 pączek e meio nesse dia.
Como o pączek é comido no dia nacional do Sonho, na Polônia, os imigrantes polacos do Pilarzinho, Barreirinha, Santa Cândida resolveram abrasileirar o nome do doce e o cunharam como "Sonho"....
Apesar de ser degustado na quinta-feira antes do carnaval, nada impede que no dia de São Silvestre também se ofereça pączki aos amigos para que eles possam ter seus sonhos realizados em 2014...
Feliz Ano Novo, com os cumprimentos de um polaco-paranaense. Ah! Sim, e o recheio brasileiro, na falta da geléia de broto de rosa, pode ser marmelada mesmo...

Receita
Aqui está uma autêntica receita de sonho polaco:
2 kg de farinha de trigo
20 gramas de levedura
1 1/ 2 xícara de margarina
30-40 gramas de açúcar cristal
1 colher de sopa de sal
5 gemas de ovos
1/2 litro de leite
1/2 xícara de vodca
gordura para fritar
açúcar em pó para polvilhar
geléia de broto de rosas

Despeje a farinha em uma tigela, adicione o fermento,  2 colheres de sopa de açúcar e uma pequena quantidade de leite quente.
Quando a massa ganhar a consistência de um creme espesso adicione gemas batidas com o açúcar e o sal.
Amasse e adicione o restante do leite. Em seguida, sem interromper de amassar, adicionar a vodca.
A massa deve ficar lisa, brilhante. A massa agora deve descansar sendo coberta com uma toalha, em um lugar quente para crescer.
Só então começa-se a preparar as bolas com um diâmetro de cerca de 5 cm.  Abre-se uma cavidade e no centro, coloca-se o recheio (geléia  de rosa, marmelada), fecha-se a cavidade.
Cubra com um pano limpo e deixe crescer novamente.
Depois de alguns minutos as bolas recheadas estão prontas para serem fritas em gordura bem quente. Depois de escorrer a gordura, polvilhe com açúcar de confeiteiro.
Deixar esfriar e preparar-se para ter lindos sonhos enquanto degusta os pączki (pontchqui) polacos com recheio de geléia de broto de rosas.
Postar um comentário