sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

POLÊMICA RUSSO-POLACA NOS 70 ANOS DE LIBERTAÇÃO DE AUSCHWITZ

Foto: AFP/JACEK BEDNARCZYK/PAP
Na próxima semana, dia 27 de janeiro, terça-feira Polônia comemora os 70 anos de libertação dos campos de concentração e extermínio nazista de Auschwitz -Birkenau.

O governo do país convidou dezenas de presidentes, reis, primeiro-ministros de todo o mundo. Mas, segundo, as autoridades de Moscou, pela primeira vez, o primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin não foi convidado. Ele já esteve em Auschwitz várias vezes como convidado do governo polaco.

O óbvio é que tal formalidade não ocorreu devido a invasão e ocupação da Crimeia e Leste da Ucrânia por tropas do exército russo.
Tropas estas que Moscou se nega a admitir dizendo que se trata de ucranianos descontentes com o que chamam de governo "fascista" ucraniano de Kiev.

COMBATENTES DA RESISTÊNCIA INDIGNADOS
A Rádio Voz da Rússia noticia (com toda a parcialidade possível) que:

"Reduzir papel da URSS na Segunda Guerra é falsificar a história”

Os eventos comemorativos do 70º aniversário da libertação do campo de concentração de Auschwitz, organizado pelo Terceiro Reich no território da Polônia anexada, serão realizados sem a participação dos dirigentes da Rússia, que não receberam um convite oficial por parte do governo polaco.
Ante tal situação, a Federação Internacional de Combatentes da Resistência (FIR, na sigla em francês) solicitou ao embaixador da Polônia em Berlim que esclarecesse por que razão o aniversário da libertação de Auschwitz em 27 de janeiro de 1945, cujo mérito cabe inteiramente ao Exército Vermelho, será assinalado na ausência dos libertadores.
Eis o que expressou o doutor Ulrich Schneider, secretário-geral da FIR, comentando a posição da Federação em uma entrevista à Sputnik:

"Tornou-se do nosso conhecimento que o presidente da Federação da Rússia não tinha sido convidado à Polônia para as celebrações por ocasião da libertação do campo de concentração alemão de Auschwitz. O fato revoltou-nos, pois demonstra o desrespeito pelos soldados soviéticos, os libertadores do campo e dos seus prisioneiros. Havíamos enviado uma carta ao governo polaco através do embaixador em Berlim, e recebemos a resposta de que ‘nenhum político havia sido convidado’.
No entanto, foi para nós uma surpresa absolutamente inesperada vir a saber que o presidente da Alemanha foi convidado para assistir ao evento.
Convidar o presidente do país culpado de ter cometido crimes e não convidar o presidente do país cujo povo foi o libertador, nós não poderemos reconciliar-nos com isso. 
Eu acho que o empenho em menosprezar o papel do Exército Soviético na Segunda Guerra Mundial se situa no contexto geral da falsificação da história. Hoje é mais que oportuno denunciar os horrores que ocorrem na Ucrânia, onde os colaboradores fascistas estão erguendo a cabeça.
Vemos ainda outros exemplos. Presenciamos tentativas politicamente motivadas e contínuas de minimizar e até mesmo deletar o papel libertador do Exército Soviético na coalizão anti-Hitler. A Organização Internacional de Combatentes da Resistência não pode aceitar isso".

OS ARGUMENTOS DO MINISTRO POLACO
Os meios de comunicação da Polônia por sua vez deram voz para o Ministro das Relações Exteriores Grzegorz Schetyna, que foi a Rádio Zet para argumentar contra as declarações do polêmico ministro das relações exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, que chamou de "blasfêmia" as palavras de Schetyna e de "cínico" o ministro polaco.

Na entrevista Schetyna (que é professor de história) disse:
"O primeiro tanque que quebrou os portões de Auschwitz foi conduzido por um ucraniano. Digo a verdade, e a verdade vai sempre prevalecer. Há 70 anos, o campo de Auschwitz-Birkenau foi liberado por ucranianos. Era a Frente Ucraniana, a primeira frente era Ucrânia, e foram os ucranianos que libertaram. Porque estavam ali soldados ucranianos nesse dia em janeiro e foram eles ..."

Para Schetyna "não houve nacionalidades soviéticas". Ele explicou que apenas disse que "em 27 de janeiro, na libertação de Auschwitz-Birkenau foram soldados ucranianos que derrubaram os portões. O primeiro tanque, que quebrou os portões de Auschwitz, era conduzido pelo ucraniano Igor Hawryłowicza Pobirczenkę".

Em seguida ele disse: "mas isso não muda o fato de, como eu disse, e além disso, que o Exército Vermelho, em sua maior parte era formado por soldados russos".  
Em sua opinião, a polêmica em torno do discurso de quarta-feira sobre o conflito russo-ucraniano, "faz parte da Grande Guerra Patriótica. Os russos querem mostrar que o legado do Exército Vermelho, que muitas das vítimas na vitória sobre o fascismo, está agora do lado da Federação Russa. O Exército Vermelho não era de nacionalidade soviética"- disse ele.

"Eu insisti que só queria enfatizar a presença nas fileiras dos libertadores dos ucranianos. Os russos não podem admitir isso hoje, porque estão no conflito russo-ucraniano. A Rússia distorce a verdade histórica, quando diz que, além da a maioria ser russa, o Exército Vermelho contava com 1.200.000 soldados ucranianos. A guerra da propaganda e do real, que continua até hoje em Donbas, é o que ainda não se está falando. A história deve ser livre da propaganda" - disse ele. "

Em sua entrevista para a Rádio Zet, Schetyna afirmou que, "os russos se sentiram ofendidos, porque eu não tinha mencionado a palavra "Exército Vermelho".
O Ministro Schetyna não disse uma palavra sequer que fosse mentira, mas realmente elas precisam ser esclarecidas. "Falar sobre a política externa exige grande precisão", ressaltou.


OPINIÃO DO COLUNISTA POLACO
No jornal Gazeta Wyborca (publicado em Varsóvia) de hoje, o jornalista polaco Mirosław Maciorowski escreveu artigo onde critica o ministro das relações exteriores da Polônia:

"Grzegorz Schetyna deixou escapar - por falta de uma palavra melhor - que há 70 anos, o campo de concentração e extermínio de Auschwitz-Birkenau foram liberados pelo ucranianos.
O Ministro das Relações Exteriores tenta endurecer o jogo nas relações com a Rússia de Putin, mas o caso da libertação de Auschwitz não é o campo certo para este tipo de jogo.
Seguindo o exemplo de tal lógica, pode-se supor que foram os bielorrussos que libertaram a Varsóvia ocupada, ja que ali operava a Frente da Bielorrússia, e os russos não libertaram ninguém, porque durante a Segunda Guerra Mundial não se encontrava no leste a Frente Russa.
Na área de Auschwitz, em janeiro de 1945, na verdade lutaram quatro divisões do 60º Exército da 1ª Frente Ucraniana. Exército Vermelho porque a União Soviética criou-se formalmente apenas em 1946.
Nas fileiras do exército vermelho lutaram os ucranianos? Certamente.
Talvez fosse mesmo a maioria deles, mas certamente não os únicos. Nas batalhas até o acampamento mataram mais de 230 soldados, e um de mais alto posto era o tenente-coronel Gilmudin Bashirov - a julgar pelo som do nome, não era ucraniano.
A Frente Ucraniana, foi toda comandada pelo marechal Ivan Konev, nativo russo - que, provavelmente, tinha muitos compatriotas junto, especialmente no corpo de oficiais da Frente Ucraniana.
Isso me irrita quando alguém tenta simplificar o assunto, dizer que em 1945, nas fronteiras polacas ou eram os russos do exército russo que entraram, o que muitas vezes acontecia.
Bem, e com eles estavam em os cazaques, georgianos, chechenos e armênios, que, ainda assim era o exército russo ou somente os russos?
Na Segunda Guerra Mundial, lutaram contra o Exército Vermelho, Soviético ou União Soviética. Se alguém gosta ou não, representavam a União Soviética - um conglomerado de povos - sob o domínio comunista, totalitário.
Surpreende-me que o Ministro Schetyna, ao final um historiador de profissão, e - como muitas vezes declarou - entusiasta da história, faça tais declarações.
Mas analiso como ignorância, porque o problema vai muito além. A declaração do Ministro das Relações Exteriores desnecessariamente agrava as relações polaco-russas, que já são tensas.
Posição forte e difícil nas relações com a Rússia, com Putin é obviamente necessário, mas eu não tenho certeza se o caso da libertação de Auschwitz seja o campo apropriado para desenvolvê-las.
Recentemente, o presidente Putin também deixou escapar - porque, neste caso, a falta de uma palavra melhor - que o Pacto Molotov-Ribbentrop foi algo natural, porque, então, "isso era o que cultivava na política."
É claro que ninguém na Rússia vai ter coragem de apontar a Putin que "sim", de que era apenas uma política de Stalin e Hitler. Putin disse um absurdo do maior calibre muito mais do que ministro polaco Schetyna.
Mas para entrar em uma discussão sobre a história russo-polaca, todos nós devemos chegar com argumentos justificados? Eu sinceramente duvido.

Fontes: Rádio Zet (Polônia), Rádio Voz da Rússia (Rússia), jornal Gazeta Wyborcza (Polônia), FIR (Alemanha)
Postar um comentário