quarta-feira, 1 de abril de 2015

Polônia: o próximo motor europeu não pára


Enquanto vemos a tragédia da Grécia se mover entre a austeridade rígida alemã e o idealismo de Syriza, os pistões do que podem ser o próximo motor econômico da Europa não pára.
A Polônia tem 38,5 milhões de habitantes e seu PIB está classificado na 25ª posição em todo o mundo (FMI). Apesar de ter uma história atribulada e uma reputação de país pobre, poderá se posicionar como uma das próximas potências européias dentro de 10 a 20 anos.

Dirigindo pela estrada no Noroeste alemão me pergunto por que mais e mais caminhões aparecem com placa PL de Polônia. Na verdade, nas viagens para a Polônia, fiquei impressionado com as novas estradas que agora cruzam grandes regiões do país.
Não foram apenas projetos suportados por fundos comunitários como a auto-estrada Egnatia na Grécia; também apareceram projetos de infra-estruturas criados por governos anteriores a Donald Tusk.
Mas qual é o segredo do antigo país sempre afetado por invasões e extrema pobreza que desapareceu do mapa por 123 anos e agora está ombro a ombro com os maiores em seu bem sucedido silêncio?

Após a crise de 2008, a Polônia, às vezes chamada de superestrela Europeia, foi o único país da UE a não entrar em recessão. Patrocinou sua marca-país na Eurocopa, enquanto a crítica que caia para a Ucrânia, o outro país anfitrião. 

Quando o comunismo soviético caiu, foram privatizados alguns grupos estatais, e os polacos se apressaram a investir em infra-estrutura, removeram os controles de preços antigos e mantiveram a sua moeda, o złoty. O país passou a se beneficiar do mercado europeu integrado e criou um ambiente para a criação de empresas.

Enquanto o PIB real na Alemanha caiu 5,6% em 2009, na Polônia cresceu 2,6%. Em 2007, a Polônia cresceu mais do que o esperado pela China quer agora crescer, atingindo 7,2%.

A Polônia tem prosseguido uma política benéfica macro e dura com o indivíduo que estuda e é empregado. Com projetos financiados pelo banco estatal BGK e pela agência de investimento estatal PIR SA, a Polônia tem procurado aumentar o investimento em infra-estrutura.
Há alguns dias, o Grupo Azoty anunciou a construção da maior fábrica de propileno da Europa. O investimento, que totaliza US$ 450 milhões, ajuda a aumentar a produção de um dos insumos essenciais para a produção de plásticos, tintas, solventes, etc. A idéia é garantir a cadeia de fornecimento com o aumento da produção e da logística local, reduzindo riscos cambiais para as empresas que importam esses produtos.

O auge polaco também foi causada em parte por empresas que exportam com vantagens competitivas como os baixos salários.
Por exemplo, a logística europeia se move em caminhões polacos, romenos e búlgaros, mas a Polônia se destaca em reinvestimento sistemático dos recursos, enquanto seus transportadores continuam com seus fretes relativamente baixos. Mas essa fórmula de prosperidade com salários baixos tem limites.
Como os economistas A. Strazds e T.Grennes apontam em seu estudo sobre a competitividade e mercado de trabalho, os baixos salários não conseguiram explicar completamente a competitividade polaca nos últimos anos.
O país manteve as suas exportações e foi perdendo competitividade salarial, um fenômeno conhecido como o paradoxo Kaldor. A explicação pode estar na flexibilidade do mercado de trabalho, investimento e inovação.

Em qualquer caso, esses fatores fizeram pressão sobre os cidadãos que têm um poder de compra menor do que os seus vizinhos europeus. O índice GfK de poder de compra de 2014 mostra que enquanto a Alemanha ultrapassou €21.000 por pessoa, a Polônia continua se aproximando dos €6.000.
Com este valor, no entanto, a Polônia triplica seu poder de compra comparado ao da Bulgária. O que pode um trabalhador polaco compra ultrapassa largamente o que pode adquirir um trabalhador búlgaro, embora continue baixo em comparação com o que um trabalhador ganha na Alemanha, Áustria e França.

A Polônia também teve desafios que ameaçam a sua prosperidade. Alguns críticos argumentam que a política de investimento irá desencadear inflação. Por outro lado, a crise na zona do euro contribuiu para uma desaceleração que ficou evidente desde o final de 2012.

Apesar do golpe que levaram os agricultores polacos em razão do bloqueio russo, a indústria decidiu diversificar o risco de entrada para os mercados saturados da Europa Ocidental.
A Polônia promoveu a internacionalização de suas universidades e atraiu para além e charme da arquitetura de cidades como Cracóvia e Poznań. Não é alunos EE incomuns. UU. preferem estudar medicina na terra de Chopin, em vez de empréstimos em casa.

A Polônia é um modelo exemplar de progresso econômico, resistência às pressões sociais e enfrentamento de desafios constantes, que vai deixando ensinamentos para vários países ávidos por matar aula. Se alguém não pode e não vai aprender chinês, pode aprender polski język.

Autor: Erick Behar
Professor da Universidade Externa da Colômbia / CESA erick.behar@hotmail.com

Publicado no jornal El Tiempo, de Bogotá.

tradução: Ulisses Iarochinski
Postar um comentário