sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Anita, mulher de dois mundos


Começou lentamente a primeira oficina de arraiolo, tapeçaria e gobelin, na Escola de Artesanato na Vila Cichawka (pronuncia-se Tchirráfca), no município de Łapanów (pronuncia-se Uanuf) a 50,2 km de Cracóvia.

O curso inaugural foi ministrado por Anita Dolly Panek, senhora de 85 anos, cientista brasileira, nascida em Cracóvia, na Polônia.

Havia dez alunas e a duração foi de cinco horas, no curso onde Anita mostrou como fazer arraiolo, brasileirinho da Madeleine Colaço e gobelin.

O convite para ministrar a oficina foi feito no ano passado durante o Festival da Cultura Judaica de Cracóvia, onde Anita, ministrou curso semelhante.


As fotos dos cursos postadas na Internet por Barbara Pociecha Zdebska, promotora dos cursos na escola Jaksen, despertaram a atenção e a necessidade de saber mais desta senhora e aguçaram minha curiosidade jornalística. E assim, Anita nos contou sua história incomum e como veio parar numa vila de poucos habitantes na região de Cracóvia.

A fuga
Anita Haubenstock (sobrenome de solteira) saiu da Polônia, com seus pais, em agosto de 1939, para férias na Riviera francesa. Iriam voltar em 1º de setembro. Acabou não voltando.

A família, devido a esta decisão forçada, deixou para trás todos seus bens e pertences, em Cracóvia.
Os familiares que não viajaram para a França com a menina Anita foram parar nos Campos de Concentração e Extermínio Alemão, nas cidades de Oświęcin e Brzezinka, os famosos Auschwitz e Birkenau. Um desses familiares foi a avó materna.

Anita, sempre com seus pais, passou alguns meses, na França. Aquela situação era desesperadora, as notícias de bombardeios e escaramuças de guerra na terra natal, imobilizava-os. Para piorar ainda mais a situação foram forçados a partir dali, em junho de 1940, quando os alemães tomaram Paris e os franceses capitularam.

A família de polacos-judeus não tinha mais abrigo naquele mundo enfurecido pelo ódio humanitário. Os Haubenstock fugiram à noite, a pé, pela fronteira com a Espanha. O dinheiro tinha acabado e as joias ficaram em Cracóvia. Afinal, seriam apenas uns dias de descanso nas praias francesas.
Quem pensaria que o mundo estaria em guerra alguns dias depois?
E que o alvo principal dos nazistas, naqueles primeiros momentos, era justo a Polônia?

Quando tentavam conseguir visto de saída, os Haubenstock souberam que a quota para judeus emigrarem aos Estados Unidos estava esgotada. As únicas possibilidades eram Haiti e Brasil.

Anita conta que, “chegamos ao Rio no último navio que saiu da Europa, o Serpa Pinto. Para as passagens de segunda classe, Helena Rubinstein, prima de minha mãe, conseguiu nos enviar emprestados 250 dólares.”

Helena Rubinstein
A famosa cosmeticista Helena Rubinstein, cracoviana como Anita, nasceu e viveu até os 18 anos de idade, na ulica Szeroka (pronuncia-se ulitssa cheróca) 14, no bairro do Kazimierz (pronuncia-se cajimiéj), quando emigrou para a Austrália. Lá, deu início a produção de um creme para a pele e casou com um norte-americano e por isso, fixou residência nos Estados Unidos, onde começou a construir seu império mundial.

Anita conta que Helena Rubinstein, "esteve em casa dos meus pais jogando bridge com meu ex-marido, quando da sua vinda ao Brasil, no inicio dos anos 50".
E conta também, que uma grande amiga sua de origem polaca, Irena Augenblick, ajudou na abertura do primeiro salão da marca, em Curitiba. "Estive com Helena por duas vezes em Nova Iorque, no apartamento da Park Avenue", diz Anita.

Para a família Haubenstock a adaptação foi muito difícil, naquela cidade maravilhosa dos anos 40. “Não falávamos a língua, não tínhamos dinheiro”, diz Anita.

O pouco que era conseguido ia todo para pagar a dívida com a prima da distante Nova Iorque. “Meu pai era advogado, portanto, não podia trabalhar sem antes fazer os exames de revalidação do diploma superior, mas para o qual não tinha tempo”. Era preciso trabalhar e colocar pão na mesa de casa. O pai trabalhou numa indústria que lapidava diamantes e a mãe vendia produtos da Helena Rubinstein de porta em porta.

A cientista
Anita estudou, formou-se em química e fez uma carreira muito bem sucedida. Trabalhou 50 anos na Universidade Federal do Rio de Janeiro, ensinando e pesquisando. Criou um laboratório que acabou sendo mundialmente reconhecido.
Publicou mais de 170 trabalhos em revistas especializadas. Orientou 50 alunos em cursos de pós-graduação.
Foi Anita Panek, quem criou a pós-graduação em Bioquímica na UFRJ. Ela é membro de três academias de ciência.
Recebeu do então presidente Fernando Henrique Cardoso, a Ordem do Mérito Nacional Científico.
O CNPq – O Conselho Nacional de Pesquisas em uma de suas publicações incluiu o nome de Anita Dolly Panek como pioneira da ciência no Brasil.

A artesã
Em todos esses anos de profunda dedicação às ciências químicas e bioquímicas, Anita em seus momentos de solidão e “também para analisar e repensar pesquisas sempre fiz trabalhos manuais.”

O artesanato para a cientista sempre funcionou como uma terapia. E foi daí que se interessou pela tapeçaria, pelos trabalhos da famosa Madeleine Ribeiro Colaço, cujos temas envolvendo a fauna e flora brasileiras, igrejas, fachadas coloniais, festas, paisagens, e a estética barroca em suas várias manifestações, chamou muito a atenção de Anita.
Tal qual a mestre Madeleine, a cientista buscou aprimorar-se na criação do chamado "ponto brasileiro" (ou brasileirinho). Uma nova maneira de bordar, onde se trabalha, ao acaso, em todas as direções fugindo de um desenho rígido.

O atentado derradeiro
Não bastasse toda a angústia dos primeiros anos de vida, da fuga forçada pela segunda guerra mundial, as dificuldades dos trópicos, dos estudos, da vida dividida entre duas nações (Brasil e Polônia), Anita levou uma rasteira das mais absurdas aos 85 anos de vida.

Os crimes contra Anita aconteceram simultaneamente a ida de seu neto para a Polônia. Carlos, filho de Ana Cristina e Pedro, tinha decidido se graduar na terra de Wisława Szymborska. Anita então, por causa do neto estar vivendo em sua terra natal, finalmente decidiu retornar à Cracóvia. Ela gostou tanto, que passou a frequentar a cidade, através da ponte aérea São Paulo-Cracóvia.

Num destes retornos ao Brasil, em agosto de 2015, Anita verificou que suas contas bancárias e seu salário de professora aposentada haviam sido bloqueadas. “Telefonei para o meu amigo e meu advogado de 20 anos e também de toda minha família, que me respondeu dizendo que resolveria tudo em 48 horas.” Mas o que era para ser uma rápida verificação, levou 25 dias. Tempo este para se conseguir uma liminar que liberasse o pagamento do salário do mês seguinte.

O amigo advogado afirmava que iria verificar a razão do bloqueio e pedia para que Anita ficasse calma. “Eu imaginava que fosse alguma clonagem de documentos! Viajei para a exposição fotográfica de minha filha Ana, em Cracóvia, no mês de setembro e durante um mês fui sendo enrolada pelo advogado que dizia que a justiça estava em greve e que ele não conseguia descobrir nada”.

Anita foi descobrir somente em outubro, após voltar de Cracóvia para São Paulo mais uma vez, na Internet que havia um processo judicial que envolvia seu nome e do seu advogado. A informação era de que a justiça estava penhorando seus imóveis.

Tudo isto porque, em 2009, Anita tinha sido fiadora do “amigo” advogado, no aluguel de algumas salas comerciais. Aluguéis que jamais foram pagos nos últimos seis anos, inclusive taxas de condomínio. Sem que Anita soubesse, o “amigo” advogado, em 2012, quando a dívida ainda era de 140.000,00 reais fez um acordo para o pagamento de apenas 70.000,00 reais, em dez parcelas.

Mais uma vez, o “amigo” foi mal intencionado. Pagou apenas a primeira prestação e nunca mais fez qualquer depósito. No acordo, para evitar que Anita soubesse da questão judicial e econômica, o “amigo” forneceu endereço, no qual, Anita já não mais morava, e assim, evitou que a cientista recebesse as intimações. “No momento que descobri, minha dívida já era de 2 milhões e as minhas duas casas estavam penhoradas!”

Sem outra alternativa, Anita contratou um novo advogado. “Fiz um acordo, paguei mais de um milhão, que não possuía e tive que pedir emprestado para parentes e também mais empréstimos, desta vez, consignados de sua minha aposentadoria”.

A situação desta senhora de 85 anos é de tal monta, que para pagar as novas dívidas que foi obrigada a contrair para ficar quites com a justiça, tem que vender a casa e tudo que nela existe.

Para encontrar a paz, Anita, mais uma vez é quase que obrigada a deixar uma de suas nações. Antes a Polônia dos anos 30, agora, o Brasil! E nestas incoerências da vida tendo que voltar para a sua Polônia natal (país invadido às vésperas da maior guerra da humanidade).

“Vim para Cracóvia para relaxar um pouco e dar a aula inaugural em uma escola de artesanato. No passado, já havia feito estas oficinas, no Festival da Cultura Judaica, de Cracóvia”, explica Anita Dolly Panek.


Livro de Anita Dolly Panek
A agora a artesã, em tempo integral, conta que assinou “um contrato de aluguel de um apartamento para viver em Cracóvia. Assim estou conseguindo dar a volta por cima.....”

Para finalizar Anita conta que o tal “amigo” advogado escreveu-lhe um e-mail dizendo que “não tem nada para ressarcir” e pede desculpas.

Anita deixa uma frase, encerrando nossa conversa: “Psicopatas do cotidiano! Também muito comum entre advogados.”



P.S. Em um estudo, a OMS concluiu e publicou que 1% da população mundial é formada por psicopatas.


Estes são alguns dos títulos publicados por pela Cientista ADP:

Souza, A.C., De Mesquita, J.F., Panek, A.D. et al. Evidence for a modulation of neutral trehalase activity by Ca2+ and cAMP signaling pathways in Saccharomyces cerevisiae. Braz J Med Biol Res, Jan 2002, vol.35, no.1, p.11-16.

Peixoto DN, Panek AD. The involvement of hexokinases in trehalose synthesis. Biochem Mol Biol Int. 1999 May;47(5):873-80.

Eleutherio EC, Silva JT, Panek AD. Identification of an integral membrane 80 kDa protein of Saccharomyces cerevisiae induced in response to dehydration. Cell Stress Chaperones. 1998 Mar;3(1):37-43.

De Mesquita JF, Paschoalin VM, Panek AD. Modulation of trehalase activity in Saccharomyces cerevisiae by an intrinsic protein. Biochim Biophys Acta. 1997 Mar 15;1334(2-3):233-9.

Cuber R, Eleutherio EC, Pereira MD, Panek AD. The role of the trehalose transporter during germination. Biochim Biophys Acta. 1997 Dec 4;1330(2):165-71.

Paiva CL, Panek AD. Biotechnological applications of the disaccharide trehalose. Biotechnol Annu Rev. 1996;2:293-314. Review.
Postar um comentário