quinta-feira, 2 de junho de 2016

Por que Papa Francisco escolheu Cracóvia?

Três anos atrás, no Rio de Janeiro, o Papa Francisco anunciou que a próxima Jornada Mundial da Juventude seria realizada em Cracóvia, na Polônia.
Santuário da Divina Misericórdia Irmã Faustina Kowalska - Lagiewniki em Cracovia
Para muitos jovens, foi um momento de júbilo, mas outros ficaram confusos: onde é a Polônia? Não é frio demais por lá?

Cada vez que o papa escolhe um local para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), ele pensa em dar destaque a um tema específico. E o tema da JMJ marcada para o mês de julho próximo nasceu desta afirmação de Jesus:

“Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia” (Mt 5, 7).

Não é surpresa nenhuma que o Papa Francisco queira chamar a atenção para a misericórdia durante este Ano Jubilar. E que lugar seria melhor para isso do que Cracóvia, a terra que nos deu a devoção à Divina Misericórdia? Foi por isso que o Santo Padre escolheu ninguém menos que São João Paulo II e Santa Faustina Kowalska para serem os padroeiros da JMJ de julho deste ano.

O Papa Francisco fez um breve comentário sobre estes dois santos e sobre a escolha de Cracóvia em uma mensagem do ano passado:

“Cracóvia, a cidade de São João Paulo II e de Santa Faustina Kowalska, está esperando por nós de braços e coração abertos. Eu acredito que a Providência Divina nos levou à decisão de celebrar o Jubileu da Juventude naquela cidade, que foi lar desses dois grandes apóstolos da misericórdia em nossos tempos. João Paulo II percebeu que este é o tempo da misericórdia.
No início de seu pontificado, ele escreveu a encíclica Dives in Misericordia (Rico em Misericórdia). No Ano Santo de 2000, ele canonizou a Irmã Faustina e instituiu a Festa da Divina Misericórdia, no segundo Domingo de Páscoa.
Em 2002, ele inaugurou pessoalmente o Santuário da Divina Misericórdia em Cracóvia e confiou o mundo à Divina Misericórdia, no desejo de que esta mensagem chegasse a todos os povos da terra e enchesse os seus corações de esperança: ‘Esta centelha precisa que a graça de Deus a acenda. Este fogo da misericórdia tem de ser passado para o mundo. Na Misericórdia de Deus, o mundo encontrará a paz e a humanidade encontrará a felicidade!’. Queridos jovens! No Santuário em Cracóvia, dedicado a Jesus Misericordioso, onde Ele é retratado na imagem venerada pelo povo de Deus, Jesus está esperando por vocês”.

Capela de Jesus Misericordioso - com o quadro inspirado nas visões de Faustina Kowalska e pintado por Eugeniusz Kazimirowsk sob orientação do padre Michał Sopocko
Muito tem sido escrito sobre São João Paulo II, Santa Faustina e seu exemplo inspirador de santidade. No entanto, poucos dos que irão à Polônia para a JMJ conhecem a história e a cultura extraordinárias em que se formaram esses dois santos. Eles não cresceram no vácuo: foram formados desde cedo pela rica cultura polaca.

Na primeira viagem à sua terra após eleito papa, São João Paulo II exortou os jovens a manterem viva a sua herança cultural, dizendo:

“Desde as suas origens, a cultura polaca traz em si claríssimos sinais cristãos… A inspiração cristã continua a ser a principal fonte de criatividade dos artistas polacos.
A cultura polaca ainda flui numa ampla corrente de inspirações cuja fonte é o Evangelho. Isto contribui também para o caráter profundamente humanista desta cultura: ele a torna tão densa e autenticamente humana. Vocês estão ouvindo estas palavras de um homem que deve a própria formação espiritual, desde o início, à cultura polaca, à sua literatura, à sua música… ao seu teatro; à história polaca, às tradições cristãs polacas, às escolas polacas, às universidades polacas.
Ao falar com vocês, jovens, desta forma, este homem deseja, acima de tudo, pagar a dívida que tem com esta maravilhosa herança espiritual. Permaneçam fiéis a esta herança. Façam dela o alicerce da sua formação. Sejam nobremente orgulhosos dela. Mantenham esta herança e multipliquem-na; entreguem-na às gerações futuras”.

Texto: Philip Kosloski
Postar um comentário