segunda-feira, 11 de julho de 2016

Resposta polaca aos ucranianos

Carta de intelectuais e políticos polacos aos irmãos ucranianos em resposta à carta das personalidades ucranianas de 3 de junho de 2016, pedindo perdão aos polacos.

Obrigado por vossa carta e por favor aceite nosso pedido de perdão pelos erros polacos infligidos aos nossos irmãos ucranianos.

Irmãos ucranianos,
Em 1894, na Conferência Polaco e Ucraniana de literatos e jornalistas em Lwów (Lviv), Iwan Franko, poeta, escritor e pensador, disse: "Em todo o eslavismo não há duas nações tais, no que diz respeito à vida política e espiritual tão intimamente ligadas entre si, com inúmeros laços interligados por obrigações, e mesmo assim continuassem renegando um ao outro, como polacos e ucranianos”.

Ao longo do tempo, nossa infelicidade comum, evitou suplantar o ódio e o nacionalismo e sua filha irrenunciável – o crime – do qual provaram juntos polacos e ucranianos na Volínia e na Galícia Oriental, em Chełm, nas montanhas Bieszczady e nas terras de Przemyśl.
Esta sua carta muito nos rejubila, para que possamos trocar palavras em que "pedimos perdão", por fugirmos da responsabilidade pelos danos polacos que prejudicaram-nos quarenta anos desde o século passado. Nós também prestamos homenagem às vítimas dos conflitos fratricidas nas relações polaco-ucraniana.

Agradecemos por vossa carta e pedimos perdão pelos erros polacos infligidos aos nossos irmãos ucranianos. Antes de nós, termos similares foram proferidos pelos representantes da Igreja católica polaca, do perdão recíproco fortemente incentivado pelo nosso patricio, o Papa João Paulo II.
Nesta Reconciliação trabalharam incansavelmente Jerzy Giedroyc e Jacek Kuroń, e também os presidentes de nossos países. Apelamos às sociedades e aos parlamentos de ambos países, que não esqueçam sobre seus ensinamentos.

Culpa exige compensação, as quais nas relações entre nossas nações é a formação da verdadeira fraternidade. Apesar do rancor polaco e pusilanimidade ucraniana, nos bons tempos, mas também nos maus momentos, que, podemos ter, proximamente em nossa Europa comum, ameaçada pelos nacionalismos e pelo imperialismo russo. Diante de ameaças é mais fácil sobrevivermos juntos.

Mantemos para vós nossa admiração e solidariedade na luta contra o agressor, que há mais de dois anos ocupa parte da terra ucraniana, eles não querem admitir a realização do vosso sonho de viver numa Europa unida.

Lech Wałęsa, o primeiro presidente do Solidariedade, vencedor do Prêmio Nobel da Paz, ex-presidente da República da Polônia

Aleksander Kwaśniewski, ex-presidente da República da Polônia

Bronisław Komorowski, um ex-presidente da República da Polônia

Włodzimierz Cimoszewicz, ex-primeiro-ministro

Andrzej Olechowski, ex-ministro das Relações Exteriores

Adam Rotfeld, ex-ministro das Relações Exteriores

Radosław Sikorski, ex-ministro das Relações Exteriores

Paweł Kowal, ex-ministro das Relações Exteriores, presidente do Partido da Plataforma Cívica

Małgorzata Kidawa-Błońska, Vice-Presidente da Câmara dos Deputados

Róża Thun, deputada do Parlamento Europeu

Adam Szłapka, deputado, Partido Contemporâneo

Katarzyna Lubnauer, deputada, Partido Contemporâneo

Mateusz Kijowski, líder do Comitê Defesa da Democracia

Władysław Frasyniuk, um dos primeiros líderes do Solidariedade, um ex-prisioneiro político, duputado

Zbigniew Bujak, um dos primeiros líderes do Solidariedade, um ex-prisioneiro político, deputado

Zbigniew Janas, um dos primeiros líderes do Solidariedade, um ex-deputado

Bogdan Lis, um dos primeiros líderes do Solidariedade, um ex-prisioneiro político, deputado

Janusz Onyszkiewicz, primeiro porta-voz do Solidariedade, o ex-ministro da defesa

Henryk Wujec, membro da primeira diretoria do Solidariedade, ex-prisioneiro político, o ex-deputado

Grażyna Staniszewska, primeira líder do Solidariedade, presa durante a lei marcial, ex-deputada

Andrzej Wielowieyski, ex-deputado, senador, deputado do Parlamento Europeu, ativista católico

Adam Michnik, editor-chefe do jornal "Gazeta Wyborcza"

Jerzy Baczyński, editor-chefe do semanário "Polityka"

Bogusław Chrabota, editor-chefe do jornal "Rzeczpospolita"

Tomasz Lis, editor-chefe do semanário "Newsweek Polska"

Leszek Jażdżewski, editor-chefe do revista "Liberte!"

Jarosław Kuisz, editor-chefe do semanário de Internet "Kultura Liberalna"

Karolina Wigura, socióloga, "Kultura Liberalna", Universidade de Varsóvia

Sławomir Sierakowski, editor-chefe da revista "Krytyka Polityczna"

Seweryn Blumsztajn, presidente da Associação dos Jornalistas

Andrzej Seweryn, ator, diretor, diretor do Teatro Polaco Varsóvia

Grzegorz Gauden, ex-diretor do Instituto de Livros

Padre Kazimierz Sowa, padre católico romano, jornalista

Tomasz Dostatni, Dominicano, jornalista

Ludwik Wiśniewski, Dominicano, acadêmico, ex-ativista anticomunista e oposição democrática

Stanisław Opiela, padre jesuíta, ex-provincial da Província da Mazovia-Wielkopolska e Companhia de Jesus, ex-chefe da província independente russa

Andrzej Stasiuk, escritor, editor

Monika Sznajderman, editora

Paweł Smoleński, repórter, vencedor do Prêmio Reconciliação Polaca-ucraniana

Marek Beylin, jornalista do jornal "Gazeta Wyborcza"

Wojciech Maziarski, jornalista do jornal "Gazeta Wyborcza"

Danuta Kuroń, ativista social

Krzysztof Stanowski, ativista social, co-fundador do Comitê de Cidadãos Solidários com a Ucrânia

Iza Chruślińska, jornalista, participante das iniciativas sociais polaca-ucranianas.

Nota do tradutor: Esta carta responde ao apelo de 03 de junho 2016 feito por um grupo de ucranianos proeminentes, incluindo os ex-presidentes do país e patriarcas das Igrejas Católica e Ortodoxa Grega, que escreveram antes do aniversário do massacre da Volínia a carta "Os irmãos polacos". O Massacre efetuado no início de 1943, por nacionalistas ucranianos, realizou uma limpeza étnica que matou de 80 a 100.000 polacos. As ações polacas de retaliação matou de 10 a 20 mil ucranianos.

Tradução de Ulisses Iarochinski
Postar um comentário