segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Kukliński é nomeado general pos-mortem

Ryszard Kukliński - Foto: Adam Golec
O coronel Ryszard Kukliński foi nomeado para o posto de general de brigada, a pedido do ministro da Defesa, Antoni Macierewicz, segundo informou o Palácio Presidencial.

As informações foram fornecidas pelo chefe da Assessoria de Imprensa da Presidência da República, Marek Magierowski. A nomeação do coronel Kuklinski era uma reivindicação de muitos anos de organizações de direita da Polônia.

Ryszard Kukliński - codinome Jack Strong - foi o mais famoso agente secreto polaco a servićo da CIA - Central de Inteligência Americana.
Como oficial do Estado Maior (cursou a Academia Geral do Estado-Maior da URSS junto com o general Czesław Kiszczak) aprovou os planos estratégicos secretos norte-americanos do Pacto de Varsóvia.

Ele afirmou que a decisão de cooperar com os Estados Unidos veio depois dos eventos das greves gerais de 1970, quando as tropas do exército polaco dispararam sobre os trabalhadores (de acordo com outras versões as formas de cooperação foram assumidas por ele depois de uma missão no Vietnã). Outro motivo para a sua decisão teria sido os planos de guerra preparados por oficiais da equipe do Pacto de Varsóvia, que assumiram que, no caso de uma guerra nuclear, o país mais afetado seria a Polônia.

O coronel era um dos mais poderosos agentes da CIA: de acordo com várias fontes repassou cerca de 30 mil documentos, incluindo especificações de armas, manuais, planos de exercício militar e os planos de guerra.

O Coronel Kukliński também informou os EUA sobre a decretação prevista da lei marcial. Na véspera da decisão final sobre sua imposição, em novembro de 1980, o coronel Kukliński junto com sua família foi removido pela CIA do território da Polônia. Enquanto esteve "exilado" nos Estados Unidos, apoiou os esforços de adesão da Polônia a OTAN.

Em 1984, Kukliński foi condenado à revelia à morte por traição, por um tribunal polaco. Em 1995, durante os esforços para aderir à OTAN foi considerado inocente das acusações daquele tribunal do período soviético, como resultado da revisão de sentença. De acordo com o tribunal Kukliński agiu em estado de necessidade.

Ele morreu de um acidente vascular cerebral em 2004, e suas cinzas e seu filho foram trazidos para a Polônia.
Postar um comentário