sexta-feira, 24 de março de 2017

Polônia inaugura Museu da II Guerra Mundial


Museu sobre II Guerra Mundial inaugurado em Gdańsk apesar da oposição do Governo de ultradireita.

O novo museu de Gdańsk (norte da Polônia) sobre a II Guerra Mundial abriu hoje ao público apesar da oposição do Governo polaco, que considera seu conteúdo insuficientemente patriótico.

Foto: Cezary Aszkiełowicz
"Com este museu pretendemos abrir um debate na Polônia sobre a nossa própria história, e ao mesmo tempo servir de lição de história para os visitantes estrangeiros", disse o diretor do centro, Paweł Machcewicz, que nos últimos meses se envolveu numa polêmica com o governo para garantir a abertura das instalações com os conteúdos originalmente planejados.

O Ministério da Cultura polaco criticou a vertente pouco patriótica do Museu, por não demonstrar o sofrimento que a II Guerra Mundial provocou na Polônia ao optar por um contexto mais global na narração do conflito, e sugeriu alterações no seu conteúdo.

Foto: Cezary Aszkiełowicz
O centro começou a ser construído em 2008 com um custo de mais de 100 milhões de euros e foi uma aposta pessoal do atual presidente do Conselho europeu, Donald Tusk, quando era primeiro-ministro da Polônia.

As más relações entre Tusk e o líder do partido no poder na Polônia, Jarosław Kaczyński (pronuncia-se iáróssúaf cátchenhsqui), são conhecidas no país e o diretor do museu, Paweł Machcewicz (pronuncia-se pávéu márrhtssevitch), assegurou ter sentido diversas pressões.

Foto: Cezary Aszkiełowicz
Nomeado quando Tusk ainda era primeiro-ministro, queixou-se em inúmeras ocasiões de que o novo governo de extrema-direia tentou retirar-lhe a direção do centro, com o argumento de que os conteúdos da exposição não eram patrióticos.

Em primeiro de fevereiro deste ano, os tribunais deram razão a Machcewicz na sua disputa com o Governo, permitindo a abertura das instalações. A exposição inclui três tanques (norte-americano, russo e alemão), além de recordações de famílias no decorrer da guerra, armamento, uniformes e representações da vida quotidiana, com a recriação de habitações e espaços urbanos durante o conflito e da ocupação do país.

Foto: Cezary Aszkiełowicz


Fonte: Agência Lusa
Postar um comentário