quarta-feira, 3 de outubro de 2018

Milhares estão assistindo filme polaco sobre pedofilia na igreja

Foto: Marek Strzelecki
Um filme polaco sobre os abusos cometidos por sacerdotes católicos está batendo recordes de público nas bilheterias do país.

"Kler", palavra em idioma polaco para a palavra clero, já atraiu mais de 935 mil espectadores somente no último final de semana, a melhor estreia no país nos últimos 30 anos, de acordo com a Associação de Cineastas Polacos.

 O filme, que explora temas como abuso infantil, ligações românticas, corrupção, ganância e alcoolismo por clérigos, tem sido duramente criticado pelo governo conservador de extrema direita polaco.

A estreia coloca em evidência o papel da Igreja na Polônia na ocultação de casos de pedofilia, uma questão que tem sido largamente ignorada no país de maioria católica (cerca de 95% da população, mesmo após protestos públicos em outros locais, como Irlanda e Estados Unidos.

Um tribunal de apelação na cidade polaca de Poznań confirmou nesta terça-feira a multa de 1 milhão de Złoty (cerca de R$ 1 milhão) imposta à Igreja Católica no caso de um padre condenado por sequestrar e estuprar uma menina de 13 anos por mais de dez meses — uma punição sem precedentes para a instituição religiosa no país. O dinheiro será destinado à compensação da vítima.

"O filme equivale a uma conversa muito séria com os polacos" (sobre a Igreja), disse a uma TV local, o ator Janusz Gajos, que interpreta um arcebispo no filme. "Deve ser um choque. Sabemos de muitos incidentes que são inimagináveis, que acontecem atrás das cortinas da Igreja e cujos perpetradores são protegidos".

O porta-voz de Direitos Humanos da Polônia está investigando se houve violação da Constituição por parte de uma decisão das autoridades locais em Ostrołęka, cidade no Nordeste da Polônia que se recusou a exibir o filme em um cinema do município. O filme superou “50 tons de Cinza” como a maior bilheteria do país.

O filme é dirigido e produzido por Wojciech Smarzowski conta o destino de três sacerdotes: Andrzej Kukuła (Arkadiusz Jakubik) Leszek Lisowski (Jacek Braciak) e Tadeusz Trybus (Robert Więckiewicz). A história de cada sacerdote está longe de imaginar que a maioria dos católicos tenha clérigos. Sua atitude também nada tem a ver com a vida de pobreza e o amor franciscano ao próximo promovido pelo Papa Francisco.

No filme de Smarzowski, padres amaldiçoam, dirigem carros caros, bebem álcool e, em geral, não veem que tantas vezes as palavras repetidas sobre o "bem da igreja" têm qualquer outra dimensão para elas que não o desejo de obter benefícios pessoais.

Conta ainda com o melhor ator polaco desde muito tempo, Janusz Gajos no papel do Arcebispo Mordowicz, Joanna Kulig como Hanka Tomala, Adrian Zaremba como vigário Jan, Magdalena Celówna-Janikowska como Natalia e Ignacy Klim como Rysiek Malinowski. O filme tem roteiro de Wojciech Smarzowski e de Wojciech Rzehak.

Janusz Gajos


Arkadiusz Jakubik
Jacek Braciak
Robert Więckiewicz
Joanna Kulig
O filme está em cartaz com muito bom público na Holanda, Inglaterra, Noruega, Estados Unidos, Alemanha e França.
Postar um comentário