terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Malbork: descoberta vala com 1800 corpos

Foto: Adam Bielan
Uma vala comum com cerca de 1.800 corpos foi encontrada por operários da construção de um hotel de luxo em Malbork, cidade ao Norte da Polônia. Pelos exames iniciais acredita-se que sejam alemães que se recusaram a deixar a cidade quando do avanço do exército soviético em 1945. Até a guerra a cidade tinha sido ocupada durante 150 anos, inicialmente pelos prussos e depois pelos alemães e com polacos subjugados.
Os trabalhadores encontraram um pequeno grupo de corpos no final de outubro e suspenderam as escavações para permitir que investigações fossem feitas. Semanas mais tarde, foram encontrados centenas de corpos. 
Para Waldemar Zduniak, chefe da equipe da Promotoria Regional de Malbork, "provavelmente ainda vamos encontrar muitos mais corpos nesta cratera que se abriu no centro da cidade. A exumação em curso vai mostrar isso".
Bernard Jesionowski do Museu do Castelo de Malbork acredita que os corpos encontrados são de moradores civis da cidade, em sua maioria de cidadania alemã. Já para o funcionário da prefeitura, Piotr Szwedowski, "Não há dúvidas de que são eles os alemães desaparecidos de Malbork".  Mas só os exames dos peritos poderão determinar se realmente eram apenas alemães. No caos da guerra muitos polacos foram assassinados não só pelos nazistas mas também pelos soviéticos. "Penso, que se procurarmos debaixo da terra de toda cidade, encontrar-se-a muitos mais corpors". Disse o funcionário do Museu Bernard Jesionowski.
Aliás, os soviéticos bombardearam a cidade com artilharia pesada. Depois que o derrotado Exército alemão recuou, os civis remanescentes ficaram entregues ao Exército Vermelho. "Não há testemunhas sobreviventes do que aconteceu", disse Szwedowski. Os corpos foram enterrados nus, sem quaisquer pertences, disse ele. "Não encontramos restos de roupas, sapatos, cintos, óculos, nem mesmo dentaduras ou dentes postiços". Cerca de 100 crânios apresentam buracos, o que sugere que essas pessoas tenham sido executadas. Mais exames serão feitos antes que os restos mortais sejam depositados no cemitério de Malbork, ou então no cemitério militar alemão em Stary Czarnow, próximo a cidade de Szczecin, noroeste da Polônia. "Estas pessoas morreram de forma tão desumana, foram jogadas tão desumanamente, que precisamos enterrá-las com dignidade e respeito", disse Szwedowski.


Remodelação no centro da velha cidade

P.S. A notícia que ganhou os jornais do mundo todo no dia de ontem foi destaque nos jornais polacos na semana passada, dia 6 de janeiro. E só distribuída mundialmente pela agência de notícias norte-americana Associated Press no domingo e ontem foi estampada nos jornais de vários países. Além de notícia velha, percebe-se no texto reproduzido em inglês, alemão, espanhol e até mesmo português, uma subliminar noção de que aquela cidade pertenceu a Alemanha antes da Segunda Guerra Mundial. Não foi o caso dos jornais polacos, pois aquelas terras nunca pertenceram à Alemanha. Não é porque prussos e depois alemães invadiram, trucidaram e ocuparam aquele lugar, que por encanto ele passou a ser alemão. Malbork é Polônia e sempre foi.
Postar um comentário