segunda-feira, 9 de novembro de 2009

O antipolonismo na Alemanha

Muito se fala em antissemitismo, mas pouco em antipolonidade. Muitos israelenses que visitam os campos de concentração alemão-nazista em territórios da Polônia, quando perguntados sobre as relações polaco-judaicas, imediatamente assacam: "os polacos são antissemitas". Talvez estes ignorantes desconheçam os mil anos em que judeus viveram na Polônia, e de quantos polacos de origem judaica foram salvos da crueldade alemã durante a segunda guerra mundial.
Quando se comemora na Alemanha os 20 anos da queda do Muro de Berlim e a imprensa e jornais do mundo inteiro, inclusive brasileiros ocultam que a queda deste muro construído na decada de 60 para separar a Berlim comunista da Berlim ocidental, ocorrida em 9 de novembro de 1989 só foi possível por que um movimento iniciado no final da década de 70 nos estaleiros da cidade polaca de Gdańsk, denominado "Solidariedade" ousou enfrentar Moscou e todos os asseclas comunistas da Polônia.
Mas isto não é tão grave quanto esta placa existente num estacionamento de uma cidade alemã. Observe o preconceito estampado claramente contra os polacos, pois o aviso está escrito em língua polaca, "Nocowania w samochodach jest obronione" e diz que está "proibido estacionar à noite". E não está escrito em alemão. Só em idioma polaco, ou seja, está proibido só para polacos, pois muito poucos descendentes dos nazistas de Hitler sabem ler em idioma polaco.

Mas este antipolonismo não é privilégio só de israelitas e alemães, também norte-americanos (com suas piadas sem graça e politicamente incorretas) e até brasileiros costumam destilar seus preconceitos contra "poloneses" e polacos.
Em Curitiba, os imigrantes polacos e seus descendentes foram acometidos deste antipolonismo, desde o momento em que as primeiras 32 famílias chegaram ao Pilarzinho e começaram a ouvir das famílias saxônicas Mueller, Wolf e Schaffer, que já viviam ali, insultos como: "polacos beberrões, vagabundos, fedidos, burros e estúpidos". Os "alemães" do Pilarzinho de 1869 estavam preocupados com a concorrência que os laboriosos polacos fariam nas suas atividades de hortifruticultura. O cinturão verde desejado pelo presidente de província Lamenha Lins já tinha seus primeiros opositores, as três famílias saxônicas do Pilarzinho.
Postar um comentário