segunda-feira, 4 de março de 2013

Wałęsa convoca imprensa para explicar


"Em caso algum, pedirei desculpas a alguém", disse hoje, Lech Wałęsa (pronuncia-se lérrrhh vaúensa), explicando seu discurso da última sexta-feira sobre os homossexuais e o lugar das minorias no parlamento e na vida pública. 
O ex-presidente da Polônia disse que seus pontos de vista são apoiados pela maioria da nação e contra apenas a opinião de "poucas pessoas influentes."
Em Gdańsk, onde mora, Wałęsa explicou que, "Eu apenas disse que as minorias, às quais dou toda a honra, não deviam anunciar-se como maioria e querer impor seus pontos de vista. Eu estou cansado desse surto de propaganda, dessa ladainha contínua, deveriam falar de outras coisas". Ele ressaltou, que apesar das repercussões negativas, respeito as minorias.
Lech Wałęsa disse que não os está ameaçando, "provei isso durante toda  minha vida de lutas. No entanto, agora, que essas minorias são perigosas, que as ameaças dessa minoria desfilem e queiram seus direitos à maioria, eu não posso concordar. Falo isso como um democrata", acrescentou.
Wałęsa insistiu que ele, "não teve a intenção de ofender ninguém e que suas palavras no muro são uma espécie de metáfora."
Para ele, em particular, o parlamento deve ser reflexo da sociedade. "Se eles têm, por exemplo, 5 por cento, e, provavelmente, não tem sequer isso, eles não podem querer ocupar a Vice-presidência da Câmara dos Deputados, porque para isso deve haver, pelo menos, 20 por cento de apoio. Eu disse a eles que não quero joga-los fora.", disse o ex-líder do Solidariedade.
E antes de finalizar a entrevista coletiva, afirmou que, "Quase toda a nação me apoia, e só algumas pessoas estão contra mim. Estas opiniões mostram como eles são perigosos e que eles são uma ameaça. E portanto, a maioria não é a perigosa. E Wałęsa não é uma ameaça - Eu admito, eu concordo, porque a liberdade é minha proposição de vida e eu lutei por ela. No entanto, para mim, eles estão tentando limitar a minha liberdade. Isso é errado e por isso é que eu vou lutar contra."
Postar um comentário