domingo, 26 de maio de 2013

Quinze polacos receberam o prêmio Nobel


As autoridades polacas sempre repetem com orgulho que seis polacos ganharam o Prêmio Nobel.
Henryk Sienkiewicz, Władysław Reymont, Maria Skłodowska-Curie (mundialmente conhecida como Marie Curie), Lech Wałęsa, Czesław Milosz e Wisława Szymborska.
Skłodowska foi a primeira mulher no mundo a receber a premiação e o fez por duas vezes, com a descoberta do rádio e do polônio.
- Mas será mesmo apenas 7?
- E os outros nove ganhadores do Prêmio Nobel que nasceram em solo da Polônia?
- Por que não são reconhecidos?
- Por que no momento da premiação tinham cidadania de outro país?
- Por que não eram católicos apostólicos romanos?

Eram tão polacos quanto estes seis reconhecidos oficialmente os seguintes ganhadores do Prêmio Nobel:

1) Tadeusz Reichstein nasceu em Wlocławek, na Polônia, em 20 de julho de 1897, químico, que em 1950, foi agraciado com o Prêmio Nobel de Medicina pela descoberta da cortisona. Faleceu na Basiléia, Suíça, em 1º de agosto de 1996.





2) Isaac Bashevis Singer (Icek-Hersz Zynger) em 21 de novembro de 1902, em Leoncin, perto de Varsóvia, na Polônia, onde viveu até 1935. E em 1978,  recebeu o Prêmio Nobel de literatura. Faleceu em Miami, em 24 de julho de1991.





3) Józef (Joseph) Rotblat nasceu em 4 de novembro de 1908, em Varsóvia. Em 1938, na Universidade de Varsóvia recebeu seu doutorado em física e, dois anos mais tarde ele se mudou para o Reino Unido. Em 1995, foi agraciado com o Prêmio Nobel da Paz por seus esforços para reduzir armas nucleares mundo. Joseph Rotblat em vida falava fluentemente polaco e ressaltava que ele era um polaco com um passaporte britânico. Ele protestou contra a economia de seu nome como "Joseph". Faleceu em 31 de agosto de 2005, em Londres.

4) Mieczysław Biegun (Menachem Begin) nasceu em 16 de agosto de 1912, em Brest, nas margens do rio Bug. Biegun deixou a Polônia em 1940. Foi o sexto primeiro-ministro de Israel, e em 1979, recebeu o Prêmio Nobel da Paz pela  assinatura do tratado com o Egito. Faleceu em 9 de março de 1992, em Tel Aviv.




5) Leonid Hurwicz, nasceu em 21 de agosto de 1917, em Moscou, filho de polacos-judeus. Mas antes de completar dois anos de idade, seus pais voltaram em 1919 para Varsóvia, onde viveu muitos anos e onde se formou em Direito em 1938. Estudou economia na w London School of Economics, de 1938 a 40 Emigrou para os EUA em 1940, onde continuou seus estudos de economia nas universidades de Chicago e Harvand. Em 2007, recebeu o Prêmio Nobel de Economia. Faleceu em 24 de junho de 2008, em Minneapolis, EUA.

6) Szymon Perski (Shimon Peres) nasceu em 2 de agosto de 1923 em Wiszniewo (região de Vilnius), deixou a Polônia em 1934. Já foi primeiro-ministro e é o atual presidente de Israel. Em 1994, foi agraciado com o Prêmio Nobel da Paz.





7) Jerzy Szarpak (Georges Charpak) nasceu em 1º de agosto de 1924 em Dąbrownica (Voivodia da Volínia). Foi com a família para a França em 1931. Em 1941 entrou para a resistência francesa. Em 1943 foi mandado para o campo de concentração em Dachau. Saiu um ano depois por ser poliglota. Adquiriu cidadania francesa em 1947. Ano em que se diplomou na École Nationale Supérieure des Mines de Paris Recebeu o Prêmio Nobel de Física em 1992. Faleceu em 29 de setembro de 2010, em Paris, França.


8) Andrzej Wictor Schally (Andrew Victor Schally) nasceu em 30 de novembro de 1926, em Vilnius (então cidade polaca). Filho do general Kazimierz Piotr Schally (Chefe de Gabinete do Presidente da Polônia Ignacy Mościcki, após a eclosão da II Guerra Mundial) e de Maria Łącka, mulher da nobreza polaca. Em setembro, junto com o Presidente Mościcki e todo gabinte sua família escapou para a Romênia. Polaco de esquerda, recebeu o Prêmio Nobel de Medicina em 1977. Schally vem de uma família de religiosa indeterminada. De acordo com critérios raciais nazistas foi chamado de "Hybrid" e por isso o ameaçaram de morte. Tem 3 cidadanias, polaca, canadense e americana. Estudou nas universidades de Baylor College of Medicine, Tulane University e University of Miami.


9) Roald Hoffman (Roald Safran) nasceu em 18 de julho de 1937, em Złoczów, região de Lwów (então cidade polaca). Sobreviveu aos campos de concentração e então emigrou com a família para os EUA, em 1949. Estudou nas Universidade Harvard, Universidade Columbia e Stuyvesant High School. Recebeu o Prêmio Nobel de Química em 1981. Desde 1965 até hoje trabalha na Universidade de Cornell, nos EUA.



Por que não considerar então estes ganhadores do Prêmio Nobel como polacos? Oito deles (com a única exceção de Reichstein) tinham cidadania e educação polaca. Todos tinham como língua materna, ou segunda mais importante, o idioma polaco.
Embora Skłodowska seja a mais cultuada mulher polaca, ela nunca teve a nacionalidade polaca (pois originalmente era cidadã da Rússia, em em função da ocupação russa de 127 anos. E em seguida ela teve cidadania francesa. Ela, como os outros deixou a Polônia para sempre com a idade de 24 anos.
Czesław Miłosz foi outro que por muitos anos teve apenas a cidadania lituana, e escreveu principalmente em Inglês. Muitas de suas declarações indicam que ele se considerava um lituano de língua polaca, embora seu nome e sobrenome fossem literalmente polacos.
Por que a Polônia admite que Curie e Miłosz são polacos e não admite que Reichstein, Singer, Rotblat, Szarpak, Hurwicz, Perski, Biegun, Schally e Hoffman não sejam?
A razão talvez é que eles sejam religiosamente judeus, e por isso, as autoridades polacas não podem chamá-los de polacos.
A Polônia os exclui por que?
Se a Alemanha, por exemplo, tem orgulho de todos os seus ganhadores do Prêmio Nobel, muitos dos quais eram alemães-judeus. Um grande número de prêmios Nobel está incluído em ambos países. Um exemplo é a própria Skłodowska, reconhecida tanto pela Polônia, quanto pela França.
A lista oficial dos vencedores do Prêmio Nobel não inclui a categoria de "judeus" e os premiados são classificados por país de origem e / ou residência. Então, por que a Polônia não reconhece, por exemplo, que Szymon Perski é um polaco ganhador do Prêmio Nobel como polaco-israelense?
A única explicação velada - a religião - não tem sustentação, portanto!
E os critérios raciais, ou de origem também não podem ser considerados . 
Deixasse estas querelas de lado a Polônia poderia ter quinze ganhadores e não apenas seis ganhadores do Prêmio Nobel.
Postar um comentário