quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Polônia assina com Ciência sem fronteiras

Pres. da Conferência dos Reitores das Escolas Acadêmicas da Polônia Wiesław Banys
O presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Glaucius Oliva, e o presidente da Conferência dos Reitores das Escolas Acadêmicas da Polônia (CRASP), Wiesław Banys, assinaram, nesta segunda-feira, 21, um memorando de entendimento por ocasião da entrada da Polônia no Programa Ciência sem Fronteiras.
A nova parceria trará oportunidades de bolsas em diversas modalidades para estudar no país. Também estiveram presentes na cerimônia o embaixador da República da Polônia, Andrzej Maria Braiter, representantes do CNPq e do Programa CsF, pesquisadores polacos, entre outros.
O presidente do CNPq, em sua apresentação, contou um pouco da história do CNPq, que completou 62 anos de existência e afirmou que a ciência brasileira é nova, sendo a Universidade de São Paulo (USP) uma das mais antigas e tradicionais universidades do país. Ainda em sua fala, Glaucius apresentou o Programa Ciência sem Fronteiras, as modalidades de bolsas oferecidas e como estas beneficiam, cada uma em sua forma específica, o aperfeiçoamento do ensino, além da qualificação de mão de obra na ciência, engenharias e pesquisa no Brasil e no mundo. "Nós esperamos um futuro bastante produtivo com esta nova parceria assinada. Agradecemos a presença da delegação polonesa e damos às boas vindas ao nosso país", ressalta o presidente.
Para Wiesław Banys, promover este tipo de colaboração, principalmente com foco na mobilidade acadêmica, é investir no crescimento ainda maior do sistema educacional na Polônia. "Eu fiquei muito surpreendido com o que o senhor (Glaucius) disse sobre o programa no Brasil", destacou o presidente polaco. Banys ainda citou as recentes reformas pelas quais o sistema de ensino e pesquisa polaco passou nos últimos anos e citou várias parcerias do país com outras instituições de ensino.

Ciência sem Fronteira (CsF)
O Ciência sem Fronteiras é um programa que busca promover a consolidação, expansão e internacionalização da ciência e tecnologia, da inovação e da competitividade brasileira por meio do intercâmbio e da mobilidade internacional. A iniciativa é fruto de uma parceria entre o Ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e o Ministério da Educação (MEC), por meio de suas respectivas instituições de fomento – CNPq e Capes –, e Secretarias de Ensino Superior e de Ensino Tecnológico do MEC.
O projeto prevê a utilização de até 101 mil bolsas em quatro anos para promover intercâmbio, de forma que alunos de graduação e pós-graduação façam estágio no exterior com a finalidade de manter contato com sistemas educacionais competitivos em relação à tecnologia e inovação. Além disso, busca atrair pesquisadores do exterior que queiram se fixar no Brasil ou estabelecer parcerias com os pesquisadores brasileiros nas áreas prioritárias definidas no Programa, bem como criar oportunidade para que pesquisadores de empresas recebam treinamento especializado no exterior.

fonte: Portal Brasil
Postar um comentário