segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Tadeusz Mazowiecki nie żyje...Polônia em comoção

Tadeusz Mazowiecki nie żyje. Miał 86 lat. "Uczył nas pokory w polityce" esta é a manchete do principal jornal da Polônia, o Gazeta Wyborcza, em seu portal de Internet. "Tadeusz Mazowiecki morreu. Tinha 86 anos. Nos ensinou a humildade na política."

O escritor, jornalista e político polaco, foi membro fundador do sindicato Solidaridade, junto com Lech Wałęsa.
Mazowiecki, ex-primeiro-ministro da Polônia, faleceu nesta segunda-feira, em Varsóvia. Deixou os filhos Wojciech, Adam e Michał. Foi casado duas vezes, primeiro com Kristina e mais recentemente com Ewa (as duas já falecidas).
Mazowiecki foi o primeiro chefe de Governo não comunista da Polônia e também o primeiro do bloco comunista da Europa.
Nos estertores do comunismo, na famosa mesa redonda, que negociou com Jaruzelski o fim do regime, exerceu o cargo de Primeiro-Ministro da ainda República Popular da Polônia entre 24 de agosto de 1989 a 31 de dezembro de 1989.
Depois, com a derrocada fiel dos soviéticos país, permaneceu no cargo de primeiro-ministro, já no governo do eleito Lech Wałęsa até 12 de janeiro de 1991.

Antes
De 1945-1955 , Mazowiecki foi membro do Partido Comunista controlado pela Associação Católica PAX de onde, mais tarde, foi expulso por ser o líder da chamada oposição interna.
Entre 1953 e 1955, foi o editor-chefe do semanário católico Wrocław (WTK - Wrocławski Tygodnik Katolicki). De acordo, com o stalinismo ele estava envolvido na difamação do Bispo Czesław Kaczmarek de Kielce, sem fundamento, e foi acusado pelos comunistas de ser um espião dos Estados Unidos e do Vaticano.
Ele foi um dos membros fundadores do Clube de intelectuais católicos , que foi criado em 1957. Em 1958,  Mazowiecki tornou-se seu editor-chefe da revista mensal Więź.


Entre 1961-1972 , ele foi eleito parlamentar comunista no Sejm (Parlamento polaco), nos três últimos mandatos ele foi eleito como membro do partido católico Znak.
Ele levantou a questão de manifestações estudantis que ocorreram em março de 1968, no mundo e na Polônia, no Sejm. Depois dos protestos que varreram a Polônia, 1970, Mazowiecki insistiu na criação de uma comissão, a fim de encontrar os responsáveis ​​pelo derramamento de sangue. Quando todos sabiam que eram as autoridades comunistas. Quando, em 1976, não lhe foi permitido concorrer a um cargo parlamentar, juntou-se à oposição.
Desde 1981, ele foi o editor-chefe do Tygodnik Solidarność (Semanário Solidariedade) , uma revista semanal.
Após a lei marcial, declarada em dezembro de 1981, ele foi preso e encarcerado em Strzebielnik, então em Jaworz e finalmente Darłówek. Foi um dos últimos prisioneiros para ser liberto, em 23 de dezembro de 1982.
Em 1987, ele passou um ano no exterior, durante o qual conversou com políticos e representantes sindicais. A partir de 1988, se reuniu em Magdalenka. Ele acreditava firmemente no processo de tomada de poder do Partido dos Trabalhadores polaco através da negociação e, portanto, desempenhou um papel ativo nas discussões da Mesa Redonda polaca, tornando-se um dos mais importantes arquitetos do acordo pelo qual as eleições parcialmente livres foram realizadas em 04 de junho de 1989, e foi vencida pelo Solidariedade em um colapso histórico.
Em uma reunião, em 17 de agosto de 1989, o então presidente comunista polaco, General Jaruzelski finalmente concordou com a exigência de Lech Wałęsa que o próximo primeiro-ministro da Polônia deveria ser um membro do Solidariedade. Wałęsa indicou Mazowiecki como candidato do Solidariedade para liderar o próximo governo.
Em 21 de agosto de 1989, general Jaruzelski nomeou Mazowiecki candidato ministerial. Em 24 de agosto de 1989, o Sejm votou no nome de Mazowiecki e ele se tornou o primeiro primeiro-ministro não-comunista da história do leste da Europa em muitas décadas.
Postar um comentário