segunda-feira, 17 de março de 2014

Sikorski: o novo líder da Europa?

capa da revista semanal Tcheca "Respekt" desta semana
A revista semanal tcheca "Respekt" saiu às bancas nesta segunda-feira com matéria de capa analisando a "Polônia como um poder crescente na Europa".
A revista chamou, o ministro das relações exteriores da Polônia, Radosław Sikorski como um novo líder ao estilo Lech Wałęsa.
O ministro das Relações Exteriores polaco foi o responsável pela mediação entre a oposição ucraniana da Praça Independência - Maydan, em Kiev e o presidente deposto Viktor Yanukovych.
O "Novo líder na Europa", que muda a política e a história da Europa, foi como semanário Tcheco "Respekt" em sua mais recente edição desta segunda-feira o definiu.
No contexto do conflito na Ucrânia, a revista apresenta a Polônia como sendo um crescente poder europeu e chama a atenção para a atividade política e a dinâmica, nos últimos anos, da estrela política Sikorski.
O semanário lembra a mediação de Sikorski entre a oposição ucraniana e o afastado Presidente da Ucrânia Viktor Yanukovich do poder.
"E, embora a mediação tenha ocorrido por apenas algumas horas, ela levou a uma enxurrada de eventos, que hoje estão mudando substancialmente a ordem mundial. Esta não é a primeira vez que Radosław Sikorski, na onda dos eventos, é empurrado para a frente. Mas desta vez, não podemos deixar de notar que o polaco está se tornando uma estrela política, o que não acontecia na Europa Central desde os anos 90, quando o mundo ouvia Vaclav Havel ou Lech Wałęsa",  publica a revista.

Trecho do Editorial da Revista:
Polônia será o poder de liderança nos países da coalizão que enfrentam a Rússia ", escreveu há cinco anos, o cientista político americano George Friedman em seu livro os "Próximos Cem Anos".
Pela primeira vez desde o 16 século, de acordo com Friedman, os polacos se tornaram uma força importante na política internacional, e a razão é uma só: os russos não suportam a idéia de que eles eram parte de uma série de países e o normal é que eles querem ter mais influência.
Portanto, de acordo com Friedman, novamente eles tentam "construir a sua antiga esfera de influência ". O primeiro país que a Rússia vai enfrentar será a Polônia que, ao contrário da Alemanha, vai obstruir as ambições de Moscou, escreve Friedman. Para os Estados Unidos, a Polônia vai se tornar um aliado-chave. Friedman já provou uma capacidade fascinante de prever o futuro, e é este desenvolvimento que vemos agora.
Quando publicou seu livro, pareceu para muitos que ele exagerava. Mas ele mesmo escreveu que estava errado quem pensa que a paz atual será para sempre. "É verdade que as circunstâncias que, em um momento da história parecem tão persistentes e dominantes, podem mudar muito rapidamente. Eras vêm e vão. Nem as relações internacionais, ou qualquer coisa sobre como o mundo olha hoje, indica como vai ficar daqui a vinte anos", escreveu Friedman.
O fato da Polônia tornar-se um grande jogador do tabuleiro atual, não só para aqueles que desdenham a história, o nosso vizinho trabalha há vários anos nesse sentido. Um diplomata tcheco, nos bastidores disse que, enquanto os tchecos do último governo debatiam sobre o mal Bruxelas construído por nós mesmos em um canto, os polacos estavam ativos: "Qualquer porta que você abriu em Bruxelas, ficou atrás de um poste com uma ideia ou uma proposta", disse o diplomata tcheco.
A prestigiada revista britânica "Prospect" há dois anos classificou a Polônia entre os países mais ativos na Europa e também entre os mais capazes. A influência significativa deslocou mais uma vez o atual ministro das Relações Exteriores da Polônia Radosław Sikorski para zonas de conflito. Sua voz foi ouvida antes, mas a sua atividade na abordagem da crise na Ucrânia ultrapassou a todos na política europeia como um diplomata cada vez mais influente.
É por isso que nós trazemos o seu perfil escrito por Martin M. Šimečka .
:: No passado, nós trouxemos a entrevista na "Respekt" com Radosław Sikorski e sua esposa, a jornalista e historiador Anne Applebaum.
Ao finalizar trago mais um pouco de Friedman. Ele diz que se a Rússia desencadear uma nova guerra fria (devido ao mau estado da infra-estrutura e da curva demográfica do país), ela estará acabada pois será: a queda da Rússia. Caros leitores,
Desejamos-lhe uma leitura inspiradora
Erik Tabery

Veja a capa no link:
http://www.respektstore.cz/tapety/ilustrace-z-titulni-strany-respektu-12-2014/

Sikorski é tratado no editorial da revista e por seus editorialistas como o novo líder político da Europa Central

http://respekt.ihned.cz/c1-61853750-editorial-rusko-nevyhraje
Postar um comentário