quarta-feira, 18 de março de 2015

Dobre: a cidade do meu bisavô polaco

Meu bisavô Piotr Jarosiński (pronuncia-se piótr iarochinski) nasceu justamente, aqui, em Poręby (ao que tudo indica Stare Poręby), Dobre, Polônia, em 17 de janeiro de 1880, filho de Jan Jarosiński e Wiktoria Jackowska-Jarosiński.
Poręby Stare e Nowy Poręby vistas do alto

História de DOBRE

Pelo ato real de reconhecimento emitido pelo rei Sigismundo - o Velho, de 28 de setembro de 1530, em favor de Jan Dobrzyniecki, detentor do brasão de armas Ciołek, despenseiro de Zakroczymski, proprietário de bens em Ossówno, foi criada uma nova cidade na terra livoniana chamada, Dobre.


A localidade foi a terceira cidade depois de Liw e de Nowa Liwa e uma das menores cidades da Mazóvia a serem criadas na região. Os Dobrzyniecki tinham vindo das terras de Czerska, aldeia banhada pelo rio Świder, ao Sul do Monte Calvário (Góra Kalwaria) para as bandas de Piaseczno.


Mapa de 1529
Cópia preservada de um documento do século XVI, registra a existência de Dobre pelo bispo de Płock, Adam Dębowski indicando, que o cujo nome da localidade era ateu, e que teria sido dado pelos Dobrzyniecki.
De seu clã estava Ossówno, que consistia na nova cidade fundada de Dobre com as vilas rurais de Makówiec, Nowa Wieś, Czarnogłów, Wola Czarnogłowska, Rudzienko, Rakówiec e Polków.

A localização da cidade favorecia circunstâncias políticas e econômicas. No ano de 1529, o Ducado da Mazóvia foi incorporada à República das duas Nações de Polônia - Lituânia. Tornou-se na área central da República e começou a sair do subdesenvolvimento.


Grandes propriedades foram divididas por questões familiares. Isto estava associado a uma redução da renda, cada proprietário estava tentando assegurar a existência da cidade. A principal vantagem no desenvolvimento da cidade de Dobre naquelas décadas era sua localização. Ficava em uma importante e antiga rota comercial que ligava Vilno a Wrocław.

Desta forma, tudo o que importado da Rússia e da Lituânia Europa Ocidental, como couro, peles, mel, carvão vegetal, madeira para postes e construção naval transitava por ali.
O caminho levava a Vilnius passando por Grodno, Narew, Bielsk, Drohiczyn, Węgrów, Liw, Warszawa para Wrocław via Piotrków, Brzeźnice, Wieluń i Bolesławiec. O trecho entre Liwa e Varsóvia via Pniewnik, Dobre, Stanisławów, Pustelnik, Okuniew.

Igreja de Santo Stanislaw, em Dobre
Dobre também era um centro de mineração de minério de ferro retirado do pântano, que teve uma grande influência sobre o desenvolvimento do comércio de ferro.
Registros de 1563 foi apontam que existiam em Dobre três vendedores ambulantes de ferro. A mineração de minério de ferro era explorada em Rudzienko, Rudno e Ruda Pniewnik.

Ainda em 1563, viviam em Dobre 125 pessoas, incluindo 21 artesãos, nas seguintes profissões: 5 padeiros, 3 alfaiates, 1 azulejeiro, 1 tecelões, 2 comerciantes de sal, 3 ferreiros, 9 sapateiros e 3 oleiros. Até a época das guerras contra os suecas, Dobre, foi um grande centro comercial.
Visão panorâmica de Dobre
Por volta de 1660, havia uma escola paroquial. O novo proprietário de Dobre, Piotr Leżajski, recebeu em 1752 do rei Augusto III (da dinastia Saxônica) o privilégio de explorar cinco mercados na cidade. Desde então, Dobre chegou a organizar oito feiras por ano.

Desde 1775, Dobre passou a pertencer a família Masalski. Logo em seguida, 1785, Dobre foi comprada por Szymon Szydłowski dos Masalski. No início do século XIX, Ignacy Antoni Jaźwiński adquiriu Rudzienko, Rudno e Dobre.

Após a terceira partição do Estado polaco, Dobre estava sob o domínio austríaco, ou seja da Galícia Ocidental ao redor de Siedlce, porém durante o Ducado de Varsóvia ela passou a pertencer ao departamento de Varsóvia.

Igreja Matriz, no Rynek (praça central) onde meu bisavô Piotr Jarosiński foi batizado

Em 1821, o proprietário e herdeiro de Dobre elaborou um documento intitulado "Descrição histórica e topográfica – da cidade de Dobre no circuito mazoviano de Stanisławów".
De acordo com a descrição da cidade, havia 317 pessoas, incluindo 30 judeus. Havia 38 casas de madeira, ruas de paralelepípedos, 19 artesãos, destes 2 eram ferreiros, 3 tecelões, 2 carpinteiros, 3 costureiras, 2 construtores de forno. O Conselho Municipal naquela época tinha equipamentos de prevenção de incêndio, mesa de jantar, 2 cadeiras, mesa de pesos e medidas, armário de arquivamento.
Em 1827, existiam em Dobre 38 casas e 384 habitantes. Durante a Revolta de Novembro de 1831, ocorreu uma batalha entre o exército polaco sob o comando do General Jan Skrzynecki contra o exército russo sob o comando do General Rosen.

Os acontecimentos de 17 de fevereiro de 1831, em Dobre, transcorreram sob o comando dos generais que não pouparam esforços para a vitória.O polaco Skrzynecki habilmente impulsionou a luta, mas erros não permitiram a tão grande vitória, que geralmente se acredita.


O russo G. Rosen forças marchou para Varsóvia, com 6 companhias formadas por 19 batalhões, 12 esquadrões, 500 soldados cossacos e 56 divisões contru uma divisão da General J. Skrzynecki, que foi reforçada pela divisão do General F. Żymirski num total 11 batalhões, 4 esquadrões e 12 divisões.

Os russos atacaram a estrada na direção de Wegrów localizada em uma clareira na floresta perto da cidade de Dobre. A clareira só poderia ser alcançada por caminhos estreitos que, por sua vez, permitiam uma defesa mais fácil. Skrzynecki colocou em Dobre a parte principal de seus soldados e comandou a batalha.

Ambas as partes realizaram uma série de ataques e contra-ataques, mas nem os polacos nem os russos conseguiram obter vantagem. Finalmente, depois de cinco horas de combate, Skrzynecki decidiu recuar em direção Okuniew.
Na batalha o exército polaco perdeu 300 soldados, enquanto a Rússia 750 soldados. Não há registros da participação dos moradores de Dobre nas escaramuças de batalha.

A famosa escritora Maria Konopnicka (autora do livro “Pan Balcer w Brazylii”- O Senhor Balcer no Brasil) descreveu essa batalha em seu poema: "A Batalha de Dobre".

"POD DOBREM"
(Maria Konopnicka)

Jak Dwernicki pod Stoczkiem,
Tak Skrzynecki pod Dobrem
Jak szeroki kraj polski,
Sercem wsławił się chrobrem.

Cały korpus Rosena
Przez pięć godzin odpierał,
Aż za głowę się chwytał,
Ten moskiewski jenerał.

Jak ryś skakał tam dziki,
Łamał w gniewie giwory:
Co my? krzyczał mużyki!
- Lachy, ot - bohatery!

Jak pod stoczkiem konnicę,
Tak pod Dobrem piechotę,
Wawrzynami okryły
Sławy zorze te złote.

I zdumiała się Moskwa,
Kiedy na nas patrzyła -
- Czarodzieje! wróg szeptał -
Bo skąd w garstce ta siła?

Skąd ta siła, moskalu?
Ja ci zaraz to powiem:
Polak sercem się bije-
A ty - tylko ołowiem!


Em 1844, o Governo do Reino polaco também propôs mudanças no governo de 48 cidades e 177 vilas rurais.
Em 1846, o novo proprietário de Dobre era Walenty Jaźwiński que empreendeu esforços para mudar a cidade para o campo. Por decisão do Conselho de Administração do Reino Polaco de 13 de maio de 1852, a vila de Dobre passou a pertencer ao município de Rudzienko.

Poręby Stary, nos arredores da cidade de Dobre
Dobre tinha uma hipotecado seus bens em Rudzienko e a dívida foi cobrada através de um empréstimo junto a Sociedade de Crédito de Varsóvia. Kamila Jaźwińska viúva de Walenty pagou parte do empréstimo com terras de Dobre, que consistia de 526 acres e 134 varas.
Desde 1868, Dobre passou a pertencer a voivodia mazoviana, distrito de Radzymiński e aasim permaneceu até 1918.

Naquela época, Dobre tinha uma população de 462 habitantes. Após o incêndio da antiga igreja de madeira, em 1873, foi construída em tijolos, uma nova planejada pelo arquiteto Bolesław Podczaszyński.
O patrocínio da construção foi de Kamila Jaźwińska. Foi então que provavelmente se mudou o santo padroeiro de Santo Nicolau para Santo Stanislau.

Em 1925, Dobre tinha uma população de 1079 habitantes, incluindo 373 judeus que mantinham suas sinagogas. Durante a ocupação, elas foram destruídas, e a população judaica foi levada para o campo de extermínio de Treblinka.

De acordo com a Resolução do Conselho Regional de Varsóvia, de 1º de Novembro de 1972, o município de Dobre passou a ser distrito de Minsk Mazowiecki a partir de 1º de Janeiro de 1973.
Atualmente o distrito (gmina) tem 12 mil hectares dos quais 9 mil são áreas cultivadas, e o restante por florestas naturais preservadas.
Tem uma população de 6200 habitantes, sendo que na zona urbana vivem 1799 moradores em 394 edifícios residenciais.
Dobre está a 50 km de Varsóvia, e 20 km de Minsk Mazowiecki (sede do município), e a 56 km Siedlce.
Distritos vizinhos de Dobre são: Jakubów, Kałuszyn, Korytnica, Stanisławów, Strychówka e Wierzbno. Dobre é banhada pelos rios Rządza, Boruczanka e Ossownica.

Cemitério de Dobre, nos fundos da igreja

Ao redor de Dobre existem 41 localidades: Adamów, Antonina, Brzozowica, Czarnocin, Czarnogłów, Dobre, Drop, Duchów, Gęsianka, Głęboczyca, Grabniak, Jaczewek, Joanin, Kąty-Borucza, Kobylanka, Makówiec Duży, Makówiec Mały, Marcelin, Mlęcin, Modecin, Nowa Wieś, Nowe Poręby, Osęczyzna, Pokrzywnik, Radoszyna, Rakówiec, Rąbierz Kolonia, Ruda Pniewnik, Rudno, Rudzienko, Rynia, Sąchocin, Sołki, Stare Poręby, Świdrów, Walentów, Wólka Czarnogłowska, Wólka Kobylańska, Wólka Kokosia, Wólka Mlęcka e Zdrojówki.


Postar um comentário