terça-feira, 3 de novembro de 2015

Também tu, Polônia? — ou os riscos dos radicais à deriva

Edifício da Câmara dos Deputados - SEJM - em Varsóvia
O fato político mais relevante dos últimos tempos é obviamente a situação política saída das eleições polacas. E que só será ultrapassado pelo resultado das eleições espanholas do Natal que, a julgar pelas sondagens mais recentes, se traduz num empate entre o PP, o PSOE e o Ciudadanos.
As eleições na Polônia trazem duas grandes novidades: pela primeira vez, um só partido foi capaz de obter uma maioria absoluta de lugares nas duas câmaras do parlamento e, pela primeira vez, não há qualquer força de esquerda no Sejm. A primeira novidade interessa mais à política interna, a segunda interessa, e de sobremaneira, à política europeia e à política comparada.
A vitória com maioria absoluta dos conservadores, de pendor eurocéptico e nacionalista, do partido Direito e Justiça (PiS) é causa de desconfiança nos foruns europeus. Na sua experiência anterior de governo (2005-2007), liderada pelos gêmeos Kaczyński, a tensão com a União Europeia e com a Federação Russa foi especialmente visível.
A linha política dominante foi então de conservadorismo popular ou populista, profundamente antiliberal, muito nacionalista e com laivos de fundamentalismo católico e moralista, cujo “braço armado” era (e continua a ser…) a omnipresente Radio Maryja.
A verdade é que, no novo contexto político-eleitoral, o PiS, sem mudar de liderança – que continua nas mãos do gémeo sobrevivente, Jarosław Kaczyński –, levou a cabo uma profunda renovação dos protagonistas políticos. E assim fez eleger nas presidenciais o seu candidato, claramente mais moderado e menos radical, Andrzej Duda. E apresentou como candidata ao lugar de Primeira-Ministra, a chefe de campanha deste último, Beata Szydło, com um perfil mais temperado e menos histriônico.
Não falta quem diga que Kaczyński acabará por tirar o tapete à sua herdeira e por vir, mais tarde ou mais cedo, a ser de novo entronizado como Primeiro-Ministro. Para já, um tal temor não passa de simples especulação.
A grande dúvida é, por conseguinte, a de saber se o caminho que o PiS vai querer trilhar é a via húngara da “orbanização” do regime – sugerida pela linha dura dos anos 2005-2007 – ou a via conservadora “à inglesa”, já que o Partido Conservador é o seu mais importante parceiro europeu – via esta indiciada pela escolha de novos rostos moderados.
O caminho da “orbanização” – sustentado pela admiração nutrida pelo carisma de Viktor Orban e pela aproximação nacionalista dos restantes países do grupo de Visegrado (Polônia, Hungria, Eslováquia e República Tcheca) – consubstanciar-se-ia na tentativa de domesticação do sistema judicial e do mundo mediático, numa maior estatização da economia, num reforço das políticas sociais de distribuição, num dogmatismo moral de cariz religioso e num nacionalismo exacerbado de matiz xenófoba.
Só se distinguiria do trilho húngaro na relação com a Rússia de Putin, que, ao invés do caso magiar, seria e será decerto muito tensa e hostil. A via conservadora britânica, que tenho como mais provável, virar-se-ia essencialmente para um distanciamento da Europa, apoiando a reivindicação de uma alteração dos tratados e de uma renacionalização das políticas comuns e execrando qualquer política de acolhimento de refugiados ou migrantes de fora da Europa.
A divergência com a linha britânica surgirá decerto na questão maior da liberdade de circulação dos cidadãos da União, por causa da enorme quantidade de trabalhadores polacos emigrados no Reino Unido.
Esta linha democrática conservadora, apesar das promessas eleitorais de sinal estatizante e social, acabaria por dar sequência à política econômica de sucesso dos governos da Plataforma Cívica, agora derrotada, para poder tirar proveito do mercado interno europeu e do forte investimento estrangeiro presente em território polaco.
Estas promessas de reforço das políticas sociais (mais abono de família, diminuição da idade de aposentadoria, etc.) tiraram espaço à Esquerda, que foi varrida do mapa político.
O espectro parlamentar fica pois dividido entre o centro-direita e a direita “pura”, quando não radical. E tal como no caso húngaro, sobeja o risco de o centro e a direita moderada se radicalizarem por terem de competir, apenas e só, com forças populistas e extremistas de direita.
O apagamento dos partidos de esquerda e de centro-esquerda é, por isso, motivo de séria e profunda preocupação. É, por isso, que, também por cá, estranho que tantos estranhem a genuína inquietação que tenho revelado com a deriva radical do PS. Estou seriamente preocupado com a apropriação do PS (Partido Socialista) pela extrema-esquerda. Não augura nada de bom. Nem para o país, nem para o sistema político. Todos vamos pagar, nos sentidos literal e metafórico de “pagar”, essa deriva. E ela pode acabar num varrimento do PS. É aí, e não no lado direito e central do espectro político, que mora o risco de “pasokização”.

Fonte: jornal "Público"
Texto: Paulo Rangel
Postar um comentário