sábado, 24 de outubro de 2015

Gêmeo Kaczyński de volta ao poder

Nos últimos meses, o partido populista de direita PiS (Direito e Justiça) suavizou o discurso, mas a sua linha programática permanece igual: é antiEuropa, xenófobo e pelos valores católicos.
Jarosław Kaczyński
As eleições legislativas de domingo, na Polônia devem acrescentar mais um país à mancha nacionalista que se alastra no centro e Norte da Europa, com o regresso ao poder do partido populista de direita "Direito e Justiça" (PiS) e, com ele, de Jarosław Kaczyński, um dos mais controversos políticos polacos.
Kaczyński, que já foi primeiro-ministro (2006/07), não é desta vez o candidato a chefiar o governo. Esse papel caberá à líder do partido, Beata Szydło, escolhida porque o “líder” sabe que é uma figura controversa que pode alienar eleitorado, explica o jornal Financial Times.
Mas os analistas dizem que será ele o grande vencedor — e o detentor do poder real —, uma vez que regressará depois de duas grandes derrotas e quando muitos consideravam que a era da dupla Kaczyński chegara ao fim, após a morte de um dos gêmeos, Lech, quando era Presidente a República, num acidente de avião na Rússia, e das duas derrotas eleitorais de Jarosław em dez anos. Perdeu umas legislativas para Donald Tusk, e umas presidenciais, se bem que em maio um dos seus, Andrzej Duda, chegou à chefia do Estado.
O Direito e Justiça, dizem as sondagens, está dez pontos à frente da Plataforma Cívica da atual primeira-ministra, Ewa Kopacz — de centro-direita —, e fragilizado por vários escândalos de corrupção e pela estagnação do nível de vida. E se nos últimos meses Kaczyński baixou o tom da retórica nacionalista, não se esperam mudanças radicais na sua linha programática: é um partido antiEuropa e xenófobo, que quando esteve no poder abriu conflitos com Bruxelas, com a Alemanha, com a Rússia.
As sondagens também dizem que o Direito e Justiça não conseguirá a maioria necessária para governar sozinho. Deve ser obrigado a fazer uma aliança ou coligação com um pequeno partido. Mas Kaczyński, de 66 anos, tentou até ao último momento mobilizar o seu eleitorado de base — a direita tradicional e a população católica — para tentar chegar aos 230 deputados de que necessita (o Parlamento tem 460 lugares), suplantando em votos o eleitorado moderado e progressista que considera o PiS uma força de bloqueio às reforças sociais e à aproximação do país ao Ocidente.
Kaczyński e Beata Szydło fizeram muitas promessas populistas nas últimas semanas: baixar os impostos, descer a idade da reforma, aumentar os subsídios às famílias e impedir a entrada em massa de imigrantes e refugiados. Durante as semanas de campanha, Kaczyński defendeu que os refugiados deveriam ser submetidos a inspecções, pois podem transportar “doenças e parasitas” perigosos para a Europa.
A AFP diz que, nos últimos comícios, o ambiente de euforia à volta do PiS cresceu, com os apoiantes a gritarem “damy rade” (nós podemos fazer) à proposta do partido de pedir votos pela “mudança boa” e pela rejeição do “caos”. A candidata a primeira-ministra, diz a agência francesa, mostrava aos apoiantes um dossier azul com um programa de governo para os primeiros cem dias, os necessários para fazer a tal “mudança boa”.
Os opositores optaram por sublinhar os perigos de um regresso de Kaczyński ao poder: uma nova ruptura com a União Europeia, a influência da Igreja Católica Conservadora e o risco das restrições ao aborto serem ainda maiores, a possibilidade de ser proibida a reprodução artificial, o reforço do catolicismo na Educação. Ewa Kopacz disse, num comício, que a Polônia corre o risco de se tornar uma “república confessional”.
Segundo as sondagens, foi a chegada de novos partidos à cena política que retirou votos (ou intenções de voto) dos dois grandes partidos. A coligação Esquerda Unificada, o partido antissistema do músico de rock Paweł Kukiz que “apareceu do nada” nas presidenciais de maio, o partido neoliberal Nowoczesna (Moderno) do eurodeputado Janusz Korwin-Mikke e o Partido Camponês estão todos na marca dos 5% que asseguram a eleição de um deputado. Os aliados naturais do PiS são o movimento Kukiz’15 e o Partido Camponês.

Fonte: Jornal "Público" - Lisboa
autor: ANA GOMES FERREIRA
Postar um comentário