sábado, 19 de dezembro de 2015

Polônia está nas ruas em favor da democracia

Manifestantes de Katowice empunham a figura de Jarosław Kaczyński com cabelos do ditador Norte-coreano.
Manifestações em toda Polônia a favor da democracia e contra os atos do novo presidente da república e da nova primeira-ministra do PiS (Partido Direito e Justiça), partido que é liderado pelo gêmeo sobrevivente Jarosław Kaczyński, estão acontecendo hoje.

Como maioria total no Congresso, o partido de extrema-direita há pouco mais de um mês no poder (o presidente foi eleito em maio) tem cometido vários atos e atitudes que estão dividindo o país.

"Nós vamos defender a democracia", "nós vamos defender a Constituição", "nós temos de defender o Tribunal Constitucional", gritavam em Varsóvia milhares de manifestantes junto do parlamento, no qual o partido de Jarosław Kaczyński, Direito e Justiça (PiS), tem a maioria.

"Nós queremos liberdade e nós iremos lutar para a defender", disse Mateusz Kijowski, fundador do Comitê da Defesa da Democracia (KOD), um movimento cívico espontâneo criado para se opor às tentativas do PiS de politizar o Tribunal Constitucional.

O KOD organizou manifestações nas grandes cidades, como Lublin, Gdańsk e Poznań, Bielsko Biała, Cracóvia, Varsóvia. A televisão pública informou que havia 4.000 manifestante em Poznań, assim como em Gdańsk, e cerca de mil em Lublin. Em Katowice foram aproximadamente 1500 pessoas, em Wrocław 4 mil, em Cracóvia, a polícia também estimou a demonstração em 4 mil. Em Varsóvia, de acordo com estimativas da municipalidade, para o Sejm (Câmara dos Depuados) marcharam 20.000 pessoas. Segundo o jornal ""Gazeta Stołeczna", a polícia estima em 8 mil a 10 mil participantes. A manifestação foi interrompida, porque a polícia recebeu uma ligação telefônica anônima sobre uma bomba. A decisão de dissolver a manifestação foi feita pelos próprios organizadores.

Cerca de um mês depois da chegada dos conservadores de extrema-direita ao poder, a Polônia está em plena crise política devido à nomeação dos juízes do Tribunal Constitucional.

A nomeação pelo PiS de cinco juízes suscitou uma onda de críticas da oposição, dos meios de comunicações e dos cidadãos.

No sábado passado, 50 mil manifestantes já haviam marchado em Varsóvia, onde compareceram vários nomes das artes como a cineasta Agnieszka Holland, Krzysztof Materna, a atriz Maja Komorowska e Wojciech Matuszak - ator conhecido por seu papel de pastor da série "Plebania" (presbitério). Foi ele quem reuniu o maior aplauso. Um dia depois, os apoiantes do PiS, como os grupos de extrema direita Ruch Narodowy e ONR mostraram também a sua força na capital polaca.
Postar um comentário