sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

75 anos da deportação polaca para a URSS

Deportações em massa de polacos para a União Soviética durante a Segunda Guerra Mundial foram planejadas e executadas pelas autoridades soviéticas.

A primeira deportação foi realizada na noite de 09 para 10 fevereiro de 1940. A quarta e última terminou apenas alguns dias antes do ataque alemão à União Soviética em junho de 1941.

No total para o Cazaquistão, Uzbequistão e Sibéria foram deportados para cerca de 330 mil cidadãos polacos - entre católicos, judeus, bielorrussos e ucranianos.

Muitos deportados, como resultado das condições precárias e dos maus-tratos das autoridades da URSS não sobreviveram à viagem ou seu exílio na Sibéria ou no Cazaquistão.

A União Soviética tinha deixado de reconhecer o Estado polaco no início da invasão nazista. Os russos detiveram e prenderam cerca de 500.000 polacos antes de Junho de 1941 (quando a Alemanha de Hitler invadiu a União Soviética), incluindo funcionários civis, militares e outros "inimigos do povo", como o clero e professores: cerca de um em cada homem adulto.

Grandes grupos de cidadãos polacos no pré-guerra, principalmente pessoas de origem judaica e, em menor medida, os camponeses ucranianos, pensaram que a invasão soviética era uma oportunidade para participar de atividade política e social comunista fora do seu ambiente étnico e cultural tradicional. O entusiasmo desvaneceu com o tempo, quando se tornou claro que as repressões soviéticas eram destinadas a todos os grupos de igual forma, independentemente de sua posição ideológica.

Estima-se que cerca de 150.000 cidadãos polacos morreram durante a ocupação soviética
Postar um comentário