quarta-feira, 11 de maio de 2016

Família polaca hospedará 300 jovens da JMJ

Karolina, Małgorzata, Robert, o padre Kania e Jakub.
Neste terreno que serão montadas as tendas para os peregrinos - Foto: DR

Para a última missa da Jornada Mundial da Juventude, em Cracóvia, são esperados dois a três milhões de pessoas.

A casa da família Wolski, com dois andares, mais um daqueles sótãos enormes dos países onde os telhados têm de suportar a neve, não destoa das outras de Bolechowice. Sem ser luxuosa, vê-se que pertence a gente desafogada, como muitos dos vizinhos que fugiram da confusão de Cracóvia, com o seu quase um milhão de habitantes, para se instalar aqui no meio do campo, a meia hora de carro da cidade.

Bolechowice está próximo do canto superior esquerdo e a Nordeste de Cracóvia
Muitos são professores, médicos, quadros, "todos bons católicos", explica o padre Michał Kania, de 30 anos, enquanto bate à porta dos Wolski, famosos estes dias por se terem oferecido para acolher 300 jovens que em final de julho virão participar na Jornada Mundial da Juventude e ver o Papa Francisco.

É Robert, o pai, que aparece. Dá as boas-vindas e chama a mulher e a filha para serem apresentadas ao grupo de jornalistas que querem saber como se tem coragem para acolher tanta gente de fora durante uma semana. Entretanto, o padre já tinha explicado que a casa da família não era um palácio com centenas de quartos e que seria no quintal que os peregrinos seriam instalados "com muito carinho".

Robert Wolski, que tem 41 anos e é dono de uma empresa de construção, aponta para o meio hectare de grama onde serão instaladas as 30 tendas para dez pessoas cada. "São emprestadas pelos militares, sem qualquer custo, que também virão cá montá-las e desmontá-las", diz Robert.

Fundos da Paróquia

Fala só em idioma polaco, e é preciso tradução, o que torna ainda mais surpreendente este desejo de ser anfitrião de um grupo que virá da Alemanha e da Áustria. "Com boa vontade, muito esforço e a ajuda de Deus conseguimos tudo", afirma este homem que, como o próprio contou, chegou a ser bombeiro, teve um problema de alcoolismo e estava a deixar a vida afundar-se quando em 2005, sabendo do sofrimento dos últimos dias de João Paulo II, tomou a decisão de nunca mais tocar em álcool. "Até hoje", garante, tendo ao lado Małgorzata (pronuncia-se maugójata, de 40 anos, com quem está casado há 20 mas que conhece desde sempre. "Íamos à escola juntos", explica.

Área que vai abrigar as barracas
A filha Karolina tem 14 anos e fala razoavelmente inglês. Também sabe um pouco de alemão, o que será útil quando chegarem os convidados da família. "Estou a esforçar-me por melhorar o meu alemão", diz Karolina.
O irmão Jakub, de 19 anos, chega, vem de terno e gravata porque, explica o pai, "é o motorista não oficial da paróquia" e acabou de conduzir dois noivos da igreja até casa. "É também o nosso fotógrafo", acrescenta a rir-se o padre Kania. Quanto à paciência da vizinhança? "Não há problema", asseguram os Wolski: de um lado "são primos", do outro lado "muito boas pessoas".

A Jornada Mundial da Juventude decorrerá entre 26 e 31 de julho. O Papa chegará a Cracóvia na quarta-feira, dia 27, e terá um programa intenso, com encontro com as autoridades no Castelo de Wawel, várias missas até à última, domingo, onde se prevê dois a três milhões de pessoas.
Francisco irá ainda a Auschwitz, campo de concentração e extermínio alemão nazista que foi também visitado pelos antecessores imediatos, o polaco João Paulo II e o alemão Bento XVI.
E, claro, como sublinhou o cardeal Stanisław Dziwisz, que foi secretário pessoal de João Paulo II, o Papa "irá a Częstochowa" (pronuncia-se Tchentorróva), onde desde a Idade Média se venera a Madona Negra.
Com cinco milhões de visitantes anuais, é uma espécie de Fátima da Polônia, país de forte tradição católica, com um presidente assíduo na missa e uma primeira-ministra com um filho quase padre.

Portão "Brama" do Vale de Bolechowice
Até este momento, há 300 mil inscrições para a Jornada Mundial da Juventude, com os maiores grupos estrangeiros a virem de Itália e de França. "Venham. A Polônia é um país seguro, hospitaleiro e amigável", desafia o cardeal de Cracóvia.

SEGURANÇA GARANTIDA
E sobre as questões de segurança, que vão obrigar a um controlo das fronteiras de 2 de julho a 2 de agosto, o governador da região de Małopolska tem um discurso tranquilizador. "Sobre segurança, falamos o menos possível e fazemos o máximo possível. Queremos dizer aos jovens que se devem sentir bem aqui, que são bem-vindos, que podem vir estar com o Papa. À nossa maneira, discreta, vamos garantir que nada de mal acontece", disse Józef Pilch, num encontro em Cracóvia.
Além da visita do Papa, julho será o mês em que a capital polaca, Varsóvia, acolhe a Reunião de Cúpula da OTAN, com a vinda de muitos estadistas, incluindo o americano Barack Obama.

O logotipo desta Jornada já está por todo lado em Cracóvia. Será a segunda vez para o Papa argentino, depois do Rio de Janeiro, em 2013.
Robert Wolski está ansioso por ver o Papa. Terá várias oportunidades. O altar a ser montado num parque de Cracóvia para a última missa tem 11 metros de altura e o Papa será visível a dois quilômetros.

"Francisco é latino e João Paulo II era eslavo, mas não acho que sejam assim tão diferentes. Ambos insistem na misericórdia", comenta o antigo bombeiro, insistindo para os jornalistas ficarem para jantar. Ao entrar em casa, sublinha que alguns dos jovens vão ficar lá, pelo que na verdade até serão um pouco mais de 300, os convidados da família.

Graças à experiência de empresário, Robert arranjou quem fornecesse as refeições, com Małgorzata a supervisionar. Também estão garantidas as casas de banho móveis e uma zona de duchas para banho. Mas se os Wolski dão nas vistas por receberem tanta gente, há uma outra habitante de Bolechowice que também se destaca por receber um bispo. "É o francês Olivier de Germay, bispo de Ajaccio", revela o padre Kania.

Texto: Leonídio Paulo Ferreira 
Jornal "Diário de Notícias", Lisboa
Postar um comentário