sábado, 30 de julho de 2016

Papa: convidado incômodo na Polônia

Gregorio Borgia - AP Photo
A fama de católicos devotos dos polacos se aplica em especial a seu governo nacional-conservador. Mas, ao contrariar expectativas em sua visita, Francisco estraga a festa, opina o jornalista Christoph Strack.

A coisa poderia ter sido tão boa: o papa, o sucessor do apóstolo Pedro, de visita a Cracóvia por cinco dias. Centenas de milhares de jovens entusiasmados, os olhos de todo o mundo pregados na cidade no sul da Polônia. E ele está acomodado nos melhores aposentos da cidade, no Wawel, o antigo castelo real, a apenas alguns passos da sepultura do novo "santo" da nação, o ex-presidente Lech Kaczyński, morto em 2010 num acidente aéreo.

Mas aí Francisco vem e simplesmente sai falando. Ele deixa bem claro que não está de acordo com os rumos da política polaca, diz o que gostaria que fosse diferente. Aí é que a festa começa de verdade. O discurso do líder da Igreja Católica aqui não pôde ser tão arrasador como sua crítica à União Europeia em 2014, no Parlamento Europeu, em Estrasburgo; como ao receber o Prêmio Carlos Magno há pouco menos de três meses, no Vaticano. Mas ela foi suficientemente direta.

Não se trata apenas do curso restritivo do governo nacional-conservador no tocante ao acolhimento de refugiados. Já na homenagem ao país anfitrião soou uma nota de crítica. Francisco evocou (em palavras, aliás, que em parte poderiam ser de seu grande antecessor polaco, João Paulo II o "sonho de um novo humanismo europeu", da cultura comum de toda a Europa, norteada pelo cristianismo.

O sumo pontífice falou de uma "consciência de identidade sem qualquer prepotência"; exortou à "abertura para a renovação"; alertou para a "unidade, também em meio a diferenças de opinião". Ele louvou a reconciliação teuto-polaca, iniciada pelas Igrejas; lembrou, ao seguramente devoto auditório, que Deus "transforma dificuldades em chances e cria novas situações onde parecia ser impossível".

E então se referiu expressamente à migração: é necessária "a disposição de acolher aqueles que fogem da guerra e da fome; a solidariedade perante os que foram privados de seus direitos fundamentais". Resumindo: cabe "fazer o que seja possível para minorar o sofrimento".

A bela congregação festiva em Wawel:
a primeira-ministra Beata Szydło, que apenas horas antes criticara veementemente a chanceler federal alemã, Angela Merkel, por sua política para os refugiados. Cujo ministro do Interior, Mariusz Błaszczak, anunciara, antes das palavras do papa, que França e Alemanha ilustravam o fracasso do multiculturalismo: que o homem de Roma dissesse o que quisesse, a Polônia permaneceria em seu curso político.

Szydło e Błaszczak se esforçaram para manter uma cara boa. E, aliás, também os bispos do país, muitos dos quais vivenciaram o comunismo ainda como padres e que agora se mostram tão satisfeitos com tanto conservadorismo, também nacionalista.

Francisco apelou às consciências deles todos - às dos bispos, ainda uma segunda vez, a portas fechadas. O "papa de longe" lembrou à Europa e à Polônia de valores fundamentais, da mensagem cristã inscrita no continente. Certamente ele não espera que a liderança polaca repita o que Merkel fez, ignorando as regras europeias numa situação percebida como emergencial.

Mas o papa Francisco formulou expectativas
- expectativas que valem para qualquer nação da Europa, diante do novo debate após os hediondos atentados. Extremamente significativo foi o Vaticano ter esclarecido previamente - numa iniciativa inusual, antes de uma viagem desse gênero - que o papa e os bispos da Polônia estavam de pleno acordo na questão dos refugiados. Só que os bispos seguramente ainda não estavam sabendo disso, poderia-se imaginar...

Um detalhe demonstra quão necessárias as palavras do pontífice foram para esta Polônia de 2016. O novo governo do Partido Direito e Justiça (PiS) forçou a emissora estatal à conformidade. O discurso do papa é o lead no site da televisão estatal na internet. E lá se dizia que Francisco teria frisado que a Polônia, esse país de emigrantes, deveria "facilitar o retorno" de seus próprios emigrados. Só mais tarde mudou-se a manchete para aquilo que jornalistas de todo o mundo noticiaram, quase literalmente: "Papa pede que Polônia acolha refugiados".

Dá para imaginar como foi acirrada a disputa na emissora, ainda antes do discurso papal. Pois também sobre outros detalhes do programa da visita o veículo espalhou boatos: consta que a liderança em Varsóvia teria desejado que Francisco visitasse o túmulo de Lech Kaczyński - cujo local de sepultamento, ao lado dos reis da Polônia, é antes inusitado. São apenas alguns degraus até as sepulturas de muitos grandes polacos, teria-se argumentado.

Não, respondeu Roma, os degraus altos... é o que disseram os boatos. Vai-se construir então uma escada rolante para ele, teria reagido alguém no mais alto escalão do país. Não, continuou sendo a resposta, e o papa não foi até o túmulo de Kaczyński. Mas talvez alguém tenha reparado a disposição com que o religioso subiu os degraus da estreita escada no Wawel para se encontrar com o presidente Andrzej Duda.

Os próximos dias do papa Francisco na Polônia ainda podem trazer muitas surpresas.

TEXTO: Christoph Strack
FONTE: Rádio Deutsche Welle
Postar um comentário