domingo, 26 de agosto de 2007

Equívocos de reportagem

O telejornal RJTV, da TV Globo Rio, colocou no ar, no sábado dia 18 de agosto, reportagem sobre o cemitério das prostitutas judias em Inhaúma, Rio de Janeiro. Em sua fala de abertura, a repórter, Ana Paula Carvalho afirma: “Eles identificam as polacas, mulheres pobres, judias, que abandonaram seus países de origem, ameaçadas pelo anti-semitismo e trabalharam como prostitutas nas ruas do Rio de Janeiro.Discriminadas, as polacas viviam à margem da sociedade.” Para conferir a reportagem acesse:
http://rjtv.globo.com/RJTV/0,19125,VRV0-3114-296927-20070818,00.html

Apenas para esclarecer a repórter e a editoria do telejornal da Globo saliento que:

1 - Estas moças judias não "abandonavam" a Polônia (embora a fala da repórter assinale "seus países de origem" fica claro pelo uso da palavra polaca que elas eram procedentes da Polônia) por anti-semitismo. Antes, pelo contrário. Elas vinham casadas com judeus rufiões (da ornanização Zvi Migdal) que perambulavam pelas bairros/e ou cidades judias da Polônia (na época ocupada por austriacos, russos e prussos-alemães) e se casavam com as mais bonitas segundo os rituais judáicos. Os cafetões judeus voltavam, então, para o Brasil com 5 a 10 esposas e aqui as prostituiam, no Largo da Carioca e em elegantes prostíbulos. Isso era, entre 1870 a 1880, quando então, o Imperador D.Pedro II expulsou 20 destes bandidos judeus. Portanto, não "abandonavam", vinham iludidas e obrigadas pela própria família e seu marido recente.

2 - Por causa dessas infelizes judias (sim, porque eram enganadas pelos próprios judeus) todos os descendentes de polacos (na faixa dos 50 aos 80 anos no Sul do Brasil) odeiam a palavra que os designam pela origem étnica: Polaco. Foi criado, em 1927 em Curitiba, até o termo polonês, para não serem confundidos com filhos da puta. Nos outros 7 países de língua portuguesa a única palavra correta etimológicamente que designa os nascidos na Polônia é: Polaco. E a repórter usa a palavra "polaca" com o sentido de prostituta e não de origem étnica. Pois a maioria da imprensa brasileira, automaticamente já se auto-censura e usa a palavra polonesa para origem étnica, com medo de represália de "poloneses" que se sentem discriminados quando são chamados de polacos. Estes "poloneses", pois, incorrem no mesmo preconceito que a comunidade judaica que sempre renegou estas prostitutas judias enterradas no cemitério de Inhaúma. Como se vê pela reportagem, os próprios judeus sempre preferiram ao longo do tempo esconder o assunto a enfrentá-lo. Já os "poloneses" exercem sua influência para coibir o uso de polaco. O desejo destes intencionalmente "poloneses" é de que a palavra seja extinguida do dicionário. Como será que eles vão conseguir fazer isso também nos demais países de língua portuguesa, agora que a CPLP-Comunidade dos Países de Língua Portuguesa conseguiu aprovar a Reforma Ortográfica e Gramatical que unirá a língua "português" em Portugal, Brasil, Angola, Timor Leste, Guiné-Bissau, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, além de línguas associadas como o galego.

3 - Alguns judeus, que repetem constantemente que a Polônia é anti-semita e omitem que seus ascendentes nasceram na Polônia, esquecem que por mais de 600 anos, a Polônia foi a única nação que os abrigou e serviu de berço. E esta "terra prometida" só lhes foi negada no século XX com a invasão nazista de Hitler a Polônia. Pois são estes mesmos judeus, que hoje estão numa corrida para obterem cidania e passaporte polaco… E isto só é possível justamente por terem a origem que sempre renegaram.

4 - A organização que prostituia as moças judaicas era a Zvi Migdal. Fundada em Varsóvia em 1904, tinha sede também em Buenos Aires. Eram judeus, os que controlavam este tráfico humano. Muitos judeus brasileiros se incomodam com a questão, porque todos os envolvidos professavam o judaísmo: traficantes e traficadas. Houve uma cisão entre os cafetões da Zvi Migdal (palavra polaca Migdal significa amêndoa) e passou a existir outra máfia, a Asquenasum, que reunia judeus russos e romenos; a Zvi Migdal continuou em mãos de judeus da Polônia. Nos Estados Unidos, os judeus da Zvi Migdal, fundiram-se com imigrantes italianos e criaram a máfia Norte-americana. No início do século XX, alguns segmentos na Europa manifestaram preocupação com esse tráfico de moças judias. Na "Conferência Internacional sobre o tráfico de mulheres e crianças", da Liga das Nações, em Genebra, em 1921, concluiu-se que, muitas dessas moças "não tinham sido enganadas" e que elas preferiam prostituir-se a levar uma vida de sacrifícios nas ocupações austríacas, russas e alemãs.

5 - Mas não é só no Rio de Janeiro, que existe cemitério de judia prostituta, também em Cubatão-SP e São Paulo-capital, eles foram construídos. Ao que parece, estes cemitérios só existiram porque a comunidade judia brasileira sempre renegou ajuda e proteção a essas infelizes moças exploradas pelos cafetões judeus.

Postal do começo do século XX

Cafetão judeu acerta o preço do mixê com a clientela
A foto foi publicada em matéria do jornal "O Estado de São Paulo" sobre o assunto, desconheço outra origem, mas provavelmente faça parte de algum arquivo.
Para saber mais a respeito do preconceito contra a palavra Polaco e a questão das judias "prostitutas" acesse meu artigo, na coluna ao lado, do dia 25 de julho de 2005.
Postar um comentário