domingo, 26 de agosto de 2007

Woczow era Złoczów e agora é Zolochiv

Respondendo email, enviado por um leitor do jornal "Gazeta do Povo", de Curitiba, que leu nota na coluna "Entrelinhas" sobre o blog Jarosiński do Brasil, aproveito para falar da cidade de Zolochiv, que sempre foi polaca e desde a segunda guerra mundial está no território criado por Stalin e os Aliados, para a atual Ucrânia:
- A pergunta foi onde se encontra atualmente a localidade que escrita na certidão de nascimento do ascendente, em latim, como Imperium Austriae, Regnum Galiciae, Districtus Woczow, Archidioccesis Leopoliensis, Parochia Jezierna.

A resposta é: Quanto a localidade deve haver alguma aliteração de palavra (esta maldita macaquice americanóide, que faz pessoas perguntarem se Ulisses é com W) deve ter mudado a silaba inicial de Złoczów (o L na verdade é uma letra polaca que tem som de U e aparenta ser um L cortado transversalmente - e o Ó com acento agudo também tem som de U) assim a pronuncia seria zuotchuf) desde o Woczow da certidão.
Bem... como o ancestral nasceu durante a ocupação (invasão) do império austro-húngaro nas terras do Sudeste da Polônia, na época denominada Galicia, a localidade de Złoczów, desde o fim da segunda guerra, por ordem do soviético Józef Stalin (georgiano de nascimento e marginal antes de entrar para o partido comunista), está no território da atual Ucrânia e próximo a cidade histórica polaca de Lwów (Lviv, para os ucranianos de hoje).
Atualmente a cidade pode ser encontrada no mapa com o nome de Zolochiv e esta situada 49°47´ - 49° 50´ Longitude Norte e 42°32´ - 42°37´ Latitude Leste. Ao Norte estão as localidades de Horodylow e Jelechowice, a Nordeste a localidade de Zazule, a Leste as localidades de Bieniow e Strutyn, ao Sul a localidade de Woroniaki e a Oeste as localidades de Jasieniowce e Chylczyce.
Em 1890, havia 866 casas e 10.113 residentes no distrito. Sendo 2.190 Católico Romano, 2826 Ortodoxo Grego, 5.086 judeus e 11 de outras religiões. 7.254 eram polacos, 2.633 rutenos (antigo povo ucraniano) e 199 alemães. Junto com as paróquias de Jezierna, faziam parte da Arquidiocese de Lwów, também Bialykamien, Gologory, Pomorzany, Sassow, Zborów e Olejów.

Estação de trem de Złoczów

Foi desta estação que os emigrantes polacos e rutenos embarcaram com destino aos navios que os levaram ao Brasil.

Para que não reste dúvida da descendência polaca e não de austríaco, ou ucraniano, basta saber que até 1838, a Igreja da Ressurreição de Złoczów foi católica apostólica romana, quando foi tomada pelos ortodoxos gregos. Esta igreja foi mandada construir, em 1604, por Marek Sobieski, na época governador da região de Lublin e avô do Rei Jan Sobieski III da Polônia. Foram os invasores austriacos que tiraram dos católicos a igreja para dar aos ortodoxos, os quais mudaram o nome para igreja de São Nicolau. Provavelmente esta igreja é a edificação mais antiga de Złoczów ainda de pé.
Atualmente o idioma oficial da cidade é ucraniano e com alfabeto cirílico, mas nos arquivos da igreja (que provavelmente se encontram na arquidiocese de Lviv), porque lá agora a igreja é ortodoxa, estão os documentos de familiares de brasileiros descendentes de polacos. Se não estiverem... Então devem estar no Arquivo Nacional da Polônia, em Varsóvia.
A cidade fica de carro umas 3 horas de Cracóvia, pois é só passar a fronteira em Przemyśl e mais uma meia hora se está lá. Brasileiro precisa ter uma carta-convite de alguém de lá para poder fazer o visto e entrar na Ucrânia.

Postar um comentário