segunda-feira, 31 de março de 2014

Maryla Rodowicz: Sucessora? Eu não tenho sucessora

Talvez a artista polaca mais famosa no Exterior. Maryla Rodowicz faz sucesso desde a década de 70, do século passado.
Quem não se lembra daquela rockeira da Polônia Comunista abrindo a Copa do Mundo da Alemanha de 1974?
Perfeita em todos os gêneros músicas, do folclore, ao jazz passando por baladas, rocks, até o hino nacional.
O portal na Internet do jornal Gazeta Wyborcza, de Varsóvia, destacou Angelika Swoboda,"fofoqueira" de plantão das celebridades, para conversar com essa mulher nascida em Zielona Góra, Polônia, com o nome de Maria Antonina Rodowicz, em 8 Dezembro de 1945.

Swoboda, antes de reproduzir a conversa que teve com a cantora, confessou que "Presumi que as pessoas diriam que Rodowicz tinha ficado maluca. Aquilo a estava deixando nua. Nessa idade ... E neste século! Sim, estou falando sobre o famoso Show de Reveillon de Maryla Rodowicz. Conversei com ela, entre outros assuntos, sobre o que é o show business de hoje, e o que isso significa para a mídia estúpida. Foi tudo bem, ela foi direta, engraçada. Você vai ver, você vai ficar impressionado, quando lhe perguntei antes da entrevista, como é a pessoa Maryla Rodowicz. Ela não exagerou. Em quase três horas de conversa (quando um quarto de uma hora já tinha passado) eu já estava insatisfeita. E sim, eu admito: Fiquei impressionada."

Maryla Rodowicz apresentou-se com esta fantasia no último Reveillon
Angelika Swoboda: A senhora no último concerto da véspera de Ano Novo, com aqueles  trajes...

Maryla Rodowicz: A senhora sabe, que eu tinha uma cirurgia de quadril agendada para 7 de janeiro e o Ano Novo, sabe quando é, não é mesmo? Eu estava cada vez pior, tinha que fazer o show, mas nenhum remédio era capaz de aliviar-me a dor. Compareci diante de Robert Smigielski, Chefe da Clínica Carolina. Ele disse que iria bloquear a minha dor, assim como faz com os atletas que precisam ocorrer, embora mais tarde, a cirurgia me esperasse. "Você sabe que não vais fugir da cirurgia", ele me alertou. Eu sabia, mas eu queria subir no palco e fazer um bom show. Aconselhei-me, apesar dos megacalcanhares, aquele traje louco...

Angelika Swoboda:E depois do show, vozes se levantaram: como você pode ter criado algo assim ...

Maryla Rodowicz: acho que a crítica de colegas de profissão não é legal. Não tente fazê-lo publicamente. Posso fazer em casa assistindo TV, mas não publicamente. Cada um decide como quiser. Esta é apenas uma profissão muito difícil. Eu tenho respeito por colegas do meio. Eu li um comentário feito por Joanna Horodyńska, que o que eu estava usando, não era moda. Arrehh, fiquei irritada! Como uma estilista que trabalha com moda pode avaliar uma criação de passarela? Isto aqui é um outro campo. No palco isto não acontece. É, antes, uma espécie de teatro, a criação de uma outra realidade associada à música.

Angelika SwobodaFoi um show difícil.

Maryla Rodowicz: Nem por isso, para mim foi muito divertido! Dorso de plástico, seios nus, barriga e seios nus com ornamentos anexados: Eu gostei quando a designer Ania Zeman mostrou-me este projeto, eu fiquei emocionada! A idéia era ficar nua e não ficar nua.

Estava ansiosa para saber a reação das pessoas. Eu assumi, é claro, que iriam dizer que Rodowicz estava louca. Que isso a deixou nua. Nessa idade ... E só quis dizer nesta idade! Como se essa fantasia fosse de uma garota gostosa, não houve nenhum uauuu. Estava magra, o plástico ficou maravilhoso, as penas deixaram-me mais magra ainda. Todos ficaram impressionados! Mesmo nos bastidores quando um dos principais assessores da Ania perguntou se Rodowicz tinha uma perna artificial (risos).
Para este concerto convidei muitos músicos, eu queria tocar. Tocamos músicas latinas, incomuns para mim. A chave do concerto foi "Carnaval no Rio". Trajes caros, taxas dos músicos, em suma, altos custos, mas o Ano Novo é uma vez por ano. A coisa toda foi bem orquestrada, mas ninguém escutou. Ninguém sabe o que eu cantava, porque todos só olhavam como eu tinha ficado. Todo mundo estava falando apenas sobre as penas.

Angelika Swoboda: Agora só importava como você se apresentava? Não importava o que você estava cantando?
Maryla Rodowicz: Tinha importância. Mas o fato da forma ser tão eficaz que  distraía o público do meu desempenho, que ninguém escreveu que o show foi bem orquestrado, bem arranjado. Contou apenas a fantasia. O fato de que eu tinha penas e estava nua.

Angelika Swoboda: Você tem arrependimentos desta performance?
Maryla Rodowicz: Eu sabia que isso iria acontecer, e isso que eu quis mostrar foi espetacular. Eu sabia que por um momento eu estou indo sob a ponta da faca e logo tivemos uma longa pausa. Só que eu não achava que as pessoas levariam tão a sério. Para mim, aquilo tudo foi só uma boa piada.

Angelika SwobodaQuantos shows você fez?
Maryla Rodowicz: Na vida? Mais de 6.000.

Angelika Swoboda: O que foi mudando?
Maryla Rodowicz: Com a idade, tornei-me mais e mais profissional. Quanto mais eu estou no mercado, maior é o sentimento de responsabilidade. Como quando eu comecei, eu pensava: suba no palco e tenha cuidado. Agora estou me preparando com muito mais cuidado, mais do público do que eu preciso. Além disso, faço o que posso, cada vez exijo mais de mim mesma. Não é suficiente que eu chegue lá e algo caia. Eu não sou uma debutante, que ainda recebe crédito, mesmo se cometer um erro. Eu não posso deixar de subir no palco.

Angelika Swoboda: E show business de hoje?
Maryla Rodowicz: Tudo mudou. Quando eu comecei, era um grande problema com o sistema de som. Hoje, a capacidade técnica é incomparável. Quando eu comecei, o artista estava engajado na estrada. Katowice, Wrocław, Poznań, etc. Tudo isso em duas semanas. Tocávamos em dois shows por dia - às 17 e  às 19 horas, em pequenos salões. Eram duas caixas acústicas Dynacord, de 100 watts cada uma, era alguma coisa. Agora são dezenas ou centenas de milhares de watts.
Bem, você não podia ter diretores de palco, artistas, tudo era muito duro: Visual, figurinos, dançarinos - tudo isto são custos, que muitas vezes não retornam. Eu lembro que eu fui com meu filho ao show do ACDC em Belgrado, há alguns anos. Quantos fogos de artifício havia! Voltei e eu disse ao meu empresário, " Bogdan, a partir de amanhã vamos tocar e cantar com pirotecnia." Bogdan encontrou uma empresa, nós tocamos uma turnê de verão inteira, houve uma série de efeitos, arrotava-se fogo, o chão queimava. Mas, como eu calculava um dia... Eu disse: "Bogdan não ganhamos quase nada." E ele disse: "Não, mas você  queria pirotecnia." E assim terminou a minha aventura com pirotecnia.

Angelika Swoboda: Doda está fazendo esses shows contigo. Você gosta da Doda?
Maryla Rodowicz: Nós nos conhecemos há quatro anos, antes de um concerto de Ano Novo conjunto em Łódź. Nós cantamos juntas as músicas, juntas escolhemos o repertório, as coreografias, as fantasias. Então, ela me visitou uma ou duas vezes para jantar ... Eu gosto da Doda.

Vou antecipar a sua pergunta sobre o conflito dela com Agnieszka Szulim. Nós não sabemos e provavelmente não saberemos o que aconteceu no banheiro. Mas eu me lembro de um programa no qual Szulim atirou do decote, o cartão de Doda, sobre o público. Pego, não pego, "sobre, você não é um fã." Foi cruel. Doda se machucou. Caiu no fundo do palco, levaram-na para o hospital. Você não pode zombar da miséria, da doença. Isso é ultrajante e deselegante. Não, mas sim a mídia vulgar... E esta é uma doença progressiva. No momento em que você pode sair por aí sem a menor cerimônia, pisando sobre cada um, isso é tão vulgar, tão abaixo da cintura.

Angelika Swoboda: Também invadiram a senhora com vulgaridades?
Maryla Rodowicz: Claro, eu não sou intocável. Isso me irrita, como selecionar fotos. Os portais mostram especialmente aquelas que são horríveis. Paparazzi? Não me incomoda. Eu entendo que o trabalho que eles têm em exposição na rua.

Angelika Swoboda: Provocações dão-lhe prazer? A senhora é escandalosa?
Maryla Rodowicz: Eu sempre gostei de provocação, mas no palco, na vida não. Eu me apresento no palco descalça, com uma coroa de flores, com um violão, não guitarra, encenado minhas canções, preparando cuidadosamente fantasias.

Angelika Swoboda: A senhora não acha que os artistas de hoje não têm mais sucessos?
Maryla Rodowicz: Eu sempre tive sorte com compositores e tive o que cantar. Mas o mercado de música parou,  está em baixa, estão caindo as vendas de CDs e as estações de rádio estão relutantes em tocar música polaca. E é assim que é.

Angelika Swoboda: A sorte agora está no YouTube.
Maryla Rodowicz: Há jovens artistas que estão se promovendo na Internet, e com bons resultados. Internet é poder.


Angelika Swoboda: A senhora percebe alguém como seu sucessor?
Maryla Rodowicz: Sucessor? Eu não tenho um sucessor. É preciso transpor sozinho esse caminho como eu faço há 40 anos ...

Angelika Swoboda: E um jovem artista do qual a senhora gosta?
Maryla Rodowicz: Sim , é claro. Muitos. Eu gosto de Dawid Podsiadło. Ele tem um timbre vocal interessante e repertório. Brodka, Mel Koteluk ... Eu também gosto de Lemon. Combinam muito bem.
Existem algumas bandas que tocam nas coxas. Um exemplo é Enej. Algumas vezes eu tive a infelicidade de tocar depois deles. Este é o único desafio. Eles só fazem a audiência girar. Não há isenção. Vão atrás deles em média 40 mil pessoas de público, o que é tarefa muito difícil. Quero dizer o que é que eu canto? "Niech żyje bal", "Wielka woda", "Łatwopalni"? De repente, e isso depois de um petardo. Meu repertório é bastante lírico, reflexivo, mas não há necessidade de se defender.

Angelika Swoboda: Como a senhora consegue?
Maryla Rodowicz: Eu tenho que arrancar coragem. Eu tenho grandes músicos e constantemente estamos fazendo novos arranjos dos meus hits. Ontem eu assisti com filho o concerto dos Stones do ano passado. Claro,  tocando os mesmos velhos sucessos. O público esperado. Eu assisto concertos de estrelas do mundo inteiro e procuro, como combinar repertórios. Existem algumas regras básicas. Você pode tocar algumas músicas novas, mas, em seguida, tem que tocas os sucessos.

Angelika Swoboda: Como lhe parecem os festivais? Opole, Sopot?
Maryla Rodowicz: Ser convidado para Sopot era uma coisa. Era um evento internacional, eles traziam artistas estrangeiros. Então, tudo fluiu de forma mais lenta, as pessoas têm mais tempo. Opole, por exemplo, fez tudo em uma semana, e já a partir de segunda-feira começaram as provas. Hoje, acontece que os artistas chegam ao palco no último minuto. Eles entram em cena e imediatamente após a saída do concerto eles partem para tocar em outra cidade. Isso faz com que aquela atmosfera de amizade escape, não ficamos mais juntos.

Angelika Swoboda: A hora e local da nossa conversa marcamos por SMS às duas da madrugada.  A senhora em geral dorme?
Maryla Rodowicz: Eu durmo, e muito. Por causa dos concertos tenho perturbado o ritmo do dia. Se vou dormir tarde, levanto-me tarde. As reuniões profissionais são definidas geralmente no período da tarde. Não há opção, levantei-me às sete. Tenho aulas se reabilitação depois das 12, e depois são mais  duas horas de sufoco. Na academia... Eu tenho que assumir uma forma olímpica. Eu tenho um monte de concertos ao ar livre que exigem uma grande quantidade de energia.

Angelika Swoboda: Imagina sua vida sem um palco?
Maryla Rodowicz: Já tinha previsto meu concerto de despedida no Grande Teatro de Varsóvia. Seria no dia 9 de dezembro do ano passado. Tudo foi por água abaixo por questões financeiras. Eu queria tocar as músicas com a Orquestra da Rádio e Televisão Polaca, os custos de transmissão foram superados. A senhora vê, eu não posso nem dizer adeus (risos).
Dei meus arquivos para a Biblioteca Nacional. Textos, notas, cadernos, CDs, fotos. O Diretor da Biblioteca, o Sr. Makowski, planeja este ano uma exposição de minhas fantasias. Em novembro do ano passado, foi publicada minha biografia "Wariatka tańczy" (Dança louca) e consegui liberar a minha antologia - um total de 20 discos desde o início da minha carreira. Em breve será lançada no álbum "Maryla", e as entrevistas com as pessoas com quem eu trabalhei, com músicos, autores, estilistas, fãns. Para essa massa de fotos, fragmentos de entrevistas...

Angelika Swoboda: Este é o  álbum despedida? Afinal de contas, a senhora não tem sucessor ...
-Maryla Rodowicz: Bem, mas os Rolling Stones para se despedir já levam sete anos. Eles fizeram uma turnê de despedida este ano e provavelmente vai fazer no próximo ano. Meu filho Jędrek me prepara grandes shows e para começar é preciso ter um bom equipamento. Preparo-me para a temporada e penso sobre o álbum.

Trecho do show de Reveillon do ano passado:

Postar um comentário