quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Russos querem erguer monumento militar em Cracóvia

Soldados polacos vencedores da Batalha do rio Niemen, de 20 de setembro a 3 de outubro de 1920
"A Sociedade Russa da História Militar continuará a envidar esforços para a construção do monumento aos prisioneiros de guerra bolcheviques, em Cracóvia, entre 1919-1921", disse, esta semana, o ministro da Cultura da Rússia, Vladimir Medinski.


Mais cedo, o chefe do Ministério das Relações Exteriores da Polônia, Grzegorz Schetyna, descreveu a ideia de construir tal monumento como uma "clara provocação" à Polônia.
Quando a imprensa russa noticiou à respeito, na semana passada, prontamente, o prefeito de Cracóvia Jacek Majchrowski criticou o plano de se construir o monumento na cidade.
Medinski, que também é presidente da Sociedade Russa de História Militar (russo. RWIO), criticou a reação das autoridades polacas. "É um grande exemplo do velho provérbio russo "na złodzieju czapka gore", que diz que "sangue no quepe do ladrão" - disse em um discurso na televisão estatal russa Canal 1. 

"Os russos continuarão a levantar dinheiro"
Vladimir Medinski

Medinski disse que se "as autoridades polacas estudarem os documentos com cuidado, terão que admitir que os belos princípios de conduta cavalheiresca da guerra naqueles anos foram quebrados - para dizer o mínimo - pela Polônia. Prova disso são dezenas de milhares de Exército Vermelho que morreram em condições desumanas nos campos polacos de prisioneiros de guerra.", frisou.
O ministro também anunciou que a Rússia irá "continuar a iniciativa de angariação de fundos.  Também vamos pedir as autoridades polacas que ajudem a construir um monumento para nossas vítimas como um aviso para os políticos e as crianças", disse ele.
Para acrescentar disse que "Katyń matou quatro mil polacos e Dezenas de milhares de russos".
Na terça-feira, o Canal 1 da Rússia - Canal 1 e o jornal, "Komsomolskaya Pravda", anunciaram o início da arrecadação de dinheiro para construir um monumento aos prisioneiros de guerra russo-polaca de 1919-1921.
O Monumento seria erigido no Cemitério de Rakowice, em Cracóvia. O "Komsomolskaya Pravda" citou um representante da Sociedade da História Militar Russa, Yuri Nikiforov, que disse que na Polônia, caso os prisioneiros de guerra de 1919-1921 eram bolcheviques, isso significa que a Polônia era "altamente politizada".
Ele também alegou que a Polônia diminui o número de vítimas russas. Nikiforov comparou o caso do Exército Vermelho caído na Polônia, ao massacre de Katyń, dizendo que se "em Katyń foram mortos 4.000 cidadãos polacos,  na Polônia, morreram dezenas de milhares de russos".

Reação Polaca
Grzegorz Schetyna
O Ministro das Relações Exteriores Grzegorz Schetyna disse do Parlamento em Varsóvia, que avaliou a publicação do "Komsomolskaya Pravda" como uma "clara provocação".
O Ministério das Relações Exteriores também publicou documentos dos prisioneiros de guerra soviéticos na Polônia nos anos 1919-1921, a partir dos arquivos do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, em Genebra.
Esses documentos mostram claramente que na Polônia não houve extermínio deliberado de prisioneiros do Exército Vermelho. "Os documentos apresentados contêm informações confirmando os achados de historiadores falando sobre a alta taxa de mortalidade devido à difícil situação econômica do Estado polaco e as epidemias vigentes. Assim, os documentos divulgados são mais uma prova da falsidade das alegações formuladas pelo extermínio deliberado de prisioneiros de guerra soviéticos", disse o Ministro Schetyna.
A defesa de Varsóvia em 1920
Os pesquisadores polacos lembraram que a questão dos prisioneiros de guerra soviéticos na Polônia atraiu o interesse tanto da Cruz Vermelha e da Liga do Comitê Unidas sobre Epidemiologia. Representantes destas instituições visitaram os campos onde foram detidos os bolcheviques descritos em relatórios prevalecentes nestas condições e os problemas que enfrentaram com as autoridades polacas.
O prefeito de Cracóvia, Jacek Majchrowski por sua vez, disse que o Cemitério Rakowice não é o melhor lugar para este tipo de iniciativa. Majchrowski, comentando sobre a ideia do monumento declarou: Temos que lidar com os invasores. Nós não vemos nenhuma razão para colocar monumentos para eles. Assim como nós não adoramos estátuas invadindo Wehrmacht, assim como não fazemos estátuas de culto de invasores bolcheviques.

Na Polônia, havia cerca de 80 a 85 mil prisioneiros bolcheviques.
A RWIO tem a tarefa de estudar e promover a história militar da Rússia, bem como cuidar dos monumentos associados. Foi criada em março de 2013, nos termos da licença emitida em dezembro de 2012, através de decreto do presidente Vladimir Putin.
A intenção do Kremlin, é dar continuidade Militar Historical Society, do czar russo, que existia nos anos 1907-1914. Como resultado da guerra polaco-bolchevique nos anos 1919-1921 foram feitos cativos soldados que lutaram em ambos os lados da frente.
Os investigadores estimam que, no momento da cessação da hostilidade (no final de 1920), na Polônia eram cerca de 80 a 85 mil prisioneiros bolcheviques.
A maioria deles pode ser encontrada depois da Batalha de Varsóvia em agosto de 1920. Em contrapartida, o número de soldados polacos apreendidos pelos soviéticos é estimada em aproximadamente 60.000 pessoas.
Ambos os lados procuraram trocar prisioneiros. Além do acordo de 6 de setembro de 1920, Em fevereiro de 1921, que concluiu um acordo para o repatriamento dos reféns, os presos e repatriados, em outubro de 1921, como resultado dos acordos,  a maioria dos soldados soviéticos foram liberados de campos de prisioneiros e enviados para a Rússia.

P.S. Mas este ministro russo e essa sociedade histórica são hilários, para dizer o mínimo. Esses russos não se emendam mesmo. Depois de levarem uma surra dos polacos em 1612 e quase desaparecerem do mapa, vingaram-se matando, trucidando, decapitando, roubando, seviciando e estuprando a Polônia de 1793 a 1918.
Os súditos dos Romanof, daqueles 127 anos, foram derrotados pela revolução dos bolcheviques de 1917.
Mas estes, talvez saudosos das atrocidades dos Romanof, resolveram invadir novamente a Polônia em 1919, com o objetivo único de exterminar da face da terra os polacos.
Deram-se mal. Apesar de contarem com um exército maior e mais poderoso, foram obrigados a voltar com os rabos entre as pernas para Moscou.
E agora esse ministro idiota, lacaio do abjeto Putin, vem com essa conversinha...
que monumento que nada, seu imbecil provocador!!!!
Postar um comentário