terça-feira, 7 de julho de 2015

A culpa da crise grega é militarismo

Texto: Finian Cunningham
Strategic Culture Foundation



Se a história do militarismo na Grécia tiver algo a ensinar, uma crise da dívida ao estilo grego aguarda os países bálticos, a Polônia e a Escandinávia.

Uma consequência importante do conflito na Ucrânia e do crescente clima de confronto entre o Ocidente e a Rússia é o aumento dramático dos gastos militares em vários países europeus.

A militarização sem precedentes de muitas economias da Europa é o prenúncio de um futuro desastroso e dívidas impagáveis, à moda grega, para esses países. Em maior risco de uma ressaca por excesso de gastos militares nos próximos anos estão os Estados bálticos, a Polônia e os países escandinavos.

Este cenário pode de fato explicar por que Washington e seus aliados mais próximos da OTAN embarcaram no que parece ser um confronto geopolítico imprudente com a Rússia.
A tensão alimentada – principalmente por Washington – pela suposta ameaça russa leva, por sua vez, à lucrativa venda de armas ao Pentágono e seu complexo militar-industrial.

O Secretário Geral da OTAN Jens Stoltenberg garantiu recentemente que a aliança militar liderada pelos Estados Unidos "não seria arrastada para uma corrida armamentista com a Rússia". Mas é exatamente o que parece estar em curso, pelo menos entre os membros ou parceiros da OTAN do Leste europeu e da Escandinávia.

A agenda de confronto – articulada com particular veemência por Washington – não é tanto para instigar uma guerra total entre a OTAN e a Rússia.
O ex-embaixador americano na Rússia Michael McFaul afirmou na semana passada que "só um tolo invadiria a Rússia". Esta afirmação pode dar a medida exata dos cálculos de Washington.
Apesar da atual postura militar agressiva liderada pelos Estados Unidos contra a Rússia, o objetivo real pode não ser, na verdade, uma guerra com Moscou, mas a criação de um clima de medo e insegurança em relação a uma suposta ameaça russa para impulsionar os gastos militares dos membros da OTAN já mencionados.
Em seu último relatório sobre gastos militares na Europa, o Stockholm International Peace Research Institute (SIPRI) observa: "A crise política e militar na Ucrânia levou a uma importante reavaliação das percepções de ameaças e das estratégias militares em grande parte da Europa. O aumento da percepção de ameaça elevou os gastos militares na Europa, levando à renovação por membros da OTAN do compromisso em destinar pelo menos 2% do seu PIB a este setor".

Entre os crescentes orçamentos militares para 2015, em comparação com o ano anterior, estão: República Tcheca (3,7%), Estônia (7,3%), Letônia (15%), Lituânia (50%), Noruega (5,6%), Polônia (20%), Romênia (4,9%), Eslováquia (7%), e Suécia, que não é membro da OTAN (5,3%).

Sintomaticamente, a maioria dos membros da OTAN da Europa ocidental está reduzindo ou congelando suas despesas militares. É o caso da Grã-Bretanha, França, Alemanha, Itália, Portugal, Dinamarca e Espanha.

Entre os que aumentaram seus gastos militares, a Polônia tem a maior despesa, de cerca 35 bilhões de dólares até 2022.
Em comparação, os Estados bálticos da Lituânia, Letônia e Estônia têm gastos muito menores em termos absolutos. Mas o que importa aqui é o gasto em relação a economias bem menores.

Como nota o relatório do SIPRI: "Em médio e longo prazo, o aumento de 80% ou mais em gastos militares, exigido por alguns Estados membros para atingir a meta de 2%, não tem precedentes entre os membros da OTAN em tempos de paz. Desde o fim da Guerra da Coreia (1950-1953), a tendência dos orçamentos militares de quase todos os membros da OTAN, em termos de percentagem do PIB, tem sido de baixa ou estável, mesmo nos períodos de maior tensão com a União Soviética”.

Os Estados Unidos, o maior exportador mundial de armas, tem muito a ganhar com o crescimento dos orçamentos e a ampliação do mercado europeu, através da venda de sistemas de mísseis, tanques, navios de guerra e aviões de combate. O bônus adicional para o FMI (dominado por Washington) é que, se o aumento das despesas militares levar ao endividamento destes países, sua futura fragilidade econômica permitirá a expropriação destas economias através de políticas de austeridade em benefício do capital financeiro global. O processo não é muito diferente do que ocorreu com a Grécia.

No dilúvio de reportagens da mídia ocidental sobre a crise da dívida grega, um aspecto fundamental continua estranhamente escondido: o fato de que grande parte do peso da dívida da Grécia, de 320 bilhões de dólares, é resultado de décadas de militarismo exorbitante. Algumas estimativas atribuem quase metade do total da dívida – mais de 150 bilhões de dólares – a gastos militares.

Antes do início da atual crise da dívida, em 2010, a Grécia alocava cerca de 7% do seu PIB em despesas militares, enquanto muitos outros países europeus destinavam ao setor cerca de 2% do PIB.
Mesmo agora, cinco anos após o colapso econômico, a Grécia ainda é o país com maior gasto militar na União Europeia – com 2.2% do PIB. Dos 28 membros da aliança militar da OTAN, a Grécia é o país com maior gasto proporcionalmente, depois apenas dos Estados Unidos, que destinam cerca de 3,8% do PIB às despesas militares.

O governo grego de Alexis Tsipras e os credores institucionais entre a União Europeia, Banco Central Europeu e do FMI têm cuidadosamente ignorado uma opção óbvia para ajudar a equilibrar as contas da Grécia: um corte importante no investimento militar.

Se a Grécia reduzisse seu gasto militar pela metade, para cerca de 1% do PIB, mesma fatia destinada ao setor pela Itália, Bélgica, Espanha ou Alemanha, haveria uma economia de dois bilhões de dólares, o que atenderia às demandas imediatas do FMI e poderia atenuar as drásticas medidas de austeridade exigida pela Troika.

Mas há um bom motivo para que a Troika venha ignorando essa opção. A extravagância militar da Grécia dos últimos anos tem sido uma mina de ouro para a indústria de armas alemã, francesa e americana. Dos 150 bilhões de dólares em despesa militar da Grécia até 2010, 25% foram para a Alemanha, 13% para a França e 42% para os EUA, de acordo com dados do SIPRI.

Não é por acaso que os maiores credores institucionais da Grécia são os governos alemão e francês – aos dois juntos, a Grécia deve 100 bilhões de dólares. Grande parte do capital emprestado por estes países foi, em seguida, aplicado na compra de armas alemãs e francesas, como tanques Leopard e caças Mirage, além de F-16 americanos.

Em entrevista ao The Guardian, em abril de 2012, o parlamentar grego Dimitris Papadimoulis acusou Berlim e Paris de hipocrisia: "Bem depois do início da crise econômica (em 2010), Alemanha e França tentavam selar acordos lucrativos de vendas de armas enquanto nos pressionavam a fazer severos cortes em áreas como a saúde”.

Assim, Berlim e Paris inflacionavam intencionalmente a dívida da Grécia, um grande mercado para suas indústrias de defesa. Essa roda financeira também girava com a força da corrupção.
Em outubro de 2013, Akis Tsochatsopoulous, ex-ministro da defesa da Grécia no governo PASOK, foi condenado a 20 anos de prisão por participação em um caso de suborno de 75 milhões de dólares envolvendo dezenas de outros membros do governo.
A empresa alemã Ferrostaal também foi obrigada a pagar 150 milhões de dólares por seu papel no caso de contrabando de armas que, entre outras coisas, garantiu a venda de quatro submarinos da Class 214 para a Grécia, por cerca três bilhões de dólares.

O conveniente bicho-papão no cenário grego foi a Turquia, que invadiu o Chipre em 1975, e era retratada como uma ameaça permanente à segurança da Grécia. Washington, Berlim e Paris, junto com políticos corruptos em Atenas, davam ênfase à ameaça turca para pôr em marcha a máquina de empréstimos e compras militares. O triste fim desta história é a crise da dívida grega, que se desdobrou no estupro econômico do país, liderado pelo FMI e os poderosos da União Europeia, principalmente Berlim e Paris.

Outra ironia nesta tragédia grega moderna é que a alegada ameaça, tão enfatizada por Washington e seus aliados europeus, que levou à intensa militarização da Grécia, era um aliado da OTAN, a Turquia. O que será que aconteceu com o Artigo 5 do Tratado da OTAN, sobre segurança coletiva, durante todos esses anos de insegurança?

Como é fácil, então, para Washington e seus aliados da OTAN, apresentar a Rússia com os mesmos velhos estereótipos da Guerra Fria, como uma ameaça de segurança para a Europa Oriental e Escandinávia!

A julgar pelo aumento dos gastos militares por países da Europa do Leste e da Escandinávia, a estratégia está funcionando. O complexo industrial-militar dos EUA e seus homólogos alemães, franceses e britânicos têm bilhões de dólares a lucrar nos próximos anos com os menores membros da OTAN, que estão tola e convenientemente apavorados com o "fantasma russo".

Se a história do militarismo na Grécia tiver algo a ensinar, uma crise da dívida ao estilo grego aguarda os países bálticos, a Polônia e a Escandinávia.

Proteção da OTAN? O mais correto seria chamar de armação da OTAN.

Tradução de Clarisse Meireles
Postar um comentário